Resultado da enquete (com votação recorde): nossos leitores querem acreditar no Supremo Tribunal Federal.

Ministros do STF mostraram que merecem a credibilidade dos nossos leitores (Foto: Foto: Carlos Humberto / STF)

Ministros do STF mostraram que merecem a credibilidade dos nossos leitores (Foto: Foto: Carlos Humberto / STF)

Há 3 meses no ar, nossa enquete com a pergunta: Você confia em que o Supremo Tribunal vai ser isento no julgamento do mensalão? recebeu um número recorde de votos — 10.944.

Tivemos uma reviravolta na tendência manifestada pelos leitores a 30 de agosto, após um mês de julgamento, quando os resultados para Nenhum grau de confiança (27%), Baixo grau de confiança (34%) e Médio grau de confiança (25%) somavam 86% dos votos, contra 9% de Alto grau de confiança e 5% de Muito Alto grau de confiança.

Em suma, manifestavam efetivo grau de confiança no Supremo um percentual mínimo de leitores.

Com o decorrer das discussões no STF, foi ficando claro que não, os ministros não estavam para brincadeira, e o mensalão foi tratado como se esperava: com base na lei, mas com firmeza.

Então chamamos novamente a atenção dos leitores e perguntamos: mudou de opinião? E parece que sim, nossos leitores mudaram de opinião.

Hoje, fechando a enquete, contabilizamos 19% (2.032 votos) de Muito Alto grau de confiança, 24% (2.590 votos) de Alto grau de confiança, 23% (2.555 votos) de Médio grau de confiança, 19% (2.052 votos) de Baixo grau de confiança e 15% (1.687 votos) de Nenhum grau de confiança.

Resumindo: a forte confiança no tribunal estendeu-se por 43% dos leitores que, somados aos 19% que afirmam ter um grau de confiança médio, deixam um terço (34% dos consultados) com baixa ou nenhuma confiança no tribunal.

Agora, a pergunta que não quer calar e foco da nossa próxima enquete é: seja qual for a pena aplicada pelo Supremo a José Dirceu, você acredita que o ex-chefe da Casa Civil vá efetivamente para a cadeia?

Responda na coluna apropriada, à direita da em que é publicada este post, e… comente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nenhum comentário

  • LIS

    Se o poder executivo fosse exercido por qualquer outro partido, eu acreditaria que o Ze Dirceu cumpriria pena de prisão. Mas, como é o PT que está no governo e este partido não tem constrangimento em fazer qualquer coisa para livrar seus corruptos, Dirceu pode ser anistiado.

  • Rone

    Setti: Esse julgamento foi feito para agradar dar consolo dar argumentos para uma oposição morinbunda!
    Ninguem presta atenção a esse julgamento Setti, ´so uns poucos descontentes!
    Prestam atenção quandos os juizes nobres execelencias do STF discutem e quase saem no tapa, e o Barbosa sempre de pé, será que a cadeira e tão desconfortavel ou o enquadramento no video fica melhor hoje ele bateu boca com outro de novo!
    Vc acha que julgando pessoas que fizeram parte de um governo ainda vitorioso que foi julgado pelas urnas democraticas e venceu estão dando a minima repito esse julgamento demorou tanto que perdeu o efeito esperado!

    Voto não anula crime numa democracia.

  • Ricardo Magalhaes

    Eu não acredito que va para a cadeia, ele devera fugir do Pais antes, mesmo que so com a carteira de identidade.

  • Observador100

    Caro Setti
    A preocupação neste momento não é com o STF e sim com os agravos que certamente virão e serão apreciadas pelo “novo” STF. Este novo STF é que preocupa. Tenho acompanhado o julgamento e, como leigo, percebo que existe a turma do PT (Levandowski, Rosa Weber, Carmem Lúcia e este incrível Dias Tóffoli). Lembre que teremos a saída de Ayres Brito e em breve a do Celso de Mello. Tenha certeza que seus substitutos serão escolhidos à dedo para evitar “supresas”, como ocorreu com o Joaquim Barbosa. E aí a coisa complica,serão seis “cumpanheiros”…
    abraço

  • bereta

    Caro Setti. Bom dia.
    Em que pese a decisão da maioria do Supremo ter sido a da condenação dos implicados no mensalão, ainda penso ser prematuro tecer julgamento sobre aquela Casa. Já vimos decisões injustas, como a do caso dos arrozeiros da Raposa Serra do Sol.Com exceção da manifestação do ministro Celso de Mello, que não aceitou a decisão final de se demarcar em área contínua o espaço destinado a dezenove mil índios, argumentando que, mesmo com a idéia do pagamento de dívidas históricas a decisão “foge a realidade”, o Supremo manteve o voto favorável aos indígenas, com prejuízo incalculável para os agricultores que labutavam naquelas terras há muitos e muitos anos, segundo reportagem de Veja. Assim, melhor esperarmos com a sensação de que a Lei foi aplicada no tocante aos criminosos arrolados naquele processo. Nada mais que isso. Tecer loas, aplaudir de pé, dar vivas ao Supremo, dentro do que penso, ainda é cedo. Claro que há expoentes ali. Joaquim Barbosa é um deles. Não apenas pelo que relatou, mas pelo que foi sustentado no decorrer das sessões. Outros ministros se houveram de forma íntegra. Afinal, os crimes foram lesa pátria. Havia dinheiro público nos negócios. Deram uma rasteira no bandido maior, o único que não sabia o que se passava sob suas barbas. Porém, isso é outra história. Ele é incorrígível e inatingível, pois a mídia burra ou interesseira o blinda sempre. Aliás, ele é deus, pelo menos para marta suplicy, a sábia que nos recomendou gosar. Assim, extrainda da velha sabedoria mineira a máxima de que “é necessário comer sal no mesmo cocho por pelo menos dez anos para se conhecer quem está ao nosso lado”, aguardemos com esperança. Muita água rolará sob a ponte antes que nosso país se torne verdadeiramente um PAÍS. Posso ser um tanto quanto descrente, ainda que tenha exultado diante dos resultados. No princípio, cheguei a escrever sobre minha incredulidade. Por felicidade, interpretaram fatos comprovadamente desonestos. Não havia como fugir daquela realidade. Um abraço.

  • carlos marchionatti filho

    Creio que a Justiça não poderá deixar de segregar condenado seja ele quem for e assim o fará. Todavia a segração física não é a pena principal A principal é a que mexe com o psíquico , com a consciência que não pode ser enganada por si próprio. Não querer cumprir a pena é não reconhecer nosso estado de direito e permanecer em débito para com a sociedade.

  • chagas

    No Supremo existe dois problemas sérios, o toffili e o lew, com possbilidade de contaminar a Carmem e a Rosa

  • juscelino

    http://ipco.org.br/home/chamada/video-da-palestra-do-pe-paulo-ricardo-promovida-pelo-instituto-plinio-correa-de-oliveira?origem=100&v=0

    o assunto não é religiao, mas o codigo penal. sintetizou magnificamente as intençoes facistas dos caras. para quem não viu, é interessante. usando o espaço para divulgar, apesar de estar fora do foco da materia. se achar que é pertinente passar está aí. obrigado

  • Claudiney

    Jugar o PT é necessário e justo, mas convenhamos, é fácil, pois mesmo estando no governo esse partido só tem a si como arma. Quero ver julgar PSDB que pode entregar o DEM e o contrário, sem contar o PMDB que “apoia” o governo, mas não baixa a guarda. Foi muito bom ver os mensaleiros condenados (mesmo que não haja cadeia de fato). Mas seria bom ver também Paulo Maluf (condenado de verdade), Jader Barbalho, Jorge Bornhouser, Daniel Dantas, os 7 anões (cadê?).

  • Claudiney

    Perdão “Julgar”