Números irrelevantes:

O Palácio da Alvorada dispõe de 1.800 metros quadrados de revestimentos de madeira.

Números relevantes:

Há atualmente 206 reatores nucleares em construção, contratados ou planejados no mundo, quase a metade do total dos 441 já existentes e construídos nos últimos 60 anos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − seis =

3 Comentários

Kitty em 30 de maio de 2011

Alemanha anuncia fim da energía nuclear no país até 2020. País quer ser primeira potência em razão do desastre ocorrido no Japão. Uma opinião de um Prêmio Nobel de Literatura de 1994, KENZABURO OE "Insistir com as centrais nucleares é traiçoar às vítimas de Hiroshima"

Kitty em 30 de maio de 2011

Caro Ricardo, Por gentileza, corrigir data de Chernobyl:26/04/1986 obrigada.

Kitty em 30 de maio de 2011

Caro Ricardo, boa noite!! Desde a Revolução Industrial, com a invenção das máquinas de vapor, originando as primeiras fábricas, foi o pontapé inicial de variadas transformações socioculturais e econômicas. Após o vapor, outra fonte de energia passou a ser ,o carvão mineral. Mas o carvão era altamente poluente, embora que naquela época ninguém se importasse. Na Segunda Revolução, foram criados os motores elétricos que funcionavam a partir da eletricidade e os motores de explosão, basicamente a partir do petróleo, como a gasolina. Além do uso doméstico e nas fábricas, estes combustíveis aceleraram o desenvolvimento dos transportes. Mas , o petróleo e derivados são altamente poluentes, criando problemas ambientais como poluição do ar. Paralelamente, o homem sempre se interessou em buscar fontes de energia alternativas tais como a energia solar, a eólica e o hidrogênio, e outras. Embora que já estão sendo usadas em vários lugares do mundo, ainda é insuficiente para satisfazer a grande demanda de energia para que as fábricas do mundo possam produzir a full. Qualquer país, que pense grande para o seu desenvolvimento, passa pela energia: sem ela não há progresso. Após todo este preâmbulo, finalmente as vedetes do comentário: as usinas nucleares. Sempre que se fala nelas surge à polêmica. O anúncio da retomada da construção da usina nuclear de Angra 3 reacendeu, no Brasil, a polêmica sobre energia nuclear e seus usos. A controvérsia não é exclusivamente brasileira. O mundo inteiro discute o assunto, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, onde está concentrada a maior parte das usinas. As usinas de energia nuclear surgiram após a Segunda Guerra Mundial. A procura pela bomba atômica só fez acelerar as pesquisas sobre esta nova energia. Do Radio X até as usinas nucleares, a questão da energia atômica sempre levantou fortes controvérsias. A final, com energia atômica se matou cerca de 250 mil japoneses em Hiroshima e Nagasaki. Para os defensores delas, dizem que também salvou muitas vidas com a medicina nuclear---radioterapia contra o câncer, entre outras aplicações. O boom das usinas aconteceu até o final dos anos 70. Nos anos 80, houve uma estagnação pelo peso do fantasma do acidente de Chernobyl em 1860, na Ucrânia---na cidade de Kiev; em este acidente nuclear ,que assombrou o mundo, morreram 31 pessoas e as estimativas dizem que outra 8 mil morreram em conseqüência das doenças provocadas pela irradiação. Não obstante isso, os defensores que se preocupam com o aquecimento global sustentam que elas são praticamente limpas de qualquer emissão de gás poluente como o CO2 o ou metano; outro ponto a favor é que o mundo tem um enorme estoque de urânio que pode ser usado para esses fins. Seus argumentos são firmes, porque nós sabemos que as outras fontes, sejam os recursos hídricos das hidrelétricas ou combustíveis fósseis( carvão e petróleo) não são inesgotáveis. E os detratores alegam que o perigo é o vazamento e mais necessidade de monitoramento; não há ainda uma solução definitiva para os resíduos nucleares; os investimentos são altos e nem sempre com retorno eficiente ; e outro ponto para se ter em conta, é que as usinas devem ser construídas próximo a praias e rios, o que é prejudicial e perigoso para o meio ambiente. Ricardo , estas são apenas um conjunto de idéias. O tema e bem mais amplo!!! O que está escrito em NÚMEROS não da para entender qual seria o comentário que vc. esperava que eu dissesse. Bom, está aqui. Um abraço Caro Ricardo, boa noite!! Desde a Revolução Industrial, com a invenção das máquinas de vapor, originando as primeiras fábricas, foi o pontapé inicial de variadas transformações socioculturais e econômicas. Após o vapor, outra fonte de energia passou a ser ,o carvão mineral. Mas o carvão era altamente poluente, embora que naquela época ninguém se importasse. Na Segunda Revolução, foram criados os motores elétricos que funcionavam a partir da eletricidade e os motores de explosão, basicamente a partir do petróleo, como a gasolina. Além do uso doméstico e nas fábricas, estes combustíveis aceleraram o desenvolvimento dos transportes. Mas , o petróleo e derivados são altamente poluentes, criando problemas ambientais como poluição do ar. Paralelamente, o homem sempre se interessou em buscar fontes de energia alternativas tais como a energia solar, a eólica e o hidrogênio,entre outras. Embora que já estão sendo usadas em vários lugares do mundo, ainda é insuficiente para satisfazer a grande demanda de energia para que as fábricas do mundo possam produzir a full. Qualquer país, que pense grande para o seu desenvolvimento, passa pela energia: sem ela não há progresso. Após todo este preâmbulo, finalmente as vedetes do comentário: as usinas nucleares. Sempre que se fala nelas surge à polêmica. O anúncio da retomada da construção da usina nuclear de Angra 3 reacendeu, no Brasil, a polêmica sobre energia nuclear e seus usos. A controvérsia não é exclusivamente brasileira. O mundo inteiro discute o assunto, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, onde está concentrada a maior parte das usinas. As usinas de energia nuclear surgiram após a Segunda Guerra Mundial. A procura pela bomba atômica só fez acelerar as pesquisas sobre esta nova energia. Do Radio X até as usinas nucleares, a questão da energia atômica sempre levantou fortes controvérsias. A final, com energia atômica se matou cerca de 250 mil japoneses em Hiroshima e Nagasaki. Para os defensores delas, dizem que também salvou muitas vidas com a medicina nuclear---radioterapia contra o câncer, entre outras aplicações. O boom das usinas aconteceu até o final dos anos 70. Nos anos 80, houve uma estagnação pelo peso do fantasma do acidente de Chernobyl em 1860, na Ucrânia---na cidade de Kiev--- em este acidente nuclear ,que assombrou o mundo, morreram 31 pessoas e as estimativas dizem que outra 8 mil morreram em conseqüência das doenças provocadas pela irradiação. Não obstante isso, os defensores que se preocupam com o aquecimento global sustentam que elas são praticamente limpas de qualquer emissão de gás poluente como o CO2 o ou metano; outro ponto a favor é que o mundo tem um enorme estoque de urânio que pode ser usado para esses fins. Seus argumentos são firmes, porque nós sabemos que as outras fontes, sejam os recursos hídricos das hidrelétricas ou combustíveis fósseis( carvão e petróleo) não são inesgotáveis. E os detratores alegam que o perigo é o vazamento e mais necessidade de monitoramento; não há ainda uma solução definitiva para os resíduos nucleares; os investimentos são altos e nem sempre com retorno eficiente ; e outro ponto para se ter em conta, é que as usinas devem ser construídas próximo a praias e rios, o que é prejudicial e perigoso para o meio ambiente. Ricardo , estas são apenas um conjunto de idéias. O tema e bem mais amplo!!! O que está escrito em NÚMEROS não da para entender qual seria o comentário que vc. esperava que eu dissesse. Bom, está aqui. Um abraço

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI