Posição em favor do terrorista Battisti é, a meu ver, mancha no currículo do novo ministro do Supremo

O advogado Luís Roberto Barroso. Escolha foi elogiada pelos ministros do STF (Foto: Folhapress)

O advogado Luís Roberto Barroso. Escolha foi elogiada pelos ministros do STF. Não tenho ideia de como ele se comportará no caso do mensalão, mas lamento que haja contribuído para que o terrorista Battisti ficasse no Brasil (Foto: Folhapress)

O site de VEJA publicou as primeiras repercussões sobre o nome que a presidente Dilma vai indicar ao Senado para integrar o Supremo Tribunal Federal. Vejam em seguida as informações, e depois minha opinião:

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) elogiaram a escolha do advogado Luís Roberto Barroso para ocupar a vaga deixada pelo ex-ministro Carlos Ayres Britto, que se aposentou em novembro. A escolha de Barroso foi anunciada nesta quinta-feira pela Presidência.

O presidente do STF, Joaquim Barbosa, afirmou, durante um intervalo de uma sessão, que considera Barroso uma escolha “excelente”. “Não só pelas qualidades técnicas, como pessoa, mas também pelo fato de que somos colegas da Universidade do Rio de Janeiro”, disse o presidente à Agência Brasil.

Já o ministro Marco Aurélio Mello afirmou que o advogado “será recebido de braços abertos como um grande estudioso do direito, um profissional digno de elogios”.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, também elogiou a escolha de Barroso. “É um jurista consagrado e que certamente trará ao Supremo uma preciosa e valiosa contribuição”. Gurgel disse que o advogado poderá participar do julgamento dos recursos do processo do mensalão caso se considere preparado.

“Na verdade o julgamento dos embargos é um novo julgamento. A princípio não há dificuldade”, disse Gurgel. O novo ministro deverá ser sabatinado pelo Senado antes de ser empossado no STF.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Meu colega e amigo Reinaldo Azevedo lembrou, hoje, que, como advogado, Barroso atuou em favor da pesquisa com células-tronco embrionárias, união civil de homossexuais e do aborto de anencéfalos.

Ele acha isso ruim.

Como, aqui em VEJA, vivemos em uma democracia, minha opinião é oposta à dele: que bom que é termos no Supremo um ministro aberto para essas questões contemporâneas.

Do que não gosto nem um pouco é o fato, também ressaltado pelo Reinaldo, de o ministro ter atuado em favor do terrorista italiano Cesare Battisti junto ao Supremo. Assassino confesso, procurado por seus crimes pela Justiça de um país democrático e amigo do Brasil como é o caso da Itália, até hoje não me conformo com sua acolhida no Florão da América, como se esse criminoso estivesse sofrendo, na Itália, perseguição política de parte de  um regime autoritário.

Essa decisão cobriu o país de vergonha, nos transformou em uma República de bananas e ter no Supremo alguém que não apenas considera correto o resultado final como também lutou por ele, a meu ver, não engrandece o tribunal.

Especula-se sobre como Barroso atuará no julgamento do mensalão — até o procurador-geral da República, naturalmente instigado por jornalistas, acabou colocando sua colher no assunto.

Não tenho a mais remota ideia. Para mim, o que pesa, no nome de Barroso, é sua postura em favor de Battisti. Para mim, uma mancha no currículo.

(CONFIRAM O SITE PESSOAL DO FUTURO MINISTRO)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

72 Comentários

  • Milton Simon Pires

    A MARCHA DOS SEM-HISTÓRIA – O NASCMENTO DO HOMEM MARCHA

    O século XX foi o século da marchas. Grandes, pequenas, em nome de Deus, contra Deus, a favor e contra os diversos regimes políticos, lideradas por Trostsky, Gandhi ou Hitler, tanto faz.. Marchou-se em nome dos sem terra, dos sem teto, dos sem escola, pelo sufrágio universal, pelo direito das minorias… Desde o voto feminino até a legalização da maconha, as ruas foram tomadas e o transito foi interrompido praticamente em nome de tudo.
    Não é preciso fazer força para perceber algo que existia em comum em todos estes movimentos: uma forte noção do seu tempo. Cada manifestante, desde 1917 até o maio de 68 sabia muito bem que marchava para que a história não se repetisse nos erros ou que mudasse em direção “a um mundo melhor”. Sabia-se que havia ontem, hoje e amanhã..que algo havia sido herdado e alguma coisa ficaria para o futuro. As pessoas ainda “tinham história”, mas aos poucos um fenômeno interessante passou a ocorrer – o conteúdo da luta passou a ser substituído pela forma. Cantando “quem sabe faz a hora, não espera acontecer” uma geração inteira – a de 1968 – misturou Sartre com Mao Tse Tung num verdadeiro delírio de ativismo em que pouco importa o motivo da manifestação; a manifestação é o seu próprio motivo.
    Desde os movimentos da Universidade de Berkley até o Facebook, as marchas vem mudando num sentido perigoso….Não existe mais, hoje em dia, como um identificar o perfil daquele que participa de uma determinada manifestação. Cara-pintada ou cara-limpa, foice ou mouse de computador na mão, nasceu o homem-marcha: aquele que faz da marcha o seu próprio destino e que integrado na nova ordem deixou de subir montanhas e atravessar desertos porque isso não se faz mais necessário.
    O ativista do seculo XXI tem na internet a sua estrada e no discurso do lugar-comum a sua bandeira. Não há valor moral a orientá-lo capaz de superar a importância do número de adesões ao seu Blog. Quanto mais seguidores alguém tem na internet, mais verdadeiro deve ser o seu discurso. Dane-se portanto todo esforço acadêmico (necessariamente individual para ser verdadeiro) e toda história pregressa. Esqueça-se o recolhimento, o poder da humildade e da oração.
    A verdadeira história não existe para o Homem-marcha. Para ele, o que existe são interpretações cuja veracidade é conferida por aquele botão da rede social: “curtiu” ou “não curtiu”. Vítima da desconstrução, do estruturalismo e outras escolas de pensamento que beiram a esquizofrenia, o ativista do século XXI é uma “interpretação em busca de um fato”. Ele jamais vai aceitar que 1968 não é o “ano que não acabou”, mas sim o ano que “jamais deveria ter começado”. Não há legado algum deixado pelos doentes que misturaram filosofia com LSD e se revoltaram contra a Guerra do Vietnã apoiando o maoísmo, e é esse o berço do homem marcha.
    Ainda criança o homem-marcha foi abusado por Focault e abandonado por Derrida. Adolescente, sua primeira camiseta tinha uma foto de Che Guevara. Defendendo o Sistema Único de Saúde mas com um bom convenio para sua família, ele hoje acredita na Revolução Cubana e frequenta a Quinta Avenida em Nova York enquanto seus filhos dirigem a UNE (União Nacional dos Estudantes) sempre com orientações de José Dirceu.
    Vagando de blog em blog e dormindo em redes sociais diferentes o homem-marcha se move como um fantasma pela internet sempre buscando uma “causa para sua interpretação”. Bolsista de si próprio, acredita que a História tem uma dívida com ele e no dia do grande acerto de contas a suas respostas vão estar na ponta da língua – elas aguardam apenas a pergunta certa.
    Questionado sobre Deus, ele afirma acreditar “numa energia superior”. Abordado na sua opinião sobre os homossexuais ele diz que sexo é “uma opção de cada um”. Perguntado a ele qual o maior risco que a raça humana enfrenta hoje em dia a resposta imediata é “o aquecimento global”.
    Verdadeiro morto-vivo da nossa época o homem-marcha é um prisioneiro. Sua cela não tem tempo nem espaço próprios. Ele se debate entre as flores do movimento hippie e as marretas que derrubaram o Muro de Berlim, e chora trocando as letras dos Beatles com Michel Teló. Suas bandeiras trazem dois lemas – “isso sempre foi assim” e “eu não sabia de nada”.
    Pobre homem-marcha que caminha num mundo virtual procurando “companheiros”para ajudar a formar a última marcha da sua vida..A Marcha dos Sem História.

  • Ronaldo Barra

    Caro Ricardo Setti, estava esperancoso na prisao dos mensaleiros ate junho. Com a noticia da entrada deste advogado no STF e que os embargos serao julgados no 2o semestre com a presenca do mesmo, jogo a toalha. Nao creio mais no STF, o ministro Joaquim Barbosa sucumbiu. E pena. Ja e meia noite em Paris. Amanha cedo vou visitar o Monte Sao Michel e volto a ver seu blog no domingo. Um abraco.

  • Luiz Pereira

    Setti,
    Em tese, defender um terrorista não deveria manchar o CV do futuro Ministro.
    Uma coisa é ele atuar como advogado do terrorista, dentro do princípio de que todos merecem defesa.
    Outra coisa é ele julgar o terrorista tal qual fosse seu advogado.
    Talvez o Ministro não concordasse com os argumentos do advogado.
    Vc concorda comigo ou me acha otimista demais?
    abs

  • JOSÉ CARLOS WERNECK

    Prezado Setti,
    Você como sempre,atento e pontual.Sinônimo de excelente jornalismo.
    Como diz,o meu amigo,o veterano jornalista Helio Fernandes:
    Perfeito!

  • Marcondes Witt

    Não se pode confundir a posição do advogado que defende seu cliente com a situação do próprio cliente.
    Até é possível que ele tenha atuado por convicção em favor do Battisti, mas por mais que discordemos, é algo absolutamente normal haver divergência de ideias.
    Evidente que no caso da AP 470 todos lhe questionarão, inclusive no Senado, mas ele não poderá responder, pena de estar impedido de atuar depois (tanto para manter condenações como para reduzir as penas ou até inocentar – conforme sejam suas convicções íntimas).
    Ele já estava em ‘listas’ de favoritos anteriores, e parece ter o respeito da comunidade jurídica em geral.

  • Jeremias-no-deserto

    Nem precisava mostrar mais serviços prestados à nação: a defesa do terrorista e assassino Cesare Battisti é uma mancha negra em seu curriculum. É previsível que a sua atuação venha a ser muito boa e elogiada. Pela cumpanheirada do PT, é óbvio.

  • eduardo

    um sujeito que pinta o cabelo não merece crédito

  • Jorge Medeiros

    Os carbonários estão chegando.

  • Bruno Sampaio

    Antes de mais nada, quero louvar a democracia “Vejaiana”. Também discordo de Reinaldo Azevedo na questão do aborto de anencéfalos. Penso mesmo que pessoas do sexo masculino deveriam ser cautelosas ao opinar sobre a matéria. É muita crueldade obrigar uma mulher a carregar na barriga durante 9 meses um corpo estranho que é apenas isso: um corpo sem cérebro.
    Mas quanto ao caso Battisti, concordo plenamente. Uma péssima mancha no currículo de qualquer um, e um péssimo indicador de como vai se comportar o jurista se tiver que optar entre o que é justo mesmo e o que é justo somente aos olhos do lulopetismo. Na Venezuela começaram assim, e hoje o judiciário de lá é um mero carimbador de pareceres. Muito preocupante.

  • Zé Alguém!

    Trabalhar para soltar o terrorista italiano, parece ter agradado a presidenta…

  • Observer

    Ilmo.sr.Ricardo Setti,sabendo desta noticia que ele contribuiu,provavelmente com o Tarso Genro que o terrorista italiano permanecesse no Brasil?
    Fico desiludido com todas aquelas pessoas que tem a coragem de defender terroristas,considerados perigosos.Quem o defende,nao teve seu familiar brutalmente assassinado por ele e nao possui nenhum parente em uma cadeira de rodas por culpa deste terrorista italiano.Mas quando um brasileiro faz o que ele fez a um brasileiro o que deveria acontecer ou vice-versa? Que um brasileiro fizesse o que ele fez e fugisse ao exterior?O Brasil nao pediria a sua extradiçao?Esta terrivel mancha esta e permanecera na consciencia de quem,mesmo sabendo o que ele fez na Italia,foi contrario a sua extradiçao.Tanto sabemos que o Brasil importa lixo!!

  • ze do matogrosso

    ..sou meio analfabeto, mas tou meio desconfiado que estão usando o blog para fazer ensaio de futuras “teses”. É dizer o nada, para ninguém (deve ter sido Einstein). Hoje temos um caso típico, a meu ver. Mas, voltando a vaca fria como dizemos por aqui, atire a primeira pedra, quem nunca errou. Caso Batiste, pela insignificância, é de somenos. Os seus futuros pares, no STJ, são elogios. Quem sabe a presidanta acertou, pelo menos uma vez. A conferir.

  • Raquel

    Marcondes Witt- 23/05/2013 às 19:40
    Eu entendo que ‘Não se pode confundir a posição do advogado que defende seu cliente com a situação do próprio cliente’, no entanto, o advogado não é obrigado a aceitar o caso, principalmente se há conflito de consciência.

  • alberto santo andre

    isto nao e uma mancha ,em um pais onde a honetidade imperasse, isto seria um enorme borrao e de mer….

  • moacir

    Setti,
    Ninguém mais do que que eu – e há muito tempo! – receia por um final de tarantella e pizza para esse julgamento.
    No entanto,a bem da verdade,devo registrar que as informações que os meus têm a respeito do novo Ministro são excelentes.
    Cresci ouvindo meu pai afirmar que todo cidadão brasileiro tinha direito a melhor mais isenta das defesas.Talvez por isso mesmo não tenha,a exemplo de todos os meus irmãos, seguido Direito.Não conseguiria defender aqueles que saberia culpados.
    Mas,Setti,não é assim que funciona a cabeça de um advogado.Eles defendem qualquer criatura,por mais sórdida que for,baseados na convicção sincera de que defender é preciso.
    O fato de ter sido o advogado de Battisti junto ao Supremo não mancha,segundo o meu entendimento, a biografia do advogado Luís Roberto Barroso.Não podemos confundir o advogado com o cliente.
    Outra coisa,o STF por 5/4 votos decidiu que conforme a Constituição dessa República,cabia ao Presidente decidir quanto ao asilo a Battisti.E a Carta é clara a esse respeito.No entanto o STF alertou Lulla e o Brasil,de havia um Tratado de Extradição assinado entre a Itália e o Brasil e que, conforme a jurisdição do Tratado ,o asilo não poderia ser concedido.As leis oriundas desse tipo de tratados – assim com de outro tipo de tratados como Merida,Palermo,San José da Costa Rica etc – entram na nossa jurisprudência como leis ordinárias,ou seja, sem poder para derrubar uma lei Constitucional.
    Do meu ponto de vista,o STF decidiu conforme a Constituição.Agora,a lei é boa,é má,é certa ou é errada? Acho que não importa: a lei é a lei e precisamos de leis ou voltaríamos à barbárie.
    A responsabilidade por esse absurdo que foi conceder asilo a esse terrorista assassino e
    estuprador foi de Lula.Do Presidente.Conforme definia a Constituição.Um Lulla que como sempre volta as costas ao que seria moral e legal para se cumpliciar com a canalha com quem compartilha sua louca e burra visão bolivariana de fachada,sob a
    qual procura esconder um apetite personalista e populista para transformar a democracia desse país em “ditadura com eleições”,a exemplo do vimos acontecer na Venezuela.
    Acredite -me,Setti,o buraco desse julgamento é mais embaixo.
    Agora teremos o novo Ministro e Zavascki como os fiéis da balança.Para que os mesaleiros vençam a guerra vão precisar dos votos de ambos os novos ministros.Na prática está mais difícil para a tchurma do mal.
    Seguinte: se eu estivesse no lugar da Dilma,numa dança chamada reeleição,tudo o que eu NÃO faria seria contribuir,de qualquer forma,para que essa quadrilha aí tivesse as penas amaciadas,por dois ministros que por mim recém nomeados.Quem precisa do clamor popular contrário a seu projeto de bisar-se na Presidência?
    Se eu fosse a Dilma, eu teria um papo reto com os novatos e diria para eles ficarem
    a-b-s o-l-u-t-a-m-e-n-t-e à vontade e a votarem com as suas consciências.Tipo entenderam,meus caros, ou a sargenta aqui vai precisar desenhar? Ou vão em frent,metam bronca,excelências.E-n-t-e-n-
    d-i-d-o?
    O problema é que o cérebro baldio da PresidentA,
    geralmente ,não consegue além das palavras numa frase e das frases dentro de um parágrafo e dos sujeitos com os verbos e deles com seus objetos,
    concatenear as idéias do lado esquerdo com o direito do cérebro e, em seguida, ambos os seus hemisférios com a REAL.
    Pensa,PresidentA.
    Se, contra todo o humano bom senso ,os novos ministros virarem amigos de infãncia dos condenados petistas,aí,não teremos saída.
    O Judiciário terá sido aparelhado.E eu irei para Pasárgada.
    Abraço

  • Premeditando o Breque

    Descubram o que o incomoda. Esse é um homem de interior conturbado, consciência pesada e medo.

  • marcelo

    Eu também acho que o fato desse senhor ter sido defensor de Casere Battiti o impede de ser ocupar a vaga oferecida.

  • Marcondes Witt

    Cara Raquel,
    Faleceu há poucos dias o Ruy Mesquita, do Estadão. Quem apoiava suas ideias, não achava uma ‘mancha irrecuperável’ seu apoio explícito ao golpe de 1964 “em defesa da democracia”, e teria rompido com os golpistas em 1965 (ainda que tenha defendido a censura contra ‘esquerdistas’ em 1968 ou 1969).
    Para alguns, tais manchas são irrecuperáveis. Para outros, meros deslizes que não prejudicam o currículo.
    Por outro lado, a mesma contradição com a falecida Margareth Tatcher. Para alguns, um ícone do liberalismo, ainda que tenha apoiado explicitamente o ditador Pinochet, a segregação racial na África do Sul e contra a reunificação das Alemanhas.
    No fundo, cada um destaca as qualidades ou defeitos das pessoas conforme simpatizemos ou antipatizemos em maior ou menor grau com os feitos/opiniões de cada um.

    Trabalhei anos tendo Ruy Mesquita como diretor e jamais sequer ouvi falar em defesa sua de censura contra quem quer que seja, “esquerdistas” ou não. Duvido solenemente que haja ocorrido algo semelhante.

  • Edmilson Cavalcante Lauria

    Não sou do meio jurídico. Portanto não entendo do currículo desse indicado. Mas não concordo com o comentário de Veja se referindo a uma mancha.
    Ora, ele atuou na defesa do seu cliente.
    Os bandidos do Brasil que roubam o dinheiro do povo também foram defendidos até por ex-ministros de Justiça da República.Todo réu tem direito a defesa. O Brasil teria que se curvar a República da Itália? A veja já está procurando cabelo em sapo.Espero que o indicado naõ penda pro lado dos amigos do Palácio do Planalto. Aí sim ficará manchado.

    Deixe a VEJA em paz, Edmilson, e critique a mim, responsável pelo blog.

  • R Junior

    Um tatu cheira outro!

    Pobres brasileiros com figurinhas desse naipe na justiça, no congresso, nos governos, no jornalismo, no ministério publico… Torçamos por algum evento especial para nos livrar desses tipos!

  • Guerra

    Não é não, Moacir! Apesar da garantia constitucional do direito de defesa, os advogados, especialmente os renomados, que se sabem detentores de maior capacidade de persuasão, devem raciocinar em termos da conveniência ética do serviço que lhes é oferecido. Quando aparece um serviço sujo como o do Batistti, não custa deixar o pepino pra Defensoria Pública. E funciona! Não foi um defensor público que conseguiu tirar um mensaleiro das garras do Joaquim? Ocorre que, ganhando do Estado para prestar assistência jurídica, o defensor atua objetivamente, cumprindo uma obrigação funcional. Já um advogado, num caso como esse, não tem como escapar da reprovação. Se cobra, cobra muito e trabalha pelo dinheiro, não ligando pro cheiro da carniça. E às favas o Direito e a Justiça. Se não cobra, trabalha por ser um apaixonado ideológico, do timbre do cliente. Portanto, a melhor saída é não aceitar proposta de contrato quando o proponente pertence a certas categorias. Eu sou advogado e penso exatamente assim. Já deixei de ganhar dinheiro pra não defender o moralmente indefensável, a despeito da Constituição. Penso que cada um de nós tem um pouco do muito a zelar.

  • maria luiza guião bastos

    Que maravilhosos comentaristas esse blog tem! Aprendo todo dia com o Setti, dia sim dia também, idem com quem do espaço participa. E hoje então……. achei mais primoroso que o comum dos dias……o assunto é delicadíssimo e arriscado…… mas lendo Vocês melhorei meus terrores……. Abraço-os todos. Obrigada, Setti!

  • Quaker

    Só de ser indicado por Dilma já é uma agravante.
    O brasil tem que fechar para balanço.

  • Corinthians

    Setti,
    Eu sou contra advogado de carreira virar juiz do Supremo diretamente.
    Já acho um precedente enorme para conflitos de interesse – para não falar de experiência. Deveria haver um mínimo de experiência como juiz necessário para o cargo.
    Também não acredito que novos juízes, dada a natureza de que são indicados, não deveriam atuar nos processos já existentes – a não ser claro caso seja necessário cumprir um quórum mínimo. Além de atrasar os processos devido à necessidade de atualização, ainda existem os problemas éticos já mencionados.
    Quanto à atuar em favor do terrorista assassino Battisti, a mancha está com Lulla por ter desrespeitado um tratado internacional de maneira vergonhosa, e agora com Dillma, por indicar alguém que atuou neste caso.
    Para mim nada mais é que um recado claro de que a escolha precisa sempre ser de alguém que atuou em favor das pseudo-ideologias retrógradas ao invés dos interesses do país.
    Mais uma vergonha.

  • Quaker

    Com este senado que está aí, vai ser aceito .Todos os senadores se curvam, diante de Dilma.

  • Guerra

    Não é não, Moacir! Apesar da Constituição, o advogado precisa pensar no que faz. Especialmente quando renomado e sabedor da sua grande capacidade de persuasão. Em tal condição, ganhar dinheiro pra defender o moralmente indefensável é usar a capacidade profissional e o afinado domínio dos meandros da retórica e do processo pra soltar um pum em cima do Direito e da Justiça. Não ganhar dinheiro, defendendo de graça, seria ainda pior. Seria demonstrar o lado ideologicamente perverso. Seria colocar as paixões ideológicas acima do Direito mais fundamental: o direito à vida. Portanto, em situações como a do Battisti, o melhor a fazer, quem quer que seja o advogado, é deixar o serviço para um defensor público, que, remunerado pelo Estado, trabalha objetivamente, cumprindo uma obrigação funcional. E funciona! Afinal, não foi um defensor público o único que conseguiu arrancar um mensaleiro das unhas do Joaquinzão? Sobral Pinto, sempre ele, sempre esteve cheio de razão em tudo o que fez e falou. Para ele, advogado nenhum deve ganhar dinheiro com imundícies, embora a Justiça seja cega. Que fique pra lá o necessitado com sua fedentina.

  • Eduardo

    Quem gosta de terrorista, também gosta de mensaleiro o Joaquim precisa ficar alerta, junto com jornalistas sérios e o povo e claro.

  • João

    Sempre tenho postado nesse sítio, que o Brasil se encontra em uma estrada sem volta. Quem viver verás…

  • João

    Esse cara joga no mesmo time…

  • Guerra

    Outro detalhe, Moacir. O Lula não detinha o poder de decidir sobre a extradição ou não. Isso retiraria completamente a utilidade da atuação do STF. Veja o art. 102, I – g, da CF e o art. 81, parágrafo único, da Lei 6.815/60 – Estatuto dos Estrangeiros. Somados, eles fazem ver que a palavra sobre extraditar ou não compete ao STF. Extradição não é um processo meramente administrativo, mas jurisdicional. O que houve e ainda está havendo é o descumprimento de uma decisão do STF. Só que aqui no Brasil é assim: conforme seja a autoridade, ela pode dar um chute na bunda do Judiciário, mesmo que seja na do STF. Se no ano que vem o Aécio for eleito, ele pode resolver cumprir o acórdão do STF, e pronto. A pouca-vergonha é esta.

  • HUGO

    É preciso aprender a respeitar opiniao contraria Sr. Setti, e nao sair por ai manchando o nome de quem tem opiniao própria.

    Criticar uma pessoa pública não é manchar seu nome. É inacreditável que você confunda uma coisa com outra.

  • brasileirinho

    Juízes, em todos os níveis, têm que ser eleitos pelo povo;
    Escolhidos pela escória dos poderes legislativo e executivo, deixam a sociedade insegura e apreensiva!
    Se na democracia o poder emana do povo, o judiciário não é poder nenhum;
    É cabide de emprego, pois não tem o poder outorgado pelo povo!
    O que temos de fato, são, apenas, dois poderes;
    Trocando em miúdos;
    NÃO TEMOS JUSTIÇA!

  • Edineiromagnolli

    “Barroso atuou em favor da pesquisa com células-tronco embrionárias, união civil de homossexuais e do aborto de anencéfalos.”
    …”que bom que é termos no Supremo um ministro aberto para essas questões contemporâneas.” Contemporâneas ? Aborto ? Casamento gay ? Você está mal informado meu caro. Isso é tão antigo, que a Bíblia registra a mais de 4 mil anos Deus destruindo cidades inteiras por terem tudo isso como prática em suas sociedades. Os “progressistas” até nisso vivem numa farsa, reclamando para si mesmos como sendo os faróis do modernismo, contemporâneo, quando na verdade revivem um passado porco, que foi destruído pelo próprio Deus. Não sei porque você acha bom que um juiz supremo já vem com o intuito de extuprar a Constituição, como tem sido até aqui a atitude arrogante daqueles senhores concernente estas matérias. Extuprando a Constituição que definia casamento entre um homem e uma mulher, os juízes decidiram que homem não quer dizer homem e mulher não quer dizer mulher, mas outra coisa. É uma tristeza ver a argumentação daqueles senhores, chega ser patético, um deles chegou a afirmar que o órgão sexual masculino, não é um órgão de homem, mas um “plus” da natureza. Que besteira !!. Que ponto chegamos, o STF, que supostamente é o guardião da Carta, se tornou o seu principal violador. A loucura é tanta, que os juízes não sabem mais o que é ser um homem e uma mulher. E ainda chamam isso de progresso. Agora, se ajunta aos aloprados mais um, que já vem aplaudido por já dar pistas será mais um extuprador da Carta. Uma pena.

  • Angelo Losguardi

    Esse novo ministro é o retrato da miséria intelectual em que se encontra o país e da total falta de pluralidade nesta “democracia”.

  • rojas

    Sobre Batisti, caro Setti. Fajuto o argumento a respeito do direito à defesa. É preciso, também, MERECIMENTO À DEFESA. Sobral Pinto endossaria a indicação? Duvido.

  • moacir

    Prezado Guerra,
    Li atentamente seus comentários e por eles lhe agradeço.Não sou advogado e não li sobre os julgamentos de Battisti antes de escrever,mas vou fazê-lo.
    Como você,eu não poderia defender alguém em cuja inocência eu não acreditasse.
    Mas se todos os advogados pensassem como nós,os crimonosos,seriam julgados em primeira instância,nos escritórios daqueles advogados que se recusarem a assumir as suas defesas.E sem direito a ampla defesa e a contraditório.No entender do meu velho pai,advogados não são juízes.
    São advogados.
    Meu pai tem 86 anos,Guerra.Não é criminalista.Mas tributarista.E é honesto.Defendeu durante toda sua vida a lei,a Constituição,o Estado de Direito,essa República.Ele acredita que todo ser humano,por sê-lo,tem direito à defesa.A melhor delas.Foi isso o que ensinaram a ele há sessenta anos nas salas de aula da faculdade de Direito.É nisso que ele,não com as suas palavras mas com as suas atitudes durante uma vida toda,me fez acreditar.
    Seguindo sua linha de raciocínio,antes de julgamento,alguém já seria considerado culpado.
    Então da mesma forma que o advogado que se negou a defender o acusado,um médico se recusaria a tratá-lo,um dentista a tentar salvar-lhe os dentes,o arquiteto a fazer-lhe um projeto,o professor a ensinar-lhe inglês,o cozinheiro a alimentá-lo e por aí vai? Não faz muito sentido.
    Quanto à Constituição,Guerra,você vai sempre saber muito mais do que eu.Mas a nossa garantia ao Presidente,na ocasião, o direito a conceder o asilo.Ou não? Da mesma forma que hoje,garanteria a Dilma o direito de indultar os mensaleiros.Ou não?
    Se Lula e Dilma não tem estatura para ser Presidentes,não tem discernimento para tomar decisões considerando o que é melhor para o Brasil e não o que é melhor para a tchurma deles,eles não deveriam estar onde estiveram,estão e estarão.
    É duro,nesses tempos bolivarianos a gente ser democrata.A gente acatar as decisões do STF.A gente perseverar acreditando que os grandes valores da humanidade ainda tem serventia.
    Um deles,seria a igualdade perante às leis.
    É duro a gente conceder essa graça a um assassino e estuprador como o Battisti.Mas fazer o quê?
    A opção seria o caos.Sem lei alguma.

  • Fernando Fenerich

    Se esse sujeito defendeu um sujeito com Battisti, o que podemos esperar da sua postura no STF?
    Ele não passa de mais um pau mandado da corja peteba que esta acabando com o Brasil

  • Ciro Lauschner

    Advogado e não juiz.Sem experiências de julgamento.”Progressista”, ou seja, politicamente correto.Acho que Lewandoski e Tóffoli receberam um companheiro.

  • Observer

    É o processo que pede ao Brasil para entregar um indivíduo a outro Estado (país), para que lá seja processado e julgado por crime que tenha cometido. A concessão de extradição baseia-se em convenções internacionais, por meio das quais os países acordam extraditar pessoas em condições equivalentes.
    Partes: o pedido normalmente é feito via diplomática de governo a governo, e o Supremo Tribunal Federal é a autoridade competente a se pronunciar sobre o pedido. Em regra, é concedida a extradição de cidadão do país requisitante, salvo em casos de crime político. Brasileiros natos não podem ser extraditados. Os naturalizados podem sofrer o processo, nos casos previstos pela Constituição (Art. 5º, inciso LI).
    O indivíduo a ser extraditado é chamado de “extraditando”.
    Tramitação: o andamento do pedido de extradição no Supremo Tribunal Federal depende de que o extraditando seja preso no Brasil e colocado à disposição da Justiça até que termine o processo (Prisão Preventiva para Extradição). Ele será submetido a interrogatório e terá direito a se defender por meio de advogado. A Procuradoria-Geral da República também deve se manifestar na ação.
    Condições para concessão da Extradição:
    Crime cometido no território do Estado requerente;
    Ser aplicável ao extraditando a lei do Estado requerente;
    Existir sentença final de prisão, ou estar a prisão autorizada por autoridade competente no Estado requerente.
    Conseqüências Jurídicas: concedida a Extradição, o Estado requerente terá o prazo de 60 dias para retirar o extraditando do território nacional, e não o fazendo, ele será posto em liberdade. Por outro lado, ele poderá sofrer um processo de expulsão do Brasil, independente da Extradição, caso haja motivos para isso. Negada a Extradição, não se admitirá um novo pedido baseado no mesmo fato.
    Fundamentos Legais: Constituição Federal – artigo 5º, LI e LII; artigo 12; artigo 102, I, g. Estatuto do Estrangeiro – Lei 6.815/80: artigo 76 e seguintes. Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal – artigos 207 a 214
    www2.stf.jus.br/portalStfInternacional/cms/verGlossario.php?sigla=portalStfGlossario_pt_br&indice=E&verbete=175500

    “Il ‘no’ del Brasile
    all’estradizione di Battisti?
    Ci vergogniamo, decisione
    influenzata dalla politica”
    Parla il procuratore di Minas Gerais
    “Non posso chiedere scusa, ma mi vergogno di quella decisione”: così Tom z de Aquino Resende, Procuratore della Repubblica dello Stato brasiliano di Minas Gerais, commenta la sentenza con la quale il Brasile ha negato l’estradizione in Italia di Cesare Battisti

    Brasilia, 21 agosto 2012 – “Non posso chiedere scusa, ma mi vergogno di quella decisione’’: cosìTom z de Aquino Resende, Procuratore della Repubblica dello Stato brasiliano di Minas Gerais, commenta la sentenza con cui la Corte suprema del suo Paese ha negato l’estradizione in Italia di Cesare Battisti.
    “Sono il procuratore di uno Stato, e il tema di cui parliamo è di competenza federale. Ma quella decisione, che è stata chiaramente influenzata dalla politica, ci ha fatti vergognare’’, ha concluso il magistrato brasiliano.

    http://www.qn.quotidiano.net/esteri/2012/08/21/761036-battisti-estradizione-vergogna-decisione-politica-brasile

  • Eddie Sampaio

    O jornal Estado de São Paulo chamou o novo ministro de “moderno”e disse que pode ser uma nova esperança para os mensaleiros…. se ser moderno é ser a favor da impunidade estamos fritos… e, pior: como pode alguém ser professor da UERJ e morar em Brasília? Realmente, não entendo o nosso país. Como dizia o macaco, “eu só queria entender”.

  • tania

    Tem coisas tão óbvias que para pessoas com algum nível de entendimento não deveriam ser explicadas: Se o julgamento do ministro no caso de um criminoso confesso é pela sua absolvição! Imagina para quem bate o pé junto e diz que é inocente! Parece que temos que mudar o código penal brasileiro para descriminalizar certas figuras típicas puníveis!

  • Caio Frascino Cassaro

    Prezado Setti:
    O que esperar de um sujeito que defende um multi-assassino, terrorista e abusador sexual de uma incapaz? Aliás, nada mais representativo da alma petralha do que um cidadão desses. E assim, devagarinho, vai se instalando a ditadura no Brasil. Se esses caras não forem expulsos do poder, vão, com cerca de 20% dos votos (como disse José “Zeca Diabo” Dirceu em um famoso vídeo que corre na web), conseguir implantar a ditadura “nestepaizzzzzzzzz|”. É mais um desqualificado para compor, junto com Tofoli e LEWANDOvski, o que de pior poder-se-ia esperar de uma Suprema Corte.
    Pobre Bobolândia…
    Um abraço

  • razumikhin

    Que vergonha! E, eu não sabia que o cara era um petralha. Mas, é claro que ele é. Como poderia não ser? Como sou burro..

  • Luciano

    É sr. Setti, não vejo com bons olhos essa nomeação do ministro justamente pela sua posição em favor de battisti. Isso pode demonstrar um alinhamento com o pt. Espero estar errado, espero que sua atuação no mensalão me prove que é um juiz independente e dedicado à constituição e justiça.

  • José de Araújo Madeiro

    Parabéns, Ricardo Setti. Assim se posta um Jornalista, Competente, Livre e Honesto.

    Mas na questão em tela, nós é que não temos uma oposição forte.

    O Congresso Nacional está submisso e no STF, uma tênue luz de independência. O Poder Executivo cada dia mais se fortalecendo e se tornando absoluto. No STF, faLtam, apenas, o Teori Zavascki e o Barroso colaborarem para novo julgamento e deixarem o Zé Dirceu et Camaradas no olho da rua, para sua desmoralização e Sacramentarem o Caos da Democracia Brasileira.

    Para os trabalhadores brasileiros restarão apenas, o dever de votar em Urnas Eletrônicas Fraudáveis, baixos salários, elevada carga tributária, flexibilização das leis trabalhistas e anulação do Direito Adquirido, dos Artigos 5° e 60º da CF/88.

    PT rasga, então, a Constituição Federal de 1988, com subserviência do PMDB e Nós não temos Oposição. Que se espera mais do PT? Esperar, enfim, o que o SR. Luiz Inácio Lula da Silva, que deixe ser um ladrão contumaz, dissimulador gramscista e que Trate o Povo Brasileiro com mais humanidade? Que deixe de ser vulgar e tome postura de um verdadeiro estadista?

    Abs. Madeiro.

  • Caio Frascino Cassaro

    Prezado Setti:
    Complementando o comentário, discordo frontalmente daqueles que dizem que pelo fato de todos terem direito à defesa, um advogado deve abraçar qualquer tipo de causa. Um sujeito como o Battisti, psicopata e estuprador CONDENADO por esses crimes em todas as instâncias na Itália, um país de democracia plena, e no âmbito da própria União Européia, é a mais completa tradução de um criminoso. E quem defende um criminoso, a não ser que seja pela defensoria pública, isso sim uma obrigação de um estado democrático, repetindo, quem defende um criminoso para mim se equivale a ele do ponto de vista moral. Nese caso específico, o Battisti é um criminoso CONDENADO. Seus crimes não são passíveis de contestação, só aqui na República dos Bichos petralha isso seria cabível. E assim se deu, com a ajuda desse cidadão, que para mim, em função desse episódio, não está moralmente capacitado para ser Ministro da Suprema Corte do país.
    Um abraço

  • o desPeTetizador

    Essa mancha no currículo do Barroso é vermelha, cor de sangue… será q as famílias das vítimas do Cesare serão convidadas para a posse do Barroso?
    .
    Quanto ao desfecho do Mensalão, tem cheiro de pizza de carne humana queimada pairando no ar!
    .
    Setti… o comentário do petralhão das 1:10 me fez ‘chamar o HUGO’!

  • Marilene L'Abbate - São Paulo

    Caro fratello Setti: Promessa-de-Amor-Eterno! Viva Gesù Cristo, o Arcanjo-Maior-do-Planeta-Terra. O distraído fratello Cesare Battisti retornará à Pátria-Mãe, para não envergonhar mais a numerosa e importante Colônia Italiana do Sul do Território Nacional = Terranostra. Parabéns pelas magníficas matérias apresentadas. Religiosamente, acompanho-as. Abbraccio…

  • joel pinheiro

    Misturando alhos com bugalhos e bagulhos, têm certas defesas que deixam marcas para o mal ou para o bem, às vezes, indeléveis. Ao falar-se da defesa do terrorista Césare Battisti, lembrei-me daqueloutra, de Carlinhos Cachoeira, feita por Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro da Justiça (ÊPA!).

  • carlos tashiro

    concordo contigo setti, uma mancha sim….

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Sr.jornalista Ricardo Setti:
    Alguns links no YOUTUBE da atuação do atual Min do STF Luís Carlos Barroso,para mim uma excelente e bem vinda escolha da Presidenta Dilma.
    Defesa da União Homoafetiva
    1- https://www.youtube.com/watch?v=ECIWP1c9-Vg
    Defesa de Cesra Battisti:
    2- https://www.youtube.com/watch?v=ALaRB5OaUlk
    3- https://www.youtube.com/watch?v=FT3WMUHQUVc
    4- https://www.youtube.com/watch?v=vL7wtSvb6dE
    Entrevistas:
    https://www.youtube.com/watch?v=RVndOb0Oamc&list=PL89670BD966CDB7DD
    Audiência Publica Direito a Saude:
    https://www.youtube.com/watch?v=hrL7hiSu9fY
    Anencefalia:
    https://www.youtube.com/watch?v=hrL7hiSu9fY
    Nepotismo sustentação oral:
    https://www.youtube.com/watch?v=Du7nuWLXEhU
    Sustentação Oral Correio:
    https://www.youtube.com/watch?v=OcN0RGUlb7o
    Células Trocos Sutentação Oral:
    https://www.youtube.com/watch?v=HYiPgoRmMLo
    Os links todos no YOUTUBE!
    Espero ter sido útil para o conhecimento da pessoa do novo ministro do STF.
    Pedro Luiz

  • RUY

    Olá, Ricardo,
    Desta vez vou divergir de você, o que é coisa rara.
    Não podemos esquecer que o direito à melhor defesa possível não é apenas um primado da democracia, mas uma conquista da própria civilização. Até o mais hediondo dos criminosos tem o direito de ser defendido por um profissional competente, da mesma forma que tem, quando doente, o direito de ser atendido por um médico, que deve utilizar toda suas ciência e capacidade para salvar sua vida ou, ao menos, minorar seus sofrimentos. Aliás, não basta a presença do advogado. É necessário que haja uma defesa efetiva, tecnicamente competente, e não uma simples formalidade.
    Ou aceitamos os postulados da civilização e da democracia, ou cairemos no autoritarismo e no caos.
    Apenas exemplificando: por que é tão abominável a situação na prisão de Guantanamo? A resposta é evidente. Nela não se dá a tantos prisioneiros sequer o direito de serem acusados, o que fere, com extrema gravidade, seu direito de se defender, pois sem acusação não pode haver defesa.
    O fato de, no caso Batisti, a defesa produzida ter sido tão eficaz que contribuiu para a libertação de um criminoso – e por decisão do mesmo Supremo Tribunal Federal que condenou os réus do mensalão – para a libertação final do criminoso, não pode representar mancha alguma no currículo do defensor. Afirmar-se o contrário implica achar que o criminoso tem direito a uma defesa, desde que ela não seja eficaz… Seria tudo um simulacro, um mero jogo de “passa moleque”… Pense nisso.Às vezes é até bom a gente discordar um pouco. Dá mais graça…
    Um forte abraço

  • Artur Souza

    Sou mais o Sobral Pinto, que escreveu: “O advogado é, necessariamente, uma consciência escrupulosa tão só dos interesses da justiça.” E mais: “Só depois que eu me convenço de que a justiça está com a parte que me procura é que me ponho à sua disposição.”
    Roberto Barroso pensa diferente, o que é seu direito mas é preocupante no caso do mensalão. Para quem defendeu um terrorista com quatro assassinatos nas costas, os crimes dos mensaleiros podem parecer, digamos, quase singelos – coisa de pequenos meliantes trapalhões, que estão sendo julgados e punidos com severidade excessiva.

  • celsoJ

    Indicado pela Dilma? É um paradoxo: ou o cara é muito ruim (para que ela perceba nele alguma ‘qualidade’) ou o cara é muito bom (que se iguale ao pensamento dela). Nos dois casos considero uma tragédia. Daqui a pouco teremos sentenças em Dilmês.

  • Sergio

    Uma ressalva: a condição de advogado de assassino é uma, a de juiz de assassino é outra.
    Mas se eu fosse senador, perguntaria a ele quem pagou a conta do assassino. Ele iria reinvidicar direito ao sigilo, mas eu perguntaria.

  • Diego

    Mancha seria um sujeito não ter o direito à ampla defesa, algo que lhe é constitucionalmente garantido. O Sr. Luís Roberto Barroso não fez nada mais do que cumprir com o seu papel de advogado e buscar a melhor defesa possível para o seu cliente. Me incomoda o fato de jornalistas quererem colocar uma “mancha” na brilhante carreira do Prof. Barroso por algo que ele executou como excelente advogado que é. Brigamos tanto para que esse país seja uma democracia e acreditar que um sujeito, por mais grave tenha sido o ato por ele cometido, não tenha a chance de se defender em juízo é, isso sim, gravíssimo!

  • Nélio Santana

    Caro Nélio, as regras para publicação de comentários no blog, que venho divulgando incansavelmente e comentei aqui mesmo centenas de vezes — além de estar com chamada permanente na home page — vedam a publicação, no espaço específico de comentários de leitores, de transcrições de textos já publicados em outros veículos. Este espaço é exclusivo para COMENTÁRIOS dos leitores.
    Abraço

  • Sergio Costa

    Concordo plenamente. O caso Battisti foi um completo absurdo, o Brasil se arvorou a ser instância revisora do STF italiano!!!! Onde já se viu uma coisa dessas? E tudo por ideologia, é só ver o que aconteceu no caso dos boxeadores cubanos…

  • Caio Frascino Cassaro

    Prezado Setti:
    Vejo pela argumentação de alguns que parece lhes escapar o óbvio: em uma democracia que se preze é OBRIGAÇÃO do Estado prover um advogado de defesa a TODOS os cidadãos, independente do crime que tenham cometido. Até aí, estamos todos de acordo. No caso de um Battisti, de um Champinha, dos irmãos Cravinhos ou de Fernandinho Beira-Mar, só para ficar em um grupo em que os criminosos se equivalem moralmente, entendo que o advogado deva abraçar a causa apenas e tão sómente se for uma OBRIGAÇÃO FUNCIONAL, ou seja, se fizer parte do corpo de advogados que compõem a defensoria pública. Caso contrário, na medida em que você defende um fulano que é SABIDAMENTE um criminoso perigoso, no caso do Battisti um psicopata cruel, punido pela justiça italiana por assassinato, rapinagem e estupro de incapaz, você se torna cúmplice dos atos daquela pessoa, pois os está convalidando na medida em que afirma a inocência do acusado. Isto é líquido e certo, e não há como negar este fato. Se você acha que o fulano é culpado e ainda assim o defende, é porque você é moralmente equivalente ao réu . E fim de papo. Há casos em que obviamente qualquer fiapo de dúvida seria suficiente para justificar moralmente a defesa de um sujeito aparentemente culpado. Porém, torno a insistir, o caso do Battisti, assim como do Fernadinho Beira-Mar, do Champinha e tantos outros, verdadeiros MONSTROS cuja culpabilidade só não está clara na cabeça de um doente ou de um amoral, torna a defesa, por um advogado que abrace a causa de livre e espontanea vontade, MORALMENTE INJUSTIFICÁVEL. Como alguém lembrou muito bem aí embaixo, um advogado com o mínimo estofo moral deve se deter sobre o conceito de MERECIMENTO das defesa. E esse merecimento, por óbvio, está longe de ser alcançado pelo multi-assassino e estuprador Cesare Battisti. E esse sr Barroso, que agora está próximo de se tornar Ministro de nossa Suprema Corte, na hora em que defende – não importa se de forma competente ou não – um criminoso desse quilate, automaticamente se mostra sem os requisitos morais sequer para ser um juiz de primeira instância, o que dirá para atuar como Ministro do STF.
    Lamento profundamente que, em nome do direito de defesa, que, insisto, é UNIVERSAL, alguns deixem de lado o imperativo moral que deve nortear a atividade de qualquer profissional na sua respectiva área de atuação, quanto mais um advogado.
    Abs

  • Juris Tinha

    Caro Setti:
    Ainda se vai falar muito sobre o futuro Ministro Barroso, suas idéias e posições. Vale a pena que se perca algum tempo na leitura de seu site. Seja por egocentrismo ou amor à transparência, ali se encontra boa parte da produção da futura excelência.
    Quanto ao caso Battisti, há no site links para uma conta do próprio Prof. Barroso no youtube com vídeos de sua sustentação oral em defesa do antigo terrorista. Não se trata apenas de uma defesa de caráter técnico, legalista. Defende Battisti, e Lula, com paixão e convicção.
    Vejam http://www.youtube.com/watch?v=FT3WMUHQUVc&feature=player_embedded#! )

    Por último, duas informações que me parecem relevantes:
    – Battisti já tinha Luiz Eduardo Greenhalgh como seu advogado;
    – Luís Roberto Barroso NADA COBROU para defender Cesare Battisti.

  • Luiz Albino

    – Caro Setti: para você, e para mim, foi uma vergonha (ou falta de) a permanência e a premiação com emprego e todas as facilidades que nós, cidadãos comuns, sequer sonhamos, para um assassino covarde. O Brasil cada vez menor, a moral está enterrada na lama, e o sangue das vítimas cai também sôbre os facilitadores do assassino.

  • Luiz Albino

    – A distorção esquerdista é tão perigosa, que justifica o extermínio em massa, a eliminação sumária dos inimigos do estado (ou do povo), e que o fim justifica tôdos os meios, ou seja: quem for contra, deve ser eliminado. Daí a necessidade dos cumpanhêros de proteger um camarada, que apenas fez o seu dever, massacrando gente indefesa, seus inimigos mortais, os burguêses , essa gente que insiste em ignorar a dialética marxista, e se preocupa basicamente em sustentar sua família…

  • moacir

    Prezado Setti,
    Em 15 de agosto de 1909,Euclides da Cunha foi assassinado por Dilermando de Assis,o amante da sua mulher.A opinião pública gritou indignada.
    Chamado a assumir a defesa do réu,o advogado Evaristo de Morais,assustado,escreveu a seu mentor político RUY BARBOSA,o patrono dos advogados desse país,perguntando-lhe se deveria defender ou não
    o acusado,vez que tinha certeza da sua culpa.
    Ruy Barbosa respondeu que ele deveria defender SIM o acusado,com uma famosa carta – da qual vou escrever aqui tres parágrafos – que tornou-se um must no Brasil,toda vez que o assunto é o direito à defesa,como é o nosso caso no momento.
    Quando escreveu as palavras a seguir,fazia uma semana que Dilermando havia assassinado o seu grande amigo Euclides.Sim,Rui Barbosa foi amigo do escritor.Eram ambos republicanos ferrenhos.
    A carta de Ruy Barbosa,foi publicada por Evaristo de Morais no Diário de Notícias,em 3 de novembro de 1909,sob o título O DEVER DO ADVOGADO,e ecoou como um tiro na sociedade e na jurisprudência brasileiras da época.
    Sendo voz isolada aqui,fico feliz que os dois Ruys (tem uma outra voz solitária aí embaixo )concordem comigo e com meu velho pai,no sentido de que Luis Roberto Barroso,não teve sua biografia manchada,
    apenas por fazer o seu “dever de advogado”.Que ele possa,no Supremo, conservá-la limpa,é o que espera o povo brasileiro.
    //
    “Ora,quando quer e como quer que se cometa um atentado, a ordem legal se manifesta necessariamente por duas exigências, a acusação e a defesa,das quais a segunda por mais execrando que seja o delito, não é menos especial à satisfação da moralidade pública do que a primeira.
    A defesa não quer o panerígico da culpa,ou do culpado. Sua função consiste em ser,ao lado do acusado,inocente ou criminoso,a voz de seus direitos legais.Se a enormidade da infração a reveste de caracteres tais,que o sentimento geral recue horrizado,ou se levante contra ela em violenta revolta,nem por isso essa voz deve emudecer.Voz do Direito no meio da paixão pública,tão susceptível de se desmaiar,às vezes
    pela própria exaltação da sua nobreza,tem a missão sagrada,nesses casos,de não consentir que a indignação degenere em ferocidade e a expiação jurídica em extermínio cruel.
    Recuar ante a objeção de que o acusado é “indigno de defesa”, era o que não poderia fazer o meu douto colega,sem ignorar as leis do seu ofício ,ou traí-las.Tratando-se de um acusado em matéria criminal,nenhuma causa em absoluto,é indigna de defesa.Ainda quando o crime seja de todos o mais nefando,resta verificar a prova ;e ainda que a prova inicial seja decisiva,falta-nos apurá-la no cadinho dos debates judiciais,vigiar pela regularidade escrita do processo nas suas mínimas formas.Cada uma delas constitui uma garantia,maior ou menor,da liquidação da verdade,cujo interesse em todas se deve acatar rigorosamente.”
    Ruy Barbosa – agosto de 1909
    //
    Um bom sábado para você e os seus
    Abraço

  • Marcondes Witt

    Retiro o que disse abaixo e foi contestado pelo Setti. Tentei provar, não consegui, melhor me retratar neste momento.

  • Ronaldo Barra

    Este advogado foi indicado provavelmente por Jose Dirceu e Tarso Genro. Por tras de tudo esta o Lula. Logo,logo o STF se torna porta voz do partido do governo. Isto e mais uma armacao para o PT se manter no poder. Infelizmente o Brasil esta cada vez mais caindo no descredito. E realmente uma republica de bananas e corrutos.

  • FlavioSP

    Setti, concordo totalmente com o seu post, é isto mesmo. Sou advogado e também fiquei muito preocupado quando soube que o Dr Barroso tinha defendido o nefando Battisti, com certeza é uma mancha e tanto em seu currículo; espero que não seja um mau presságio para a sua futura atuação no Supremo.

  • João

    Esse será apenas mais um defensor dos mensaleiros que estão atuando no STF…

  • Marilu

    Concordo com voce. Até hoje não entendi o motivo de o Brasil colher o Battisti. Alguém tem uma explicação lógica para isto?

  • peter

    A menos que haja algum atalho desconhecido, o caminho natural que o ilustre Dr Barroso percorrerá no STF já é sabido, a partir da defesa do bandido italiano. É impossível se respeitar uma democracia como a italiana, concordando-se em dar abrigo a um assassino confesso. A presença dessa figura lá , não me parece um bom agouro. O tempo mostrará..

  • João

    O Governo do PT é uma verdadeira Oligarquia…

  • Zaratrusta

    Ao Moacir – 25/05/2013 às 6:14

    As inquestionáveis premissas que nos facultou conhecer em seu comentário, apresentadas por Rui Barbosa, no meu entendimento, precisam sempre ser interpretadas segundo a contextualização, ou seja, aos fatos aos quais estejamos correlacionando, e não como uma MÁXIMA, “Verdade Absoluta”, “Dogma” ou “Mandamento Divino Cristão”, desprovida da necessária análise dos desdobramentos que possam comprometer moralmente toda uma sociedade!
    .
    Entendo dessa forma (e me alinho totalmente à visão e preocupação do Setti nesse POST), quanto às enormes implicações sociais previsíveis de se ter (mais) um jurista no Supremo, que irá sempre perscrutar as leis em busca de subterfúgios processuais e legais (tão amplamente produzidos por nossa eterna casta de legisladores para fins de proteção pessoal , e de seus interesses, existentes em nossa legislação, sempre com brechas disponíveis para esse fim), em detrimento dos princípios da moralidade que garantem a auto sustentação pacífica de uma sociedade na sua submissão à prevalência da ordem pública que se propõem garantir.
    .
    Pelos reflexos que essa proposta já vem apresentando na sociedade, não é mais possível continuar aceitando que a primorosa defesa utópica filosófica das liberdades individuais continue comprometendo a segurança jurídica na ordem pública, como vem sendo sistematicamente ameaçadas nossas sociedades ultimamente, nesse evidente processo manipulado de implantação através do Ordenamento Legal, de um nova Lei do Capitalismo Selvagem, que exacerba e protege as ações predadoras lesivas à justiça social tão AMPLAMENTE vem sendo denunciadas nessa “onda” Neoliberal para consolidação da tão buscada consolidação da Era Pós-Moderna , pelos Predadores de plantão encrustados no coração do CAPIMUNISMO em marcha e entrincheirados no centro do poder econômico-financeiro internacional .
    .
    Dois aspectos “nevrálgicos” precisam aqui ser evidenciados:
    – É certo que na época de Rui Barbosa, e que se reflete na sua esplendida defesa aos direitos de defesa, a MORALIDADE que permeava a sociedade, assim como a legislação da época era muito diferente da que encontramos no nosso cenário atual, sendo imprescindível que “a leitura” do que ele deixou de legado, seja “atualizada” para as “implicações” que sua aplicabilidade dentro da realidade e proposições na realidade atual possa trazer. A defesa dos direitos de defesa não pode ser usada como uma espécie de “mandamento sagrado” quando seu uso vier a colocar em risco toda uma sociedade ou princípios morais universais, especialmente quando é sabido que as leis carregam o estigma de serem humanas (portanto sujeitas a erro) e carregarem intrinsecamente brechas que permitam ser aplicadas segundo os interesses políticos vigentes.
    .
    – Termos mais um Juiz-Ministro na Suprema Corte do país, que apresente o risco de vir a se apresentar como mais um advogado de réus do tipo apresentado pelo Meritíssimo “Lewandowski”, “pelo vício do cachimbo” de sua atuação profissional, é um risco que a sociedade não precisa, e nem deve estar submetida, visto que, com o tempo, a interpretação que a sociedade consolidará de tal postura, é que o Terceiro Poder , o poder Judiciário, precisa mudar de nome por ter se consolidado como sendo APENAS mais um PODER POLÍTICO que não possa mais ser chamado por esse nome! A semântica já não lhe fará mais jus, como já ocorre na Venezuela, Cuba , China ou Coreia do Norte.

  • moacir

    Zaratrusta,
    Quando todo mundo por aqui e pelo Brasil afora comemorava o Mensalão,eu aqui postava minhas preocupações,e enumerava as razões,para um despecho amaciado para os prezados mensaleiros.
    Poderão os Ministros Zavascki e Barroso ciumpliciarem-se com o governo de plantão para derrubar condenações e diminuir penas.É claro que o Judiciário poderá ser aparelhado e levar essa história a se transformar num outro julgamento.
    Ano passado quando escrevi isso por aqui,também fui voz solitária.Só se ouve o que se quer ouvir.
    mas isso não tem nada a ver com o direitoà defesa.
    Príncipios são princípios e não podemos tê-los quando nos são cômodos e deixar de tê-los quando nos incomodarem.Não se pode contextualizar príncipios.
    Todo ser humano tem direito à defesa.Esse é um dos pilares do direito e da civilização.Ponto.
    Não pode um advogado ser execrado por exercer sua profissão.Ponto
    O resto é barbárie.
    Abraço