Perguntar não ofende: Gabriel Chalita e o aborto

Gabriel Chalita, pré-candidato a prefeito de São Paulo: “Reduzir a eleição a uma discussão sobre o aborto é muito pobre”, diz — depois de dissertar, justamente, sobre aborto (Foto: VEJA)

Perguntar não ofende: prefeito tem algum poder de decisão sobre liberalizar ou não liberalizar a prática do aborto?

Não, é claro.

Prefeito, sobretudo de uma cidade gigantesca como São Paulo, precisa se preocupar com transporte coletivo, com escolas, com o trânsito, com a manutenção e o cuidado das vias e praças públicas, com a questão ambiental, com mil outros assuntos complexos e já difíceis o suficiente.

Por que raios, então, o pré-candidato a prefeito da capital paulista pelo PMDB, o deputado federal, professor e autor de açucarados livros de autoajuda Gabriel Chalita insiste em falar no assunto?

Chalita, católico praticante, na campanha presidencial de 2010, quando fazia parte do PSB — partido pelo qual deixara o PSDB, e que também já abandonou –, deu uma forcinha à candidata de Lula para ajudar na “blindagem” da atual presidente contra ataques em razão de declarações anteriores que fizera sobre o aborto no contexto dos direitos da mulher.

Vá lá, na campanha presidencial, sobretudo para políticos ambiciosos, vale praticamente tudo.

Mas para que diabos trazer o tema aborto para a disputa pela… Prefeitura de São Paulo?

E não é que Chalita tenha sido provocado para isso. Falou no assunto espontaneamente, em aula magna proferida na Faculdade de Direito do Instituto Presbiteriano Mackenzie, onde é professor.

Curiosamente, depois de tocar no tema porque quis, o deputado declarou: “Reduzir a eleição presidencial à discussão sobre aborto é muito pobre. A mesma coisa vale para a Prefeitura”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − seis =

27 Comentários

  • Rosa Calixto

    Já que ele abriu a discussão, não seremos nós que nos furtaremos a ela.
    Eu gostaria de saber do candidato chalita sim, a opinião dele sôbre o abôrto.
    E acho que todos nós eleitores temos o direito de discutir o que quizermos com os nossos candidatos.
    Ou então não se candidatasse.
    Ms não vai ser um chalita quem nos dirá o que queremos ou não saber.
    O escândalo anunciado, que considero este senhor, se não pretendesse se expor não se expusesse.
    Ninguem o obrigou a isso, assim como ninguem o obrigou a um mergulho em sua jaccuzzi.

  • Mari Labbate *44 Milhões*

    Como SÃO PAULO é uma Cidade-Estado, é necessário lutar pelo direito de nascer! Parece título de novela, mas é a pura realidade!

  • Eduardo

    Atrás, uma estante de livros. Notando bem: um monte de duplicatas, provavelmente, do mesmo título! Picareta!

  • JT

    Chalita bem poderia ser nome de personagem mexicano, do tipo Chiquitita e Chapolin Colorado. Fala mansa e discurso hiper glicosado não lhe faltam.
    E tem que botar muito açúcar no tema do aborto, um assunto bem amargo, e difícil de engolir, para os católicos e demais cristãos.
    Para encerrar, falar de aborto numa aula magna de universidade presbiteriana não deixa de ser irônico. Chalita Colorado bem que poderia afirmar:
    – Não contavam com minha astúcia?

  • Adelia Carvalho Campos Soares

    O tema “aborto” é muito complexo, por isso penso que a mídia dá muita atenção a ele.Mistura as coisas, por exemplo, Gabriel Chalita é uma pessoa do bem, respeitador, temente a Deus. Gostaria de saber por que o criticam tanto. Será despeito?

  • Humberto Pereira

    Falar sobre o aborto é assunto muito pobre para um católico que diz ser praticante?

  • angela baptista

    A resposta é muito fácil, o voto dos evangélicos…minha resposta pra bom entendedor basta.

  • Vera Santos

    Não importa a religão ou credo, pense nas mulheres que passam nas mãos de clínicas de fundo de quintal para a prática de aborto ilegal, que muitas das vezes levam-na à morte ou invalidez uterina! Acredito que Deus nem aprovaria tamanha desumanidade feminina.

  • Maria da Penha

    Srs. candidatos, pré-candidatos, atenham-se a anunciar seus planos de governo para a cidade de São Paulo: favelas, excesso de verticalização, falta de escolas, destino de terrenos preciosos como o da cracolândia, saúde, transporte urbano, etc. Aborto deve ser aprovado ou não pela União.

  • eduardo murakami

    Porquê a revista Veja “pega” no pé do Chalita ? Ele é tão ruim quanto um Sarney, Dr. Hélio, Zé Dirceu, Serra da privataria ?

    Pergunte à revista VEJA. O email do diretor é veja@abril.com.br

    Não sei se você sabe, mas eu não sou “a revista VEJA”. Sou apenas um colunista do site de VEJA.

    Uma perguntinha: José Serra foi condenado pela Justiça sobre algo relativo ao que você chama de “privataria”? Se não, ele é absolutamente inocente, segundo nossa Constituição.

  • Corinthians

    Esse senhor é uma piada ambulante.
    Além de trocar fisiologicamente de partido, ainda apoiou a Dillma naquela novela ficção sobre ela ser católica em Aparecida (e ela nem acertou o sinal da Cruz), mesmo sabendo que ela é a favor do aborto.
    Aliás concordo – que venha o tema para a campanha. Estamos elegendo um representante e estas questões são relevantes sim. Vai ser ótimo ver os números inflados sobre mortes por aborto clandestino e a argumentação fraca sobre como o aborto protege as mulheres destruída por estatísticas reais.
    Se ele não acha correto discutir o aborto em eleição presidencial ou municipal, ele então que vá cobrar a presidente que ele apoiou o por que nenhuma das creches que ela prometeu estão prontas, nem as UPAs, nem as UPPs, o por que o PAC 1 está atrasado e o PAC 2 está no papel, o Minha Casa Minha Vida ainda com somente 1% de casas entregues, etc. etc. etc.
    Mas isso Não vai acontecer. Seu amor pela verdade e sua religiosidade são somente máscaras para disfarçar o fisiologismo. É claro como água que ele vai vender sua candidatura ao PT.

  • Sergio

    Chamar de “pobre” uma discussão não é um preconceito?
    Que ele quis dizer com”pobre”?Decente e limpinho? Sujo e fedido? Esse cara posa de anjinho,mas trocou de partido 3 vezes. “Negou” sua crença no PSDB, PSB e agora está no PMDB. Vai chegar atrás no netinho comunista.

  • Osmar

    A mulher que faz aborto, na minha opinião, tem que morrer junto com o feto.

  • Patricia m.

    Ai eh que esta a discrepancia: ele como catolico praticante deveria ser contra o aborto e mais, deveria ser contra todos os pregadores do aborto. No entanto, o homem anda de bracos dados com abortistas ferrenhos. Ha que se exigir um minimi de coerencia do candidato… E o Chalita eh incoerente? Votar nele? So se a unica opcao for o Tiririca, ou o Netinho.

  • Reynaldo-BH

    Chalita, o autor mais profícuo (em produção) da história do Brasil consegue sempre surpreender: escreve livros e não diz nada! É a coleção completa da mesmice e pieguismo barato. E falso.
    É um católico, ligado à corrente neo-pentecostal da Igreja Católica (Canção Nova) em tudo parecida com outras denominações evangélicas, que jamais comentou um texto filosófico em seus livros. Não cita Hans Kung, Theilard de Chardin nem mesmo Ratzinger. O mais profundo em Chalita é a superficialidade.
    Como católico, não permite que a FÉ (que eu não tenho e talvez por isso, respeito-a mais do que os pregadores mediáticos) faça uso de si : ao contrário, usa a fé em proveito próprio.
    Chalita é um embuste. Que sempre fez escolhas tendo como norte o próprio interesse.
    Assim se explica a saída de um partido para outro, sendo mesmo “socialista” sem ter sequer lido o programa do partido.
    Dentro desta visão, arrisco-me, amigo Setti, a tentar dar uma lógica a esta extemporânea citação do abroto em campanha para prefeitura.
    Esta cobrando de Dilma o que fez por ela nas eleições presidenciais. Quando abandonou uma propalada fé (católica) em nome da defesa de Dilma. Mentindo sobre o que ela disse ou aceitando os argumentos da candidata de Lula. Mandou um aviso, no momento em que Haddad está sob fogo cruzado dos evangélicos (como se preciso fosse argumentar com estes fatos. Haddad pelo que (não) fez no MEC (Ministério de Erradicação da Cultura) já tem com o que se preocupar. Basta que alguém, na campanha, exponha o resultado da mias desastrada e desastrosa gestão educacional que já houve no Brasil) e agora volta Chalita a se apresentar como o “amarra-cachorro” de Dilma.
    Foi uma cobrança. Ou lembrete.
    Em tempos que as trocas de favores entre os lulopetistas já se dão à luz do dia, não espanta que Chalita tenha usado da cátedra para enviar a ameaça de chantagem.
    Faz parte da natureza de Chalita.
    Que o Deus de dom Helder Câmara perdoe Chalita.
    E que os paulistas peçam ao Deus de Chalita que, na troca (como Chalita crê), levem-no para algum lugar distante da Prefeitura.

  • Nestor Carneiro

    Sujeitinho mais sem graça esse Chalita, além de oportunista contumaz. São Paulo não merece.

  • Joaquim Arraes

    Já cansei de dizer que esse Chalita não é nada mais do que aprendiz de picareta.

  • Lucas Alcântara

    Caro jornalista de Veja, em primeiro lugar, você esteve na palestra do Chalita na Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie? Espero que sim, pois eu estive. E o assunto do aborto foi tratado devido ao tema da palestra, e sim, havia contexto com o assunto, que era “ética”, valores como “bom”, “justo” e “verdadeiro”. Não o defendo, apenas digo o que realmente aconteceu, mas como sempre, já é de se esperar que a Veja faça comentários ácidos e claro, do ponto que melhor lhe convém. Obrigado.

  • Lucas

    Prezado Lucas, agradeço de coração seu comentário a respeito do meu blog.

    Mas não o publico porque não o faço quando criticam colegas, sobretudo os que tenham seus próprios blogs.

    Um abração e volte sempre.

  • Jefff

    Não entendi o post. Ao memso tempo que não quer entrar na polemica do aborto solto um venenozinho nessa direção.

    Não joguei venenozinho, não, Jefff, fiz uma crítica direta: como Chalita é contra a concessão às mulheres de abortar em caso de gravidez indesejada, e como esse tema nada, absolutamente nada, tem a ver com uma eleição para a Prefeitura de São Paulo, minha intenção, que imaginei óbvia, era criticá-lo pela postura demagógica e eleitoreira, em busca do voto conservador. Muita gente poderá votar nele achando que, com sua eleição, estará contribuindo para barrar uma eventual mudança na lei para propiciar o direito ao aborto, quando, em seu cargo, ele nada poderá fazer num ou noutro sentido.

  • Haiganouch Licin Ganatchian Pilli

    Se arrependimento matasee eu já estaria morta. Votei varias vezes nesta rapaz, achando que jovem é mais idealista, não porque estava no PSDB, mas por acreditar em um discurso honesto e verdadeiro. Que decepção, é igual ou pior que os outros. Ele me ensinou a nao confiar e não acreditar em nenhum politico. Politicamente me sinto uma orfã. Que pena……….nao sei em quem acreditar.

  • Gabriel Machado

    Bem .. que o “meu chará” quis garantir um certo apoio conservador isso tá na cara… rs mas eu vejo que certas denominações estejam querendo entrar em outras para propagar ainda mais as suas doutrinas particulares, e não vendo a questão do aborto como é visto lá fora como um problema de saude e bem estar humano,pois e já digo que sou a favor do aborto DESDE QUE seja por motivos que possam ter o risco de vida da mulher ou de fetos com a falta do desenvolvimento do cérebro , caso ao contrário vejo isso como um assassinato… pois uma vida inocente não pode pagar por um erro de outra vida já conciente e dona de seus atos…

  • Aline Baroni - Minas Gerais

    Mandei este mail e não fui respondida:

    Caro Gabriel Chalita,

    Neste fim de semana passado assisti a um programa da TV C Nova, no qual o padre Fábio de Melo palestrou, ainda febril e adoentado. Lembra-se? Acho que foi no Sábado.
    Pois bem, após a palestra do Padre Fábio foi sua vez de apresentar seu tema ao público fiel e fervoroso aos propósitos evangelizadores da CN. Eu estava assitindo à plenária quando você começou a tecer comentários em defesa do papa Bento XVI, o mesmo cardeal Hatzinger que condenou so silêncio o Frei Leonardo Boff por exortar a igreja so seu papel principal: a defesa dos pobres e oprimidos. O mesmo Hatzinger que conviveu com as mazelas do Nazismo alemão pertencendo à juventude Hitlerista. Pensei que você fosse um democrata, Chalita.

    Bem, o que mais me impressionou no seu discurso foi defender a omissão do papa nos inúmeros casos de pedofilia na Igreja Católica, com declarações (suas, Chalita) que o papa não incentiva esta prática e que a maioria dos casos de pedofilia vem do próprio lar. Sabemos disso, Gabriel, é lógico que o papa não concorda nem é culpado pelas ações criminosas desses bárbaros que se dizem religiosos. Quando uma família confia sua criança a um padre, ela o tem como um representante de Deus na Terra, assim como o tem todos os fiéis da igreja. O padre faz voto de castidade. O padre é referência mística e moral.

    O papa é culpado sim, por omitir-se (não é a primeira vez que ele age assim).
    Por calar-se.
    Por condenar ao silêncio.
    Pecado da omissão.

    Acho que você deveria refletir mais sobre o que é realmente certo e o que é errado.
    Depois que se fala, principalmente em público, fica difícil consertar.
    Ouvir, na nossa intimidade, a voz de Deus, é o correto.
    Não há meio termo ou meia verdade.
    “Seja o seu ’sim’, ’sim’ e o seu ‘não’, ‘não’; o que passar disso vem do Maligno.”
    Mateus 5:37
    Pode me responder no seu blog, onde postei essa mensagem:
    http://blog.cancaonova.com/gabrielchalita/2010/04/19/as-maes-nao-morremficam-encantadas/

    Aline Baroni
    MINAS

  • Mauro Cesar

    Aline

    Chalita jamais poderia dentro da Igreja condenar Bento XVI, pelo simples fato de que o Papa e a Igreja só possuem um instrumento legal para combater determinados crimes, o código de direito canônico. Quando condenou Boff, Bento XVI sabia que a intenção da TL iria muito além da opção pelos pobres, tanto que optou também pela causa gblt, o aborto, a luta pela terra, e a unidade da Igreja.

    Portanto, minha cara, foi expulso sabiamente.

    Voltando ao Chalita, foi afastado em definitivo da Canção Nova pelos seus associados, pela comunidade católica pelos motivos abaixo:

    Veja o vídeo.

    http://www.youtube.com/embed/B5bzsTU5ulo?version=3&rel=1&fs=1&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&wmode=transparent

  • Dina

    As pessoas julgam sem conhecer ou fazer análises. Gabriel, é um grande escritor, e jamais foi a favor do aborto. Não só ele, como outros da Canção Nova, foram afastados temporariamente por conta da campanha. Embora exista uma religião, é preciso respeito às leis, à igreja e a tantas pessoas. Procurem mais informações, estudem mais antes de publicar opiniões tão vagas e ignorantes!

    Não sei se você notou que o post faz uma per-gun-ta. E, diferentemente de seu comentário, perguntar não ofende.

  • Silvia

    Concordo com a Dina. Foi feito uma pergunta, e esta vem com críticas já especulamdo ou querendo fazer supostas afirmações. É preciso mais coerência ao falar das pessoas, principalmente de uma pessoa tão bem conhecida e respeitada, bem sucedido tb, talvez por isso o Chalita incomoda a tantos que jamais serão como ele! Ah! vem da Veja, já era de se esperar! kkk

    VEJA morre de inveja de Chalita, não? Ahahahahahaha, não me faça rir.

  • Bianca

    Oh minha gente, deixem o Chalita em paz! Ele é tão ocupado e querido… além de ser tão notável e brilhante em tudo o que faz. Ao contrário de muitos, é educado e respeita a todos! Pena que é raridade alguém assim…muitos deveriam seguir seu exemplo!