Image
O clássico de Marvin Gaye completa 40 anos: ruptura que entrou para a história

Por Daniel Setti

Para alguns gênios da música, talento não é o suficiente. É preciso romper com o previsível e criar algo novo, inesperado. What’s Going On, disco lançado por Marvin Gaye (1938-1984) há 40 anos – reeditado em maio nos EUA -, é um grande exemplo de como o risco artístico pode compensar, inclusive comercialmente.

Ao entrar em estúdio para registrar sua obra-prima, Gaye não escondia seu tédio pelas canções que vinha gravando até então, que o tornaram um dos principais astros revelados pela gravadora Motown. O repertório abrangia sensacionais pepitas de soul e pop, mas quase invariavelmente as letras não fugiam de amor e relacionamentos. Deprimido pela morte da cantora e parceira Tammi Terrell e perplexo com a Guerra do Vietnã, que ainda demoraria para terminar, o astro norte-americano compôs um trabalho baseado no que via nas ruas e lia nos jornais.

Em “Mercy Mercy Me (The Ecology)”, se antecipava a futuras estrelas pop ativas por causas ecológicas, como Sting e Bono, cantando versos como “óleo jogado nos nossos oceano/peixes cheios de mercúrio”. E o que é melhor: com muito suíngue, inspiradíssimas melodias e uma produção inovadora, assinada pelo próprio Gaye, que conferiu à bolacha uma atmosfera quase etérea. Em “What’s Happening Brother” lamentava sobre o desemprego (“Não consigo encontrar trabalho, meu amigo/a grana está mais curta do que nunca”), enquanto na faixa-título (vejam no vídeo abaixo Marvin tocando as duas últimas) era taxativo: “a guerra não é a resposta”.

Quando escutou as fitas originais, Berry Gordy, dono da Motown, achou que o amigo e então cunhado – Marvin era casado com a irmã do chefe, Anna – havia pirado. Vietnã? Peixes com mercúrio? E esta foto de capa carrancuda, anda por cima na chuva? E por que as faixas emendam uma na outra deste jeito? Gordy Apostava em um fracasso, que evidentemente não ocorreu: esteve no número 6 do top 200 de mais vendidos da revista Billboard e três de seus singles se revezaram entre as primeiras posições de diferentes listas. É frequentemente relacionado como um dos melhores álbuns de todos os tempos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + um =

1 comentário

Kitty em 03 de setembro de 2011

Boa noite Ricardo!!! Com toda honestidade e lamentando a minha total ignorância, devo confessar que não conhecia a este excelente intérprete.Embora, que no começo da sua já exitosa carreira, o repertorio das sua canções fossem voltadas para soul e pop,ele se sentia insatisfeito, e procurava alguma coisa diferente e inovadora.E foi a rua e os jornais que o inspiraram para compor canções que estivessem mais focadas na realidade que afigia o mundo naquele momento.Talvéz musica de contestação? A Guerra Não é a Resposta!!! referindo-se à desastrosa guerra do Vietã. Todo este preámbulo é para dizer que,adorei a voz melodiosa de Marvin Gaye e o suíngue das melodías. O conjunto musical que o acompanha é excelente também!!Como desculpa digo que nunca é tarde demais para conhecer muito bons interpretes dos quilates de Marvin,e, ter podido curtir as últimas duas excelentes canções. Parabéns pelas ótimas escolhas musicais!! Um abraço e um bom domingo-Kitty

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI