Image
A general de quatro estrelas Janet Wolfenbarger com alguns de seus comandados na base da Força Aérea de Wright-Patterson, no Estado de Ohio: primeira mulher na história da Arma a chegar ao posto (Foto: afmc.af.mil)

Ela tem 54 anos, é casada, tem uma filha e um currículo impressionante, que inclui até um master em astronáutica pelo prestigioso Massachusetts Institute of Technology (MIT). Mas o que realmente distingue Janet C. Wolfenbarger são dois fatores: sua recente promoção como a primeira general de quatro estrelas da história da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) e o fato de ela ter assumido o comando do maior Departamento USAF, o de Material — o que lhe dá o comando de 83 mil homens e o controle sobre um orçamento de 60 bilhões de dólares.

General de quatro estrelas é o posto máximo a que se pode chegar nas Forças Armadas americanas. O grau superior a este, correspondente a generais e almirantes de cinco estrelas, coube, em todos os casos, aos grandes comandantes vencedores da II Guerra Mundial — quatro generais do Exército, a começar pelo comandante supremo das forças aliadas que combateram a Alemanha de Hitler e o Japão, Dwight D. Eisenhower, quatro almirantes e um general da Força Aérea.

O título máximo das Forças Armadas americanas, por designação do Congresso, cabe a George Washhington, o comandante da Guerra da Independência dos EUA e seu primeiro presidente: “general dos Exércitos dos Estados Unidos”.

Image
O F-22 “Raptor”, supersônico de combate de quinta geração em cujo desenvolvimento Wolfenbarger esteve envolvida (Foto: aerospaceweb.org)

A general Wolfenbarger tem seu QG na base da Força Aérea de Wright-Patterson, no Estado de Ohio, e sua tarefa é crucial na manutenção da supremacia militar dos EUA no mundo: esses 60 bilhões de gastos a seu cargo destinam-se a pesquisa, desenvolvimento, teste e avaliação de sistemas de armas, bem como à aquisição de serviços de gestão e de logística.

Wolfenbarger já esteve envolvida, ao longo de sua carreira, no desenvolvimento, entre outros, de duas aeronaves fundamentais para a USAF: o caça supersônico de quinta geração F-22 e o bombardeiro estratégico B-2, ambos dotados da tecnologia stealth, que os torna “invisíveis” a radares.

Image
O superbombardeiro B-2, que custa, cada um, 2,1 bilhão de dólares, foi outro projeto de que participou a general (Foto: USAF)

A USAF está na família da general, que recebeu sua quarta estrela da filha, Callie, numa cerimônia a que estavam presentes o marido, Craig, coronel da reserva da Força Aérea, a mãe, Shirley, e o pai, Eldon Libby, também da reserva da USAF, só que major.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + seis =

Nenhum comentário

Adilson Pedro Kambinda em 05 de setembro de 2012

É com muita honra que esta grande senhora(Wolfenbarger) dignifica todas as mulheres no mundo, mostrando que realmente as mulheres também podem e devem dar o seu contributo no devenvolvimento bélico de uma nação, por tanto, mulheres lutem pelo vosso nome!

joão em 17 de julho de 2012

Para conquistar Poder, manter o poder, se fazer respeitar perante a comunidade internacional toda nação, todo país, tem que ter uma força armada pujante, bem treinada, bem adestrada, bem remunerada, bem prestigiada. Os USA tem tudo isto. No Brasil, os "generais da guerrilha" a la Zé Dirceu não entendem assim.

ridesissi em 02 de julho de 2012

Concordo que o gênero não é importante, o que interessa mesmo é o caráter e o esforço. Agora, uma ressalva: fatos como o relatado somente são possíveis em um país cujas universidades pontuam entre as melhores do mundo! Afinal, um "Master" em Astronáutica no MIT não é para qualquer um.Ou uma. Enquanto isso, na nossa melhor escola (USP), meia dúzia de viciados param o "campus" em sua luta não para aprender, mas pela liberação das drogas no recinto... Mais gloriosa, embora triste, é a atual greve das universidades federais, verdadeiros pardieiros abandonados, cujo mote é a melhoria das condições do ensino. Ainda falta muito para chegarmos lá...

Tico Tico em 30 de junho de 2012

Tomara que progridam mais, muito mais, até que saibam os do mal, que bombas serão o mínimo para eles!

Milton Guedes Guimaraes em 30 de junho de 2012

Linda essa imagem, jogando bombas, é o que sempre faz oa bandidos dos EUA. Eolhe: Mulher e gente...

A. Silva em 27 de junho de 2012

Enquanto isto, em Pindorama, a Soberana empurra a golpes de barriga o reaparelhamento das nossas FFAA. Vergonhoso dizer, mas se os traficantes do Rio resolvessem utilizar todo o armamento de última geração que possuem contra o nosso glorioso Exército seria uma carnificina.

Blog and Roll em 26 de junho de 2012

É por essas e por outras, muitas outras, que o capitalismo é o autêntico motor do progresso e não os regimes ditos "progressistas (na verdade tão socialistas quanto o stalinismo e o nazismo).

em 22 de junho de 2012

Não existe problema de se pertencer à este ou àquele sexo. O que de fato faz a diferença ´é falar menos e trabalhar/estudar/educar-se e estruturar-se melhor e cada vez mais. Quem der conta de se apresentar meritória e competentemente para qq cargo deve assumi-lo sem demora. Esta baboseira de guerrinha de sexos e de teatrinho para se conseguir empregos já é papo antigo e roto. A luta tem de ser sempre leal e no tatâme profissional/técnico e nada mais. Isto inclusive inibiria aproximação dos corruptores aos corruptos, pois a capacidade individual autorreconhecida destila um orgulho puro que gera a gana de se vencer na vida sem admitir-se o assédio de quem quer que seja por motivos politicos escusos e porcos.Educação formal pra valer vale mais que qq coisa neste mundo de meu Deus.

em 22 de junho de 2012

Esta Sra. me enche de orgulho. Chegou onde se encontra hoje, em sua profissão, por mérito explicito e irretocável. Esta orgulha qq mãe, avó, qq mulher no mundo livre justo que tanto as mulhers apregoam aos 4 ventos. Esta GENERAL de fato trabalha pra valer! Parabéns, Sra. General!

Luiz em 22 de junho de 2012

Temos que levar em conta não o sexo da pessoa, mas sim, se tem competência para a função. Esse papo que os homens são melhores em tudo é coisa do passado.

Willer em 22 de junho de 2012

A máquina militar norte americana, seu porte e organização não possui oponentes a sua altura, pode existir exército com efetivo maior, mas não poderia fazer frente ao colosso, sorte nossa que esteja a serviço de uma democracia, do contrário a terra teria uma face completamente diferente e com certeza a situação seria bem mais feia do que já é. Já visitou uma base norte americana, Setti? É uma experiência em tanto. Concordo com você, Willer. E, sim, já visitei bases e porta-aviões nos EUA. Um grande abraço

ze do matogrosso em 21 de junho de 2012

não custa nada lembrar... só a construçao de 4 estádios, digo, circos, daria para aparelhar parte do exécito, da aeronautica e a marinha...mais úteis ao brasil. Fizeram e est~]ao fazendo tanto, que estamos até esquecendo de nossa dignidade. não é por amor, é por gostar de se brasileiro...

ze do matogrosso em 21 de junho de 2012

..uau...de férias, de maiô, em qualquer lugar, esta mãe de família é mais poderosa que toda a américa latina, e outros qujandos...o poste mandou o patriota falar grosso..deve ter levado uma garru7cha 22, e um cd dos discursos do molusco...é de lamentar a pobresa, a indigência de nossas forças... Tão merecendo, visto que não sabem nem manusear uma mina terrestre de quarto mundo...Não fazem mais milicos como antigamente... Aliás, de antigamente, só restaram os trambolhos, a má formção e o aparelhamento....

Tuco em 21 de junho de 2012

. Alguma semelhança com a nossa presidanta? .

P Faustini em 21 de junho de 2012

Só uma pergunta, será que no Brasil de dilma ela teria que ser chamada de generala?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI