Image
Ministro Cezar Peluso: com o caso desde julho de 2007 — e, até agora, nada (Foto: STF)

Está certo que qualquer ministro do Supremo Tribunal Federal tem todo o direito de pedir vista dos processos em julgamento na Corte — ou seja, que certos processos e todas as suas peças sigam para seu gabinete para um estudo mais aprofundado, que lhe permita ir além das informações que, durante a sessão, foram prestadas aos demais colegas pelo ministro relator.

Pois bem, um processo importantíssimo para as instituições — com cuja decisão do Supremo ditará os limites da atuação do Ministério Público e se seus integrantes podem, como faz a polícia, proceder a investigações de ilícitos, ou não — está em julgamento pela corte. (Leia no site de VEJA).

A votação está empatada em 1 a 1.

O ministro Cezar Peluso pediu vista do processo — em julho de 2007.

E, até agora, nada.

Não é por acaso que seu colega Marco Aurélio de Mello, sempre bem-humorado — e ferino — mencionou que, no caso, está havendo “perdido” de vista.

Cá para nós, não é um exagero, e um absurdo, que um processo dessa envergadura esteja paralisado há quatro anos e dez meses no gabinete de um único ministro?

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 1 =

Nenhum comentário

Teresinha em 22 de maio de 2012

Parece que ele esqueceu mesmo, sabe como é: são muitos processos!

Corinthians em 22 de maio de 2012

É a maldita subjetividade que temos nos assuntos que demandam ordem. Pedido de vista deveria ter prazo. Se me permite, 4 anos e 10 meses é um absurdo, um exagero e ridículo, só apequena ainda mais nossa nação.

carlos nascimento em 21 de maio de 2012

Qual seria a dificuldade para tamanha delonga ? Sabe lá Deus, meu caro Carlos...

Jeremias-no-deserto em 21 de maio de 2012

É muito provável que o ministro Cézar ( com Z!) não tenha a prática da leitura rápida e compreensão de textos mais alentados. Nesse caso, seria de bom alvitre fazer um curso de leitura dinâmica em uma dessas escolinhas que proliferam pelos centros das cidades grandes.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI