Recordando a Seleção de 1982 — para muitos, apesar de não ter ganho a Copa, a melhor de todos os tempos

Amigas e amigos do blog, o texto desse vídeo que pesquei no YouTube está em inglês, mas não é necessário conhecer o idioma para curtir os 11 golaços que o autor conseguiu capturar, dos 15 que o Brasil marcou na Copa de 1982 — aquela inesquecível Copa da Espanha do time de Telê Santana, com Sócrates, Zico, Falcão, Cerezo, Júnior, Oscar e Éder, entre tantos, no auge da forma.

Alguns dos gols são narrados por Luciano do Valle, então na Globo. Embora focado nos gols, dá para perceber como jogava aquele timaço — bolas de calcanhar, toques de primeira, passes certeiros, gols trabalhados.

O próprio vídeo celebra o time como “o mais artístico da história”. Talvez tenha sido, mesmo: eu estava lá como jornalista, vi todos os treinos, como havia estado nas partidas preparatórias, conversei muito com todos os jogadores, presenciei bastidores, entrevistei dezenas de integrantes da delegação.

O vídeo termina de forma comovedora. Confiram:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

31 Comentários

  • carlos nascimento

    Ricardo,
    Esse post vem em ótima hora, com certeza iremos debater bastante por aqui, pois não custa relembrar que nos últimos dias a cúpula da cbf resolveu fazer o marketing da empulhação, chamaram Scolari, o maior argumento é o de ser “motivador”, sabe como é aquele papo de família Scolari….juntando forças, etc. e tal….aviso, dessa vez só isso não bastará.
    Precisamos de um líder com conhecimentos táticos, formador de conjuntos que traduzam a nossa capacidade de jogar futebol, o verdadeiro futebol, não aquele ridículo conjunto de 94, um Time que fique pelo menos próximo ao de 70 e 82, esses talvez sejam impossíveis de serem repetidos.
    Para aperitivo, mando a primeira pergunta: O Mestre Telê também era bastante teimoso, apesar do talento, já que vc participava dos bastidores, tente me explicar como Telê convocou o fraco goleiro daquela Seleção – Valdir Peres – o rapaz era muito fraquinho, na terra de Gilmar, Leão, convocar o Valdir foi de matar.
    abração
    Carlos Nascimento.

    Caro Carlos,

    Na verdade, em 1982 Telê convocou três goleiros: Valdir Perez, Paulo Sérgio (do Botafogo) e Carlos, o Ganso (não me recordo, agora, se ele ainda estava na Ponte Preta; mais tarde viveu fase espetacular no Corinthians).
    Na época, Valdir Perez, embora irregular, era valorizado. Pessoalmente, não gostava dele como titular.
    Leão — que foi à Copa de 1982 como comentarista de uma emissora — era um desagregador, e Telê não o convocou por isso.
    O melhor dos três, disparado, a meu ver, era o Carlos. Além de tudo, muito mais alto do que os outros dois, talvez 1,90m. Mas tinha menos experiência e, como personalidade, era tímido, apagado.
    Mas, diferentemente de você, acho o Felipão uma boa escolha. Porque o que tem faltado na seleção brasileira — não com o Mano Menezes, mas há tempos — é um mínimo de apego à camisa, de disposição de luta. Os jogadores são bons, mas desinteressados demais da gloriosa canarinha.
    E em mudar isso o Felipão é bom.
    Abraço

  • moacir

    Setti,
    Não sei o que aconteceu.Muito cedo,tentei comentar e acusava erro no e-mail.Tive que ir em casa de meus pais. De lá tentei e ficou na moderação.Deve estar tudo bem.
    Gostei do video.Sabe eu estava lá,no Sarriá,no dia
    5 de julho.Eu estudava em Roma.Decidimos dias antes assistir ao Brasil X Itália.Dois colegas italianos,eu e minha namorada portuguesa e mais um
    amigo carioca.Dirigimos até Barcelona.Ralamos pelos
    ingressos e pagamos uma fortuna.De certa forma aquele foi o jogo da minha vida.Nunca mais a mesma emoção.Lembra de como a Itália jogou fechada,o Gentile no pé do Zico.Rossi marcou primeiro,depois
    o Socrates.Rossi de novo,dá-lhe Falcão.Achei que
    a gente ia conseguir,já dava pra classificar.E então o Rossi,acho que aos 80 minutos me faz aquele gol!Confesso ter chorado.
    Em 90 e 98 e 2006 e 2010 fiquei chateado meia hora.
    Mas fico triste até hoje por termos perdido a Copa
    de 82.A equipe era fantástica.Merecia.

    Eu também estava lá, caro Moacir. Era chefe da equipe de VEJA que cobriu aquela Copa e recebi a incumbência de reportar a Seleção. (No ano seguinte, deixaria VEJA, depois de quase dez anos, à qual só voltaria para o blog, em 2010).
    Se você lembrar bem, aquele absurdo terceiro gol da Itália foi sem querer.
    O meio-campo Tardelli chutou de longe, e errado — mas o chute se tornou um passe para o Paolo Rossi, que conseguiu desviar para dentro do gol.
    E o Oscar merecia ter feito o gol na cabeçada sensacional que deu no 90º minuto.
    Aquela Itália medíocre e retranqueira virou campeã. Assisti à final no Estádio Santiago Bernabéu, contra a Alemanha, cujo timaço de outras eras estava cansado e envelhecido e acabou perdendo, mesmo com excelentes jogadores como o fabuloso central Stielicke e o grande Breitner, que deixara a lateral-direita para, já veterano, ir jogar no meio-campo. O melhor jogador do time, um fora de série, como o Rumenigge, estava fora por cuntusão.
    Quem se lembra daquele time da Itália — do qual, curiosamente, vários jogadores já morreram, ainda jovens?
    No entanto, a seleção brasileira marcou época e se tornou inesquecível, mesmo perdendo.
    Abraço

  • Lucubratio Praecox

    A seleção de 82 não ganhou, mas quem perdeu mesmo foi a Copa do Mundo. Uma molecagem dos deuses do ludopédio. Quanto a ser a melhor de todos os tempos. Não sei, não… O que dizer então de um seleção que tinha Nilton Santos, Didi, Garrincha e Pelé, jogando juntos?

  • Luiz

    Sou torcedor do Palmeiras com orgulho, mesmo ele rebaixado, mas tenho um grande respeito de Dr. Sócrates. Na minha opinião ele foi mais importante para o Brasil, na questão política e social, que o Pelé. A prova está na foto abaixo.
    http://blogdoflavionassar.blogspot.com.br/2011/12/socrates-versus-pele.html

  • carlos nascimento

    Ricardo,
    No fatídico jogo entre Brasil x Itália de 82, ocorreram várias falhas, primeiro o passe errado do Cerezo, resultando num dos gols do Rossi, nosso goleiro era inconfiável, gerava insegurança, mas ninguém atentou para um detalhe que de fato acabou liquidando com a Seleção, no terceiro gol da Itália – novamente Rossi – no lance do escanteio, a bola foi rebatida, e na volta encontrou o Paolo sozinho dentro da pequena área, aqui vai o “detalhe” fatal, JÚNIOR CAPACETE falhou clamorosamente, pois ficou parado debaixo da trave para dar cobertura ao Valdir Perez – inconfiável – ao invés de sair na hora da rebatida, isso deu condições de jogo ao atacante italiano, que só fez tocar para o gol, muitos levantaram à mão, pedindo impedimento, só que lá atrás estava o nosso grande Júnior dando plena condição de jogo ao atacante, infelizmente, os deuses naquele dia já tinham resolvido escrever à História de outra forma.
    Sei que vc, vez por outra encontra com os atores daquela partida, se possível, pergunta ao agora comentarista da Globo, se ele reconhece essa falha.
    abração.
    Carlos Nascimento.

    O passe arriscado — e que deu no que deu — do Cerezo foi o começo da derrota. Nunca um jogador de categoria pode fazer uma jogada daquelas, mas o Cerezo, embora muitas vezes brilhante, era também às vezes irresponsável.
    Até hoje essa derrota me dói.
    Abraço

  • chagas

    Com todo respeito a seleção/82 , mas ali faltou um Reinaldo e um Raul…. Já , a melhor seleção de todos os tempos, foi aquela montada pelo inesquecível Saldanha, que o Zagalo soube aproveitar e ganhar a copa de 70… Aquela seleção tinha Felix,Carlos Alberto Piazza , Brito e Everaldo, Clodoaldo, Gerson e Rivelino, Jairzinho , Pelé e Tostão.

  • Jo Lima

    O problema da seleção era a que ela marcava muito mal quando não tinha a bola – e isso foi dito por Puskas, em um programa da globo em 82. Tanto que o Brasil levou gols em todos os jogos – até de um time quase amador como a Nova Zelândia. Acho que Brasil e Itália foi um jogo onde um técnico – Beazorti, da Itália – soube ver esse calcanhar de aquiles da seleção e assim conseguiu superar a técnica do time de Telê. Há uma frase, terminado o jogo, de um jogador – acho que italiano – que dizia que mesmo se o Brasil fizesse 3, a Itália faria 4. e ele estava certo, pois a Itália soube explorar ao máximo a fragilidade do Brasil. Culpar o Cerezzo, com todo respeito, é aquela coisa típica do Brasil de achar um bode expiatório. Ele erro e ponto. Não foi isso que decidiu o jogo – assim como Clodoaldo fez uma lambança em 70 e , mesmo assim, o Brasil foi campeão. E falar que a Itália foi retranqueira na fase mata-mata é não ver os fatos: ela fez 10 gols em 4 jogos.Acho que nunca uma seleção italiana fez tanto gol em um copa E também não era um time medíocre. Não havia nenhum craque acima da média – exceção ao goleiro Zoff -, mas também não era composto por cabeças de bagre. Tanto que a base dessa seleção era a de 78. A Itália de 78 tinha vencido a dona da casa na primeira fase e até merecia ter ido à final naquele fatídica copa da Argentina .

    A avaliação da maioria dos críticos esportivos de que aquele derrota foi uma fatalidade foi um equívoco que fez o Brasil ficar mais 3 copas sem chegar nem entre os 4 finalistas.
    Claro que, como amante do bom futebol, eu gostaria que a final de 82 fosse Brasil e França – que , por ironia do destino, venha a acontecer nas quartas de 86, mas os times eram quase sombras do que tinham sido em 82.

  • Leonardo Saade

    Sem dúvidas uma das grandes injustiças do futebol. A seleção de 82 era um timaço, mas vários contratempos atrapalharam o título. O atacante Careca se machucou e não foi para o mundial. Talvez se ele estivesse lá a história seria diferente.

    Careca foi, sim, caro Leonardo, e se contundiu num treino na Espanha. Telê convocou Roberto Dinamite para seu lugar, o titular ficou sendo Serginho, que já vinha jogando, mas Dinamite não chegou a atuar nem um minuto.

    Abraço

  • Tuco

    .

    Esses “muitos” devem ser os
    muitos que nunca ouviram falar
    da Seleção de 1970…


    .

  • J.B.CRUZ

    A MELHOR SELEÇÃO DE TODAS AS SELEÇÕES,TODAS AS COPAS E TODOS OS TEMPOS…….
    FELIX—CARLOS ALBERTO–BRITO—PIAZZA E EVERALDO.
    CLODOALDO = GERSON E RIVELINO.
    JAIRZINHO, PELÉ E TOSTÃO……
    —————————————————
    A COPA DE 1.970, também teve a melhor defesa: cabeçada de PELÉ para a defesa de GORDON BANKS no pé da trave direita…

    O lance mais bonito: TOSTÃO recebe a bola pela meia-esquerda,dribla 3 jogadôres ingleses,(inclusive o grande capitão BOBBY MOORE, duas vezes, vai a linha de fundo,rodopia e antes de cair no gramado, cruza no peito de PELÉ que amortece a bola e a rola limpinha para jairzinho soltar a BOMBA, BRASIL 1 X 0 INGLATERRA..ETERNO!!!

    SELEÇÃO DE 82: pura empolgação..Me lembro naquele jogo BRASIL 2 X 3 ITÁLIA,depois dos 30 minutos do segundo tempo, PLACAR era 2 x 2 (classificava BRASIL para a próxima fase)TELÊ desesperado a beira do campo gritava o tempo todo para o time recuar e segurar o resultado, mas a turma querendo dar show não o ouviu…Deu no deu…..

  • Jan Dalollio

    Nada se compara a Jair, Gerson, Tostão, Pelé e Rivelino. Nada!
    A de 82, ainda teria de jogar muita bola, para sequer ser comparada ao time, sem Pelé, que ganhou em 62: Garrincha, Didi, Vavá, Amarildo e Zagalo.
    E aqui entre nós, melhor que a de 82, disparadamente, foi a Holanda de 74.

  • Maria Regina

    Eu não estava na Espanha, mas estava em Congonhas junto com MILHARES de pessoas que foram saudar o verdadeiro futebol!! Depois da derrotaos “cartolas’ vieram com essa história de vencer a qualquer custo, sem ouvir MAIS UMA vez a quem interessa, a torcida. VIVA o TELE!!

  • marcelo cunha - rib preto/sp

    Quando lembro fico triste até hoje.
    Melhor time que vi jogar.

  • Marcio Vinagre

    Esse era um timaço! Só tinha craque e jogava por música!!!!!,

  • Mendes

    Se for necessário mesmo eleger a melhor seleção de todos os tempos e se vale escolher uma que jogava bonito mas perdeu o jogo mais importante da vida dela, porque não eleger as três melhores seleções e incluir na lista a Hungria de 1954 e a Holanda de 1974?

  • Aislan Carlos

    Caro Setti, numa certa entrevista perguntaram ao Telê Santana se pudesse voltar ao tempo, mudaria algo do time? E ele respondeu: Faria tudo de novo do mesmo jeito.
    Justa Homenagem.

  • Bernardo

    O problema foi que o treinador, conhecido por sua teimosia, não substituiu o goleiro e o quarto-zagueiro, que “não aconteceram” na competição e prejudicaram o time desde o primeiro jogo.

  • Cronos

    Essa é mais uma daquelas mentiras que se cristalizaram no imaginário popular sempre uma terra fértil para o crescimento de mitos e lendas.A Globo(sempre ela)transmitiu aquela copa com exclusividade.Portanto,era de seu interesse que aquele evento se transformasse numa espécie de divisor de águas das transmissões esportivas.Felizmente,o projeto deu em água de barrela.Aquela seleção era medíocre.Contra a URSS foi vergonhosamente ajudada pela arbitragem.Quando pegou um adversário tradicional, e sem a ajuda do apito amigo,naufragou.Bateu em uns bêbados na
    primeira fase e ficou famosa.Apenas isso.

    Eu estava lá, como repórter, Cronos, e vi como a torcida espanhola e a imprensa do mundo todo se encantou com a seleção.
    Quanto a bater em “uns bêbados”, bem, eu não diria que a fortíssima Argentina, com Maradona jovem e jogando barbaridade, batida por 3 a 1 e eliminada da Copa, por exemplo, fosse um “bêbado”.
    Essa história da Globo, me desculpe a franqueza, é pura paranoia.
    Há incontáveis brasileiros — de jornalistas a torcedores — que consideram aquela seleção extraordinária.
    Um abraço

    • HIDERALDO

      Era um time cheio de estrelas, mas sem nenhuma raça. No futebol com a super marcação de hoje, aquele time ficava na primeira fase. Bastou o time italiano tirar os espaços do brasil e pronto: Ficou claro que o brasil não tinha nada além de nomes famosos. A zaga era uma peneira (paulo rossi que o diga) o goleiro um frangueiro e do meio campo para frente era só chuveirinho e a dependencia de algum lance genial que as vezes acontecia…

  • lahoz

    Mostrem onde estão na seleção de 82:
    Djalma Santos, Zito, Didi, Mané, Pepe, Zagalo, Rivelino, Jairzinho, Tostão, Mazola, Edu, Cajú, Clodoaldo, Coutinho, De Sordi, Mauro, Belini, Gilmar, Amarildo, Carlos Alberto, Nilton Santos e o Gerson? Eles não estão no time perdedor de 82 ! Três títulos mundiais para a de 82 está bom? Faltou mais um em 82 ? Ah, sim, o rei Pelé, que seria reserva do Sócrates? O time de 82 não tinha esses caras, perdeu para um centro-avantezinho muito ruim! Do time de 82, titular nas outras, talvez Falcão e Zico, de vez em quando, para descansar os outros. Sócrates iria jogar no lugar do Pelé que ficaria no banco em 82 vendo o time perder para um timeco da Itália ? Didi, Gerson e Rivelino seriam reservas de quem sequer armava jogo ? Chulapa ia deixar o cerebral Tostão, Vavá oportunista corajoso e o infernal driblador Coutinho no banco ? O Eder, simples chutador de bola, ia deixar o Pepe, Zagalo, Edu e Cajú no banco. Djalma Santos seria reserva? De nenhum lateral direito no mundo desde que o futebol existe ? Cerezo (peladeiro entregador) ia deixar Zito, Dino Sani e Clodoaldo no banco ? Seleção de 82 um time cheio de marketing, festeiro e perdedor. Adorado por quem não viu os tricampeões.

  • J.B.CRUZ

    IAHOZ; em termos comparativos no futebol em épocas diferentes,simplesmente você arrasou!!!! A seleção de 82 foi o divisor de águas do FUTEBOL-ESPETÁCULO,ROMÂNTICO e AMOR A CAMISA, para o futebol força,mercenário e burocrático de 30 anos para cá…O futebol perdeu o encantamento, justamente por que a partir daquela copa(82) o EXÔDO dos grandes craques via EUROPA tornou-se corriqueiros..Na parte tática, técnicos com medo de perder emprego formam equipes altamente defensivas(3-5-2 e 4-3-2-1)onde chutões,entradas violentas e falta de criativide sobressaem em detrimento de dribles maravilhosos, lançamentos(tipo GERSON CANHOTINHA)de 40 metros,firulas,tabelinhas,e cruzamentos certeiros para os atacantes…Resultado: O futebol já não pode mais catalogar como entretenimento e sim “dores-de-cabeça” durante a semana…E jagodores ganhando fábulas, sem um pingo de sentimento para o clube que joga..Basta o farfalar das “verdinhas” e lá se vai o “”nosso” ÍDOLO,para o outro lado,para nos “matar” de raiva….FUTEBOL PROFISIONAL,FUTEBOL MERCENÁRIO,,,,,,,

  • J.B.CRUZ

    Gostaria de agradecer e lhe fazer justiça..Você é o que se pode dizer PAU-PRÁ-TODA-OBRA, naquilo que faz..JORNALISTA-ECLÉTICO, versa sôbre todos assuntos pertinente a nossa vida..É coerente com os acontecimentos do dia-a-dia e ainda retorna ao PASSADO de épocas,datas e fatos, com uma admirável facilidade..As vezes discordamos de algumas coisas,(poucas),mas no geral você é completo..JORNALISTA NATO…OBS:Não é bajulação é ELOGIOS MERECIDOS…

    Obrigado, caro J. B. Jamais pensaria em você como bajulador. Agradeço sinceramente seu generoso comentário.
    Abraço

  • José Eduardo Diniz

    O Jumior continua blindado.
    Cerezo foi o responsável por ter participado do primeiro gol da Itália ? Depois deste gol o Brasil
    empatou duas vezes , e levaria a classificação.
    Lembro de uma entrevista do Saldanha ,crítico feroz
    do Cerezo , a quem também creditou a derrota da
    seleção, quando ele se desculpou com o meia e deixou claro que não era possível continuar com
    aquele massacre .(Quem se lembra do Barbosa?)
    A blindagem é coisa séria : em 86 todo mundo diz
    que o Brasil perdeu na disputa de penalties.
    E a penalidade perdida pelo Zico no tempo normal que , convertida , nos levaria adiante ?

    É muito difícil compreender o ser humano , suas paixões e escolhas .

    E segue o jogo .

  • carlos nascimento

    Ricardo,
    Ouso lhe perguntar, o Júnior continua blindado ?

    “Continuaria” por que, caro Carlos? Por acaso “blindei” Júnior alguma vez?
    Belo jogador, e técnico ridículo, que ficou com medo da torcida do Corinthians e não durou uma semana.
    Abraço

  • José Eduardo Diniz

    Insisto: a blindagem existe para determinados
    jogadores. Não existe explicação outra para o
    “esquecimento” da penalidade não convertida pelo
    Zico, em 86 .
    Perdeu, perdeu. Fazer o quê ? É do futebol .
    Mas insistir em erro do Cerezo e nem mais comentar
    o lance do Zico é incompreensível .
    E não aceitar que o Junior não entendeu nada naquela cobrança de escanteio e deu condições ao
    Rossi , p’ra mim , é blindagem .

  • carlos nascimento

    Ricardo,
    Como brasileiro me esforço, tento até mesmo torcer em prol do adversário – Corinthians – mas…, sejamos coerentes,o futebol brasileiro atual é muito fraco, pobrezinho , quem assistiu o SANTOS de Pelé,o FLAMENGO de Zico, o CRUZEIRO de Tostão, o BOTAFOGO de Garrincha, o BARCELONA de XAVI, aceitar o futebol jogado hoje pelo seu Time de coração é dose, cavalar de… sacrifício.
    Perdoe-me, a realidade é dura.
    abração
    Carlos Nascimento.

  • marco antonio

    comentar o q!! sem comentarios! sensacional!

  • Ibis

    Isso sim, era futebol brasileiro. A seleção canarinho que encantou o mundo com um futebol arte, e que apesar de não ter ganho a copa, se tornou uma seleção inesquecível pra muitos.

    Quando olho para a seleção hoje, vejo algo muito estranho, como se faltasse algo. Entendo que esse algo é o futebol arte, o toque de bola perfeito e diferenciado, a ginga do moleque de pernas tortas, os dribles desconcertantes, gols construídos e antológicos etc.

    Temos que resgatar o que perdemos. Temos que trazer de volta o jeito brasileiro de jogar futebol, pois quem assiste os videos das seleções de antes de 1982, sabe que tinham muita técnica, mas também a consciência de que não jogavam sozinhos. Tudo era feito pela equipe.

  • HIDERALDO

    Aquele time foi uma enganação. Dependia de lançes isolados de brilhantismo. era um time que acreditava ser invencível e achava que nunca seria MARCADO. A itália marcou, tirou alguns espaços e pronto! Acabou a “seleção mágica da firula”. Prestem atenção nos videos, os tres gols da itália foram marcados com TODA A FACILIDADE pelo paulo rossi. Principalmente o terceiro gol, num jogo que bastava o empate, o brasil deixou o cara sozinho… ainda teve o quarto gol do antognioni que foi MAL anulado pois o júnior dava toda a condição, é só ver pela linha da pequena área. A meu ver as seleções de 78 e 86 foram melhores que o time de 82.

  • HIDERALDO

    Alguém ai falou que de 82 para cá o futebol perdeu o “encantamento, o romantismo”. O que aconteceu, foi que o esporte EVOLUIU. Hoje não tem mais lugar para frescura, balãozinho, calcanharzinho, ou foquinha…mesmo os gigantes do mundo como real e barcelona, que podem até jogar bonito, mas que não abrem mão do futebol-força e de uma marcação implacável. A seleção de 82 achava que o futebol ia ser sempre assim. Acreditava que por ter jogadores habilidosos já era campeã. enganou-se. Naquele 3 x 2, a itáli apenas marcou o brasil.Tirou alguns espaços e pronto o resto todo mundo já sabe.

  • HIDERALDO

    Eu prefiro dizer que as melhores seleções que o brasil teve foram as campeas de 1958, 1962, 1970 1994 e 2002. ESSES FORAM OS MELHORES, ESSES TROUXERAM A TAÇA, ELES FORAM OS VENCEDORES. A seleção de 1982 só queria exibicionismo, e futebol arte, coisas que definitivamente não ganham titulos.