Oposição no Senado terá chance de mostrar a que veio, questionando Mantega sobre golpe de força do governo contra a Vale

Mantega: convidado pelo Senado para a explicar o afastamento de Roger Agnelli do comando da Vale

Era o mínimo de atitude que o Senado deveria adotar, e hoje acabou adotando.

Por unanimidade, a Comissão de Assuntos Econômicos aprovou requerimento “convidando” – é esta a palavra, porque no caso o Senado não pode ir além disso – o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para participar de uma audiência pública em que se vai discutir a substituição do executivo Roger Agnelli no comando da mineradora (e multiempresa) Vale.

A Vale, tratada como estatal submissa. E Agnelli, punido por ser competente

Embora privatizada há 14 anos, a Vale, como se sabe, foi tratada como estatal submissa e objeto de um golpe de força de parte do governo para afastar o mais que bem sucedido Agnelli de seu comando. Sem maiores sutilezas, agindo por meio dos fundos de pensão de funcionários de estatais que são acionistas da empresa e pressionando às escâncaras o Bradesco, outro grande acionista, o executivo está sendo afastado por ação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, com o OK da presidente Dilma.

Dilma, por sua vez, atendeu a pressões de seu antecessor, que implicava desde 2008 com Agnelli – aparentemente, como diz Augusto Nunes, pela grave, gravíssima característica de ser competente e ter levado a empresa a lucros e prestígio internacional jamais alcançados.

A ação anti-Agnelli ao que parece está deixando livre o terreno para que outros setores do governo palpitem à vontade sobre a empresa, como o fez o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. Ex-jornalista medíocre que vive da política há várias décadas, e ainda assim tornou-se milionário, Lobão entende tanto de minas, energia e empresas mega como a Vale quanto eu entendo de física quântica. Mesmo assim, houve por bem meter o bedelho nos assuntos da a Vale , que segundo ele “precisa contribuir mais fortemente com os interesses do país” – como se ela já não o fizesse, na qualidade de maior empresa privada do país, um símbolo de excelência e uma gigantesca pagadora de impostos.

Chance de apertar o ministro

Ferreira, substituto de Agnelli, trabalhou 30 anos na Vale

Felizmente o substituto de Agnelli, Murilo Pinto Ferreira, tem cacife, tendo trabalhado por 30 anos, até 2010, na própria Vale, pela qual atuou no Canadá e na China e de que foi diretor-executivo entre 2005 e 2008, além de, diferentemente do ministro paraquedista, acumular grande experiência em setores em que a empresa atua, como energia, siderurgia, carvão e alumínio.

De todo modo, aguardemos as explicações de Mantega ao Senado, na audiência que ainda não tem data marcada.

Será um bom momento para a oposição no Senado mostrar que é oposição e apertar o ministro sobre o golpe de força contra uma companhia privada, que abre um grave precedente no cenário empresarial do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 11 =

Nenhum comentário

  • Juju

    ora ora, Setti…e não é que a dita PresidentA está finalmente botando as manguinhas de fora? É uma coisa impressionante a ânsia que o PT tem de “enfiar a mão” em tudo o que é privado e, principalmente, em tudo o que está dando certo…para estragar, é claro, pois o governo morre de inveja de exemplos de competência, como o caso do Agnelli…ele gosta de tudo público, estatizado, para que eles possam arranjar mais uma fonte “extra” de renda…a ganância desse povo que se locupleta ilicitamente com o dinheiro público só perde para a cara-de-pau…Essa Dilma, como disse o próprio Augusto, é apenas alguém despreparada, cercada por um bando de incompetentes e usurpadores de dinheiro público…que vai levar um “tombo” logo logo se a inflação continuar subindo astronomicamente, como está atualmente…

  • Dex

    Pois é. Outra oportunidade de ficar calado que Aécio agarrou com unhas e dentes!

  • Edilson

    Concordo plenamente com o ministro Mantega em precionar a Vale a investir mais no Brasil, afinal ela poderia beneficiar aqui no Brasil o minerio que é exportado de forma bruta este mesmo minerio retorna ao nosso pais de forma beneficiada custando muito! muito mais…

  • Luiz Carlos

    Você deve estar certo sobre isso, Setti…afinal de contas, ninguém entende mais de golpe que seu patrão, o Civita….ele aplicou tudo que sabia em 31 de março de 64, não foi?

    Vá reler os livros de história, você não tem ideia do que está dizendo. VEJA foi um raro baluarte na grande imprensa em defesa da democracia durante todo o período da ditadura, foi apreendida, sofreu censura, revelou o sequestro dos uruguaios que era a ponta solta da Operação Condor, fez estourar o caso Riocentro, mostrou casos de corrupção envolvendo gente do governo militar etc etc. Você não tem ideia do que está dizendo, meu caro.

  • catson aruak

    Vou esperar ansiosamente, até sem dormir, só tomando anfetaminas, para ver os contundentes discursos da oposição. Talvez até derrubem o governo.

  • Osmar

    Começou a sujeira do PT… O cofre do partido deve estar vazio! ahhhh, estava me esquencedo! A conta bancária dos companheiros, também, né?

  • Vera Scheidemann

    Espero que o Mantega realmente vá e que
    os senadores formulem perguntas pertinentes.
    Vera

  • Osmar

    Saudades da era FHC quando se preocupava, unicamente, em colocar pessoas eficientes no comando dos órgãos do governo, além do mais, a privatização da Vale é tão estrondozamente um sucesso que, o PT tem raiva e ódio dessa empresa, pois ela é o símbolo que foi o sucesso das privatizações pelo Brasil… Agora, no mínimo é duvidoso o fato de colocar no combando da Vale um amigo da Dilma e do PT… Acionistas fiquem de olho, lembrem-se de que o PT adoro colocar um “companheiro” em cada órgão em que são rentáveis aos seus olhos… Quando bem quiser o PT faz do Brasil uma Ditadura, pois o cerco está se fechando, ou seja, está tudo ficando nas mãos do PT, está tudo sendo dominado… A sensação que tenho como brasileiro é a de que o Brasil não tem oposição, não tem brasileiros que se revoltem contra isso, mas tenho “esperança”.

  • Dawran Numida

    Pela fala do ministro, colocada no post, uma maneira ótima de “contribuir com os interesses do País”, é o governo não meter o bedelho em empresa privada.

  • simone

    A VENEZUELA É AQUI.

  • Dawran Numida

    Edilson-05/04/2011 às 17:13. Oras, esse argumento não convence. Então, a Petrobras não poderia exportar petróleo e importar lubrificantes? Ou o petróleo que não consegue processar e exporta, para importar petróleo que as refinarias possam operar? Então, por que a Petrobras não é obrigada a investir em estaleiros, para agregar valor ao transporte de petróleo, em navios produzidos no Brasil?

  • Indi

    Uma pena, uma pena, este país cansa quem trabalha e produz honestamente.

  • lucia

    só por curiosidade, qual oposição??????

  • Salvador V. Conceição

    A destituição do Roger Agnelli da presidêcia da Vale é a demonstração exuberante daquilo que é o apanágio deste desgoverno e do anterior, isto é, a mediocridade e mesquinharia. No Brasil, de governo mediocre e mesquinho, prevalece a incompetência e pune a meritocracia, o que não é novidade, porque nenhum outro governo teria a quantidade de ministros (38). É a demonstração da incompetência,
    que é típica e própria do PT.

  • jose aparicio correa

    Era preciso trocar oa vale estava criando empregos na china e só vendendo matéria prima a baixo valor enquanto os chineses fabricavam as coisas e depois vendiam para o mundo todo essa competencia toda se deve ao aumento de preços do minério de ferro é só pequisar quanto subiu de preço nos ultimos 10anos

  • Paulo Bento Bandarra

    Precedente corriqueiro no nazi-fascismo. Aqueles regimes de partido dos trabalhadores alemães e italianos.

  • Karla

    A resposta será mais ou menos no mesmo diapasão da que foi dada no caso da ex-Secretária Lina Vieira.
    Da mesma forma que a ex-Secretária agia como integrante de uma burocracia concursada vinculada ao princípio da reserva legal, o ex-presidente da Vale seguia o paradigma das leis de mercado.
    Não rezavam, ambos, na cartilha dos interesses de ocasião dos burocratas eleitos de turno.

  • Genny

    Uaiiiiiiii, não foi o Serra que disse que ia REESTATIZAR tudo que foi privatizado? Hehehehe

    A Vale foi entregue na bacia das almas pelos tucanos e merece ser reestruturada. Ela usa o sub-solo brasileiro que é do Estado, isto é, do POVO. Ela tem que agregar valores ao aço e ao ferro, dando emprego aos BRASILEIROS.

    O Governo é sócio majoritário e tem poder de decisão. Dilma está mais do que certa.

    O governo não é sócio majoritário, a Vale não foi “entregue” na “bacia das almas”, mas vendida com grande ágio sobre o preço avaliado por empresa do ramo contratada por licitação, e paga mais de imposto hoje do que pagava de dividendos ao governo quando era estatal, e o governo quando era proprietário não tinha recursos para fazê-la crescer e virar o colosso mundial em que se transformou.
    Mas sei que a razão não prevalece contra a cegueira ideológica, então paro por aqui com você, Genny.
    Abraços

  • ADAILTON E SANTOS

    COMO É DO CONHECIMENTO INTERNACIONAL A VALE DEU SALTOS ORBITAIS DURANTE A ATUAL GESTÃO EMPRESARIAL, DANDO LIÇÕES, INCLUSIVE AS GRANDES POTÊNCIAS, NO SETOR MINERAÇÃO, FATO QUE É REELEVANTE PARA UM PAÍS QUE NECESSITA DE QUALIDADE NO QUE FAZ. AGORA VEM O GOVERNO, METER O BEDELHO ONDE NÃO LHE CABE. POIS TUDO QUE O GOVERNO QUIS INVERTAR NO PASSADO NO SETOR EMPRESARIAL, FALIU E FEIU. NADA DEU CERTO. E OUTRA, TIME QUE ESTÁ GANHANDO, NÃO SE MEXE. ISSO QUE O ATUAL GOVERNO ESTÁ FAZENDO É COM CERTEZA UM TIRO NO ESCURO. VAI VIM PROBLEMAS. AGUARDEMOS.

  • fafa

    Setti, mas veja pelo lado sugerido pelo outro leitor: o solo brasileiro é que é a grande riqueza da vale, e esse solo, como disse é brasileiro. Entao, esse solo tem que servir aos interesses dos brasileiros, não?
    Tirando a pecha de que o governo quer fazer cabide de emprego na Vale, os seus motivos para destituir o Agnelli sao razoaveis. Ele não queria agregar valor ao produto aqui no Brasil, o que significaria mais divisas e mais empregos. Entao, eu como brasileiro, quero mais que esse Agnelli vá presidir empresas que não explorem nosso rico solo!
    Lembra que o Serra disse que o Brasil estava se desindustrializando? Entao, o Agnelli estava potencializando isso, ao vender mineiro para a China…pense bem, Setti…. sei que a midia esta toda contrariada porque queria manter o Agnelli na empresa, mas do ponto de vista de alinhamento com as politicas macroeconomicas do nosso Pais, ele realmente não servia!
    Abs

    A Vale é uma empresa privada, o governo não tem o direito de interferir nela a não ser exercendo direito de voto em suas assembléias, via BNDESpar, acionista da empresa. Só. Seu comentário começa pecando pela base, ao mencionar “motivos para destituir Agnelli”. O governo não pode destituir ninguém na Vale. Fez pressões inaceitáveis para uma empresa privada, atropelou regras e direitos. Então nem vou discutir o restante, Fafa. O governo pode destituir o presidente da Coca-Cola, ou da Camargo Correia? Estamos em Cuba, na Venezuela, onde?

  • Neile

    Dá p´ra prever o que vai acontecer com a VALE.Vai dispencar.Isso não importa p´ra essa gentalha .O que realmente importa é dinheiro no bolso,é a ptralhada dando as cartas ,é se manter no poder p´ra sempre.

  • Véio João

    Ingerência em empresa eficiente, enxuta e lucrativa é fácil, gostaria de ver os petralhas resolver os graves problemas da saúde pública, verdadeiro caos.

  • canroberte

    O rodízio no poder é sempre salutar…Que choradeira é essa?!? Dez anos é tempo demais… o homem e, nem ninguém, é insubstituível. Ele não é Deus!!!

  • Marinho

    canroberte, parece-me que vc não entendeu o espírito da coisa,a demonstração de força do governo só mostrou que o *** **** **** continua agindo por trás dos panos,e vc é um *** ******.Talvez seja petralha. **** em paz, ****.

    Caro Marinho, ofensas pessoais não dá, de jeito nenhum. Sei que você entende.
    Abração

  • eduardo

    Vocês sempre se enganando. Primeiro com Lula, depois com Dilma. Acharam que sería fracasso. Sucesso absoluto. Façam um comparativo entre a Vale do gênio “Rogê” e a petrobrás dos “burros”. Aliás, sugiro que peguem o gênio para tocar a Veja, que está a caminho da quebradeira.

    Quem é você e que credenciais tem para falar de VEJA? Você escreve sobre algo de que não tem a mais remota ideia e diz bobagem grossa e irresponsável, Eduardo. VEJA atravessa um período de enorme prosperidade, está absolutamente sólida em publicidade, venda em bancas e assinaturas, com tiragem superior a 1,2 milhão de exemplares. Cegueira ideológica e ódio, somados, são coisa séria, como se percebe.

  • pf

    É, cada dia que passa a ideologia da preguiça avança. Já se foi o tempo de se prestar reverência ao conhecimento. Hoje, prestamos reverência ao falacioso, ao mentiroso, enfim, à mitologia e ao misticismo. Ninguém saba nada, mas acha muita coisa sobre tudo. Ninguém se preocupa com o que vai falar, mas a maioria se preocupa em falar mais grosso. Chamar o Brasil de país civilizado é conversa pra boi dormir. Se fosse um país sério, o demitido seria o Sr. Guido. E tem gente que ainda tenta construir uma argumentação a favor do ocorrido. Para quem acha que a riquesa da Vale é o solo brasileiro e assim a Vale é do Brasil, esse raciocínio também deve valer para casa de vocês, pois está em solo brasileiro, então a propriedade deve ser dos brasileiros: para esses, começem a abrir suas casas transformando-as em albergues gratúitos, pois tem muito brasileiro sem teto e que é DONO da casa dos senhores. Pra quem acha que a Vale foi entregue aos estrangeiros, lembrem como funciona uma simples compra e venda (esse povo deve achar que quem faz um bom negócio passa a perna em quem vende). No mais, olhemos os números da Vale, eles falam por si, ou vão dizer que são manipulados e é tudo mentira? Alguém está colocando algum tipo de droga na água dos brasileiros, o povo sem informação. Vão estudar, ler um bom livro, se informar. Ahhhh, isso os senhores podem fazer em uma boa blibioteca e não na benzedeira.

  • Interrogações à distância

    Boa-noite Setti,
    Golpe de força contra a Vale…
    Resta contudo saber se à Coteminas, por exemplo, encontra-se também fadada à mesma sorte!?
    Abraços

  • Interrogações à distância

    ERRATA – Por favor, leia-se “à Coteminas” sem a crase. Desculpe-me. Obrigada.

  • Lapeno R

    Caracas, Harare, here we go.

    O Brasileiro tem que baixar o topete que foi levantado durante o governo Lula.
    o Brasil e rico em minerios = S I M
    Porem nao fomos a unica bolacha do pacote, existem vastas extensoes minerais intocadas na Africa, Indonesia, outros paises da america latina e central.

    Eu trabalho no ramo e posso dizer que, se a coisa ficar complicada para esse investimentos e desenvolvimentos exploratorios no Brasil por grupos privados, seremos deixados para tras quando os investimentos forem para a Africa, e os outros lugares que citei.

    A Vale e grande, poderosa, mas engessando ela como o governo e o PT quer sera muito prejudicial para o Brasil. Vamos perder o bonde deste ciclo atual de alta das commodities. Depois sera so choro.
    Brasil, eterno pais do futuro…

  • Manicera

    Caro Ricardo, eu não acredito que os senadores vão
    “apertar” o italiano Guido Mantega sobre a patifa-
    ria que esta Ditadura fez na Vale. O Congresso
    brasileiro é uma Universidade de canalhas e ladrões
    sem nenhuma moral para “apertar” ninguem

  • RODRIGUES DE FREITAS

    ATENÇÃO POVO BRASILEIRO: PRPARE-SE, O PAÍS VAI LEVAR MAIS UMA “FERRADA”, PARA ATENDER AOS INTERESSES ESCUSOS DOS PETRALHAS.
    O que sempre significou uma empresa estatal para nosso país? Eu lhes digo:
    -Corrupção, empreguismo, estagnação tecnológica, privilégios para aqueles que delas desfrutaram e retrocesso empresarial.
    Foi isso que vimos quando da privatização de diversas estatais totalmente falidas, espoliadas, como os gigantes Embraer, Siderúrgica Nacional e daí por diante.
    E hoje essas empresas que foram privatizadas, tornaram-se, depois de saneadas e bem administradas, altamente lucrativas, e muitas como as já citadas Embraer e Siderúrgica Nacional, empresas multinacionais e consideradas altamente rentáveis e até mesmo estão entre as maiores do mundo, gerando milhares de empregos, altos impostos, e prestigio internacional para o Brasil.
    Mas isto pouco interessa aos membros do Governo, ao PT e partidos coligados na ânsia pos cargos bem remunerados para seus correligionários e familiares e o direcionamento dos lucros para a “farra do poço sem fundo”!…
    Agora vem o calcanhar de Aquiles:
    -A “MINERADORA VALE”, que quando era estatal, apesar de explorar riquezas minerais importantes, não passava de uma simples empresa local e de crescimento medíocre, como todas as estatais, sempre voltada para atender a interesses políticos e corporativos do Governo. Depois de privatizada, (comprada por grupos nacionais, inclusive com a participação de fundo de pensão de estatais e do BNDS), depois de saneada e com gerenciamento criativo e independente das artimanhas do Governo, tornou-se uma multinacional com negócios em diversos países e considerada s segunda maior mineradora do mundo, gerando milhares de empregos e arrecadação milionária de impostos no Brasil. Em 2001, seu lucro era de 9,2 bilhões, em 2010, atingiu 176 bilhões. Nesse período esteve sob a administração inteligente e supereficiente de Roger Agnelli, pode se dizer, o maior responsável por seu grande desenvolvimento. Hoje dispõe de cerca de 24 bilhões de dólares para investir, o que criou um tremendo “frenesi” nos membros do Governo e os seus chamados “aliados”, sedentos por verbas polpudas e licitações milionárias, na maioria das vezes cheias de armadilhas corruptas, que enchem os bolsos de políticos e partidos, como pudemos ver a todo o instante estampado nos jornais.
    Como é impossível para o Governo do PT e seus “famintos aliados” estatizar novamente a mineradora Vale, para então poder dispor de seu imenso lucro e atrelar a empresa aos interesses sórdidos do “esquema PÉTRALHA” só restou uma saída, mesmo com um prejuízo incalculável para a administração eficiente que possui e os impostos e empregos que vem produzindo, por meios de pressões “sinistras” aos moldes do ditador Chaves da Venezuela, membros do Governo, inclusive pessoalmente do Ministro da Fazenda, os seus principais acionistas (inclusive o Banco Bradesco), “foram convencidos” (só não se explica de que maneira), a demitir, e trocar o atual e altamente eficiente presidente, por um outro do “agrado” do Governo. Em outros termos, a vale está sendo aparelhada, apesar de ser uma empresa privada pela “MÁQUINA MORT ÍFERA” do SISTEMA PETRALHA.
    E a empresa que gera grande lucro e desenvolvimento para o país, inclusive o projetando internacionalmente, vai se tornar um joguete político e atrelada aos interesses pouco honestos de um sistema de Governo que vem demonstrando que tudo deve estar direcionado para o bem estar dos “companheiros” e do crescimento a qualquer custo, seja ele qual for, do partido do Governo o PT.
    E aí perguntamos, onde estão as nossas lideranças de oposição, os defensores de nossa democracia, dos interesses do povo brasileiro?
    -Ai vem a trágica resposta: Não mais existem! “O povo e o país que se lixem”!
    Somos um país onde o povo está como que uma manada desgraçada de um gado amaldiçoado, dispersa em um lúgrube e extenso pasto, a espera de ir para o matadouro.
    E depois de tantos escândalos, tentativas de censura total da mídia, já que de certa forma a mídia já sofre alguma censura, pois só publica o que não atinge o governo, roubos do erário público dentro até mesmo do palácio do Planalto em sua casa civil e de maneira impune, atropelos a constituição, tentativas de destruir a integridade do solo pátrio com a criação das famosas “NAÇÕES INDÍGENAS”, a divisão do povo em raças distintas com o intuito único de criar ódio e “preconceitos étnicos”, destruindo a antiga unidade de língua, crença e raça de nosso povo, o que fazer?
    Lembro que nosso legislativo está tomado por indivíduos não muito confiáveis que só se preocupam em legislar em causa própria e encher os bolsos de seus membros, pouco se preocupando com a opinião pública já que qualquer movimento de protesto popular só acontece quando se tem uma liderança forte e verdadeira, e como disse antes, elas não mais existem. Hoje, apenas pairam saudosas lembranças do passado.
    Então só nos resta dizer: ADEUS BRASIL, PONTO FINA!

    RODRIGUES DE FREITAS
    Administrador de Empresas, Poeta, Escritor e Dramaturgo

  • Lucia

    Uma maneira ótima de “contribuir com os interesses do País”, Dwran Numida, é o governo não meter o bedelho em NADICA DE NADA!!! Eles botam o dedinho deles em tudo só para atrapalhar! Queria tanto que sumissem no espaço…

  • Lucia

    Ainda mais agora que o seu Lulla e seu partido, o PT, conseguiram trazer de volta a maldita da inflação, a pior coisa da face da terra para o pobre, depois de fazerem tanto lero-lero. Ai, ai…

  • Genny

    Comparar a Vale, um empresa totalmente BRASILEIRA, que vive do NOSSO sub-solo, que depreda nossas terras pra dar lucro a um pequeno grupo de bilionários com a Coca-cola, uma empresa estrangeira é de uma estupidez tão grande, que eu paro por aqui. Alvíssaras.

    Deixe de ser ignorante, Genny. “Vive do nosso subsolo” é algo previsto na Constituição: o governo federal concede a exploração de jazidas, que pertencem à União, a empresas, a dezenas, centenas de empresas diferentes, e não apenas à Vale, mediante determinadas condições e participando dos resultados.

    Sua cegueira ideológica a impede de saber até os fundamentos rudimentares de como funciona a nosa Constituição. Se for para manter esse tipo de “diálogo” troglodita com o blog, dispenso sua presença.

  • Leandro Ribeiro

    Caro Setti,
    Tenho lido alguns comentários e, confesso, tenho ficado alarmado com o nível de muitos. Estamos em pleno século 21, o Muro de Berlim caiu faz tempo, TODAS as nações socialistas – que sobraram – estão na bancarrota (com excessão da China que de comunista não tem nada – só a ditadura) e tem gente que ainda defende interferência estatal. Acho que você não deve perder seu tempo tentando mostrar-lhes fatos. Como o próprio Reinaldo Azevedo já disse, eles só ouvem e veem o que lhes interessa, o que lhes é favorável. Provavelmente são pessoas muito novas que não viveram o período inflacionário brasileiro e não sabem o que um governo estatista, inchado e incompetente representa para um país. Mas, mesmo assim, fico triste. Pois bastaria ESTUDAR a história brasileira para compreender o que tudo isto representou. O absurdo que ocorreu na Vale não é só uma simples interferência. É também um retorno ao que já ocorreu de pior na economia e política brasileiras. Tudo o que a Vale não precisa é de um partido político pulando com suas garras e presas em mais um cabide de empregos. Interesse do país? O PT nunca pensou nisso. O que importa é a agenda de perpetuação no poder, interferindo em TODAS as esferas brasileiras.

    Caro Leandro, perfeito seu comentário. Pergunto: posso publicá-lo como um Post do Leitor, curtinho, adaptando uma ou outra coisa mas respeitando integralmente seu texto?
    Abraço

  • Coelho

    O governo agora quer a Vale para “agregar” petistas e simpatizantes em seu quadro.
    Petistas só serviam para fomentar greves e distribuir panfletos. Já mostraram em 08 anos o seu “jeitinho” de governar ; e aí está.

  • Douglas Luis

    Os Cem dias da Dilma na Presidência:
    – Sem abaixar o preço da gasolina (de R$ 2,20 para R$ 3,10 hoje = 41% de aumento)
    – Sem fazer uma única creche (ella prometeu 5.000 creches)
    – Sem fazer nada para abaixar impostos (pelo contrário aumento IOF)
    – Sem fazer nada pela Saúde do Povo (pelo contrário quis ressucitar a CPMF)
    – Sem deixar de ficar incomodando o que é certo (interferência na Cia. Vale)
    – Sem fazer casas do Programa Minha Casa Minha Vida (a CEF já cortou verbas até Julho/11)
    – Sem fazer nada para que a inflação volte (IGPM de Jan/11 foi 11,5%)
    – Sem fazer nada pelos “farra dos cartões corporativos” (agora “qualquer um” tem)
    – Sem….sem….sem bom senso!!!

    Uma coisa ella fez de bom e bem:
    – Sem falar bobeiras igual ao seu padrinho (isso foi bom…muito bom, mesmo.. rsrsrs)

  • Fabio

    Sr. jornalista
    Tem que ser muito tonto pra usar a palavra golpe!!!

    Obrigado pelo elogio. Além de tonto, sou burro, ignorante, desinformado. Você não tem ideia dos incontáveis defeitos e deficiências que tenho.

  • Dulci

    Lamentável! Não sei por onde anda a oposição, e nem acredito que esses senadores tenham coragem pra muito. O governo fez o que fez, por saber que tem o apoio da maioria. Videm a popularidade da presidANTA.

  • Denúncia do Arruda Setembro/2010

    Sr. Ricardo,

    Faltou o Sr. Agneli explicar porque a CIA gastou a expressiva cifra de 170 milhões em propaganda. Uma Cia, que não vende para o consumidor final, isto é, extrai o minério de ferro para exportar, qual a finalidade de tanto gasto em propaganda? Agradar os poderosos da mídia? Abril, globo, folha, estadão….. Outra coisa, o maior pagador de impostos de o BRASIL é a Petróleo Brasileiro S.A, o segundo maior pagador de impostos, Petrobras Distribuidora S.A, ou seja, a Vale fica em sétimo. Faltou o Sr. Explicar porque o Sr. Agneli teve remuneração de 17 milhões em 2010, Qual a meritocracia de extrair o minério e exportar, se o mundo está ávido pelo produto? Por quê o Presidente da maior Empresa do Brasil (PETROBRAS), não ganha nem um terço da remuneração do Sr. Agneli? O Sr. está defendendo os interesses da mídia, ou seja, a verba publicitária.

    Só defendo o que acho o melhor para meus leitores, e se você disser algo em contrário estará me ofendendo e pode sumir daqui.

    Não tenho porque responder a suas perguntas ingênuas, vindas de quem visivelmente não tem a menor ideia de como funcionam as grandes empresas e mais ainda a grande mídia. Não sou porta-voz do sr. Agnelli.

    O que eu diria, se você estivesse minimamente disposto a escutar, seria o que já escrevi antes aqui:

    A Vale foi privatizada dentro da legalidade, por um preço muito superior ao de avaliação feita por empresa idônea, escolhida em concorrência pública.

    Como empresa privada, paga em impostos muito mais do que jamais contribuiu para os cofres públicos quando o governo era seu maior acionista. Nunca teria chegado onde chegou porque o governo não tinha capacidade de investimento para fazê-la crescer e atualizar-se tecnologicamente, sem contar a politicagem na indicação de diretores.

    Virou um gigante mundial, uma fonte de lucros para seus acionistas — entre os quais o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil — e para o Tesouro Nacional.

    Nenhum país desenvolvido deixou de lançar mão de privatizações como forma de dinamizar e modernizar a economia, promover a atualização tecnológica, criar empregos, aumentar a arrecadação e enxugar o Estado de funções que não lhe são essenciais, em prol daquelas que, sim, são sua missão indeclinável, tais como promover a segurança pública, defender as fronteiras e a soberania, manter a estabilidade da moeda, administrar as relações diplomáticas, propiciar saúde e educação, administrar Justiça etc etc.

  • Ventania

    A imprensa
    conservadora está sem ter o que dizer.
    Em três meses
    apenas, Dilma Rousseff fez o que Lula passou anos querendo fazer.
    Retomar – não
    a propriedade, que Fernando Henrique entregou na bacia das almas – mas o papel
    da Vale como indutora do desenvolvimento brasileiro.
    E, para isso,
    era preciso acabar com o reinado de Roger Agnelli, o homem que queria vender
    cada vez mais rápido maiores quantidades de minério, não pensava em investir no
    seu beneficiamento e transformação em aço e, ainda por cima, não tinha uma
    política de compras interna, como demonstrou na compra de 12 navios gigantes –
    cada um deles maior que o morro Pão de Açúcar – na China, sem um parafuso
    feito aqui.
    O esquadrão
    midiático de Agnelli foi solenemente driblado.
    Primeiro, quis
    fritar o Ministro Guido Mantega por ter conversado com Lázaro Brandão,
    presidente do Bradesco e acionista de verdade da Valepar, controladora da Vale.
    Mesmo com sua bufunfa de R$ 1,3 milhão por mês, Agnelli não tem ações para
    escolher sequer o chefe do setor de zeladores do prédio da Vale.
    Depois, quis
    apresentar a mudança como um “aparelhamento da Vale” e os únicos sinais
    concretos de promiscuidade política da Vale vieram do próprio Agnelli, que armou
    uma operação com o DEM para atacar o Governo, e o fato de se ter lá dentro uma
    todo-poderosa senhora que entrou pela janela tucana na empresa e, como braço de
    ferro de Agnelli, “enquadra” na vontade de funcionários a diretores da
    empresa.
    Perdido
    Agnelli, tentaram enfiar na Vale o nome de sua preferência. Quietinha, a mineira
    Dilma deixou que dessem por escolhido o substituto. Na hora H, emplacou uma
    solução técnica, vinda de dentro da própria empresa ,o ex-funcionário da Vale e
    membro de sua diretoria, Murilo Ferreira, um excutivo com quem a Presidenta já
    teve muito contato quando Ministra das Minas e Energia.
    Claro que se
    trata de um profissional de mercado, experiente e capaz. Mas dirigir uma empresa
    como a Vale requer mais que simples competência técnica. Exige visão estratégica
    da empresa e do país. E capacidade política de perseguir estes
    objetivos.
    Os jornalistas
    de mercado adoram falar nas virtudes da sinergia, isto é, na capacidade de duas
    instituições multiplicarem seus resultados agindo em sintonia.
    E curioso que
    não falassem nunca em quanto a empresa e o país perdiam com a ação de Agnelli em
    desalinho com as macropolíticas econômicas brasileiras.
    A
    direita midiática levou um competente drible e caiu sentada no
    chão.

    Não vou dizer quem é “direita midiática” porque sou educado.

    Se você não fosse cego pela ideologia, eu diria o seguinte:

    A Vale foi privatizada dentro da legalidade, por um preço muito superior ao de avaliação feita por empresa idônea, escolhida em concorrência pública.

    Como empresa privada, paga em impostos muito mais do que jamais contribuiu para os cofres públicos quando o governo era seu maior acionista. Nunca teria chegado onde chegou porque o governo não tinha capacidade de investimento para fazê-la crescer e atualizar-se tecnologicamente, sem contar a politicagem na indicação de diretores.

    Virou um gigante mundial, uma fonte de lucros para seus acionistas — entre os quais o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil — e para o Tesouro Nacional.

    Nenhum país desenvolvido deixou de utilizar a privatização como instrumento de modernização e dinamização da economia, criação de empregos, aumento de arrecadação de impostos e enxugamento do Estado.

    Como, porém, você só enxerga o que quer, e não o que existe, eu vou fingir que não disse nada.

  • JULIANO

    Pronto vão falir a VALE

  • sergio

    Esse Roger é espetacular. Senão vejamos: Vendia um só produto: minério de ferro – para um só cliente: China. Gastos com publicidade: R$178,8 milhões.Salário:R$l5 milhões anuais , mais 2 jatos a disposiçao. Esse Roger é realmente espetacular.

    Você não sabe nada da Vale, não tem ideia do que diz. Vá se informar primeiro, meu amigo.

  • Leandro Ribeiro

    Ricardo,
    Pode publicar, sim. Fico honrado.

    Obrigado. Vou colocar no ar e peço que vc me envie, se quiser, sua atividade, a cidade em que vive e sua idade, repito, se quiser. Ou se achar melhor só sua atividade etc.

    Aí eu acrescento.

    Um abração

  • Luiz Carlos

    Caro, Setti, se VEJA fez isso tudo em defesa da democracia, então certamente mudou de lado e passou a conviver muito bem com o lado escuro da “Força”…..será por isso que o grande jornalista Mino Carta abandonou esse navio? Sim, porque apesar de italiano ele é um grande brasileiro….

    Mino Carta deixou VEJA há exatos 35 anos, caro Luiz Carlos. Não sei a que título você o traz à discussão. Os fatos que mencionei, as denúncias que VEJA publicou, como o caso dos uruguaios ou o do Riocentro, ocorreram bem depois da saída do jornalista. Mais de um quarto de século depois da era Mino, a revista arriscou tudo ao detonar as várias bombas noticiosas que derrubaram um presidente da República, com todo o poder que ele poderia utilizar para pressionar a Editora Abril — Receita Federal, Polícia Federal etc: Fernando Collor.

    Não dá para apagar a história, Luiz Carlos. Informe-se um pouquinho melhor antes de criticar, um pouquinho só.

  • Luiz Carlos

    Ah…outra coisa….como ex-funcionário da Vale por 15 anos, uma bela empresa que nunca foi ineficaz, mesmo quando estatal, e eu falo como insider, tenho o grande prazer de já ir anunciando a queda iminente da Sra. Carla Grasso, diretora de RH e cavalo de tróia do PSDB na empresa ( sim, meu caros, o PSDB adora aparelhar empresas…vide as de SP ), notória pela sua arrogância, truculência e soberba….espero que parta no mesmo jatinho Bombardier que levará o Sr. Agnelli…

  • Luiz Carlos

    Esta senhora é esposa do indisfarçável Paulo Renato de Souza, e deste não preciso nem falar…a História recente do país fala por si só….que a poeira da História carregue todos eles para a fossa de onde não deveriam ter saído….

  • Delfos

    Ora, Setti, Se o governo não pode fazer isso… ou aquilo.. como fez? Processe!
    Agora, existem muitos interesses feridos nessa história (questão partidária e ideológica). O senhor trata os princípios da economia liberal como fosse um dogma. Que tal abrir o jogo?

    Caro Delfos, em poucas palavras:

    A Vale foi privatizada dentro da legalidade, por um preço muito superior ao de avaliação feita por empresa idônea, escolhida em concorrência pública.

    Como empresa privada, paga em impostos muito mais do que jamais contribuiu para os cofres públicos quando o governo era seu maior acionista. Nunca teria chegado onde chegou porque o governo não tinha capacidade de investimento para fazê-la crescer e atualizar-se tecnologicamente, sem contar a politicagem na indicação de diretores.

    Virou um gigante mundial, uma fonte de lucros para seus acionistas — entre os quais o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil — e para o Tesouro Nacional.

    Nenhum país desenvolvido deixou de utilizar a privatização como instrumento de modernização e dinamização da economia, criação de empregos, aumento de arrecadação de impostos e enxugamento do Estado.

  • roberto

    O the economist (como se sabe um panfletario comunista) ao contrario da unanimidade burra da imprensa daqui não acha o senhor Agnelli competente.
    O que o Augusto Nunes diz não sever de parametro para nada.

  • bru

    Seria o primeiro passo rumo à estatização? Temos que ficar de olho na ingerência e intromissão do governo em qualquer empresa, principalmente a vale. Já é sabido que o interesse do Pt não tem nada com o interesse do Brasil.

  • joaquim ribeiro

    Demorou,mas enfim diz a que veio a D”antaDilma Chaves.Quebrar a Vale e depois privatiza-la.Igualzinho ao anta Venuezuelano chaves.

  • Stela

    Em primeiro lugar, a Vale é privada pq o governo PSDB/FHC doou-a. Vendeu um patrimonio do povo brasileiro a preço de bananas. Agora temos a chance de começar a retomá-la através ao menos de uma politica que sirva oas interesses do pais e dos seus cidadãos e não somente a meio duzia de bilinonarios que as ganharam de presente.
    Quanto á competencia do demissionario, meu carto é no mínimo questionável. Qualquer um faz o que ele fez. Tirar materia prima e vender gerando lucro para meia duzia e prejuiza ao povo e ao futuro.
    E não me venha com chorumela. lucro, numero de funcionarios, prestigio internacional, bla,bla,bla….

  • joaquim ribeiro

    De gozação disse privatiza-la pois na verdade para os petralhas ela nunca foi privada.Somente no calor da negociação fizeram barulho.Sabendo mais tarde que ela voltaria ao poder público.Só que demorou um pouco mais,porque o sapo barbudo não quiz se envolver,para não ser a cópia do seu amiguinho,o sapo H.Chaves.

  • Jefff

    Caro Setti o seu dogma do aumento no valor de impostos pago pela mineradora vale, ocorreu emoutras empresa como a Petrobras, Sabesp e outras estatais.
    Isoladamente seu argumento até vale mas quando se analisa o conjunto de empresas ve-se que é ranço ideologico.

  • Jefff

    Onde é caro setti que a Vale conseguiu dinheiro para realizar o “vultosos investimentos”? È o caixa proprio? Ou do BNDES? Seria salutar essa informação!

  • Denúncia do Arruda Setembro/2010

    Sr. Ricardo,

    Mesmo com as nossas divergências ideológicas gosta ria de parabenizá-lo, por ter postado o meu comentário, a sua atitude demonstra a sua honradez e a liberdade expressão do seu Blog. Não tive a inteção de ofendê-lo.

    Obrigado por seu comentário gentil, caro.
    Um abraço