Processo de secretário tucano é gota d’água que leva ao fim de um blog corajoso e independente: o Blog do Pannunzio

O jornalista Fabio Pannunzio: coragem agora fora do ar (Foto: band.com.br)

Jornalista corajoso que não escolhe partido nem filiação ideológica de quem precisa mostrar cometendo mazelas, Fabio Pannunzio manteve por três anos, às suas custas, um blog que deu muita dor de cabeça ao lulo-petismo e o transformou em um dos alvos preferenciais da mídia chapa-branca.

Por amarga ironia, a gota d’água que o levou a declarar encerrados os trabalhos do blog na quarta-feira, 26, pelas razões que explica abaixo, partiu não do lulo-petismo, mas de uma figura de proa do governo tucano de São Paulo.

Jornalistas independentes, como eu, mesmo eventualmente discordando de Pannunzio aqui e ali, estão de luto pelo fim de seu blog. Leiam a nota de despedida:

O fim do Blog do Pannunzio

Este é o último post do Blog do Pannunzio. Escrevo depois de semanas de reflexão e com a alma arrasada — especialmente porque ele representa um vitória dos que se insurgem contra a liberdade de opinião e informação.

O Blog nasceu em 2009. Veiculou quase oito mil textos. Meu objetivo era compor um espaço de manifestação pessoal e de reflexão política. Jamais aceitei oferta de patrocínio e o mantive exclusivamente às expensas do meu salário de repórter por achar que compromissos comerciais poderiam conspurcar sua essência.

Ocorre que, em um País que ainda não se habituou à crítica e está eivado de ranços antidemocráticos, manter uma página eletrônica independente significa enfrentar dificuldades que vão muito além da possibilidade individual de superá-las.

Refiro-me às empreitadas judiciais que têm como objetivo calar jornalistas que não se submetem a grupos politicos, ou a grupos dei interesse que terminaram por transformar a blogosfera numa cruzada de mercenários virtuais.

Até o nascimento do Blog, enfrentei um único processo judicial decorrente das milhares de reportagens que produzi para a televisão e o rádio ao longo de mais de três décadas. E ganhei.

Do nascimento do blog para cá, passei a responder a uma enxurrada de processos movidos por pessoas que se sentiram atingidas pelas críticas aqui veiculadas. Alinho entre os algozes o deputado estadual matogrossense José Geraldo Riva, o maior ficha-suja do País; uma quadrilha paranaense de traficantes de trabalhadores que censurou o blog no fim de 2009; e o secretário de segurança de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, cuja orientação equivocada acabou por transformar a ROTA [unidade de elite da Polícia Militar de São Paulo] naquilo que ela era nos tempos bicudos de Paulo Maluf.

A gota d`água foi uma carta que recebi do escritório de advocacia que representa Ferreira Pinto num processo civil, que ainda não conheço, comunicando decisão liminar de uma juíza de primeiro grau que determinou a retirada do ar de um post cujo título é “A indolência de Alckmin e o caos na segurança pública”. O texto contém uma crítica dura e assertiva sobre os desvios da política adotada pelo atual secretário e pelo governador, mas de maneira alguma contém afirmações caluniosas, injuriosas ou difamatórias.

A despeito dessa convicção, o post já foi retirado do ar. Determinação judicial, no entendimento deste blogueiro, á para ser cumprida. Vou discuti-la em juízo assim que apresentar minha defesa e tenho a convicção de que as pretensões punitivas de Antônio Ferreira Pinto não vão prosperar.

Ocorre que o simples fato de ter que constituir um advogado e arcar com o ônus financeiro da defesa já representa um castigo severo para quem vive exclusivamente de fontes lícitas de financiamento, como é o meu caso. E é isso o que me leva à decisão de paralisar o Blog. A cada processo, somente para enfrentar a fase inicial, há custos que invariavelmente ultrapassam cinco ou dez mil reais com a contratação de advogados — e ainda assim quando os honorários são camaradas.

É por estas razões que esta página eletrônica vai entrar em letargia a partir de agora. O espaço vai continuar aqui, neste endereço eletrônico. O acervo produzido ao longo dos últimos quatro anos continuará à disposição dos internautas para consulta. E eventualmente, voltarei a dar meus pitacos quando entender que isso é necessário. Mas a produção sistemática de textos está encerrada.

Espero voltar a esta atividade quando perceber que o País está maduro a ponto de não confundir críticas políticas com delitos de opinião. Quando a manifestação do pensamento e a publicação de fatos não enseje entre os inimigos da liberdade de imprensa campanhas monstruosas como esta que pretende ’kirsnhnerizar’ o Brasil, trazendo de volta o obscurantismo da censura prévia.

Por fim, digo apenas que essa pressão judicial calou o blog, mas não conseguiu dobrar a opinião do blogueiro. E que me sinto orgulhoso por ter conseguido cumprir o compromisso que me impus de respeitar a opinião alheia mesmo quando ela afronta a do editor. Aqui, nunca houve censura a comentários dos leitores que discordavam da minha maneira de ver o mundo. E esta é minha prova de apreço pela liberdade de expressão — inclusive quando ela me desfavorece.

A vocês que me acompanharam deixo meu muito obrigado. A gente vai continuar se encontrando em outra seara, a da televisão.

Muito obrigado. E até breve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

61 Comentários

  • Alberto Porém Júnior

    Amarga Ironia? Não seja ingênuo!
    O Lulo-petismo é o cão chupando manga mas quem processa são os bons homens né!
    Vide Gilmar Mendes, Daniel Dantas, Senador Aluísio Nunes, José Serra, etc, etc, etc, etc…
    Me diga um jornalista ou órgão de imprensa que o Lula processa. Um só.
    E depois eu que falo demais.

  • Willer Stedt

    Em países um pouco mais civilizados o jornalista amordaçado por uma classe política mercenária e salafrária poderia contar com o apoio de dezenas de milhares de cidadãos através de doações para sua defesa, numa terra de selvagens, sub alfabetizados e cadáveres morais, vai ficar tudo por isto mesmo, qualquer humano, por mais nobre e correta que seja sua obra e intenção acaba se dobrando, pelo menos por algum tempo sob pressões oriundas do obscurantismo.
    Um período de calmaria não é neste caso uma derrota, que Pannunzio reúna força e determinação para uma outra fase de ativismo civil e jornalismo limpo, são momentos desagradáveis que passam, tudo na vida passa.
    Força, Pannunzio!

  • Marco

    Dom Setti: Q coisa incrível esse fechar de portas, d um blog totalmente independente, por um desagrado ridículo, um blog q não recebia nada e sem anunciantes. E de uma hora para outra vira réu.Isso só pode ser brincadeira política.
    Abs.

  • Fernando

    Entristece-me observar que nossa democracia ainda caminha a passos tão arrastados. Censurar um blog é um absurdo! Ademais, não me surpreende que tão ação origine-se de um ninho tucano;nós mineiros sabemos muito bem o quanto eles prezam a liberdade de expressão. Está aí um fato que os críticos de Lula não podem levar à baila: nos oito anos de seu governo, não tomei conhecimento de nenhum processo movido pelo ex-presidente contra algum jornalista ou veículo.

  • Lilian

    É terrível, Setti, ver que ponto chegamos com a liberdade de expressão. Toda a minha solidariedade ao Pannunzio. Força, amigo. Vamos em frente!

  • Carmem

    Engraçado, a imprensa vive gritando que Lula é ditador que censura a imprensa, mas quem processa e manda fechar blogs são os tucanos.
    Isso sim, é que é ironia e mau caratismo.

  • Carmem

    E pior, não vi a mídia tão defensora da liberdade de expressão defendê-lo, enquanto que vi vários blogs progressistas indignados com isto.
    Não é tudo tão irônico?

    Você não pode me acusar de não estar fazendo a minha parte.

  • AlexRio

    Estou até surpreso de ler isso aqui em um blog da Veja. Ponto pro Setti. **** ***** ***** ***** ***** ****** ****** ******

    Não publico nada que insinue intriga entre colegas, daí os astericos.

  • Leonardo Saade

    É uma pena. O fim do blog do Pannuzio é uma agressão à todos aqueles que respeitam a liberdade de expressão. E parabéns a você Setti, por mostrar aos blogs sujos como o respeito por essa liberdade está acima de qualquer ideologia.

  • Ismael

    Coragem Pannunzio. Lógico se fosse um blogueiro progressista não falataria dinheiro de estatais. Não é o PSDB quem processa o Pannunzio,mas um secretário tucano. O PSDB é oposicinha mas não propõe uma política de controle da mídia como o PT. Assim, usar desse epsódio ironico para encher a bola de maus carateres costumazes, como os blogueiros chapa branca, é estupidez e falsidade.

  • Angela

    CARO setti,
    O que me diferencia dos PeTralhas é exatamente isso: errado é errado independente de partido.
    Se os “meus” agiram em desacordo com o que acreditamos e pregamos, temos o dever de chamar a atenção e tentar reparar o mal feito.
    POR ISSO, CONCLAMO: Gente, vamos ajudar FÁBIO PANNUZIO, através das redes e do chamamaento – alô Serra, alô Alckimin, alô Sra Juiza: o jornalista não ofendeu, não mentiu; apenas emitiu sua opinião, critica e assertiva, sobre a violencia real.
    Esse tipo de atitude- raivosa, autoritária -,está mais para ELLES.
    Por favor…!

  • Zulaie

    Acredito na justiça brasileira, acho um absurdo fazerem isto, mas bem me informei neste site sobre as criticas ROTA e as suas ações e pelo que li os criticos da mesma não são tão isentos assim, então se ele fizer parte desta turma fechou e foi tarde

  • joaol

    essê pafuncio ai, sempre foi um petralhão!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Amigo Setti
    De sua defesa pela democracia e estado de direito ninguém pode cobrar e se cobrar, vozes como a minha e de outros protestarão.No entanto a Carmem tem razão – o silêncio da chamada grande imprensa é total.
    Parabéns pela denuncia e principalmente atingindo o tucanato.
    Abração
    Pedro Luiz

  • Hélio

    Cara Carmem :
    Concordo plenamente com sua opinião, mas tenho de dizer que vc está sendo injusta para com o Setti. Quem acompanha o blog dele há mais tempo sabe o tipo de jornalista ético que ele é, e a maior prova foi ele ter colocado este post sobre o assunto. Agora, em relação aos demais “jornalistas éticos e imparciais” que irão certamente abafar este assunto, nada a acrescentar, pois seu comentário já fez isso. Abs!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Marco Weissheimer
    Política, Economia, Cultura & Outras Amenidades

    Três Passos, uma cidade torturada pela ditadura
    Sep 30th, 2012 by Marco Aurélio Weissheimer.

    As histórias da ditadura e da sua política de repressão e de terrorismo de Estado voltaram a ser contadas no Brasil a partir da criação da Comissão Nacional da Verdade e de comissões estaduais e comitês da sociedade comprometidos com o resgate da memória daquele período. A ação da ditadura em cidades do interior do país é particularmente desconhecida. O economista Calino Pacheco Filho, do Comitê Popular Memória, Verdade e Justiça, conta a história da cidade de Três Passos, no noroeste do Rio Grande do Sul, onde dezenas de pessoas foram presas e torturadas, em função da resistência à ditadura na região, no início dos anos 1970.

    A criação da Comissão Nacional da Verdade teve como um de seus efeitos imediatos a criação, por todo o país, de comissões estaduais e comitês da sociedade civil unidos por um mesmo objetivo: auxiliar no trabalho de investigação dos crimes da ditadura e de reconstrução da memória perdida no período dos chamados “anos de chumbo”. Essas comissões e comitês já vêm trabalhando concretamente para resgatar histórias perdidas e sonegadas pela ditadura e seus aliados. Um exemplo disso é o Comitê Popular Memória, Verdade e Justiça, criado este ano em Porto Alegre a partir de uma aliança entre ativistas da área de Direitos Humanos, sindicalistas da Federação dos Metalúrgicos, movimentos sociais como MST e MPA, o Levante Popular da Juventude e estudantes de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Desde sua criação, há cerca de quatro meses, em articulação com outras entidades, vem promovendo uma série de atos públicos em Porto Alegre e no interior do Estado em defesa do resgate da memória do período da ditadura e da punição dos autores de crimes como torturas e assassinatos.

    Integrante do Comitê, o economista Calino Pacheco Filho destaca a opção feita por criar um espaço com uma coordenação colegiada, sem permitir contaminações com questões partidárias e eleitorais sempre presentes em anos eleitorais. O objetivo do Comitê, esclarece, é dar apoio às comissões da verdade, tanto a nacional como a nacional. “Essas comissões, por terem sido criadas pelo Executivo, tem algumas limitações. Elas não podem pedir, por exemplo, a revisão da Lei da Anistia, por problemas de confronto de poder (com o Judiciário). Nós entendemos que só com pressão da sociedade civil e dos movimentos sociais e que elas podem avançar um pouco mais. Nosso papel é esse. Dar respaldo, mas também tentar fazer o que as comissões oficiais não podem. A partir dos limites dessas comissões, nós tentamos avançar”.

    Uma das propostas que o Comitê Popular fez à Comissão Estadual da Verdade foi promover uma audiência pública na região de Três Passos, onde foi realizado um escracho silencioso em frente ao Hospital de Caridade para denunciar que em maio de 1970 centenas de pessoas foram presas e torturadas no local. Outra proposta, feita à Secretaria Estadual de Educação, é a de colocar nos currículos das escolas de ensino médio a história da ditadura e do terrorismo de Estado. “Nós estamos elaborando uma cartilha com esse tipo de conteúdo, com uma linguagem bem acessível e usando muita ilustração, para circular principalmente entre os estudantes de ensino médio”.

    O ato realizado dia 28 de agosto no município de Três Passos foi um marco na recente história do Comitê. Foi a primeira manifestação realizada pelo Comitê no interior do Estado. E deve ser a primeira de muitas. A história da ditadura e da repressão nas cidades do interior é quase que totalmente desconhecida por parte da população. E, ao contrário do que alguns podem pensar, traz histórias de violência, arbítrio e perversidade tão graves como aquelas ocorridas nos grandes centros do país. “Três Passos tem uma história interessantíssima”, observa Calino. “A Coluna Prestes passou por ali. Ela nasceu em Santo Ângelo, passou por São Luiz Gonzaga, foi acossada pelas tropas governistas de então e avançou na direção de Três Passos. Ali, a Coluna ficou encurralada de novo e submetida a seguinte alternativa: ou entrar na Argentina, ou ir em direção a Santa Catarina. A Coluna optou pelo segundo caminho e quanto chegou na divisa com Santa Catarina, houve um combate onde morreu o Tenente Portela, que era uma das principais lideranças do movimento juntamente com Luis Carlos Prestes”.

    Essa é uma área muito importante do ponto de vista estratégico, assinala ainda Calino, porque ela une três países – Argentina, Uruguai e Paraguai – que fazem divisa com três estados brasileiros – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Além da passagem da Coluna Prestes, mais tarde, em 1965, há o episódio da tentativa de constituir um foco de guerrilha na região, liderada por Jeferson Cardim e pelo MNR (Movimento Nacionalista Revolucionário, ligado a Leonel Brizola). Em 1965, juntamente com um grupo de combatentes, a maioria formada por ex-sargentos cassados em 1964, tomou o quartel de Três Passos e passou a transmitir, pela rádio da cidade, as notícias da ação e convocando a população a lutar contra a ditadura. “Foi uma ação muito estabanada. Eles sairão de caminhão rumo a Santa Catarina e acabaram sendo presos no Paraná. Houve um confronto onde inclusive morreu um sargento do Exército. Eles foram todos presos e o Jeferson pegou dez anos de cadeia”.

    Há um terceiro momento, prossegue Calino, marcado pela instalação de uma base da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) naquela região:

    “O Vale da Ribeira era uma área de treinamento para enviar o pessoal para a região de Três Passos. O Lamarca viria para cá com os guerrilheiros treinados do Vale da Ribeira. A VPR organizou uma empresa de pesca ali, em Esperança, na região da Barra do Turvo (na época, Esperança era um distrito de Três Passos), e estava montando toda uma estrutura na região. Do outro lado do rio, há uma mata muito extensa que vai da Argentina até o Paraguai. Hoje ela já está desmatada em alguns pontos, mas ainda tem pontos de mata muito densa. Essa era uma área importante do ponto de vista estratégico para a guerrilha. Mas aí caiu o Vale da Ribeira e um terço do pessoal foi preso. Os outros dois terços, incluindo o Lamarca, conseguem furar o cerco e fogem. O Vale da Ribeira caiu porque caiu alguém da direção da VPR que conhecia o Vale e sabia também sobre o que estava sendo feito aqui na região de Três Passos”.

    Calino segue o relato:

    “Os militares se ligaram então que havia essa conexão, embora ainda não tivessem maiores detalhes sobre ela. No início de 1970, cai um pessoal da VPR aqui no Rio Grande do Sul e, com isso, os agentes da repressão obtêm detalhes sobre a área de Três Passos. Então, desce do Rio de Janeiro o hoje tenente-coronel reformado Paulo Malhães, que organizou a Casa da Morte (centro de detenção clandestino instalado no município de Petrópolis, Rio de Janeiro). Malhães vai para a região de Três Passos, monta um centro de tortura no quartel da Brigada e prende o pessoal da VPR e seus simpatizantes. Como a VPR tinha montado uma peixaria, eles tinham muitas relações na cidade. Muita gente, que apenas tinha contatos comerciais com a peixaria, foi presa e apanhou muito sem saber de nada do que estava acontecendo. Segundo os relatos das vítimas, esse Malhães ficava dias sem dormir, só torturando e humilhando. De dia, havia o interrogatório sem pau, ou sem muito pau, e de noite comia o pau solto”.

    “Um vereador do MDB na época denunciou na Câmara que estava acontecendo em Três Passos a noite de São Bartolomeu (uma alusão ao massacre de protestantes ocorrido na França em 1572). Os gritos dos torturados eram ouvidos na cidade. O MDB tinha dois vereadores na cidade, este que fez a denúncia e o Reneu Mertz, que era militante da VPR. O Reneu também foi preso e torturado. Mais tarde, ele foi eleito prefeito e a praça central da cidade leva hoje o seu nome. Ele tem irmãs, filhas e netos morando em Três Passos. Os militares prenderam também e torturaram o comandante da VPR na região, Roberto Fortini, que inclusive participou do ato que realizamos agora”.

    Para resgatar a memória desses acontecimentos, o Comitê Popular Memória, Verdade e Justiça promoveu um escracho no local que funcionou como centro de tortura – que era um quartel da Brigada e hoje é um hospital. Depois do escracho silencioso realizado no hospital, os manifestantes seguiram em caminhada até a praça central de Três Passos, onde ocorreu um ato público. A reação da cidade foi um pouco de surpresa, mas não de hostilidade, conta Calino. “As novas gerações não conhecem esses episódios, que não aparecem nos livros de história. E a cidade ficou muito traumatizada pelo que aconteceu. Mesmo assim, conseguimos fazer uma manifestação muito expressiva, com mais de 200 pessoas na praça. Nós vamos fazer um relatório sobre essa história e passar para a Comissão Estadual da Verdade e para a Comissão Nacional da Verdade”.

    Nos próximos meses, dezenas de histórias como esta provavelmente virão a público por todo o país. A criação da Comissão da Verdade instalou um espaço de debate e ação na sociedade que parece não ter volta.

    (*) Matéria publicada originalmente na Carta Maior.

    Posted in: Comissão da Verdade.
    Tagged: Comissão da Verdade · Três Passo

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    ÍNDIOS TÊM POSSE DE TERRA DA ILHA DO URUBU

    Os desembargadores da 3ª Câmara Cível, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), reconheceram por 3 votos a 0, a posse de terra de Vandeíta de Jesus Martins dos Santos sobre a Ilha do Urubu.

    A decisão das magistradas Heloísa Graddi, Telma Britto e Lisbeth César Santos, por unanimidade, garante os direitos da terra de forma quase definitiva, já que não cabe recurso.

    De acordo com o advogado César Oliveira, os herdeiros legítimos da propriedade, cuja escritura é de 1964, entraram com uma ação na Justiça para garantir a posse sobre a área. Ele explicou que Gregório Preciado, espanhol naturalizado brasileiro, e primo do candidato a prefeito de São Paulo José Serra (PSDB), teria uma escritura fraudulenta da terra e desalojado os verdadeiros posseiros.

    A Ilha do Urubu foi utilizada como garantia por Gregório Preciado em um empréstimo feito no Banco do Brasil no valor de US$ 5 milhões. Em primeira instância, em Porto Seguro, um juiz substituto negou a posse aos herdeiros. Valdeíta recorreu ao TJ-BA, que agora reconheceu a sua propriedade.

    De acordo com o advogado, o terreno era de um pescador que o adquiriu há 48 anos. Oliveira ainda lembra que a terra foi esbulhada por Gregório com um documento falso e pelo belga Phelipe Meeus, que tinha uma escritura de doação feita por Paulo Souto, no seu último dia de governo à frente da gestão do Estado da Bahia.

    Ele ainda informou que perícias realizadas na época comprovaram que o título de doação foi irregular. A disputa pela posse da Ilha do Urubu é um dos fatos narrados no livro “A Privataria Tucana”, que faz uma série de denúncias sobre a chamada Era das Privatizações no Brasil.

    O advogado afirma que a “decisão do tribunal confirma a denúncia da Privataria Tucana”, e que, no seu entendimento, a justiça foi feita. “Não importa se as pessoas são humildes e se a área vale milhões, e foi isso que a Justiça reconheceu”, refletiu. Ele completa que a decisão da Justiça é “atualmente positiva para a cidadania, democracia e o Estado Democrático de Direito”.

  • Sidney Braga "Tcheves"

    Fiquei muito triste pelo fim do Blog do Pannunzio, mesmo discordando da maioria dos seus posts, assim como você, ele mantinha um espaço democrático e sabia conviver com o contraditório. Perdemos esse excelente espaço democrático.

    Muito me preocupa a forma como certos ícones da política convivem com o contraditório. José Serra não aceita nenhuma pergunta contrária em entrevistas. O governo Alckmin não aceita críticas. Em MG, a imprensa que critica o governo do estado é perseguida.

    Até no twitter estão atacando. Gilmar Mendes está processando um ator da Globo por um tweet.

    Sejamos justos Setti, O Lula é o político mais citado de forma negativa pela imprensa (com razão ou não). E apesar disso, nao processa ninguém.

    E parabéns pela solidariedade ao Pannuncio, esperava isso de vc. Foi único blogueiro não progressista a prestar essa solidariedade.

  • Titus Petronius

    Lá vou eu discordar, ao menos em parte (ando lendo muito o Reinaldo… hehehe). Não vejo censura prévia. Pannunzio pode escrever o que bem entender. E, se alguém se sentir ofendido, pode muito bem processá-lo. É do jogo democrático, não? Resumindo o discurso de Pannunzio: ele está fechando o blogue porque não tem grana para pagar advogados – é mais bonito dizer-se perseguido pelos poderosos. Aí já é outra história. Qualquer empreendimento necessita de apoio jurídico. Isso vale tanto para a padaria da esquina, que enfrenta processos trabalhistas, quanto para grandes grupos empresariais, que lidam com concorrência feroz e por vezes desleal. Os blogues cresceram e apareceram. Conheço muita gente que, antes de ler qualquer jornalão na mesa do café da manhã, abre um ou vários blogues ainda na cama. Blogues influentes, que mexem com grandes interesses, não podem mais ser levados na base do diletantismo. Escrever blogue nas horas vagas é para amadores. Profissionalismo é isso: Reinaldo Avevedo, suponho, deve responder a mais processos que Pannunzio, mas tem o departamento jurídico da Abril para defendê-lo. Reinaldo é um blogueiro profissional, que entra na briga e se garante. Pannunzio poderia tentar conseguir o mesmo apoio do grupo Bandeirantes – reconheço que posso estar sendo ingênuo nesse caso; vai ver ele já quase perdeu o emprego por causa do blogue… Ou aceitar anúncios, se consegui-los. O fato é que a era romântica dos blogues, se já houve uma, acabou. Blogue sério já é tão importante (ou influente) quanto uma empresa jornalística – no que diz respeito ao conteúdo, claro – e por isso necessita de apoio jurídico para continuar sendo viável e independente. Pannunzio quis permanecer amador nesse novo mundo e não suportou, jogou a toalha. Espero que volte forte. Por que não no time da Veja?

  • Esron Vieira

    Por estas e outras, sempre digo que imprensa independente nunca prosperará neste mundo. Só grupos ologarquicos e corporativistas.
    Antigamente (não longe), quando um jornalista sem as costas quentes, se pronunciava contrariando um poderoso, era facilmente assassinado.
    Hoje o mesmo jornalista sem aparo é totalmente vulnerável à industria de processos judiciais.
    Lembro bem da arrogancia e rispidez com que o finado Sergio Motta tratava os repórteres que o interpelavam com perguntas não agradáveis. Nunca ví nenhum manifesto reprovando a reação da cavalgadura. O Serra ainda traz consigo este ranço antigo. Quem vai entrevistá-lo já não chega muito perto da área em que pode ser desferio o coiçe.
    Eles sempre foram seguros e confortáveis com estas atitudes, por saberem que como estão à serviço dos interesses da agiotagem internacional, podem tudo pois serão acobertados.
    Aquí fica meu apreço pela atitude do jornalista Fabio Pannunzio, em não se corromper com grupos poderosos pra manter de pé seu blog.
    Mais uma vez parabeniso nosso amigo Setti, por trazer à tona este infeliz episódio.

  • jefff

    O blog foi fechado por pressão de um tucano mas o Setti começa o post falando do lulopetismo. Realmente a não dá para levar a serio.

    Deixe de ser chato, Jefff. O tucano já está no título.

  • Rezende

    É uma pena que isso tenha acontecido, caro Setti. O Blog do Pannunzio era muito bom. Fará falta.

    P.S.: Ao colega do primeiro comentário, o Lula já processou jornalista, sim. Porém, retirou a acusação quando este passou a lhe ser útil tempos depois.

  • Janice Del Vecchio

    Inacreditável não é a iniciativa dos senhores do poder, que fazem o que bem entendem, embora não devessem fazê-lo, tanto do ponto de vista ético, quanto republicano.
    O que o governante ou quem se considere atingido, injustamente, deveria fazer, simplesmente seria solicitar ao jornalista que publicasse a versão da suposta “vítima”.
    Os MM Juízes, bem que poderiam, também, simplesmente se aterem a tal expediente, isto é, o de fazer publicar no blog, no mesmo espaço, com o mesmo destaque, o eventual desagravo e versão da suposta “vítima”.
    Assim estariam assegurados os direitos de livre manifestação e expressão.
    Os leitores que julgassem a tal “verdade” da situação fática.
    Lamentável que a nossa magistratura faça a opção mais restritiva e banalize o direito de expressão; especialmente quando se trate de um Jornalista, cujo patrocínio pessoal (que eu desconhecia), só faz enaltecer o seu profissionalismo.
    Sou daqueles que admite, sim, que o patrocínio pode, sim, implicar conflito de interesses.
    O que não significa que todos os jornalistas patrocinados sejam acometidos desse conflito mendaz.
    Boa Sorte ao Pannunzio!
    Parabéns ao Setti pela divulgação da notícia, nos termos veiculados.

  • Tuco

    .

    Mas será que é o que
    falta ao Brasil? Os
    criminosos despontando
    em processos como as
    vítimas?
    Não! Não chegamos a
    tanto – por ora…
    Que os derrotistas
    continuem a torcer:
    isto ainda não é uma
    Venezuela!


    .

  • Mauricio (DF)

    Isso sim pode ser chamado de Brasil, infelizmente. So nao “compreendo” porque os juizes sempre ficam do lado dos que querem calar a imprensa. Todos os partidos sao iguais… sem excessao, é so falarem deles que dá nisso: processos e mais processos.

  • jefff

    Uns são chatos outros são tucanos… assim é a vida.

    Além de chatas, há pessoas que acham que sabem tudo. Não têm ideia do que escrevem.

  • Geraldo de Freitas

    Lamentável.

  • Alberto Porém Júnior

    Ao Rezende 1240:
    – Conhece tempo de verbo ou precisa desenhar?
    Eu disse processa! E não venha com chicanas metafóricas de alusão a Lula como cooptador de jornalistas, isto você busca que vai encontrar nas plagas bicudas do Planalto Paulista ou das montanhas de Minas.

  • Kitty

    Caro Ricardo,
    Nunca participei do blog do jornalista Fábio Pannunzio. Mas,gosto dele como jornalista da BAND. Mesmo assim, tenho que agradecer-lhe pelo grande esforço pessoal e econômico para manter o seu blog independente, e por defender algo que só se dá o valor quando a perdemos: A Liberdade de Expressão. Liberdade de imprensa que tanto na Argentina como na Venezuela está sendo tripudiada.Nem faz tanto tempo assim, quando morava na Argentina em pleno regime de Juan D. Perón, onde as noticias da realidade do país tínhamos que escutá-las às escondidas, na radio Colonia do país vizinho Uruguay. Sinto muito esta retaliação do juiz, e a decisão de suspender as postagens. Desejou-lhe muita sorte Jornalista Fábio Pannunzio, e que pronto possa voltar a ter o seu blog em plena atividade.
    Caro Ricardo esperemos que não vire um costume de perseguir quem tem o direito de expressar as suas opiniões!
    Um abraço///Kitty

  • Eduardo

    Com regularidade, como faço aqui, lia o que Pannuzio publicava. Podia-se até não concordar com tudo, mas a linha mestra, a coluna cervical de suas ideias, as inferências, as conclusões a beleza e a simplicidade na maneira de apresentar muitos e muitos dos artigos, era-me cativante.

    Certamente vou torcer para que a luz jornalística de Pannuzio volte a iluminar aqui e acolá. Ecos certamente ouvir-se-á.

    Parabéns, Pannuzio!

  • Luiz Pereira

    Setti,
    Essa decisão dp Pannunzio reflete uma triste realidade: a imbecilidade campeia em todo o arco político brasileiro.

    Deveria ser obrigação do governador demitir seu secretário, a menos que ele retirasse essa ação.
    abs

  • Rafael

    Alberto Porem Junior:

    Processa, processou, processará: qual a diferença? E quer maior ataque a liberdade de expressao do que os blogs financiados por estatais, as repetidas tentativas de passar leis regulatorias do jornalismo, Conselho Federal de Jornalismo, etc, etc.?

    E nao fique nervosinho. Ainda nem chegamos no julgamento do Dirceu….

  • Sidney Braga "Tcheves"

    Rafael, o marco regulatório da comunicação está previsto na constituição. São os únicos artigos da constituição nao regulamentados. Caso vc não concorde, sugiro que peça para mudar a constituição. O que não dá é pra evitar o debate com a falsa bandeira da liberdade de imprensa.

    Gostaria que vc apontasse uma única ameaça a liberdde de imprensa prevista no marco regulatório. A propósito, se tivéssemos o DIREITO DE RESPOSTA regulamentado, o Pannunzio nao teria fechado seu blog. Pois os processos de indenização que minam os blogueiros, seriam substituidos por simples procedimentos de concessão do direito de resposta.

    Vamos lá, te desafio a apontar onde há ameaça da liberdade de imprensa nisso. Não é atoa que está na nossa carta magna.

  • Adalton Célio Oliveira

    Que a força esteja com você, e a paz em seu coração.

  • Raphael

    Fábio Pannunzio é honesto intelectualmente. Faz críticas a quem merece, não importando a posição ideológica. É evidente que não somos obrigados a concordar com suas opiniões, mas seria muito bom para o país termos mais profissionais comprometidos com a verdade. Estamos fartos de pseudo-jornalistas que enxergam os erros apenas de um segmento ideológico.

  • Roberto

    Sugiro a veja.com que examine a possibilidade de contratar o jornalista Fabio Pannunzio e passar a hospedar o blog em sua homepage.

  • Rafael

    P/ Sidney braga tcheves.

    Curto e grosso xD:
    Vc não leu a cf88, ou leu correndo. Veja este site, da propria Camara, que vai te ajudar a achar algo alem de dois artigos não regulamentados: http://www.camara.gov.br/internet/infdoc/novoconteudo/html/leginfra/LeginfraNao.htm

    E sim, o anteprojeto do temerário Franklin Martins tinha viés censório sim, na medida que disfarçava de palavrinhas doces como “controle social da mídia” a porta de entrada de influencias indisfarcaveis de ONGs e aparatos PTistas.

    Sugiro tambem a leitura deste site, onde esta a CF comentada:
    http://www.stf.jus.br/portal/constituicao/constituicao.asp

    Vc vera que, entre outros exemplos, um artigo Constitucional pode ser facilmente desvirtuado, como o artigo 62 (sobre as famigeradas Medidas Provisorias). Resumindo, nao é so porque esta na CF que é belo, justo e perfeito – ou que nao pode ser deturpado.

    Espero ter iluminado um pouco seu caminho.

  • Rafael

    Mais uma coisa: lendo mais atentamente os comentarios nesta coluna, percebe-se uns tres ou quatro que mal conseguem disfarcar a filiacao ParTidaria. Mas, como diria o primeiro comentarista, talvez seja eu falando demais…. Hauahauhauahau!

  • Reginaldo

    O que dizer frente a tudo isso que li? Não sei pois estou envergonhado de ter dado meu voto ao Geraldo Alckmin, quanto ao secretário de segurança não me expresso pois de onde veio não podia dar outra. Agora me pergunto? Continuo pensando em dar meu voto ao Serra que infelizmente faz parte da farinha do mesmo saco? Ou vou de oposição e voto num Russomano que nem sei quem é! Só para mostrar o meu descontentamento a um ato tão imbecil como esse de tirar um blog do ar.

  • simone soares

    VOTAS EM QUEM? SÃO TODOS BANDIDOS. SE UM DIA AGENTE PUDESSE ACREDITAR EM ALGUEM E ELE NÃO FOSSE FAZER O QUE FIDEL FEZ, PERPETUAR NO PODER E VIRAR UM ASSASSINO. ERA BOM PENSAR EM PAREDÃO PARA DAR UMA LIMPA GERAL E COMEÇAR DO ZERO

  • SergioD

    Ricardo, uma pena o Pannunzio encerrar as atividades de seu BLOG.
    O processo contra jornalistas deve ser encarado como um coisa comum. Qualquer um pode ter o direito de discordar do jornalista ou de se sentir ofendido por suas colocações e exigir alguma reparação. Jornalistas cometem erros. Basta nos lembrarmos do famoso caso da Escola de Base em São Paulo.
    No entanto, quando a ação é para retirar matérias de circulação, principalmente quando essas matérias não se enquadram como atentado a dignidade e à honra alheia e sim quando elas contém apenas críticas contundentes às práticas adotadas pelos poderes públicos, aí amigo entra em jogo a famosa censura velada. E dessa, infelizmente, ainda não conseguimos nos livrar nesse país.
    País que vergonhosamente foi considerado, pela Press Emblem Campaign, o quarto mais perigoso para a profissão de jornalista em todo o mundo.
    http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/pais/2012/10/02/BRASIL-E-O-QUARTO-PAIS-MAIS-PERIGOSO-PARA-JORNALISTAS.htm
    Abraços

  • YARA BATISTA FIORETTI

    infelizmente em nosso país ainda é assim, politicos fazem suas falcatruas e não admitem que se veicule a sacanagem, a verdade ou manifeste sua opinião.
    Mais vamos continuar lutando por um mundo livre, uma imprensa livre e a liberdade de expressão de qualquer pessoa. O mensalão é o início do término da impunidade.
    Força, continue a informar e externar suas opiniões,estamos com você!

  • Rose

    Repudio perseguir a liberdade de expressão, venha ela de onde vier!

    Que feio, senhor Governador!!!!!!

    Responda ao questionamentocna imprensa, não na justiça!

  • Alex Mamed

    Alberto Porém Júnior – 30/09/2012 às 16:10
    .
    Miserável do jeito que é, ele lá vai gastar sua grana com advogados, ainda mais sabendo que vai perder todas?
    .
    É oa rgumento mais ridículo de toda essa notícia: Lula, o democrata. Jesus! O Tiranete de Banânia não processa os blogs que falam dele porque ele sabe que perderá todos os processos.

  • Mairalur

    O governador Alckmin parece não ter muito talento, ao escolher secretários. Na Segurança Pública, por exemplo, ele não acerta uma!

  • jefff

    É verdade Setti algumas dessas pessoas tem até blogs na internet.

  • Sandra de Angelis

    Meu querido Fábio, posto aqui minha humilde solidariedade, mas com a propriedade de quem conhece você e seu trabalho há 30 anos, e o admira por isso! Sabemos que a estratégia jurídica é justamente a de “sangrar” as energias de quem tem pouco poder no banco, mas um forte poder de eloquência! Torço por você e se puder ajudar em algo, sabe que tem uma amiga aqui, claro que com muita “goela” para bradar invocando a Justiça. Não é muito, mas às vezes, serve pra alguma coisa!

  • Yracema Alves

    Querido Fábio,não é por falta de blog que nós seus leitores,seremos castigados pela censura branca.
    Sua grandendeza profissional oriunda de sua humildade,capacidade, profissionalismo,nos brinda
    com seus artigos que permanecerão nesse mesmo
    espaço.Nosso abraçoamigo de colega. Livre para Voar

  • Elizabeth the best queen in town

    Acho uma pena que isto tenha acontecido embora entenda as razões. E dá para a gente imaginar que a lentidão da justiça tem uma motivo sério. ualquer entezinho abespinhado entra com um processo. Que que é isso? Espero que o Pannunzio volte, pois necessitamos muito de jornalitas honrados omo ele. Não podemos ficar com estes simulacrosm alugados, vendidos na internet, perdendo os nosso mehlores valores de crítica. É uma pena. Enquanto isso, proliferam Nassifs, PHAs e Leonardo Atuchs, que não tem aamneor capacidade de trablhar na mídia convencional. Por medíocres.

  • Jose Saulo

    Decepcionante!
    Espero que a mordaça não prospere.
    Que o ‘time’ de letargia seja breve!
    Volte logo! abraço.

  • Mario Mattos

    Será que um pedido de direito de resposta encamihado diretamento ao Pannunzio não resolveria a questão?

    Do meu ponto de vista, claro que sim!

    Abração

  • Alberto Porém Júnior

    Ao Alex Mamed:
    – Essa á nova pra mim e pra toda a torcida corinthiana: Lula um miserável unha de fome!!!
    kkkkkkkkkkkk!!!! Chorei largadoooo…..
    Quem gosta das suas tiradas é o Daniel Dantas.

  • jOÃO lAVADOR

    No meu entendimento: confio na sua vitória contra o autoritarismo branco que, infelizmente, tem dado as caras nesse período eleitoral.

  • monteiro

    CARO ALBERTO POREM JÚNIOR, DEVEMOS LEMBRAR QUE LULA JÁ TENTOU CALAR À IMPRENSA NÃO UMA VEZ MAS DUAS,TENTANDO BOTAR EM VOTAÇAO PROJETO QUE CERCEAVA O DIREITO DE LIBERDADE DE IMPRENSA FALADA E ESCRITA. NÃO CONCORDO COM A ATITUDE DO ALCKMIN FOI DECEPCIONANTE. POIS A IMPRENSA TEM DE SER LIVRE E SOBERANA.PARABÉNS PANNUZIO PELA CONTRIBUIÇÃO DADA A HISTÓRIA POLITICA DO BRASIL

  • Trovão

    Os covardes sempre se apoiam na (in)justiça, porque tem medo da verdade, tem medo de serem descobertos, como é o caso do lulladrão e sua quadrilha que quiseram calar a imprensa livre. Os covardes sempre pensam que vão vencer, mas a verdade prospera e esses mesmos covardes vão acabar no mesmo lugar onde mora o capeta, o exu.

  • raquel

    Eu visitava o blog do Pannunzio, qd me deparei com isso. Acho que o jornalista deve aceitar sim patrocinadores e continuar o trabalho dele, acho que deveria flexibilizar um pc.

    Prezada Raquel, jornalistas não têm “patrocinadores”.

    O que pode ocorrer é que, pelo trabalho do Departamento Comercial da empresa em que ele trabalhe — e nunca pela mão do próprio jornalista –, empresas anunciem em espaço adequado no site que hospeda o blog.

    E, naturalmente, com o jornalista mantendo total independência em relação ao anunciante: se for o caso de criticar a empresa que anuncia por alguma má prática ou o que seja, tem que criticar.

    Abraço

  • Ilson de Pádua

    Prezado Pannunzio,
    Não que seja o seu caso, porém, o pelego do ****** é financiado pela a Caixa Econômica Federal, para ficar puxando o saco de zé ética dirceu e outros mensaleiros. Coloque anúncios de empresas privadas e mantenha a sua independência. Tenho um Blog também e não tenho medo destes cretinos, sustentado com dinheiro público.!
    Abs,
    Ilson de Pádua

  • Sandra

    Sempre votei no Alckmin, mas se ele não interferir nessa história, deixarei de votar nele. Espero que ele se manifeste imediatamente. Estou na fase de “tolerância zero” com politiquinhos.

  • Joel

    Enquanto isso, em Brasília, tem um jornalista, aquele que era porta-voz do Collor, que recebe em média R$ 15.000,00 mensais(45.000,00 por trimestre) do Governo do DF, que é do PT, para o seu blog, que ataca a todos os servidores do DF, policiais e professores e em defesa do Governador. Está publicado no Diário Oficial do DF Nº 54, sexta-feira, 16 de março de 2012, PÁGINA 41, Seção 3, que o blog desse jornalista recebeu R$ 47.012,50 no último trimestre de 2011.
    NÃO É ILEGAL, MAS É IMORAL!

  • Corinthians

    Setti,
    Sou da opinião de que o Pannuzio está fazendo o mesmo que os EUA fez quando foi atacado por terroristas da última vez – culpou o criador do vídeo que tinha o profeta que não chamava Maomé ao invés de dar nome aos bois.
    Pannuzio está saindo por uma crença – a de que para ser independente é necessário não aceitar pagamento de empresas.
    Esta crença é ridícula e já tinha seu fim anunciado, como o que segue. Afinal ninguém consegue se manter contra eventuais processos sem poder se defender.
    Não sei se é o caso, mas não poderia ele apelar para a defensoria pública, ou ainda para o MP ?
    De qualquer maneira, ele deveria sim vender espaços publicitários em seu blog para mantê-lo. Aliás deveria vendê-lo somente para empresas privadas, da mesma maneira que e feito em uma revista ou emissora de rádio/televisão, garantindo a variedade de anunciantes para evitar qualquer dependência. Anúncio não é ilícito, é bom deixar claro.
    Desta maneira, ele cometeu um suicídio premeditado. Ocorreu que o primeiro dar um pouco mais de trabalho para ele foi mais oneroso do que ele supunha – e vale lembrar, todos tem o direito de interpelar alguém na justiça para ter direito de resposta ou para receber danos morais.
    Da maneira que ele coloca parece-me que ele queria o “direito” de não ser processado – mas não funciona assim em uma democracia.
    Eu gostava de seu blog, mas acho que é um fim patético e desnecessário.

  • Cristina Bernardes

    Refazendo o comentário: Infelizmente, tão cedo “o país NÃO estará maduro a ponto de não confundir críticas políticas com delitos de opinião