Image
Só os juros da dívida engolem o triplo dos investimentos produtivos… na Espanha (Foto: www.blake.co.za)

A dureza das medidas adotadas pelo governo conservador do primeiro-ministro Mariano Rajoy, na Espanha, ainda está por produzir efeitos visíveis – afinal, ele ocupa há apenas quatro meses o Palácio de la Moncloa, sede do poder. E o que mais continua pegando é o peso da dívida pública.

Vejam vocês: o conjunto das administrações espanholas – ou seja, o governo central, os governos das dezessete comunidades autônomas (espécies de Estados americanos, com muito mais autonomia do que os brasileiros) e as administrações locais – paga, por dia, 100 milhões de euros só de juros. Ou seja, algo como 240 milhões de reais por dia. Sim, por dia.

Rajoy, líder do Partido Popular (PP) ainda não apresentou os números finais do Orçamento deste ano para aprovação pelas Cortes, o parlamento espanhol – está empurrando com a barriga as más notícias sobre mais cortes em gastos sociais e mais aperto geral de cintos à espera das decisivas eleições na Andaluzia, neste próximo domingo, 25, que poderão tirar dos socialistas, em favor do PP, seu grande bastião político – e a única região da Espanha que ainda governam com maioria absoluta.

De todo modo, não se espera que o novo Orçamento destine menos do que 30 bilhões de euros (algo como 72 bilhões de reais) ao pagamento dos juros da dívida – quantia equivalente a tudo o que o governo desembolsa com seguro-desemprego e três vezes mais do que investe em obras públicas ou em pesquisa e desenvolvimento.

Parece um certo país que conhecemos, não?

Para comparação, no ano imediatamente anterior à crise financeira de 2008, os gastos com juros da dívida foram de 15,9 bilhões de euros.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − doze =

Nenhum comentário

diniz dos santos em 23 de março de 2012

E deu no que deu. Hoje está quase sem saída.

Think tank em 22 de março de 2012

Ué, não foi dali que aportou na América Latrina os vícios ibéricos?

Steve Ling em 22 de março de 2012

É a Espanha no "cheque especial" depois dos 10 dias.

patricia m. em 22 de março de 2012

Rosa e Hatori disseram tudo. O welfare state amado pelos espanhois e pelo resto dos europeus esta levando o continente `a ruina financeira.

Hatori Hanzo em 21 de março de 2012

O Socialismo e todas as suas combinações NUNCA darão certo. "É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos pela prosperidade. Para cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber. O governo não pode dar para alguém aquilo que tira de outro alguém. Quando metade da população entende a idéia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação. É impossível multiplicar riqueza dividindo-a. Adrian Rogers, 1931

Rosa do Luxemburgo ( o jardim) em 21 de março de 2012

É Setti, parece que os governos socialistas Todos se deram muito mal. Brasil incluído. Nós tambem carecemos de investimentos em infra estrutura e pagamos horrores de juros da dívida. Parece que o socialismo aqui se encantou com o setor de perfumaria e se hippnotizou pela corrupção desbragada. E somos a sexta economia do mundo. Quando é que vamos acordar deste pesadelo?

Kaos em 21 de março de 2012

As elites financeiras continuam a comandar o destino dos países. Elas não podem perder nada.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI