Image
Ronaldo se emociona ao anunciar o fim de sua carreira como jogador

Três vezes o melhor jogador de futebol do mundo, o maior artilheiro da história das Copas, um dos maiores jogadores da história do futebol, sucesso e sensação em todos os times por que passou — um homem que morreu e ressuscitou para o futebol mais vezes do que qualquer outro, Ronaldo Fenômeno parou.

Houve choro e abraços no anúncio do fim de sua carreira, hoje, no Centro de Treinamento do Corinthians, houve emoção na entrevista coletiva desta tarde, e o Fenômeno revelou o que era um segredo para a esmagadora maioria do público:

— Há quatro anos fiz um exame no Milan que constatou que eu tinha hipotiroidismo. Eu precisava tomar hormônios, mas não podia porque seria pego no doping.

E acresentou aos jornalistas:

— Alguns de vocês agora devem estar arrependidos de fazer tanta chacota com meu peso, mas não guardo mágoa. Só queria explicar isso no ultimo dia da minha carreira.

Image
Ao tirar o passaporte em 1994, ainda no Cruzeiro

O hipotiroidismo consiste na baixa produção do hormônio específico da tireóide, que por sua vez controla a produção de três outros. Calcula-se que de 5 a 7 milhões de brasileiros padeçam do problema, que causa cansaço, aumento de peso e desânimo ou diferentes graus de depressão. É tratável com complementação hormonal.

Além desse problema, Ronaldo também explicou que padecia de dores frequentemente insuportáveis, nos joelhos, nos músculos das pernas e em articulações, e que, exausto de lutar contra essas adversidades, tomou na quinta-feira da semana passada, dia 10, a decisão de antecipar o fim da carreira, que gostaria de concretizar no fim do ano. Não raro, disse, sentia dores ao subir escadas.

O Fenômeno usou uma imagem forte para dizer o porquê do fim:

— Eu perdi para o meu corpo.

Na verdade, Ronaldo perdeu para seu corpo, e, com o fim de sua carreira — ele vai continuar ativo na sua empresa de marketing, a 9nine, e será uma espécie de “embaixador” do Corinthians, envolvendo-se em vários projetos –, perdeu o futebol, que não mais terá sua imagem carismática nos gramados.

O técnico Carlos Alberto Parreira, primeiro a chamar o extraordinário craque para a seleção, em 1994, falou pouco e falou bem:

— Estamos falando de um dos maiores jogadores que a história do futebol conheceu. Dentro de campo sempre foi um jogador extraordinário, realmente um fenômeno.

Image
Com a taça da Copa Brasil após o empate do Corinthians contra o Internacional que deu o título ao time paulista, no estádio Beira Rio, em 2009

O técnico da seleção, Mano Menezes, que trabalhou quase dois anos com o Fenômeno no Corinthians, publicou, em seu site oficial:

— Sua trajetória se explica com gigantescos feitos. (…) Ronaldo vai virar lenda, se juntar a tantos outros grandes que nos encheram de alegrias com suas obras-primas.
É verdade. Vai-se um gigante, de trajetória luminosa e inesquecível.

(Leia cobertura completa sobre o adeus do Fenômeno no site de VEJA).

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 2 =

24 Comentários

carlos nascimento em 16 de fevereiro de 2011

Outra dúvida abissal, fico imaginando como seria o "endeusamento" do Rei PELÉ se em sua época êle tivesse aos pés os instrumentos do marketing esportivo atual, adicionados com as gordas folhas de pagamento de "jabás", falando em "jabás", dizem que as viúvas estão desoladas, acabou o que era doce. Como poderão refletir, PELÉ com seus atributos naturais, nem precisou do excesso de marketing, o dom era divino.

carlos nascimento em 16 de fevereiro de 2011

Os tempos atuais estão certificando que a natureza humana passa por um processo de nivelamento, os valores estão relativos, seja nos conceitos, seja nas posturas, as ressonâncias variam de acordo com os interesses em pauta, debater essências nem sempre é confortável, quem ousa, vira alienígena. Porém, nada é tão transparente quando às decisões são acertadas, por isso que eu sempre digo, o nosso eterno REI será PELÉ. Soube conduzir de forma exemplar sua carreira no futebol, recusou jogar a Copa de 1974, mesmo podendo ganhar mais dinheiro, preferiu preservar o respeito de seus fãs, deixou os gramados em estado atlético invejável, apesar de no âmbito pessoal ter falhado em algumas situações, como na educação do filho Edinho e na questão da paternidade da filha Sandra, isso já como ex.jogador. Os frutos estão ai, até hoje é respeitado mundo afora. Vejam os desastres de outras personalidades, Maradona não saiu de cena, foi expulso pelo excessivo uso de brilho artificial, Zico com os joelhos estourados, andou se arrastando em campo, disputando Copa sem as perfeitas condições fisicas, prejudicando a Seleção e perdendo até penalti, Zidane em último jogo deixou a trágica marca de uma cabeçada no peito de Materazzi, Romário criou a trilha do milésimo gol de araque, brigou nas arquibancadas, nos tribunais com as pensões em atraso e, acabou como Deputado para gazatear às sextas-feira em busca de um jogo de futvolei, Kaká nem parou ainda é já protagonizou o fiasco de 2010, jogou com infiltrações, agora temos o Fenômeno, com talento dentro e fora de campo, sai de cena pelo hipotiroidismo sem tratamento adequado, preservando a imagem midiática,para ganhar mais cifrões($$$$$), vai tentar construir através da sua "9nine", novos fenômenos, espero que seja com maior trasnsparência, sem o impulso do marketing excessivo, não precisa, possui talento de sobra. Tenho uma grande dúvida, se ao invés do Corinthians do Brasil, fosse o Los Angeles Lakers dos Eua (analogia), o ídolo teria coragem de enfrentar o público nas condições fisicas limitadas que se impôs, acho que não, ai está as diferenças de sociedade, uma dura realidade, temos muito com que aprender, um dia chegaremos lá.

carlos nascimento em 15 de fevereiro de 2011

Ricardo, Gostaria de apreciar algum comentário vindo do grande jornalista RS, não quanto a qualidade do atleta, todos nós que amamos o futebol sabemos distinguir muito bem, falo sobre o "pinóquio" que tentou levar os torcedores na questão do hipotireodismo. Não receia, todos nós sabemos que vc é Corintiano famoso e brilhante, pode falar um pouco com o coração e, também com a brilhante inteligência de jornalista diferenciado, precisamos de comparativos em diversos ângulos, vamos lá, espero merecer isso. Leve em consideração que o tratamento da doença não seria considerado doping, bastava tornar público, a mentira era para proteger sua imagem de celebridade, mesmo que isso visasse enganar os torcedores. Carlos Nascimento. Caro Carlos, Não tenho elementos para fazer o comentário que você pede. Li o que os jornais publicaram a respeito, e aqui mesmo, no blog, uma leitora disse que, sim, o hipotiroidismo provoca exatamente o que o Ronaldo disse que sentia. Em princípio, prefiro acreditar no Fenômeno. Abração

carlos nascimento em 15 de fevereiro de 2011

Ricardo, Primeiro quero registrar minha "reverência" ao grande ídolo Ronaldo Fenômeno, um dos "top five" do futebol mundial, faz parte da minha relação dos 5(cinco) maiores: Pelé, Garrincha, Maradona, Ronaldo e Messi. Ainda, o maior artilheiro de todas as COPAS, Bicampeão Mundial, Tri Mundial como o melhor jogador do planeta, ter jogado nos grandes times do mundo esportivo, rivais até, como o Barça x Real, Inter x Milan e, por último no glorioso Corinthians. Segundo, quero registrar minha "reverência" ao cidadão Ronaldo Nazário, pela sua capacidade de superação, 8(oito) cirurgias, pela sua sabedoria em reconhecer à paternidade de seu filho fora do casamento, acolher e apoiar decididamente, por sua contribuição maravilhosa em prol das crianças do mundo inteiro, que sonham um dia ser igual ao Fenômeno. PARABÉS e SAUDADES DA ETERNA MAGIA. Agora, como ser humano que somos, temos obrigação de apontarmos alguns equivocos, os quais podem servir de lições para o futuro na avaliação de Celebridades: Veja o que penso: Ronaldo Fenômeno foi honesto com o torcedor brasileiro e Corintinano ao se apresentar para disputar uma Copa do Mundo - 2006 -sabedor de sua doença, já com o peso excessivo, ter escondido, buscando única e exclusivamente alcançar o recorde de maior artilheiro das Copas ? As seguidas lesões musculares que vieram em seguida ainda na Europa, fizeram o Milan descobrir a doença verdadeira e inviabilizar a manuteção do seu contrato ? Quando assinou com o Corinthians avisou da doença ? Não seria honesto e justo buscar tratamento, tornando público o seu problema, hoje o que se diz é que o tratamento ~- reposição hormonal - não seria doping, desde que fosse tornado público e juntado documentação para a FiFa, conceituado médico do COI já se manifestou sobre isso, nesse caso Ronaldo escondeu temendo abalo de imagem junto aos seus patrocinadores ? São essas indagações que merecemos respostas, creio que RONALDO poderia dar um novo bom exemplo, esclarecendo tudo, perfeitamente. Quero aqui também apontar o caso de Kaká na última Copa 2010, jogou sem condições fisicas, fez infiltrações no joelho, foi denunciado pelo Juca Kfoury, estrilou, chamando o Juca de preconceituoso, que estaria sendo perseguido por questões religiosas e, ao final do torneio, confirmou-se tudo, o jogador quase arruina sua carreira fisica, tendo que operar o joelho. Fica a pergunta ? Qual o direito e o quanto é honesto mentir e tentar iludir o PÚBLICO. Espero ser compreendido nessas questões, ninguém pode enganar por muito tempo a paixão das torcidas, temos que ser respeitados, SEMPRE. Carlos Nascimento.

malu campos em 15 de fevereiro de 2011

CelsoJ 14/02 16:41 Como portadora de hipotiroidismo posso te garantir que dá sim convulsão, desânimo, engorda, e que os "médicos" que garantem que é de fácil tratamento e não é considerado doping estão procurando holofotes. Como diz o meu endocrinologista:"Somente os portadores desse ma é quem podem dizer o tamanho da devastação no organismo." Hipotiroidismo tem tratamento já inveja... Parabéns, Ronaldo por ter reconhecido o momento de parar e por ter dado tantas alegrias. Obrigado por mostrar ao mundo um Brasil decente.

Antonio Skoldharougs em 15 de fevereiro de 2011

Péssimo jogador, também nunca jogou no meu Gremio, se jogasse por ele, seria um grande, o maior de todos! pelo menos o mais completo. Brincadeiras aparte!!!! O mundo do esporte não será mais o mesmo sem Ronaldo.

João Augusto em 14 de fevereiro de 2011

O Brasil e o mundo vibrou com o futebol de Ronaldo, sofreu com suas contusões, se emocionou com seus esforços para se recuperar de diversas contusões, sempre com muito sacrifício e dedicação. Ronaldo é um "fenômeno" e continuará brilhante mesmo fora de campo.

Roberto P. Pedroso em 14 de fevereiro de 2011

Caro Ricardo, Umas das coisas que mais me impressionou na despedida do Ronaldo foi constatar novamente o grande poder da Rede Globo de Televisão, todas as demais emissoras foram obrigadas a aguardar o inicio do Globo Esporte para que o Ronaldo entrasse em cena. E o mais interessante é que ninguém comenta o fato. Fico imaginando se esta emissora utilizasse todo esse poder de forma verdadeiramente produtiva, quantas mudanças positivas eles poderiam produzir no Brasil.

Adriana Rolando em 14 de fevereiro de 2011

Caro Ricardo, Algumas despedidas são feitas de passagens. Como se o protagonista da cena abrisse mão da privacidade,e, quebrasse regras de intimidade. Tornamos-nos um com ele. O gesto generoso que alimentou a devoção, até sua partida. O amor suprimiu divisas. A arte dos gênios aproximou os povos. A igualdade, utopia para os políticos foi a possibilidade factível que o craque soube, como ninguém, desenhar no gramado. Muitos se renderam aos seus dribles, outros, foram rendidos pelos seus gols. Gordo, magro, mulherengo, nenhuma condição humana foi suficiente para qualificar o divino que se apoderava dele nas partidas de futebol. Como se ele fosse um “cavalo”, desses, de terreiro de umbanda, apto para receber a entidade que faria dele um jogador magistral. Como se fosse tocado para isso. Certamente o foi, que me perdoem os céticos. Afeitos ou não ao futebol, tê-lo conosco foi como visitar alguém que amamos, nos feriados. Quando é hora de ir, você leva a alegria por ter compartilhado o encantamento, que só existe em relações dessa natureza, extremamente apaixonadas. Foi assim, com o Ronaldo “Fenômeno”. Suficiente para encher de saudade Estádios de Futebol, do mundo inteiro. Pensando bem, faz sentido, foi aí que tudo começou... Ser espectador de uma história como essa é de chorar, em qualquer tempo...Deixar a lágrima correr é apenas circunstância desse epílogo. Abraços, caríssimo. Obrigado pelo emocionado comentário, cara Adriana. Abração pra você também.

Julio em 14 de fevereiro de 2011

Ricardo, ao admitir que o corpo não mais lhe respondia Ronaldo deu uma lição de humildade, ao se desculpar pelo fracasso na Libertadores, uma lição de honra, ao verter lágrimas enquanto falava demonstrou muita, mas muita dignidade. Um grande, não me resta a menor dúvida.

Sol em 14 de fevereiro de 2011

Pra sempre, será o melhor do mundo! Fenômeno! Nos deu muitas alegrias, e nos ensinou, que a gente não pode desistir nunca! Recomeçar, sempre é possível. Quem viu, viu, agora só lembranças! Obrigado Fenômeno!

celsoJ em 14 de fevereiro de 2011

Hipotireoidismo não dá convulsão! A suposta convulsão foi em 1998, Celso, lembra? E o problema na tireoide, explicou o Ronaldo, foi detectado em 2007. Abraços

Malur em 14 de fevereiro de 2011

Ronaldo Fenômeno não precisa que ninguém o defenda. Sua história fala por si. Muitas homenagens e respeito é o que ele merece, com seus erros e acertos. Esses foram infinitamente maiores que aqueles.

TITO AMÉRICO em 14 de fevereiro de 2011

Primeira vez no blog e gostaria de tirar uma dúvida:foi voce mesmo ou um outro Ricardo Setti, seu xará, que trabalhou no Banco Crefisul de Investimento, no Rio de Janeiro, em meados da década de setenta? Quanto ao Ronaldo, votos de felicidade,vida longa e muito respeito por tudo que ele representa para o futebol. Caro Tito, em meados da década de setenta eu estava começando a trabalhar em VEJA, que deixei em 1983. Mais tarde voltaria a trabalhar na Editora Abril mais três vezes -- esta é a terceira. Era outro RS, com certeza. Nunca ouvi falar dele! Nunca trabalhei em banco nem morei no Rio de Janeiro. Interessante saber de um xará, porque meu sobrenome não é assim tão comum, embora existam outras famílias Setti que não tenham parentesco próximo, até onde podemos investigar. Obrigado, meu caro. Um abraço e volte sempre.

ALBERTO em 14 de fevereiro de 2011

Ao contrário do que diz o Sr. Sizenando, conheço várias pessoas ( minha irmã inclusive ) que descobriu que eram portadores de hipotireoidismo depois de adultos. Eu também, caro Alberto. Abraço

Mauro Pereira em 14 de fevereiro de 2011

Caro Ricardo Setti, boa tarde. Querer discutir a qualidade técnica do "Fenômeno" é pura perda de tempo. Ningúem é eleito o melhor do mundo por trêz vezes à toa. Seu nome já está imortalizado nos anais da história do futebol mundial, porém, a ação do tempo, senhor da vida, é inexorável e não admite réplica, muito menos apelação. Apesar do contraditório pelo seu caráter milionário, o futebol fica mais pobre e os estádios de todas as nações se renderão à sua ausência, como se renderam às ausências de Pelé, Garrincha, Cruyff, Beckenbauer, Maradona entre tantos outros nomes que estão eternizados na memória dos amantes do esporte bretão. Ainda em vida, Ronaldo Nazário estará para sempre incrustado no Cantinho da Saudade que habita na memória do torcedor, cujo coração bate mais lento marcado pelo descompasso da tristeza. Com certeza, lá da eternidade também está recebendo as homenagens do igualmente lendário e imorredouro Fiori Gigliotti. Facham-se as cortinas e termina o espetáculo". Beleza de comentário, amigo Mauro. Obrigado e um abração

Picheu em 14 de fevereiro de 2011

R7, boa tarde O chamado atleta de alto rendimento, quando talentoso, é muitíssimo bem remunerado e pode atingir níveis inimagináveis de riqueza e glória, como o próprio Ronaldo, garoto pobre do subúrbio do Rio. O preço, entretanto, é inigavelmente brutal em termos de desgaste físico, sendo que ao passar a condição de ex-, estes heróis levarão consigo para o resto de suas vidas, sequelas e dores, mais ou menos graves, porém sempre levarão.

Sizenando Silveira Alves em 14 de fevereiro de 2011

Hipotireoidismo é um quadro clínico que costuma vir já desde a infância do paciente, e antes da falta ultraviolenta que Ronaldo Nazário sofreu naquele jogo contra o Marrocos, na Copa de 1998, ele não tinha esses problemas todos. Para mim, essa conta não fecha. Me parece muito mais provável que ele finalmente tenha tido um acesso de bom senso e resolvido parar enquanto ainda tinha alguma imagem junto aos torcedores. Não creio que Ronaldo esteja mentindo, de forma alguma, caro Sizenando. Abraços

vera scheidemann em 14 de fevereiro de 2011

Ouvi apenas uma parte da entrevista de despedida e também me emocionei. Aliás, qualquer um ficaria emocionado diante de um momento assim. Imagino como deve ter sido difícil para o Ronaldo tomar essa decisão. Vera

Silvanna Canazilles em 14 de fevereiro de 2011

Ronaldo sempre vai ser o fenomeno, graças a ele o corinthias voltou a brilhar depois de muitas temporadas, foi uma grande vibração quando Ronaldo entrou de novo nos gramados para jogar pelo corinthians e naquele momento creio que a maioria dos Brasieliros torceu por esse jogador... Ronaldo é jogador, é torcedor, patrocinador, apaixonado pelo futebol... Admiro essa figura e com hipotiroidismo, artrálgias, miálgias o que seja, ele sempre fez o melhor que pode, sempre ultrapassou os limites dos outros jogadres e seus proprios limites.

Ligia Marques em 14 de fevereiro de 2011

Só podemos parabenizar o grande jogador e o exemplo que foi para todos .Mesmo alvo de inumeras agressões verbais (por motivos que muitas vezes não diziam respeito à sua vida profissional), soube manter-se sereno e educado.Sempre respeitou fãs e imprensa,sempre tratou todos com um sorriso nos lábios.Que continue sua carreira nos bastidores do futebol, pois certamente será outro fenomeno. Esperamos por você,Ronaldo!

JT em 14 de fevereiro de 2011

Ronaldo: eleito melhor jogador do mundo três vezes, campeão mundial com a seleção brasileira, ídolo máximo em todos os clubes em que jogou. O que explica o clima de velório na entrevista coletiva? A CBF deveria marcar um amistoso de despedida para o Ronaldo. Ele merece. Chamem também o Marcos e o Rivaldo. Eles merecem. Em 2002, foram eles que se destacaram na conquista do pentacampeonato. Tenho a mesma idade do Ronaldo: 34 anos. Ao vê-lo se aposentar, vejo que minha carreira está apenas começando. Eu também ficaria muito triste se tivesse que deixar de ser arquiteto agora. O curioso é que certa vez escrevi a respeito, quando completei dez anos de profissão: http://www.jeantosetto.com/2009/01/dez-anos-de-paixao-por-um-oficio.html Os cartolas com frequência se esquecem de quem realmente importa no futebol, caro Jean. E obrigado por disponibilizar seu link. Um abração

Caio Frascino Cassaro em 14 de fevereiro de 2011

Prezado Ricardo: Estava ouvindo a entrevista do Fenômeno. Confesso que me emocionei, pois é muito duro ver um ídolo do esporte pelo qual sou apaixonado se retirar de forma tão sentida. Gostaria de registrar meu agradecimento pelos momentos de puro encantamento que esse rapaz proporcionou a mim e a uma imensa legião de fãs, e espero que ele continue com seu carisma e seu bom caráter tendo sucesso na vida pós futebol. Muito obrigado, Ronaldo. Um fã incondicional seu agradece de coração. Um abraço

ALBERTO em 14 de fevereiro de 2011

corinthiano há 50 anos, afirmo: a contratação do Ronaldo foi a coisa mais importante que aconteceu na história do clube. obrigado, Ronaldo. O Corinthians ficou maior por vc ter jogado nele, e não estou me referindo ao plano financeiro.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI