Image
Estacionamento de montadora brasileira: impostos só são parte do problema (Foto:Wilton Junior/AE)

Amigos do blog, vejam só que interessante esta matéria publicada na última quinta-feira pelo Estadão. A conclusão é que mesmo se descontássemos as pilhas de impostos que incidem sobre o preço dos veículos no Brasil, correspondente a 30,4% do valor (nos EUA a “mordida” é de 6,1%), nosso carros ainda seriam mais caros.

Os cálculos comparativos trazem números redondos, mas há divergências sobre as razões pelas quais pagamos muito mais do que europeus e norte-americanos na hora de comprar automóveis. A reportagem ouviu diversos especialistas, e eles divergem basicamente sobre os chamados “custo Brasil” e “lucro Brasil” como elementos culpados.

Em meio a este cenário, a recusa de algumas montadoras em tornarem transparentes seus custos e margens de lucro viram o centro de atenção dos críticos. É sintomático, aliás, que a Ford tenha se negado a comentar os números e que nem a General Motors nem a Fiat tenham respondido às perguntas do jornal.

Carro no Brasil seria mais caro mesmo sem imposto

Ainda que IPI, ICMS e PIS/Cofins não existissem, alguns veículos nacionais custariam mais do que os estrangeiros

Sílvio Guedes Crespo, do Economia & Negócios

SÃO PAULO – O preço de alguns carros no Brasil seria mais alto do que na matriz das montadoras mesmo se os impostos que afetam diretamente o valor final fossem zerados, como indicam dados das empresas e da Anfavea, a associação dos fabricantes instalados no País.

O Chevrolet Malibu, por exemplo, custa a partir de R$ 89.900 no Brasil. Tirando IPI, ICMS e PIS/Cofins, o valor poderia cair para R$ 57.176. Mesmo assim, estaria mais caro do que nos Estados Unidos, onde carro sai por R$ 42.300 com impostos para o consumidor de Nova York.

O Ford Focus Sedan está em situação semelhante. Sem impostos, o preço poderia cair de R$ 56.830 para R$ 39.554 no Brasil. Porém, em nova York esse veículo custa R$ 30.743 com tributação.

Entre as montadoras com sede na Europa, o carro sem impostos aqui seria mais barato do que o com impostos lá. Mas, ao retirar a tributação no Brasil e na matriz, o preço por aqui ainda é mais alto.

O Fiat Punto 1.4 2012 sai por R$ 40.308 no Brasil. Sem IPI, ICMS e PIS/Cofins, poderia custar bem menos: R$ 28.104. Na Europa, o preço é de R$ 30 mil com impostos e R$ 25 mil sem.

No caso do Volkswagen Golf, sem esses três tributos o preço seria de R$ 37.806 no Brasil. Na Alemanha, o Golf Trendline mais barato custaria a partir de R$ 33.600 sem impostos.

Além de IPI, ICMS e PIS/Cofins, as empresas pagam também Imposto de Renda e Contribuição Social, mas não é possível calcular quanto o carro custaria sem essa tributação porque as companhias não abrem seus números.

Margem de lucro

Os impostos no Brasil são mais altos do que nos países onde estão instaladas as matrizes das montadoras, como mostra um levantamento da Anfavea (veja gráfico). No entanto, a diferença de preços é maior do que a da tributação.

Especialistas dividem-se sobre qual seria o outro fator, além dos impostos, que explica o alto preço do carro no Brasil. Uns culpam o chamado “custo Brasil”; outros, o “lucro Brasil”. Essa dúvida existe porque as montadoras não divulgam detalhes sobre lucros e custos.

“Citar a influência dos impostos para falar que o preço do carro é alto não é verdadeiro. O preço de carro é alto porque, no Brasil, o volume de importados era muito baixo”, afirma o consultor especializado Luiz Carlos Augusto.

Para ele, as empresas terão que “rever a margem de lucro” por causa do aumento das importações e também da concorrência interna. No início dos anos 1990, lembra Augusto, havia cerca de 150 versões de carros no Brasil; hoje, em torno de 900.

Custo Brasil

Para o economista Julio Gomes de Almeida, do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), o preço alto do carro brasileiro é explicado pelo custo Brasil e pela baixa produtividade no País. Ele diz que para comparar com outros países, seria necessário considerar também os impostos que incidem sobre as matérias-primas dos carros.

A Volkswagen afirma que matérias-primas como aço e plástico custam de 30% a 40% mais no Brasil que em “outros países”. A empresa diz, também que o custo da mão de obra no País está “entre os mais elevados do mundo”. Questionada, no entanto, sobre o custo da mão de obra na Alemanha, a companhia não respondeu. A montadora aponta, ainda, “questões de infraestrutura” e “regime tributário” como motivos para cobrar mais pelo carro brasileiro do que pelo alemão.

A Anfavea, que representa as montadoras nacionais, divulgou em junho alguns números de uma pesquisa mostrando que produzir aqui é mais caro que em outros países emergentes, mas não trouxe detalhes sobre o custo em países desenvolvidos. Não disse, por exemplo, se produzir no Brasil é mais caro ou mais barato do que na matriz das montadoras. Questionada pela reportagem, a entidade afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “o estudo não está mais disponível”.

Para Alcides Leite, professor da Trevisan Escola de Negócios, “a postura das montadoras, de evitar a divulgação do seu custo de produção, corrobora a suspeita” de que a margem de lucro no Brasil possa ser “muito superior” à de países desenvolvidos. Ele afirma, ainda, que a mão de obra no Brasil é mais barata do que na Europa e nos EUA.

Contatada pela reportagem, a Ford disse que não comentaria. A General Motors e a Fiat não responder a solicitação de entrevista.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × quatro =

31 Comentários

palhaço em 23 de maio de 2012

Se o governo não quer regular o mercado do brasil, que vão todos tomar nos devidos lugares. E paguem a conta pra mim, otários!! pois eu tô fora.

Luan em 01 de maio de 2012

Claro que o carro ainda seria mais caro, é so levar em conta a burocracia e alta taxa de impostos que as empresas são submetidas aqui.

Jesse em 13 de fevereiro de 2012

Na verdade não é correto afirmar que o carro não é caro por causa dos impostos, é sim, pois o imposto não é o único causador do auto valor, mais é o principal! Outra coisa, falar que o custo é auto, porque será? Será pelo fato da matéria prima também conter imposto sobre ela? Falar também que a baixa importação influencia é facil, pois o valor de importação de um carro juntando todos os impostos aplicados daria aproximadamente uns 115%, fazendo com que o carro importado tenho o dobro do valor do que custa la fora!!! Logo não adianta fugir da causa, no fim tudo se resume a impostos, que detalhe, se ocorrece a finalidade dos mesmos, seriamos o melhor país em infraestrutura do mundo!!!

WAGNER em 07 de outubro de 2011

Por protesto, deveríamos comprar um carro nos EUA mandar trazer para Brasil. Se formo observar, pode até ficar mais barato do que o preço aqui no Brasil. O pior é que o governo não faz nada. Aliás, faz sim, aumenta o IPI de carros importados.

Corinthians em 30 de setembro de 2011

Ailton, A Hyundai será muito afetada pelo absurdo aumento no IPI também, e a Hyundai é a montadora de maior qualidade que há. Bom, e de resto fica a desinformação. Você escreve "a china não deve usar esses dispositivos". Quer dizer que você não sabe... e se o carro em questão tiver este dispositivo ? Ou então, e se vários modelos de carros no Brasil não tem este dispositivo (principalmente os populares) ?

Ailton em 30 de setembro de 2011

Caro Ricardo Sett; Acabei de ver pela TV, no Jornal Hoje (Globo), grave um acidente em um cruzamento de avenida em são Paulo, acidente a envolver uma Ferrerí, um Monza e uma caminhonete EFFA, para reforçar os meus comentários abaixo, a Ferrarí e o Monza sairam totalmente destruidos(a) e seus oculpantes com lesões leves, já o motorista do EFFA, carr , virou uma bola em chamas e colocou o seu motirista em um hospital da capital paulista, com 89% do corpo com quiemaduras de 2º e 3º grau. está em estado gravisimo, disse o Jornal Hoje(30/09/2011 13:00hs), Eficiencia que o Senador Maia, o Senador Agripino Maia tanto quer que o Brasil tenha para combater os produtos da China. Eficiencia temos, caro Senador, só não podemos concorrer com produtos de terceira e ainda por cima, PIURATEADOS a partir de PROJETOS alheios, entre nos carro do apresentador dominical e se sinta em um FORD-FOCUS, ele é a cópia do focus em todos os detalhes. Dá pra ser feliz assim, Agripino Maia? . Desde 1995 que carros ocidentais, com o Brasil no meio, não pegam fogo, isso devido aos dispositivos eletrônicos que cortam o fluxo de gasolina para o motor, imediatamente à colisão, o corte é tão ou mais rápido que um acionamento de Air-bags, esses dispositivos sairam das das pistas de Formula-1 para as ruas, a china não deve usar esses dispositivos, tornariam os seus carros mais seguros, se usassem o dono do Effa não estaria em estado grave em um hospital, o único gravemente ferido nesse acidente. Porque instalar esse dispositivo? eles já pagam U$50,00 ao mês para seus metalúrgicos, U$500,00 para seus seus engenheiros gente muito competente em copiar projetos de outras fábricas e ainda ter que instalar dispositivos salva-vidas é querer muito.Não? Graças a esses dispositivos, que a caminhoneta chineasa provalvelmente não dispoe, que os ocupantes dos carros Ferrarí e Monza(apesar do Monza ser velho-1997),que oculpantes estão vivos, apenas com dores espalhadas pelo corpo, mas estão vivos diante da gravidade do acidente. Caro Senador Dá pra falar em COMPETITIVIDADE com alguém que cópia projetos, que pagam salarios U$50,00 dolares aos trabalhadores e ainda vende produtos de qualidade sofrível? qualidade tão ruim que mata?

Franco em 30 de setembro de 2011

Setti, a reportagem do Estadão poderia ter ido mais fundo e apurado o efeito dos impostos que incidem sobre todos os produtos e serviços que compõem a cadeia produtiva dos carros. É um erro descontar o valor dos impostos do preço final e chamar isso de preço sem impostos. Fica parecendo que pneu, aço, energia elétrica, mão-de-obra, robôs, etc., estão livres de qualquer taxação. O câmbio é um fator decisivo nessa conta. O Real está valorizado em relação às outras moedas. E se estivesse desvalorizado? Também não vejo nenhum sentido prático em as montadoras apresentarem sua estrutura de custos e suas margens de lucro. Isso é irrelevante para os consumidores. Precisamos mesmo é de concorrência, mais concorrência. Isso sim tem um enorme efeito prático. Só que o governo vai na contra-mão da lógica. Mantega resolveu dar uma lambada nos importados, quando o mais inteligente seria estimular a concorrência.

Corinthians em 28 de setembro de 2011

Ailton - 28/09/2011 às 10:08 Não seja ingênuo. Eu sempre - seja aqui, seja no do Augusto Nunes, seja no do Reinaldo Azevedo - uso este "apelido" e meu único e-mail pessoal. Não posso responder por estes outros. Tudo isso é saudade de que eu rebata seus argumentos sem sentido ?

jose em 28 de setembro de 2011

Se eu tivesse um produto que com uma boa margem de lucro, conseguisse vender por X, mas sei que se vender por 2X consigo achar otários que paguem. Pq vou vender mais barato?

Ailton em 28 de setembro de 2011

Caro Ricardo Setti Veja só essa! Lucia c Marcia m Patricia m Corinthians Agora tudo se encaixa, são derivações de pseudonimos de um só comentárista.

tico tico em 27 de setembro de 2011

Prezado Setti, minha compreensão, é a de que, o atual governo mantém assim como vem sendo até agora, porque no socialismo haverá espaço para grandes empresas reféns, mas também aproveitadoras das "deficiências" do governo quanto a benefícios para população duplamente aprisionada. (pelo governo e pelas montadoras, neste caso) Como sabemos, trabalhamos cinco meses por ano para os que nos governam, e trabalharemos mais.

Ailton em 27 de setembro de 2011

Vendas de autos nos EUA de janeiro a junho/2011. Vejam a relação das vendas de veículos nos EUA e a razão que levou o governo daquele país (também) a aumetar os impostos de importações, os motivos são os memso que os nossos. Toyota Camry 35.058 Toyota Corolla/Matrix 27.345 Honda Accord 25.386 Honda Civic 23.231 Chevrolet Malibu 20.458 Nissan Altima 18.275 Hyundai Elantra 18.215 Hyundai Sonata 17.836 Ford Fusion 17.406 Ford Focus 15.417 Subaru Legacy/Outback 12.238 VW Jetta 10.413 Nissan Sentra 9.712 Mazda3 9.705 Chevrolet HHR 9.696 BMW Serie3 8.897 Kia Soul 8.020 Nissan Versa 7.725 Ford Mustang 7.489 Chevrolet Camaro 7.486 . . Veja em que lugar aparecem os doi modelos de fabricação nacional mais vendidos na tabela(americana) se não nas duas ultima posições. OBS: Ttabela de propriedade do site "motorsites" ou "motorspits"

patricia m. em 27 de setembro de 2011

O Corinthians - como sempre - tem razao. Algumas razoes, de forma resumida: - custo da mao de obra (toda empresa paga pelo menos 100% em impostos em cima da folha de pagamento) - custo de transporte (nao ha ferrovias, os portos sao um lixo, etc etc etc) - produtividade (o pais eh recorde em feriados, por exemplo) - impostos, impostos, importos, nao apenas em cima das montadoras como em TODA A CADEIA PRODUTIVA - falta de competitividade: o governo nos fez o favor de acabar de dar o porrete na incipiente competitividade . Ou seja, a margem de lucro nao eh o problema. A margem de lucro eh desculpa de quem quer na verdade botar a culpa nos malvados "capitalistas" que "exploram o coitadinho do povo brasileiro" ao inves de mostrar as verdadeiras MAZELAS do pais.

padre anchieta em 27 de setembro de 2011

CARO RICARDO, TÁ EXPLICADO PORQUE A FILIAL DA GM NO BRASIL É A MAIS LUCRATIVA, E SEGUROU A MARIMBA QUANDO ELA FOI PRO ESPAÇO NOS EUA.

Think tank em 27 de setembro de 2011

Faltou mencionar que no Brasil o carro é classificado como bens de capital, ou seja como a a maioria das transação é com trade in, a concessionária paga imposto mais uma vez agora também sobre o carro usado, o que não ocorre nos países onde um carro não passa de bens de consumo.

domingos roberto em 27 de setembro de 2011

Não li a matéria mas vou responder. O Brasil é o pais dos expertos e que tem um povo manso.

Ailton em 27 de setembro de 2011

Amigo Nagasawa, Eu procurei, eu juro que revirei todo o DOOGLE, fui nos Endereços dos sindicatos patronais automótivos de cada país relacionado, fui na nossa ANFAVEA e nada! juro, amigo, juro que não encontrei nenhum artigo, nenhuma nota que fosse, sobre esses preços expostos por você. A única semelhança que encontrei foi um acordo entre o presidente Rafael Caldera Rodríguez da Venezuela e Fernando Cardoso em 1995,onde Brasil fornecia carros ao custo de U$4,0 mil em troca a Venazuela forneceria gasolina e diesel também subsidiados, com preços abaixo do mercado internacionais. Fora isso, para esses valores não achei nada que me levasse aos seus números. Lebro que no Brasil de FHC um gol 1.0 básico era vendido por U$9,0 mil dolares, porém o dolar valia R$$2,50 a R$4,75 vou calcular com a média de R$3,62 isso fez o preço do gol simples subir para cifra inaucansável pelos brasileiros, piora a situação se lembrarmos que 89% da população naqueles anos, recebiam apenas um salario minimo, algo em torno de R$120,00 a R$170,00. o que deixava o sonho do carro próprio cancelado para os anos vindouros, os anos de pujanças após 2002. Hoje não existe gol básico, todos vem com AR/D.H/T.E/V.E e custa R$28.0 mil ou U$ 15,5 mil dolares(cot. de Hoje). para uma população que recebe salario minimo mais reduzida, essa quantidade caiu para apenas 49% dos brasileiros. Por isso, mesmo com preços acima de todos os países(o que eu não acredito) e com uma classe média que tem 105 milhões de brasileiros com rendimentos entre R$4,0 e R$5,0(IBGE) o Brasil de Lula/Dilma, mesmo com essas prerrogativas de ser caro ou não, conseguiu vender 30 milhões de unidades em oito anos e meio, contra apenas 900mil(diz a anfavea) ou 2,5 milhões em oito anos( segundo o tucanato). Abraços.

Corinthians em 27 de setembro de 2011

Infelizmente, mesmo que exista a suspeita de lucro superior à de países desenvolvidos (o que não acredito), devemos considerar sim que os custos no Brasil são muito maiores. Conforme colocado, a baixa produtividade é um empecilho, que é causado sim pelo alto custo da mão de obra. O funcionário pode ganhar pouco, mas a empresa precisa gastar com uma estrutura de treinamento gigante e com uma legislação trabalhista absurda - além é claro das greves. Além disso o brasil, conforme fez questão de corroborar o nosso querido governo petista, é uma caixa de surpresas com impostos, onde uma mudança radical como essa do IPI pode acontecer sem aviso prévio e sem tempo de adequação. Mais o custo logístico, onde a maioria dos carros devem ser transportados em caminhões cegonha e o PAC e o Ministério dos Transportes mostraram o quanto as empresas precisam se preocupar. Para não colcoar outros custos aqui como assaltos. Tudo isso tem um custo, altíssimo para o país. Não é à toa que todos os especialistas dizem que precisamos investir em infraestrutura e em segurança. Mas infelizmente o governo prefere ficar só no falatório a implementar uma política de segurança, em reduzir impostos (na verdade só quer aumentá-los) e corrigir o problema da infraestrutura. A grande gerentona do governo Lulla, mãe do PAC resolveu só agora privatizar. Mas não se preocupem - em caso de problemas a Ministra do Planejamento define dia de jogos da Copa como feriados, para que não ocorram engarrafamentos na frente dos turistas.

Kenjiro Nagasawa em 27 de setembro de 2011

Caro Ricardo, segue um e-mail que recebi hoje sobre o assunto (os gráficos e imagens não sairão nos comentários mas é possível entender o texto mesmo assim): "O Brasil é uma piada mesmo. Levanta a mão aí quem acredita que realmente aquela decisão de sobretaxar em 30 pontos percentuais o imposto sobre alguns carros importados é uma decisão tomada sem o lobby das montadoras nacionais aí! Pra mim é uma coisa tão límpida e cristalina que isso não passa de uma armação do cartel que a décadas oferece carroças cheias de plastico a um preço caríssimo para o consumidor brasileiro, enquanto envia para o exterior, (para ser vendido por um valor muito menor que o daqui) o mesmo carro repleto de conforto e opcionais. Segundo a Abeiva (associação das importadoras), o aumento de IPI pode elevar os preços em cerca de 26%. “As empresas tentarão reduzir o repasse ao consumidor diminuindo as margens de lucro e o investimento em publicidade”, diz José Luiz Gandini, presidente da entidade. Você acreditou no que disse este sujeito? EU não. Pra mim só vai acontecer uma coisa: Mais um aumento de imposto para a nossa coleção. Os Brasileiros se acostumaram a pagar as coisas mais caro. O nosso goiverno se acostumou a garfar cada vez mais no nosso bolso. Continuarão a fazê-lo. Tudo será miseravelmente como sempre foi. A alegação para o golpe é que o governo elevou em 30 pontos percentuais apenas o IPI de carros estrangeiros que não tiverem ao menos 65% de conteúdo nacional ou regional. A suposta explicação para este fato resida numa pressão para os caras fabricarem os carros aqui e não apenas montarem. Você acredita nesse papo aí? Eu também não. Você pode perceber o alcance malicioso de uma medida como esta analisando quem vai levar ferro. Os que serão afetados, são os modelos trazidos da Coreia do Sul, China, Japão e Alemanha (veja a lista abaixo). Por que? Na visão nada isenta do governo, porque eles estavam concorrendo deslealmente na medidia em que usam peças feitas no exterior, logo mais baratas. Então, se pararmos para refletir sobre esta pérola da estupidez governamental, o governo ferra o cara que dá benefício ao consumidor para ajudar uma corja que tem preço alto. Mas por que os preços do carro brasileiro são tão altos? A resposta reside na palavra IMPOSTO. Veja: Tá vendo? Na China, o MESMO CARRO custa a METADE do preço que a gente paga aqui. Como ninguém é trouxa de imaginar que a montadora faz carro na China para levar prejuízo, dá pra perceber que na verdade este carro (e todos os outros) custam MENOS DA METADE DO PREÇO DE REVENDA! Em cima vai o lucro e o imposto. Você imaginava que o bolo tivesse tanta cobertura? Nem eu! É putaria, minha gente! É o governo desgraçado que soca imposto em tudo que a gente paga. O problema é que a tragédia não para por aí. Nos pagamos muito mais caro por produtos de pior qualidade! Veja. Este é o Ford Ka Europeu: Este é o Ford Ka vendido no Brasil: Observe que não estou me refeindo a uma frescuragem de estética, como rodas, lanternas, faróis e detalhes de design. Estou falando de itens de SEGURANÇA como freios ABS e Air Bag. Por que estamos fadados a pagar caríssimo para ter como opcionais os itens que são de série no exterior? PUTARIA. Observe também que não é algo que ocorre apenas no Ford Ka. Acontece com tudo quanto é carro. Veja a diferença de preços: Vectra - Brasil: R$ 57.291 Chile: R$ 37.092 ($ 10.390.000) Diferença: + 54,45% Caminhonete S10 -Brasil: R$ 60.216 Chile: R$ 31.123 ($ 9.154.000) Diferença: + 93% - Cabine Dupla, motor 2.4 Palio Weekend - Brasil: R$ 48.934 Chile: R$ 29.595 ($ 8.290.000) Diferença: + 65,35% - Equipado com ar condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos dianteiros, travas elétricas e rodas de liga leve 14” Siena - Brasil: R$ 44.972 Chile: R$ 24.954 ($ 11.990.000) Diferença: + 80,22% - Equipado com ar condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos dianteiros, travas elétricas e rodas de liga leve 14” Focus Hatch 1.6 - Brasil: R$ 54.950 Chile: R$ 34.236 ($ 9.590.000) Diferença: + 60,50% Ecosport - Brasil: R$ 58.290 Chile: R$ 28.524 ($ 7.990.000) Diferença: + 104,35% Cerato - Brasil: R$ 61.900 Chile: R$ 35.307 ($ 9.890.000) Diferença: + 75,32% Picanto - Brasil: R$ 32.900 Chile: R$ 22.098 ($ 6.190.000) Diferença: + 48,88% Sandero Privilege-Brasil: R$ 44.140 Chile: R$ 24.240 ($ 6.790.000) Diferença: + 82,10% - Versão Dinamique no Chile, ambas com freios ABS e air bag duplo Logan 1.6 -Brasil: R$ 41.240 Chile: R$ 23.883 ($ 6.690.000) Diferença: + 72,68% - Versão Dinamique no Chile, ambas com freios ABS e air bag duplo A conclusão que eu chego é que somos todos considerados otários pelas montadoras, pelo governo e finalmente por todos os consumidores do exterior que se espantam em saber dos preços e a pergunta é sempre a mesma: “Mas por que eles pagam tão caro por tão pouco?” Somos vitimas de um sistema perverso que oculta uma cascata de tributos em tudo que nós consumimos. Da água que bebemos ao sabão, do feijão ao papel higiênico. Para não ficar feio na foto, eles eventualmente fazem certas alegações que poderiam fazer sentido, como “estamos aumentando os impostos para incentivar a industria nacional”. Atitudes como este aumento do IPI localizado refletem uma questão importante. Ao invés de melhorar a competitividade do custo Brasil reduzindo os impostos que estão travando o país, preferem sobretaxar a concorrência! Não aprendemos a dura lição com a reserva de mercado gerada pela “lei da informática” nos anos 80." Kenjiro, muito bons os dados comparativos desta mensagem. Obrigado. O preço de nossos carros é absurdo e precisa ser melhor explicado por quem o define. Abraço

Ailton em 27 de setembro de 2011

Os EUA são os 6º na pauta das exportações brasilerias, e de todos os, o Brasil é o que mais tem produtos super taxados em exportações com aquele destino, nenhum país exporta para os EUA com tamanha taxação como as nossas exportações para eles. Sejamos imperialistas, cadê? façamos o mesmo com eles, afinal, eles já não são os responsáveis por 96% de nossas exportações como era ou foi em decadas anteriores ao PT, representam agora apenas 18% nessa pauta.

Mario Arone em 27 de setembro de 2011

E o "New" Fiesta, Civic, City, Corolla,... Somos todos muito otários em pagar esse absurdo de preço. Tinha me livrado desse empulhação importando, à cada três anos moto e carro, mas agora o governo protegeu a única industria que ganha um monte nas costas dos brasileiros, enquanto sapatos, têxteis, iluminação, ... continuam em franca queda. Mario Arone

Ailton em 27 de setembro de 2011

Índio Véio Um metalúrgico, um técnico de estrutura naval no Brasil, recebe U$3.300 ao mês, salario pago nos estaleiros nacionais, na China esse mesmo metalúrgico, esse mesmo técnico naval recebe apena U$50,00. Um engenheiro naval chinês ganha apenas U$500,00, no Brasil esse mesmo engenheiro ganha U$12.000 mil. e Brasil ainda tem salário baixo para essa categoria em relação aos países de tradição naval.(imagina) A qualidade começa a baixar nese momento e segue por toda a cadeia produtiva até a entrega do produto. Sr Senador CORONEL e milionário Agripino Maia, ainda entende essa aberração como eficiencia e competitividade industrial.

Ailton em 27 de setembro de 2011

indio véio Nesse momento de crise no reino dos 'milionários' caciques do neoliberalismo falido, com o Estados Unidos de locomotiva desgovernada a puxar toda a Europa para o buraco, trenzinho nefasto que levou quase todos os países deeconomia estáveis ou não a sobretaxarem os produtos importados, e no Brasil não podia ser diferente, apesar de nosso país só sobrecarregar impostos nos autos importados. Hau indio véio!! Na Europa, do meditennâneo aos fiordes da Noruega, da ponta do Belém no Portugal aos balcãs da Sérvia, todos os paises aumentaram as taxas dos importados, principalmente veículos. No mundo só quem não sobrecarregou os importados foi exatamente ela! ela a China a rainha dos pirateados, a maior vendedora de 'badorfas, a campeã de péssimos produtos a CHINA, ela só importa equipamentos e minérios de ferro, itens essenciais ao seu desenvolvimento daí não aumentar os impostos internos, nada mais importa para ela e além de tudo estão muito bem de bolso, possuem reservas avaliada em 3.9 trilhões de dolares e nenhuma dívida, nem externa, tampouco interna. Temos que aumentar as taxas sobre importados, sim! um veílixo chinês entra aqui por U$9,0mil fabricam com custos baixo, copiam projetos alheios, usam materia prima de terceira e pagam salrios de U$50,00 aos metalúrgicos, fazem isso para reduzir, embora, depois o carro saia a se desmontar nas estradas, isso não é competitividade como quer o senador e CORONEL agripino maia, aliás o milionárissimo coronel Maia, Agripino Maia. Isso é malandragem, investir pouco em segurança, projetos copiados sem autirozação e qualidade de materiais lastimável só para vender anos luz mais barato que uma fabrica que gastou bilhões em desenvolvimento, mão de obra e materiais de primeira linha. Tenho um polo sedã VW 2.0, e fui dirigir um desse que famoso apresentador vende em seu programa dominical, e posso afirmar, o POLO da de lavada em qualidade, e custa mais barato que o top de linha, da concessionária onde trabalha o simpático porteiro, o Sr.Jaques, carinhosamente conhecido como Jac. e além do mais, Os americanos não fazem outra coisa a não ser sobretaxar os importados, os produtos daqui(Brasil) entram lá com pesadissimas cargas tributárias, lá, (vide o suco de laranja, o nosso custa quatro vezes mais nos mercados americanos, que o produzido por lá, e essa proteção se dá em todos os nossos produto exportados para aquele país, com exceção dos essenciais aos país dels, como petróleo e ferro eles são importados sem nenhuma taxa. bobos, não?) apesar dos EUA ser o 6º na nossa palta de exportações brasileira, essa proteção não deixa de ser prejuízos pra nós.

Carlos Costa Aguiar em 27 de setembro de 2011

A Bélgica importa o Fox fabricado no Brasil. Mesmo com os custos de frete, o carro é vendido aqui mais barato que no Brasil sendo que na Bélgica freios ABS, climatização, air-bags, barras de proteção lateral, cd player entre outros são ítens obrigatório de série e não opcionais. Ou seja, os belgas compram o Fox brasileiro muito mais equipados que o modelo de base produzido no Brasil por um preço inferior ao praticado em terras de além mar (frete incluso)

indio véio em 26 de setembro de 2011

detalhe: o governo diz q aumentou o IPI em 20 ou30 , quando realmente foi de 200 a 300 %. é reserva de mercado + acintosa q pode existir.tem as digitais do parelho sindical - CUT - q governa estepaiz, p desgraça dos brasileiros. tem + é q abrir a concorrencia, pois só assim os carteis das montadoras irão competir no velho e saudavel MERCADO

Ailton em 26 de setembro de 2011

Carros brasileiros são caros SIM, mas não são os únicos, na Europa pagam-se 100% de impostos para adquirí-los, e ainda pagam uma especie de IPVA avaliado em 11% ANUALMENTE do valor de compra, no Brasil um carro sai com 40 a 70% de impostos a depender da potencia do motor, e IPVA nunca passa dos 3% do valor final do bem.

Paulo Bento Bandarra em 26 de setembro de 2011

Isto que os nossos carros apens melhoraram um pouco desde que Collor abriu o mercado. Para carros pelados os preços superam os carros importados equipados. E o governo em vez de deixar a concorrência fazer a sua seleção e modernização, faz protecionismo para prejudicar os consumidores brasileiros.

João Augusto em 26 de setembro de 2011

A caixa preta que estão submetidos os custos de produção das montadoras, faz supor que as margens de lucro estão acima do que se espera de um mercado competitivo. As montadoras são formadores de cartéis e contam com a benevolência dos governos em qualquer sinal de dificuldades.

Douglas Corrêa em 26 de setembro de 2011

Como diz Joel Leite em recente reportagem o maior agregador ao preço dos carros é o "CUSTO - LUCRO". Paises trabalham com 10/15% de margem liquida e no Brasil só eles sabem !!! É o processo "sicolá" se colar bem ... se não vamos baixar. Vejam as ofertas recentes das montadoras com relação a preços/prazos/condições.

Marco em 26 de setembro de 2011

Amigo Setti: Ainda continuo com a minha tese do alto custo financeiro a prazo e o pouco desconto a vista, q está nas mãos das financiadoras terceirizadas ou próprias. Abs.

jefferson em 26 de setembro de 2011

Se as empresas citam os impostos sobre os itens para a fabricação é preciso contrapor isso à defasagem tecnológica e de design. O Golf, por exemplo, não há como comparar. O vendido aqui no Brasil está duas ou três gerações atrasado em relação ao Europeu. A mesma coisa o Vectra, a Zafira, o 307, a palhaçada do 207. Todos defasados mas com preços superiores.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI