Image
A ministra do Interior do Reino Unido, Theresa May, que anunciou a medida (Foto: Luke MacGregor)

Conforme informou ontem o site de VEJA, uma nova norma anunciada nesta quarta-feira pelo governo conservador-liberal do primeiro-ministro David Cameron, do Reino Unido, determina que apenas os imigrantes com uma renda anual de pelo menos 42mil euros (quase 100 mil reais) poderão solicitar residência permanente no país.

“No futuro, exerceremos mais controle para garantir que fiquem apenas os melhores e mais inteligentes”, afirmou a ministra do Interior, Theresa May, em uma declaração escrita ao Parlamento.

Você decide: é inteligente ou uma forma de discriminação, quem sabe de racismo?

Diga lá.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =

Nenhum comentário

Rick em 14 de maio de 2012

Só posso dizer uma coisa, isso já faz parte do plano dos ILLUMINATTS.

Brasileiro Digital em 05 de março de 2012

E quem vai trabalhar pra eles? Espero que estas pessoas também ganhem 42 mil euros ao ano.

SIDNEI RODRIGUES em 05 de março de 2012

Isso é uma medida inteligente. O último francês analfabeto morreu em 1.973. Quer dizer, o país demorou séculos para apurar sua população, para depois abrir a imigração para analfabetos, sem-educação e mulambentos sem a menor noção de civilidade.

TICO TICO em 04 de março de 2012

É uma medida inteligente, principalmente quanto aos islâmicos. Estes devem ser primeiro impedidos, de entrar na Inglaterra e Europa, depois incentivados a se retirar, e depois "convidados". Com ou sem dinheiro. Quem avalia a trancendência de ter vindo de dentro de uma mulher, sabe do que estou falando.

nilia fornazier em 04 de março de 2012

As normas anunciadas pelo Reino unido, na minha opinião sao:inteligentes,descriminatorias e necessarias, diante da atual condição economica da europa.

Renato Guilherme Lebrão Nunes em 04 de março de 2012

Certíssimo!É inteligente. Nem racismo e muito menos discriminação.Cada país que acabe com seus pobres e deem o devido valor a educação.

AFORTUNATTA em 04 de março de 2012

A medida chega tarde!!! Muitos países europeus devem seguir o memso exemplo . Chega de pobre !!!!!

Exilada na NZ em 04 de março de 2012

Caro Ricardo, não acho que estas medidas tem alguma conotação moral. O governo inglês está sendo pragmático. E se fossem aplicar a regra aos nativos, teria muito inglês sendo mandado embora, para você ter uma idéia. Eu acho também que o terceiro mundo deveria se preocupar em combater a corrupção. Quem sabe aí não estaríamos discutindo os problemas de imigração.

plinio rangel em 04 de março de 2012

No pouco saber, eu cncordo com essas medidas adotadas pelo Reino Unido, caso contrário o Reino Unido, viraria em uma favela como as de São Paulo Rio de Janeira, e, Porto Alregre e outras mais no nosso Brasil.

Razumikhin em 04 de março de 2012

Já chega, né..! Do jeito que está - ordas de paquistaneses, turcos etc. chegando sem cessar - nenhum sistema de saúde, nenhuma infraestrutura de educação, nem do primeiro mundo, consegue aguentar. E, nem há empregos bastantes para a população. Ou, vocês acham que se não parasse o fluxo interminável de imigrantes para o Rio de Janeiro, principalmente de nordestinos, que foram roubados de todos seus direitos e de sua cidadania pelos políticos corruptos de suas regiões, que há séculos espoliam aquele povo - e nós pagamos as contas que lhes são devidas - os sistemas de saúde, educação, segurança etc. cariocas não dariam conta? Eu queria ver o inverso, queria ver a população dos morros cariocas emigrando para Pernambuco, Rio Grande do Norte, Maranhão - a Sarneyland, o estado mais pobre do Brasil - e, entupindo os serviços lá nas capitais do nordeste. É manovéi, pau que dá em Chico tem que dar em Francisco, "tuméin"..

Maria Julia em 03 de março de 2012

Sem dúvida é um mecanismo que a longo prazo, trará benefícios economicos pra nação dos países que compoem o Reino Unido, embora seja uma medida de carater reacionista e discriminatório, vai funcionar como uma espécie de ''seleção natural'' imposta politicamente.Nao discordo totalmente, pois a vertente de peneirar a entrada de imigrantes de acordo com a renda é uma forma de potencializar a circulaçao de riquezas e aumentar o consumo, o que esta de acordo com os principios capitalistas da nação. Todavia, considerando a atual hierarquia economica, e a média de renda per capita dos demais paises, sobretudo os subdesenvolvidos, essa medida será um tanto quanto exclusivista e egocentrica aos paises ricos.

Ekiton em 03 de março de 2012

A Suiça faz isso há anos,no entanto nunca ninguém reclamou ou achou que é racismo,discriminação,mas que no fundo é.Como disse o ex-1ºministro Tony Blair:"o visa para permanência no Reino Unido é uma concessão e não um direito".Brasil deveria fazer o mesmo.De pobres aqui está cheio e de todos os tipos;de espírito,corpo e mente,principalmente em Brasília onde as decisões são tomadas.

Wanderlei em 03 de março de 2012

Realmente muito infeliz esta medida tomada pela Inglaterra. Logo vão começar a barrar a todos (será que vai ser como a espanha, com as humilhações no aeroporto). Parece que mais alguns passos e o país chegará ao fascismo. Lamentável.

Evany Fanzeres em 03 de março de 2012

Morei, estudei em Londres, e posso afirmar que estas medidas de controle não são racistas, pois referem-se a providências para conservar o funcionamemto dos serviços sociais tradicionais do país, hoje sobrecarregados com uma maioria de migrantes do 3ºmundo, quase todos desempregados e que são sustentdos pelas leis sociais britânicas, morando de graça, tendo assistencia médica e ainda algum dinheiro do governo de um país que êles não gostam, não entendem, pois estes migrantes possuem cultura própria,suas origens, o que faz com que no UK sofram choque cultural. Na Alemnha os turcos islâmicos não aceitam mulheres sem veu, mostrando os cabelos. E na Inglaterra esses migrantes orientais, africanos, dos países balcânicos participam, majoritariamente dos riots, que na verdade são expressão de revoltas de suas ancestralidades culturais vivendo num país de cultura diferente...E como excedentes populacionais das periferias urbanas sobrecarregando excepcionalmente o sistema social da Grã-Bretanha. Então, em meio a esta crise, o país está no direito a preservar seu já atribulado "wellfare", sem que tal coisa signifique racismo, e sim preservação.Turismo, migrantes com renda própria, que visitem museus e tenham cultura, vindos de qualquer parte do mundo são benvindos... Evany Fanzeres

SergioD em 03 de março de 2012

Ricardo, uma coisa é certa: com esse critério se impede a entrada de cidadãos pobres do terceiro-mundo e do leste europeu. Não creio que seja racismo, pois nesse grupo a que me refiro existe gentende diversas etnias. Discriminação? Pode até ser. No entanto vejo a coisa pelo lado econômico. O Reino Unido anda fazendo uma grande faxina em suas contas e a entrada de imigrantes pobres pode pressionar ainda mais o já tenso orçamento britânico. Sendo assim, creio ter sido uma medida pragmática, de ordem puramente econômica, uma vez que não vejo os cidadãos da Gran-Bretanha como os mais xenófobos entre os europeus. Claro que as mentes mais conservadoras encontraram nesse critério uma maneira de manter longe os "indesejáveis", mas não o entendo como racismo ou discriminação. Entendo-o sim como uma medida que deve ter uma aplicação temporária, até que se faça saneamento das contas públicas, o que pode durar vários anos. Abs

JMello em 03 de março de 2012

Caro Setti, Racismo nao é, pois nao importa a "raça" da pessoa, mas a sua situaçao econômica. Discriminaçao, sim. Entretanto, todos os países possuem os seus critérios discriminatórios para conceder um visto de residente permanente. O piso minimo determinado é apenas um critério. Se é inteligente... nao sei. Só o tempo dirá.

jeremias-no-deserto em 02 de março de 2012

Se a Inglaterra é hoje uma potência não foi devido à políticas humanitárias quer beneficiassem os pobres do terceiro mundo, ou aos imigrantes provenientes de paises miseráveis.Como toda grande nação. os ingleses sempre adotaram medidas protecionistas para preservar emprego aos cidadãos natos.Isso não causa estranheza;o que surpreeende muito é constatar que paises pobres como o Brasil não exerça controle algum sobre a imigração clandestina de bolivianos, paraguaios, nigerianos,etc, que entram clandestinamente no país com a maior facilidade e se tornem concorrentes desleais do trabalhador brasileiro, pois não estão submetidos à legislação brasileira e ao recolhimento dos impostos trabalhistas.Isso não é xenofobia, é a constatação da realidade e compete às autoridades federais regularem o trânsito de cidadãos estrangeiros, submetendo-os às mesmas leis a que estão sujeitos cada cidadão brasileiro. Sem demagogia, preferivelmente.

Eduardo em 02 de março de 2012

Um bom número dos comentários aqui, do tipo, 'isso é discriminação', etc., refletem o mesmo caráter hipócrita do sujeito que pobre, trabalhou, estudou, ganhou dinheiro, comprou uma bela de uma casa em um condomínio fechado e agora não aceita que o vizinho, um antigo vendedor de pipoca, analfabeto, compre o lote ao lado, o dobro do tamanho do 'pobre trabalhador', porque subitamente o pipoqueiro ganhou milhões na mega-sena. Ora bolas, se a Inglaterra deseja fazer o caminho inverso e permitir que o russo Ustinov ou libanês Ibrahim só vão morar lá se tiverem os 42 mil para morar, que conversa estúpida essa de que isso é discriminar? Brasileiro bom é aquele que aceitaria um Argentino encrenqueiro, por mais rico que fosse, ou um Nordestino endinheirado cujos pais desceram 'para o sul em pau de arara', morando ao lado de um casal de olhos azuis de origem alemã? Vc tem a grana? Não? Pois escolha um lugar para morar onde puder com o que tens, ora essa. e deixa de ser falso e achar o que os outros (países inclusive) devem ou não devem fazer para administrar o que lhes pertence por direito e soberania!

Kleyner Arley em 02 de março de 2012

Medida polêmica e autoritária, no meu entender, a um passo do fascismo. Renda não significa caráter. Deveriam adotar outros critérios para imigração.

marina silva em 02 de março de 2012

Nao,seletividade,pois entao que limpem seus proprios banheiros,cuidem dos seus velhinhos e essa classe de trabalho que os imigrantes fazem.Aqui deveriam fazer o mesmo com o principio de reciprocidade pois tivemos que ATURAR o Ronald Biggs ANOS A FIO,até aonde ele quis E SEM PAGAR NADA DE NADA!

Joe Bass em 02 de março de 2012

Uma multinacional para recrutar alguém impõe inúmeras condições para o processo de seleção. Para trabalhar de assistente merendeira em Itajobi têm-se que participar de um concurso publico. Dai neguinho fica chiando que a Inglaterra não quer mais receber imigrante desqualificado profissionalmente no território. Outro la pergunta: " Quem vai fazer o serviço sujo?" Resposta: Poloneses, Tchecos, Slovenos e mais uma pah de neguinho que estudou e que infelizmente não encontrou guarida profissional no seu pais.

Memyself em 02 de março de 2012

Se a opção da Inglaterra fosse por acolher imigrantes pobres, os piores e mais estúpidos, alguém estaria se preocupando se isso é racismo, discriminação or whatever? A Inglaterra é um país independente, soberano e tem todo direito de decidir quais as pessoas que admitirá no país. O brasil, tão bonzinho, tão humanitário, tão petista, não perseguiu e deportou na calada da noite dois pobres cubanos? Pois é... soberania. Já sobre a independência...

ricardo em 02 de março de 2012

É bem lógico e claro que qualquer bom profissional ou pessoa que ofereça recursos,tenha dinheiro para investir, e gere empregos seja bem vinda a determinado pais ou região.tais pessoas, é evidente, são de boa aceitação social.É exatemente nessa linha de pensamento que se promovem as seleções nas empresas assim como as autorizações de permanencia nos paises que recebem imigrantes.Isso é justo.Só não acho justo que historicamente o critério de admissão ou deportação passe a discriminar hoje o imigrante pobre e de pouca instrução.Quando este mesmo imigrante já serviu para integrar os exércitos da europa no combate ao nazismo.E diga-se de passagem não tem muito tempo,aproximadamente 70 anos, que historicamente,sabe-se muito bem, não é represnetativo.Não justificaria a mudança de critério a ponto de rejeitar quem já foi incentivado a migrar.

Beliza leal em 02 de março de 2012

Trata-se de discriminação social. O governo brasileiro exibiu comportamento semelhante ao limitar a entrada no Brasil de haitianos, refugiados da fome e da devastação. A única diferença´e que o governo da Inglaterra declara enquanto o nosso coloca enfeite compatíveis com a nossa hipocrisia ibérica.

Franco em 02 de março de 2012

Os países têm autonomia para decidir os critérios que regem sua política de imigração, com o objetivo principal de "proteger" os nativos na disputa por empregos, vagas em escolas, utilização do patrimônio público, etc. Temos que lembrar que a imigração pode ter finalidades distintas, e o post trata especificamente dos que desejam solicitar residência permanente. Em se tratando de critério econômico, não cabe falar em racismo. Discriminação sim, mas não com a conotação pejorativa que a palavra normalmente carrega. Ao que me parece, não é o simples fato de serem "pobres" que causa repulsa à sociedade e motiva essa medida, mas o forte potencial dos estrangeiros em concorrer com uma enorme parcela da população inglesa. Não sei dizer se a medida é inteligente. O protecionismo, seja de que tipo for, no longo prazo normalmente é prejudicial. Leva à ineficiência. Ao mesmo tempo, um estrangeiro pobre e acostumado com uma vida muito pior em seu país de origem, que topa trabalhar por menos, às vezes muito menos, pode ser encarado como agente da concorrência desleal. Bom, ao lado da dúvida há uma certeza: a medida é popular.

Hades em 02 de março de 2012

É estranho ver nos comentários tantos indícios do "complexo do colonizado" frente ao "colonizador" sabendo que fomos colonizados por outra potência após o nosso descobrimento. Essa empatia pelo supostamente mais fraco é comovente mas trata-se apenas uma reação emocional. Não há racismo nesta proposta. E a soberania é um conceito praticado por todas as nações do planeta. Será coerente querermos exercer a soberania sobre a Amazônia ao mesmo tempo que não respeitamos a soberania alheia sobre as decisões de imigração? O Reino Unido tem pequena extensão territorial e o tema da imigração é importante para eles. O Brasil tem uma grande extensão territorial e a imigração, seja de que indivíduo for, é para nós quase sempre uma solução. Vejam o episódio recente dos Haitianos. É bom que possamos acolhê-los. Pena que recentemente tenhamos acolhido também um assassino condenado pela justiça da Itália. É incoerente alguém julgar a proposta discriminatória baseando-se na premissa de que aos imigrantes são destinados os trabalhos menos nobres ou "sujos" pois esta é uma afirmação discriminatória sobre a natureza do trabalho. O imigrante vai a outro país geralmente em busca de condições de vida e trabalho que ele não mais encontrou em seu próprio país. Todo trabalho é nobre. Trabalho "sujo" é aquele que desrespeita a lei e os princípios socialmente aceitos. Todos os indivíduos deste planeta são diferentes entre si assim como o produto dos seus trabalhos e o valor das suas remunerações.

JT em 02 de março de 2012

Harvard só quer os alunos capazes, não simplesmente aqueles que podem pagar. Isso também é discriminação? O Mano Menezes só quer na seleção brasileira os melhores jogadores. Como ficam os pernas de pau? Toda discriminação é errada? Não sei...

Malu em 02 de março de 2012

Também leio abaixo comentarios dicriminatorios...Primeiro, penso que o fator estudo, antes de mais nada, não é apenas questão de vontade de estudar mas também condições para tal!! (atenção aos paises de origem do imigrante, proporciona condições para tal?). Segundo,não nos cabe generalizar julgamentos quanto a origem e oportunidades dos imigrantes, muitos não poderão ganhar o valor estipulado, mas estão sim com vontade de vencer. A vida pode não ter proporcionado facilidades de oportunidades para tal. Eh verdade, que cada pais tem o direito de exercer sua soberania, mas exageros podem criar problemas futuros, numa época de incertezas econômicas. Ingleses imigram para paises em desenvolvimento para fugirem da crise, imaginem se estes paises tomem alguma decisão parecida? Diz-se de forma educada e subentndida na Europa, que os ingleses são individualistas e separatistas (que o digam a União Européia, que os mesmos não aderem de forma alguma), sabemos também que a Inglaterra deixa muito a desejar no que diz respeito a proteção social. A França com seu sistema é um GRANDE EXEMPLO a ser seguido! (o que não quer dizer que a mesma não tenha problemas, mas sempre tem a proteção social como prioridade). A reportagem é exagerada nas expressões, mas sera mesmo que pessoas estudadas e diplomadas estão dispostas à alguns oficios que para os mesmos não são muito dignos de sua capacidade intelectual? Eh ai que entram os imigrantes iletrados que jamais ganharão o salario de 42 mil euros...

Carlos Costa Aguiar em 02 de março de 2012

Nota-se que, apesar de varias exceçoes, uma boa parte do time de comentaristas possuem um fetichismo todo especial pela guerra de classes e um ressentimento profundo contra qualquer naçao que esteja no roll dos "paises desenvolvidos". A Inglaterra tem todo o direito e razao em regular o fluxo imigratorio em seu territorio.Ao contrario do que muitos aqui pensam, o conceito de riqueza, nao so da Inglaterra como de praticamente todoso os paises desenvolvidos do continente, nao é necessariamente o do acumulo de riquezas e bens.Nesse âmbito, os europeus sao muito mais "socialistas" que a nova safra de benfeitores do povo que pululam na América Latina ja que a diferença de nivel de vida entre a populaçao é infinitamente menos gritante que no Brasil, por exemplo. A europa sofre com a falta de mao de obra especializada em varios setores ja que a populaçao nao renova os quadros profissionais na mesma velocidade do crescimento econômico que conheceu nas ultimas décadas. Resumidamente, muitos europeus optaram por nao dar continuidade aos estudos pois poderiam garantir o mesmo nivel de vida que um profissional de nivel superior trabalhando em atividades que exijam menos qualificaçao. Infelizmente, essa é a grande massa de trabalhadores que encontra dificuldades nessa época de crise enquanto a mao de obra qualificada sofre com uma penúria constante de bons quadros. A triagem de mao de obra proposta pelo governo inglês (e que ocorre "oficiosamente" em varios outros paises da CE) tem a ver diretamente com a qualificaçao da mao de obra e eu nao sei onde entra o "nazismo", o "neo-fascismo", o xenofobismo e outras bobagens nesse contexto. Eu trabalho para uma empresa de engenharia onde 80% do quadro profissional é formado por expatriados (franceses, maroquinos, argelinos, brasileiros entre outros) ninguém aqui trabalha com contrato diferenciado para imigrantes e ninguém aqui apanha na rua por ser imigrante. Para encontrarmos um engenheiro elétrico qualificado levamos mais de um ano.Temos duas vagas em engenharia ambiental que ja perdemos a esperança em preenchê-la e ainda por cima ganhamos prêmio em dinheiro se indicarmos algum amigo ou colega que venha a ser contratado pela empresa. Eu nunca consegui indicar alguém e o cenário se repete em todas as outras empresas concorrentes.

Robert em 02 de março de 2012

Eh uma Arbitrariedade. Eh desumano. Uma Discriminação Sócio Econômica para com aqueles de Baixa Renda ou Classe baixo média... Eh de ficar indignado. Aonde vai chegar a Arrogancia e Insanidade de algumas pessoas.

JB em 02 de março de 2012

Acredito que o Reino Unido tem feito de tudo para proteger sua nação, mas as vezes ultrapassam os limites do bom senso.Enfim, como já falaram aqui quem manda e desmanda são eles, agora resta saber quem vai fazer a parte suja "Subemprego".Quando citam visto de residência para Imigrantes não entram neste quesito aqueles que tem passaporte Europeu (dupla cidadania, etc...), seja do Leste Europeu ou de alguma Ilha colonizada pela GB, o que vejo é uma medida para reduzir os Imigrantes fora do Bloco Europeu, agora fico pensando.:Uma pessoa que ganha em torno de 8mil reais mensais no Brasil, este já deve estar formado, com uma vida vamos dizer ok, com possibilidades de crescimento profissional e etc..., será que este cidadão largaria tudo para ir se aventurar na GB para simplesmente obter um visto de residência???Só se for muito burro, agora aqueles que não são qualificados, sem formação, ganham até 2mil reais mensais, estes sim não tem muito a perder e, mesmo assim existem milhares de pessoas que não deixariam seus Familiares, seu País (calor, praia, etc...), amigos, e etc... em troca de Frio (incluindo pessoas), e etc...Bem, a medida já era esperada, e como disse no começo, basta saber quem irá fazer o serviço sujo que gera milhões de libras por ano em Impostos e que tem mantido uma boa parte da Economia da GB estável.Vocês realmente acham que Ingleses vão ser Garçon, Cleaner, Motorista de Ônibus, Caminhão, Cabeleleiro, Manicure, Atendente e etc....?Com certeza "NÃO"!!! Fica a dica para o Brasil, deixar de ser otário e abrir as pernas para qualquer gringo que chega com 200libras ou euros no bolso, sem nem saber falar um palavra em Português e ainda toma o lugar de muito brasileiro formado e muito mais inteligente que eles.ACORDA BRASIL!!!

Willer em 02 de março de 2012

Setti, eu vejo um problema não nos salários usados como referência mas com o visto de permanência, cinco anos e adeus. Isto é complicado. . Apesar de entender a necessidade de se controlar a entrada de mão de obra em qualquer país, um assunto complexo e sério, os tories já deram uma ou outra derrapada nesta área no passado recente. Desta forma meses atrás nós podíamos ler manchetes em que Cameron, Sarkozy e Merkel quase de maneira síncrona decretavam o multiculturalismo como coisa fracassada. . Convenhamos, que raio de liberalismo é este que desconhece ou resiste às implicações culturais ou sociais inerentes à imigração, restringe a liberdade de uma empresa contratar um funcionário adequado e que enfim, o impede de se fixar no país, independente de seu desempenho, de sua colaboração à economia e retidão. . Na minha maneira de ver as coisas esta jogada é um tanto populista. Tenta agradar o eleitorado conservador com um medida restritiva, mas em tempos de crise europeia onde mão de obra bem treinada do sul da Europa procura novas chances no norte do continente, as medidas que May propõe não se aplicam, os europeus são livres para trabalharem dentro dos limites da União, isto elimina um conflito imediato com a iniciativa privada.

Marcelo Ferreira Soares em 02 de março de 2012

É uma discriminação inteligente, eu diria. A Inglaterra não é obrigada a aceitar imigrantes em seu país, assim como o Brasil não é obrigado também! Estrangeiros pobres e pouco qualificados não são bem vindos aqui e lá também não devem ser! É uma medida protecionista que aquela sociedade vai adotar e eu penso que é compreensível. Eles não são obrigados a sustentar estrangeiros e nem nós !

Comunista Até a Alma. em 02 de março de 2012

Se fosse um governo trabalhista esquerdista, eu chamaria de medida de extrema inteligência, mas como é uma medida de um premier conservador de centro-esquerda, eu chamo de xenofobismo.

jussara em 01 de março de 2012

Quem vai plantar e recolher o lixo deles??? O mundo dá voltas; haja vista os EUA hoje... Países da Europa pedindo ajuda ao Brasil. Hitler e tantos outros se ferraram. A arrogância precede a queda. QUESTÃO DE TEMPO!

embat em 01 de março de 2012

eu, como um neo-nazifacista de ultra direita cristã ortodoxa reacionária, concordo com a medida q soh entrem os bons!

Silvia em 01 de março de 2012

Racismo? Racismo eh discriminaçao de raças. E ate onde entendi, nao importa se a pessoa eh branca, negra, asiatica... o que importa eh a renda dela. Portanto, racismo onde? Poderiamos chamar de discriminaçao social. Medida polemica. Porem, o que eles nao querem sao imigrantes indo pra la para "esmolar" ou tomar emprego dos ingleses. Certo ou errado, nem quis parar para pensar. Nada vai mudar na minha vida.

Luan Souza Vieira em 01 de março de 2012

Relacionado as medidas pelo Reino Unido , isso não se trata de racismo ou não abrange demais circunstancias , mas sim é uma estratégia que o governo adotou para tentar inibir a entrada de uma classe que ao invés de contribuir com o crescimento econômico através do consumo , queira ajudar seja com sua parcela a uma queda cada vez mais na economia que anda cada vez mais em recessão.

Geraldo Bezerra Leite em 01 de março de 2012

Este critério, que poderia ser classificado como discriminatório pode se tornar uma vantagem ao postulante à permanência definitiva no país. Um bom profissional é sempre objeto de desejo do patrão, seja na Inglaterra ou em qualquer outro país. Com a medida do primeiro ministro o empregador vai ter de pagar o valor estipulado, caso não queira abrir mão da qualidade do seu empregado.

Patricia m. em 01 de março de 2012

Nota-se bem a diferenca entre os comentaristas bem informados - inclusive os que ja moraram la e viram a situacao de perto - e o resto da malta que tacha qualquer medida que nao lhes agrada de "nazista" e "preconceituosa".

Daniel Orsa em 01 de março de 2012

Racismo certamente não é. Existe sim, discriminação social. Não encontrei conotação racial na argumentação do primeiro ministro. Me parece que negros, indus, árabes, orientais ou pessoas de quaisquer povo imigrante poderão entrar na ilha desde que tenham a renda descrita. É discriminação social e só.

Victor Cezar em 01 de março de 2012

Regina, é verdade. Os salários nos países europeus são mais equilibrados, de maneira que não é muito comum ver quem ganhe 10, 15 ou 20 da moeda local há um mês. Esse é um ponto. Mas a matéria sugeriu "rico". Quem ganha menos de £3,000 por mês pode até ter uma vida bem confortável, mas está longe de ser rico. É um cidadão médio graduado. Um policial ganha isso, engenheiros, profissionais de TI, professor universitário, maquinista, trocentas profissões. Médico nem se fala, já que costuma ser a mais bem paga (£70 ou mais, depende do rendimento, mais do que o dobro disso). É muito diferente de "elite" e "melhores e mais inteligentes" que a matéria sugere. E como eu citei, existem restrições. Você pode ser cientista e ganhar "pouco", mas ficar; esse tipo de imigrante ninguém quer perder. Ou trabalhar em algo que esteja com falta de gente. Quem se forma no UK e ganha £20,000 anuais, fica sem problemas - isso é salário, aliás, de motorista de ônibus.

Victor Cezar em 01 de março de 2012

Normal, grande parte da campanha de eleição do Cameron girou em torno da política migratória. Mas preciso corrigir falhas dessa matéria que, num meio de comunicação tão expressivo como este, é capaz de gerar um clima de "nós x eles" desnecessário: 1 - Quem ganha 42k€ não é rico. 2 - Há certa flexibilidade aí. Isso não vai valer para setores com escassez de mão-de-obra qualificada e nem vai se aplicar a cientistas ou doutorandos. E quem se estuda no Reino Unido (maioria dos imigrantes) pode ficar se arranjar um emprego de £20,000 (convenhamos, salário baixo) após formado. Por já ter estudado no Reino Unido, sinto-me no direito de afirmar que compreendo a medida do ponto de vista deles. Isso é o resultado de uma série de atos progressivos (restrições cada vez maiores para pessoas de "baixo nível" de qualificação, limitação de trabalho de 10 horas semanais para graduandos, multas enormes para quem contrata ilegais) que procuram frear uma das coisas mais notórias - o fato de que o país está abarrotado de pessoas de todos os cantos do mundo (a óbvia Londres é um exemplo do quão surreal é o impacto, mas vale para várias cidades grandes), excessivamente, a ponto de causar incômodos a alguns. O mundo inegavelmente vive uma crise grave... um enorme fluxo do sul europeu (portugueses, espanhóis, italianos) e até irlandeses vai provavelmente - mais do que já é e sempre foi - ter a ilha como destino (até por questões de idioma, é mais lógico ir para lá do que para, sei lá, a Noruega). Como lidar com isso? Estão fazendo o que podem para proteger a nação. Não tenho como criticar isso. Vale lembrar que trocentos imigrantes, ao invés de trabalharem de verdade, fazem uso dos gordos benefícios que o governo oferece (e cada vez mais são cortados por questões econômicas e políticas) teoricamente para nativos... esse tipo de gente sem caráter pode se considerar fora.

katharina em 01 de março de 2012

A medida é prudente mas o comentário é infeliz...nem todo imigrante rico é inteligente.

fernando em 01 de março de 2012

MORO NA ESPANHA, E PELO VISTO A INGLATERRA MERECE O MESMO, QUE O BRASIL FAÇA O MESMO, SIMPLES RECIPROCIDADE

fernando em 01 de março de 2012

RECIPROCIDADE JÁ

Tuco em 01 de março de 2012

. É inteligente! Mais que isso: é prudente. .

Regina Rio em 01 de março de 2012

Na Inglaterra e outros paises europeus, 44 mil por ano e' um otimo salarios. Sao paises onde nao ha' a enorme diferenca entre classes sociais como no Brasil, paises onde a professora da creche tem formacao adequada e viaja para o exterior para curtir um verao ensolarado em uma ilha menos chuvosa. E alias, a Inglaterra esta' certissima em controlar mais a imigracao, ja' tem problemas suficientes para resolver.

Ariane em 01 de março de 2012

quem ganha r$8 mil por mes nao é rico, mas pelo menos nao é pobre, ach oq essa é a maior preocupação do governo de lá. quem usou a palavra rico foi a reportagem, até pq so querer quem é rico seria burrice, rico pode investir mas não é força de trabalho nem necessariamente cabeça pensante; por isso querem filtrar tb os mais inteligentes. e nao estão errados nao, nao é obrigação deles receber qualquer um, nao é obrigação de nenhum país ter que acomodar quem só vai contribuir negativamente para sua sociedade, que é oq acontece com pessoas que trazem a pobreza e a ignorancia.

nyvaldo em 01 de março de 2012

Se eles querem os mais inteligentes, terao que deportar os propios ingleses, pois so' quem vive aqui e convive com eles sabe como sao burros e alienados so' sabem beber e fumar.Trabalho com ingleses e vejo como os imigrantes estao tomando todos melhores cargos neste pais.Outro dia comentei com uma inglesa que londres nao era a primeira capital da inglaterra, e ela falou que eu estava doido, mais doido e burra e' ela que nao sabe que a cidade de york ja' foi capital tambem.

Luis Carlos em 01 de março de 2012

Patricia M. falou tudo

Bianca Fernandes em 01 de março de 2012

Me dei ao trabalho de calcular. A renda mínima anual que exigem é de 42 mil euros, o que ao câmbio de 2,47, dá mais ou menos 103 mil reais. Divididos por 12, significa que pra morar lá o cara tem que ganhar R$ 8.645,00 por mês. Uma pessoa dessas é rica???

Bianca Fernandes em 01 de março de 2012

A propósito, a ilha não tem nada de pequena. É bem grande, muito bonita de se visitar e o povo inglês, o tal neofascista ou separatista, é extremamente gentil e educado com as pessoas que vêm de fora.

Bianca Fernandes em 01 de março de 2012

Acho que não perceberam que a proibição de entrada é para quem vai morar, não para quem vai fazer turismo e compras. Neofascismo, racismo ou separatismo, ou seja lá que nome se dê se poderia dizer se estivessem proibindo negros, judeus, muçulmanos etc. de entrarem no país. Como disseram outra spessoas que comentaram, o país é deles, entra quem eles deixam.

Bianca Fernandes em 01 de março de 2012

Nem discriminação, nem racismo... as pessoas precisam parar com essa mania de que tudo é discriminação e racismo. Coisa chata!!!! O que o Reino Unido fez chama-se exercer soberania, e qualquer país deixa entrar nele quem ele assim determinar, sob as regras que ele definir, ainda mais se é pra morar... Os EUA sempre fizeram isso, sempre brecaram os brasileiros do Terceiro Mundinho, com regras bem mais loucas do que a renda anual, e ninguém nunca questionou, só entra lá quem eles querem. Agora eles querem todo mundo e tá todo mundo rindo feliz indo tirar visto. Aí outro país vira polêmica? Eu hem...

Stella em 01 de março de 2012

“No futuro, exerceremos mais controle para garantir que fiquem apenas os melhores e mais inteligentes” onde se encaixariam os ingleses que vivem de beneficios ha 3 geracoes as custas do governo? Sera que a ministra se esqueceu deles? Se colocarem essa cambada pra trabalhar desde ja, no futuro nao precisara de medidas assim neonazistas para garantir a economia do pais.

Flavia em 01 de março de 2012

Certíssimos, o país é soberano para decidir quem deve morar lá, não estão falando de turismo, mas de impedir que vá mais gente de outros países ser sustentado por eles. Já basta ter que sustentar seus próprios pobres, não precisam importar...

Gabriela em 01 de março de 2012

Eu acho que o governo tá muito certo, aqui no Reino Unido uma pessoa que ganha um salário mensal de aproximadamente £2,920.00 não é considerado rico. Mas é um salário de um profissional qualificado. Até hoje entrou muito profissional não qualificado para subemprego e como dissse a Patricia no post abaixo, entrou muita gente pra viver de benefícios generosos do governo e não para trabalhar.

bibi em 01 de março de 2012

Interessante....e quem vai limpar e servir todo esse povo rico e "inteligente"?? Pq os proprios ingleses nao se sujeitam mais a certos trabalhos....

Pricila em 01 de março de 2012

estou totalmente de acordo com eles! todos os Paises deveriam se proteger. pois, se começa a aceitar todo tipo de imigrante, o Pais perde a identidade!

zaida em 01 de março de 2012

São muito bestas e metidos esses ingleses

JulioK em 01 de março de 2012

Estão corretos. O custo de vida é alto e não tem emprego para quem não tem qualificação. Assim eles evitam uma "cracolandia" no Reino Unido. Não li nada a respeito de exigencia de cor de pele ou religião para configurar racismo ou discriminação. Se esta correto ou não, só o futuro dirá!!

Ismael em 01 de março de 2012

Quero meu Mundo de tres bilhões de habitantes de volta! Disse certa vez um amigo, como eu nascido em 1960. Já pensaram como seria legal ter a mesma liberdade do mundo na época do Tin Tin? pegar um navio no Brasil e descer em Pequim? O mundo perdeu essa liberade pelo acúmulo de contradições econômicas. No entanto em países menos prontos, como o nosso, ainda podemos receber de braços abertos haitianos, bolivianos e chineses, que desde que venhma para trabalhar honestamente, serão bem vindos. Eu, descendente de italianos, espanhois e índios não poderia jamais pensar diferente.

FabioLuis Emerim em 01 de março de 2012

Quem tem que decidir isso é o País em questão. Se eles avaliam ser melhor internamente que se receba apenas gente com dinheiro o suficiente para manter-se, eles que assim o façam.

Taynara em 01 de março de 2012

DETALHE Saulo Petrim! NAZISMO, abra o dicionario e ESTUDE o significado da palavra nazismo. Um pais optar por nao aceitar os miseraveis alheios por motivos internos como ser pequeno e ja gastar absurdamente com um sistema de saude publico q 'e um dos melhores do mundo e ter que pagar beneficio pra esse bando de atoa nao ;e nazismo! Ninguem ta matando ninguem nem proibindo ninguem de entrar, mas se querem mesmo, que venham para acrescentar na vida do pais e nao pra piorar!

carmélia paulo em 01 de março de 2012

NOSSA! QUE DECISÃO PRECONCEITUOSA É ESSA.A EUROPA ESTÁ FALIDA E ELES COM ESSA AROGANCIA TODA PORQUE??

Rodrigo Miranda em 01 de março de 2012

conclusão, Reino Unido sem imigrantes. Totalmente contra a isso,ainda mais nessa crise que esta no mundo.se fosse facio arrumar emprego pelomenos. mais é ao contrario. tantas pessoas qualificadas e disponiveis para trabalho e não encontra.

Taynara em 01 de março de 2012

CONCORDO plenamente e aplaudo a ideia. Moro no Reino Unido 'a 8 anos e a cada dia q passa vejo o pais encher de pedintes, de gente tocado violao na rua por trocado e o numero de assaltos subindo. Sem falar nos que esperdicam o tempo aqui pregando o odio contra o pais nos cultos religiosos e os que vivem do imposto que EU pago! Tem que fechar a fronteira mesmo, nao queremos um pais de miseraveis e desqualificados, ja temos problemas demais aqui dentro pra ter que lidar com o dos outros. Fechem mesmo, e quem quiser que estude como eu e meu marido fizemos pra conseguir nossos vistos!

jussara em 01 de março de 2012

Eugenia; o retorno!!

Patricia m. em 01 de março de 2012

@Carlos Eduardo: nada a ver, nao eh visto de turista. @Erik: separatismo? Huh? Vc leu a reportagem? @Saulo: vc nao sabe o que fou o nazismo para fazer esse tipo de comparacao tao boba @

annie em 01 de março de 2012

Eu acho correto. Afinal, o imigrante legal tem acesso à saúde, segurança e educação de primeira qualidade. Pagam altos impostos, mas tem retorno real. O contrário daqui que aceitam qualquer um no país.

Luiz Ananias em 01 de março de 2012

Em meio a crise européia, penso que o Reino Unido não quer se deixar levar a ter uma economia defasada, visando não ter problemas futuros com uma massa desqualificada desempregada.

Jorge Lima em 01 de março de 2012

Compreensível, a ministra é loira...elas são exigentes. rs rs rs

Lucas em 01 de março de 2012

primeiramente é racismo e xenofobia...depois analisando melhor se torna uma medida separatista. Medida essa que somente justifica o isolamento da ilha perante a UE. Querem somente ricos somente para nao afundarem de vez !

Ailsson em 01 de março de 2012

Totalmente ridículo. Eles próprios vão sair perdendo, já que não haverá mais quem faça os serviços menos valorizados. Além disso, o que tem a ver riqueza com inteligência? Eles querem os "melhores e mais inteligentes", mas estão adotando o critério da renda para fazer a seleção?! Que lei imbecil e preconceituosa!

Igor em 01 de março de 2012

Isso se chama "desespero"!

Pedro Barth More em 01 de março de 2012

Ricardo, acho que trata-se apenas de burrice!

Patricia m. em 01 de março de 2012

Ja que estamos falando de imigracao, um topico para discussao: por que o governo brasileiro concede mais de 4 mil vistos a imigrantes haitianos totalmente desqualificados - quando temos um exercito de mao de obra desqualificada no pais, composta de brasileiros - e ao mesmo tempo eh tao burocratico para conceder vistos de trabalho a americanos e europeus qualificados? Seria discriminacao?

Patricia m. em 01 de março de 2012

Eu acho que os ingleses estao cobertos de razao. Alias, tendo morado na ilha por longos 4 anos aplaudo a iniciativa. Hoje entram milhares de imigrantes totalmente desqualificados, vindos principalmente de ex- colonias britanicas no Middle East e no sul da Asia, que nao apenas nada acrescentam ao pais como ao contrario, tomam ainda mais recursos. Eles trazem suas familias estendidas, mae, pai, irmaos, cachorro e papagaio e vivem de food stamps e alugueis pagos pelo generoso welfare state ingles. Isso quando nao usam o vasto tempo livre - ja que nao trabalham - para pregar o odio em mesquitas contra a mao que os alimenta. . De qualquer forma, sendo contra ou a favor ninguem que nao seja ingles tem nada com isso. O Estado ingles estabelece as regras que bem entende.

Saulo Petrin em 01 de março de 2012

Essa política chama-se "neofascismo". Um "bigodinho" a mais, teríamos a reencarnação de Hitler.

Erick em 01 de março de 2012

com certeza separatismo.

Carlos Eduardo em 01 de março de 2012

Com o tempo, farao como os USA e ainda irao implorar para que os Brasileiros facam suas compras na pequena ilha..

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI