Recente reunião em São Paulo do Conselho Estadual para a Diminuição dos Acidentes de Trânsito e Transportes  (Cedatt) deixou participantes estarrecidos com a informação de que nada menos do que 30% das mortes de caminhoneiros nas estradas paulistas — a melhor malha viária do Brasil — são causadas pela falsificação dos “arrebites”, aquela droga estimulante, de comercialização ilegal, que muitos profissionais tomam para manter-se acordados.

Caminhoneiros desavisados compram as falsificações — que em parte vêm do Paraguai, em parte são fabricadas no Brasil mesmo — imaginando que ficarão acordados durante horas, mas acabam dormindo ao volante.

Apesar do horror que é alguém ganhar dinheiro causando indiretamente a morte de pessoas, o caso dos “arrebites” não é novidade num país, como o nosso, em que até remédios para combater o câncer já foram falsificados.

A ingestão de estimulantes por caminhoneiros faz parte do pacote de problemas desses profissionais, cuja atividade é de difícil regulamentação e fiscalização: grande parte deles são obrigados a cumprir prazos inverossímeis para a entrega de cargas, outros são privados de direitos trabalhistas, quando não proprietários dos caminhões, muitos são vítimas de assaltos por quadrilhas fortemente organizadas e armadas — e por aí vai.

Os caminhoneiros merecem mais atenção do poder público. Sem eles, o país não anda.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × dois =

2 Comentários

djelhes em 02 de abril de 2014

o caminhoneiro tem um pouco de culpa sim em tomar anfetaminas estimulantes q os deixem acordados ou tentam isso mas, a maior culpa é dos donos de frota e de transportadoras (patrão) q os obrigão a dirigir dias e noites para chegar no destino previsto no horario determinado por eles, por isso nós motoristas somos vitimas de trabalho escravo nesse país, agente quer para,dormir mas nao pode pq somos obrigados a dirigir

milton em 07 de abril de 2013

Caro Ricardo, isso é uma realidade cada vez mais comum. os caminhoneiros estão á mercer desses falsificadores pois eles não tem como recorrer á nenhum órgão para inibir tal prática já que, o uso de arrebites é considerado ilegal.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI