Reveja o vídeo indispensável: se o mensalão foi a “farsa” que o presidente do PT, Rui Falcão, pretende ver desmontada pela CPI do Cachoeira, do que foi que Lula pediu desculpas ao país, em 2005?

 

Falcão falando na TV: o mensalão, denunciado pelo Ministério Público e apurado pela Polícia Federal, foi uma “farsa” (Foto: veja.abril.com.br)

Meu amigo e irmão Augusto Nunes já registrou devidamente suas impressões, com as quais concordo, sobre o pronunciamento na TV feito pelo presidente do PT, deputado Rui Falcão, a respeito da CPI de Carlos Cachoeira, a respeito da qual ele produziu a espantosa afirmação de que ela deve investigar também “a farsa do mensalão”.

Vejam esse trecho inacreditável da fala falcônica:

“As bancadas do PT na Câmara e no Senado defendem uma CPI para apurar esse escândalo dos autores da farsa do mensalão. É preciso que a sociedade organizada, as centrais sindicais, os movimentos populares, os partidos políticos comprometidos com a luta contra a corrupção, como é o caso do PT, se mobilizem para impedir a operação-abafa e para desvendar todo o esquema montado por esses criminosos, falsos moralistas, que se diziam defensores da moral e dos bons costumes”.

Dirceu com Lula: a “farsa” do mensalão levou o chefe da Casa Civil do então presidente à renúncia — e seu mandato foi cassado (Foto: VEJA)

Pois bem, Falcão, tal como tantos outros do PT já o fizeram, chamou de “farsa” o escândalo da compra de votos em troca de apoio ao governo Lula que provocou uma brutal crise política em 2005, levou à demissão e posterior cassação do mandato de deputado de seu chefe da Casa Civil, José Dirceu, e resultou num processo criminal ora em curso no Supremo Tribunal Federal, no qual o procurador-geral da República acusa Dirceu de comandar uma “quadrilha”.

Chamou de “farsa” o que a Polícia Federal, a melhor polícia do planeta segundo muitos petistas, DURANTE O LULALATO, investigou e concluiu que houve CRIME, uso de dinheiro público e uma série enorme de bandalheiras. (Leia sobre a Polícia Federal e o mensalão).

É “farsa”, segundo o presidente do PT, o que apurou a própria Polícia Federal — e que VEJA já havia, em muitos casos, adiantado em 2011 — sobre a montanha de dinheiro sem explicação comprovadamente distribuído a figurões petistas, das operações bancárias espertíssimas, dos empréstimos fajutos — e por aí vai.

É claro que o presidente do PT deixou de lado um interessante vídeo, com trecho do discurso do próprio Lula, em pleno fragor do escândalo. Procurando uma vez mais borrar da história, como fazem tantos petistas, Falcão finge que não houve o famoso discurso transmitido pela TV a 12 de agosto de 2005, em que, constrangido, apalermado, abatido, sem saber para onde dirigir o olhar, levemente trêmulo, o então presidente da República declarou perante a o país que fora “traído” e mencionou “desculpas”.

Nesse discurso, feito na Granja do Torto, em Brasília, antes de uma reunião ministerial, Lula não explicou quem o traiu — nunca explicou, aliás, e com o tempo foi ficando cada vez mais desmemoriado, esquecido completamente do assunto –, mas a alegação da traição ficou, insiste em ficar, e continua latejando. Nem esclareceu exatamente o porquê do pedido de desculpas aos brasileiros.

Se Lula fez o discurso da traição durante o escândalo, é claro que se destinava a, de alguma forma, apresentar uma explicação ao país sobre a espantosa sucessão de bandalheiras que a cada dia vinham à tona — uma explicação frouxa, gaguejante, canhestra, reticente e vazia, mas uma explicação.

Se Lula proferiu o discurso e denunciou a traição, ocorreu naquele momento um explícito reconhecimento de que o mensalão não apenas existiu, mas teria propiciado esse seríssimo agravo ao presidente da República.

Como, depois disso, sem mais nem porquê, de repente não existiram a montanha de dinheiro, a CPI no Congresso, os depoimentos no Supremo e, sobretudo, o discurso? Tudo teria sido uma “farsa” e uma tentativa de “truncar o mandato de um presidente democraticamente eleito”, como o desmemoriado sumo sacerdote do lulalato definiria,mais de uma vez, a bandalheira?

E como fica a tão elogiada Polícia Federal e sua atuação durante o lulalato?

Bem, melhor do que tudo o que escrevi é relembrar o discurso.

É curtinho — mas altamente revelador. Veja aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + quinze =

Nenhum comentário

  • fábio

    O que vejo é que de um lado o PT quer transformar o mensalão em uma farsa e de outro lado parte da imprensa insiste em dizer que a CPI será uma farsa… A dúvida que fica é quem realmente serão verdadeiros os farsantes.

  • Ronaldo

    Belo retrospecto! Vários outros confessaram o recebimento de dinheiro dentro desse esquema que ganhou o nome de “Mensalão” – Duda Mendonça, por exemplo. Acho que o nome “Mensalão”, que pegou, favorece esse discurso de que “não houve tal pagamento mensal” – pura semântica. Está mais que claro, foram vários pagamentos para vários políticos e prestadores de serviço para o partido, disso não há dúvidas. Assim, o seu resumo explica muito bem o que realmente houve: “compra de votos em troca de apoio ao governo Lula” não necessariamente mensais – disso não há como fugir. O que se tenta é criar certo vínculo, e certa cortina de fumaça, quando se trata de casos separados e independentes. Pra nossa infelicidade!

  • Felipe Lima

    A grande verdade é que isso não vai dar em nada, o bovino povo de Banânia aceita passivamente a sua caminhada ao matadouro… O povinho que vota é desmemoriado e burro, se assim não o fôsse, não teriamos Sarney e Collor reeleitos.
    Simples assim !

  • Reynaldo-BH

    Muito interessante o que ocorre com o PT, a CPI da Delta e o mensalão. Um grupo (pequeno e fora de SP) não é histericamente contra o julgamento pelo STF. Talvez usando a conhecida rivalidade – que beira a animosidade – entre o PT de SP e os dos outros estados. Preferem que o rito normal seja cumprido pelo STF. Óbvio que desejam e torcem pelo impossível: a absolvição da quadrilha. Daí a defender de modo suicida o chefe do bando, o famigerado José Dirceu, vai uma diferença que a cada dia mais fica evidenciada.
    Dirceu está usando Lula (o quanto Lula deve a Zé Dirceu? Mistério…) e a estrutura partidária para forçar uma defesa que, a rigor, é problema dele e dos mensaleiros.
    Para isso usou a criação da CPI como instrumento de pressão e como nem disse a VEJA, como cortina de fumaça. As vezes, quando a esperteza é demais engole o dono.
    O mal-estar que se vê claramente por parte de grande parte dos petistas, com a criação da CPI, mais uma vez é olimpicamente ignorado por Lula e pelo capitão do time. Mais uma vez Lula demonstra, na prática, que é maior que o PT e que trata o partido como feudo pessoal.
    Isto é problema lá deles. Quem cria ídolos e mitos que os venerem. Que resolvam o papel de cada um – aí incluída Dilma – ou se mantenham como adendo do projeto pessoal de Lula. Este é o rabo que balança o cachorro.
    A CPI é irreversível. Será um espetáculo de não convocações, de desculpas esfarrapadas e de inutilidades. A oposição não tem número para alterar os trabalhos desta CPI. E temo que também não tem nenhuma vontade política.
    Cada vez mais o julgamento do mensalão depende exclusivamente de Lewandowsky que teve o péssimo gosto de fazer piada (piada?) com um assunto que é somente o julgamento mais importante do STF em todos os tempos: entende que a resposta à pergunta de quando libera o processo para o plenário, disse que valia um milhão de dólares. Tanto assim, ministro?
    O PT – enquanto partido – conseguiu o pior dos mundos. Criou uma CPI com alto teor de nitroglicerina, envolve o PAC (via Delta) nas armações de Cachoeira, fica obrigada a convocar Agnelo para depor (e o assessor palaciano que pediu demissão), entre outras atitudes até então impensáveis. Para atingir Marconi Perillo, Lula estaria disposto a sacrificar Dilma e a companheirada que ainda tenta se recuperar do mensalão? Atingir na testa o governador Sérgio Cabral, o dileto amigo do dono da Delta?
    Hoje temos que pressionar não mais por um fato saneador no Brasil, que era até então, o julgamento do mensalão. Agora temos que exigir a instalação plena da CPI da Delta.
    O que seria uma cortina de fumaça hoje está mais para um imenso foco de luz iluminando o submundo que o PT gostaria de ter sempre oculto.
    Acontecendo ao mesmo tempo – CPI e julgamento – um irá influenciar decididamente o outro.
    Os fatos a serem revelados na CPI vão demonstrar, de modo cabal, que o que nasceu com o mensalão não foi sepultado. Ao contrário, foi aperfeiçoado com requintes de cinismo.
    A prática da corrupção desenfreada beneficiando amigos do poder, companheiros e aliados, tem na raiz o mesmo componente do mensalão. São filhos da mesma matriz. Pouco distingue um de outro.
    Fica claro que uma Delta só existe – do modo que existe – porque a agência de publicidade de Marcos Valério ensinou o caminho. E um Banco Rural escapou ileso.
    Assim como os mensaleiros que retornaram a postos no executivo ou voltaram a ser eleitos e assumiram – com apoio do Planalto – até mesmo a presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.
    O PT conseguiu com a CPI dar o argumento que faltava para termos o julgamento do mensalão já, este ano, este semestre!
    É o preço que o PT irá pagar pelo caudilhismo do lulismo.
    Para nós, meros eleitores, resta agradecer à “genialidade” de Lula que ao criar este CPI para atender ao pânico de José Dirceu e quadrilha, fez pela ética no Brasil exatamente o oposto de tudo o que praticou nos últimos nove anos.
    O famoso abraço de afogado. No mar de lama.
    Resta que o STF pressione o ministro-relator para que libere o processo, diminuindo um pouco a vergonha que cobre a mais alta corte de justiça do Brasil.
    E que haja um – apenas um – oposicionista na CPI que chame os fatos pelo nome.
    Já será um imenso avanço.

  • Jefff

    Vc tem absoluta convicção que todo o mês o governo Lula pagava um suborno a base aliada incluindo deputados do PT para que se votasse projetos de interesse do governo? Mensalão é isso!

    As evidencias são avassaladoramente fortes nesse sentido.

  • SergioD

    Ricardo, sinceramente, não estava vendo maiores problemas na instalação dessa CPI. Quando soube do pronunciamento do Rui Falcão comecei a sentir que a CPI acabaria virando algo sem a menor seriedade.
    Sou eleitor do PT e, felizmente, nenhum daqueles em que voto pelo PT-RJ esteve envolvido no Mensalão. Esse episódio foi tudo, menos uma farsa da imprensa e da oposição, assim como, não devemos nos esquecer, não o foram o Velerioduto mineiro e a compra de votos para a votação da emenda da reeleição em 1997, fato brilhantemente apurado pelo Fernando Rodrigues, da Folha de São Paulo (reportagem que lhe rendeu o Prêmio Esso naquele ano).
    As lideranças do PT deveriam serenar e esperar as penas que o STF irá impor aos seus membros envolvidos no esquema. Podem dizer que não era pagamento mensal de propina, que recursos de campanha não contabilizados. O fato é que envolveu a manipulação de recursos ilegais, provenientes de atos efetuados ao arrepio da lei. Isso está mais que provado. Querer negar isso é desacreditar a PF, que nessa caso teve atuação isenta.
    Essa confusão que está sendo armada agora vai acabar contaminando a CPI e não permitindo uma correta apuração de mais esse escândalo da política nacional. Não fosse esse estardalhaço do PT seus ganhos com o resultado da apuração da CPI poderiam ser até maiores do que ficar querendo cavucar velhas feridas ainda não cicatrizadas dos tempos de 2005.
    Como sempre se diz, o apressado como crú.
    Abraços

  • What is up

    Enquanto persistir a farsa comandada por gangues que se apoderaram dos três poderes da nação continuaremos assistido estas aberrações, cada gangue propalando as suas mazelas, mas sem nenhuma aplicação das regras legais vigente no país farsesco a estes larápios, os verdadeiros saqueadores do bem estar dos brasileiros.
    Quem tem habito da pratica do raciocínio critico sabe há muito que são todos iguais, não sobra um, nem o FHC que alguns insistem chamar de intelectual ou honesto, não passa de mais um, basta ver o caso BANESTADO durante a sua gestão ou seus ministros envolvidos no caso Marka/Sindam.

  • What is up

    Olá Setti,
    Creio que tu já devas ter visto, mas isto não cairia como luva para a situação tupiniquim também?
    http://www.youtube.com/watch?v=EMbO09jOZCQ

  • What is up

    Olá Setti,
    Creio que tu já devas ter visto, mas isto não cairia como luva para a situação tupiniquim também?
    http://www.youtube.com/watch?v=JC08YYBk5bE

    SENSACIONAL! Vou transformar em post amanhã. Maravilhoso!

    Obrigado pela dica.

    Abração

  • Reynaldo-BH

    Ao Jefff
    Pelo que entendi, a sua questão é semântica. Não existe mensalão porque não foi mensal. É isso? E só foi a cada 45 dias? E sé houve o roubo bimestralmente? Chamaríamos de “bimestrão”? Seria menos criminoso?
    Aceito a troca. Passamos a chamar o mensalão de “malfeito do Jose Dirceu”. E você passa a admitir (o que pelo visto e pela sua defesa, já o fez) que: era uma quadrilha; que usava recursos públicos como fonte do esquema; que envolvia diversos parlamentares do PT e de outros partidos. Mesmo que a “mensalidade” não era correta. Ocorriam atrasos…
    Se o PT depender deste tipo de defesa, o comentarista Jefff está convocado para depor no STF e defender esta tese de um brilhantismo ímpar!
    Ao SérgioD. Cada vez mais me convenço que o amigo faz parte de um segmento do PT que está em extinção. Eu já julgava extinto. Bom saber que ainda resistem!

  • SergioD

    Pessoal por favor, na última frase de meu comentário das 15:42 leiam:
    “Como sempre se diz, o apressado come crú.”
    Abraços a todos

  • selminha

    Setti, já se disse que quem não conhece a história está condenado a repetí-la. Enquanto tivermos este povo que, em sua grande maioria, não tem a menor idéia do que se passa no país, não lê jornais ou revistas sérias e está feliz por poder tomar sua cervejinha no fim-de-semana, nada mudará. Os políticos desonestos continuarão a ser eleitos e reeleitos. Depois que Lula feoi reeleito em 2006, nada mais me surpreende. Dilma presidente já era de se esperar. Infelizmente, é neste país que vivemos, com uma população ignorante e mal-informada. Só um milagre nos salvará.

  • Euclides Rodrigues de Moraes

    Reynaldo-BH – 16/04/2012 às 17:14 – Por qual motivo o Roberto Jefferson, foi cassado? Qual a fonte e quanto de recurso público foi utilizado para repasse aos partidos e parlamentares? Se você me responder essas duas questões sem tergiversar, eu passo a acreditar nessa história de mensalão. Se você não conseguir responder, corretamente, você é que deixa de falar essa bobagem para sempre. Topas?

  • Mari Labbate *44 Milhões*

    Em 2005, na Granja do Torto, o senhor Luiz Inácio da Silva, Presidente do Brasil, CONFESSOU OS CRIMES DO MENSALÃO e prometeu à Nação apurar os fatos e RESOLVÊ-LOS! É o que está ocorrendo, nesse exato momento. A traição, que afirma ter sofrido, nada mais foi do que uma indecente manobra de isenção dos crimes totalmente observáveis. VERDADE 1: Quem nega os próprios pecados, anula a própria Vida. VERDADE 2: Quem afirma ter sido vítima de traição, deve estimular o aparecimento dos responsáveis pelas infâmias. VERDADE 3: Quem pede desculpas é réu-confesso. Como irresponsável-governante será exilado, e não conseguirá mais reencarnar, nesse ponto do Planeta Terra, por traição-máxima à Pátria. E agora adianta os petistas negarem os fatos? É tarde demais, porque o “Terror-dos-Mares” não consegue escapar dessas cabais provas. TODOS OS BRASILEIROS SÃO TESTEMUNHAS! Aguardemos, portanto, o desenrolar desse último e vergonhoso capítulo da História do Brasil. É óbvio que a lama sanguinolenta respingará no duplo-governo-comunista-golpista. E Lula e Dilula, julgados pela Justiça Divina, arrepender-se-ão dos terríveis atos praticados e entrarão na Memória-Nacional, como os presidentes cujos exemplos NÃO deverão ser seguidos, NUNCA MAIS, pois afrontaram os cidadãos, imperdoavelmente. É a dignidade de cada Filho-da-Pátria que está em jogo! Cobremos das autoridades competentes: VERDADE E DECÊNCIA!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Amigo Setti,Reynaldo BH,Sergio D e Jeff:
    Nunca aceitei e nunca aceitarei o tal do Direito Absoluto da Liberdade da Imprensa.
    Direito Absoluto é o sonho dos Ditadores,dos Corruptores e dos Corruptos para viverem eternamente em seus paraisos da impunidade.
    O envolvimento de Carlinhos Cachoeira com Politicos,Juizes,Instituiçóes e a IMPRENSA!!!é apenas a ponta do iceberg.
    Destilar ódio contra PT,PSDB,DIRCEU,DEMÓSTENES… é de uma ingenuidade que me espanta – Quero e Exijo saber o envolvimento de Partidos,Politicos,Poder Judiciario,Poder Legislativo,Poder Executivo e principalmente o PODER da IMPRENSA com os Grupos Economicos Legais e Ilegais!
    O Papel da Imprensa é o pior de todos – pois é o que manipula,esconde,distorce a Informação que é um Direito de Todos – é um Crime Hediondo,é um Crime Contra a Humanidade pois nos escravisa nos submetendo a Poderes Economicos Legais e Ilegias.
    Isto que vivemos hoje não é Imprensa – como confiar numa imprensa em mãos de familias e grupos economicos?
    A Imprensa deve ser plural – TVs,Radios,Veículos de Comunicações em mãos de toda sociedade – movimentos sociais,sindicatos…e pleno acesso do POVO a ela.
    Carlinhos Cachoeira é uma marolinha mas nos dará a idéia de quantas meias verdades,quantas informações foram escondidas,quantas mentiras como verdades nos foram passadas e com fim torpe de Conservação do Poder em mãos de Corruptos e Corruptores.
    Por uma imprensa plural,democratica e a serviço da sociedade e não da Ideologia de Conservar o Poder em mãos de poucos para a dominação de todos.Ideologia? tou maluco em dizer Ideologia são sim Criminosos tão criminosos quantos grandes grupos economicos legais e ilegais pois são mantidos por eles.
    Carlinhos Cachoeira será uma pequena ponta do iceber que ajudará afundar este Titanic do Mal.
    Abrços
    Pedro Luiz

  • Lélio Gomes

    Não queremos desculpas… Nosso alento seria essa corja atrás da grades, incluindo esse Lula que deu uma de “Joãzim sem braço”!

  • Reynaldo-BH

    Euclydes. Toapado!
    1 – Roberto Jefferson. Mesmo não entendendo sua pergunta (por que ele foi cassado? Você vai argumentar que foi porque mentiu? E José Dirceu? Foi cassado por que?) respondo: foi cassado por que ADMITIU na CPI ter recebido R$ 4.000.000,00 en notas com fitas do BB. Lembra? O tesoureiro do PTB TAMBÉM atestou que guardava o dinheiro em um armario.E Confirmou o que Jefferson (um bandido também!) alegou: que RJ retirou o dinheiro e… sumiu com ele! Ironicamente (e de modo criminoso) Jefferson dizia: já que não houve entrega de dinheiro, então não preciso dizer onde ele foi parar! Lembra-se disto? Isto bastaria para cassar um deputado, mesmo sendo da base alugada???
    2 – Recursos públicos. Você esqueceu que o BANCO DO BRASIL pagou por campanhas de marketing QUE NUNCA foram veiculadas??? Que a SMP&B ganhou – SÓ COMO EXEMPLO – uma “licitação” na Câmara Federal para “divulgar os atos do Legislativo”? Que este contrato permitiu que a SMP&B fez a campanha de João Paulo para a presidência da Câmara? “Gratuitamente”? Que a SMP&B trabalhava para DIVERSOS orgãos federais? Sendo o Banco do Brasil e a rede de cartões de crédito da mesma, o seu (dela) principal cliente? Você acha que o carequinha iria tirar dinheiro de onde? Dos clientes privados? A diretora financeira da SMP&B que confessou ficar em uma suíte no Blue Tree distribuindo maços de dinheiro a deputados, não admitiu que o contrato com o BB foi assinado, RECEBIDO mas não executado?
    Se fosse dinheiro privado (num ato de absoluto desprendimento ideológico de Marcos Valério, caso ÚNICO no mundo!)seria diferente? Você acharia ÉTICO deputado receber para votar de acordo com um dinheiro recebido?
    Era isso, prezado. Houve SIM, provado e comprovado. Com dinheiro público. Meu, seu, nosso.
    “Trata-se da mais grave agressão aos valores democráticos que se possa conceber. No momento em que a consciência do representante eleito pelo povo é corrompida, a base do regime democrático é irremediavelmente ameaçada.” (PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA, ao encerrar a acusação em mãos do STF).
    Provas: depoimentos, DOCS, TEDS, laranjas, livros contábeis, contratos da SMB&P (com BB, Petrobrás, Furnas, Governo federal (propaganda institucionais sob a responsabilidade de Luis Gushikein), etc.
    Basta, prezado?
    Posso contar com sua colaboração no time dos indignados?

  • Reynaldo-BH

    Pedro, meu amigo.
    Agora quem me surpreende é você. Que sempre foi lógico – mesmo que eu discorde das conclusões – em suas argumentações.
    Este seu libelo contra a imprensa (??!!), sem nenhuma ironia, me assusta e não combina com você.
    É preciso dizer que se existe um escândalo de Cachoeira, Delta, Demóstenes, Agnelo, etc. foi por que a imprensa denunciou? Qual deveria, a seu juízo, ter sido o papel da imprensa neste episódio? Aceitar a argumentação de Rui Falcão que tudo nunca passa de uma farsa?
    Poder Absoluto? Qual? O que permite você discordar, não comprar um jornal/revista(ou não assistir um noticiário), ler as que publicam (?) as versões oficiais? (Nota: em qualquer governo ou situação).
    Por que não se processa os meios de comunicação em busca de eventuais reparações? Por que – na quase totalidade das vezes – quando assim se age, a Justiça não dá razão ao reclamante?
    Qual o impeditivo legal existe para a não existência (ou a não audiência/leitores) de mídias de qualquer segmento? Quantos partidos, facções, sindicatos, movimentos, etc. etc. possuem liberdade para ter o próprio canal de comunicação? E dinheiro para isso! (A maioria financiado pelas empresas públicas do Governo).
    O que se pretende não seria TER VOZ (no que concordo!) e além, IMPEDIR que outros a tenham?
    Você se arriscaria a ser o julgador de quem deveria ser publicado e quem não? Que revista/jornal pode existir e quais não podem?
    Isso não seria um direito de quem lê?
    E a tentativa de julgar se algo é “ideologicamente correto” não é censura?
    A TV Brasil (a famosa TV Traço) não existe? Não é mantida pelo poder público? O jornal O VERMELHO não tem somente anúncios oficiais? A Record não está focada hoje em divulgar o milagre das multiplicações dos peixes do Bispo Crivela?
    De onde você tirou a afirmação que os meios de comunicação devem existir nos sindicatos, movimentos sociais, etc., como SE NÃO existissem?
    Existem em TODOS.
    E por aqui não vi UMA ÚNICA voz pedindo que os mesmos sejam vigiados, censurados e/ou fechados.
    Ao contrário do que – parece – você prega.
    Além de termos uma imprensa sindical (como já temos) é necessário NÃO ter uma outra imprensa?
    Por outro lado, você realmente acredita que o dono da Delta iria dar informações sobre as falcatruas? Que o diretor da ABIN admitiria que a arapongagem (tão abjeta!) continua a pleno vapor? Que o senador dupla-face de Goiás iria convocar a imprensa e dizer das roubalheiras que praticava? Ou seria algum BANDIDO a fazer? Para quem? Para o pipoqueiro da esquina ou para um jornalista? Quem fotografo o Adriano na noite do Rio … frequenta (mesmo que por obrigação profissional) os mesmos inferninhos que o Imperador frequenta. O jornalista Tim Lopes foi morto por estar no território dos bandidos. Seria isto indício que era também um deles?
    Luis Nassif durante muito tempo foi amigo de Delfim Neto, famoso embaixador dos dez por cento, lembra? Isso prova que Nassif também atuava do mesmo modo?
    A Carta Capital entrevistou o tal Paulo Preto, acusador de Serra e Alckmin. Estavam em conluio?
    A Isto É descobriu o motorista Eriberto no caso Collor. Estaria a Isto é tentando derrubar um presidente?
    Ou todos os exemplos citados são somente trabalho de jornalismo investigativo? (Nem cito Bob Woodward com Watergate.)
    Pedro, acho que desta vez você exagerou.
    Abraços.

  • Corinthians

    Setti,
    Realmente a desfaçatez do PT, claro que commandado por Lulla e Dirceu, é incrível. Torcando em miúdos – é muita cara de pau mesmo.
    O pior é que desanima ver certas reações e a enorme quantidade de pessoas que aceitam esta atitude (que aliás não é de agora, já vem de muito tempo atrás), que aceitam estes discursos.
    Se me permite, gostaria de adicionar que, como o próprio Augusto Nunes escreveu, se não houve o Mensalão, por que Silvinho Land Rover, ex secretário-geral do PT, fechou um acordo com a PGR ? Se não houve o Mensalão, por que então a CPI do Mensalão, presidida por um petista (Delcídio Amaral) concluiu que sim houve o mensalão e evidenciou os pagamentos periódicos aos parlamentares governistas ? Se o Mensalão não existiu, por que José Dirceu foi cassado ? O mpior de tudo, e esta eu gostaria que o senhor Rui Falcão respondesse – se não houve Mensalão, por que raios o Delúbio Soares foi expulso do partido ?
    Gostaria de lembrar o senhor Rui Falcão que o partido que vivia a se chamar de defensor da moral e ética era o PT. Gostaria de lembrar o senhor Rui Falcão que chama os partidos comprometidos em combater a corrupção, que ele diz ser o caso do PT, que nem nos tempos de Collor tivemos tanta corrupção como no governo petista, e que não é necessário ter muita idade para saber disso, já que basta lembrar dos casos dos aloprados, dos dólares na cueca, dos ministros demitidos, etc., etc. etc.
    Infelizmente este país chamado Brasil sofre muito da falta de lógica, de falta de caráter, de falta de vergonha na cara mesmo. para piorar, também temos que a maioria não sabe dizer se um ato é certo ou errado somente pelo ato em si – o ato é certo ou errado dependendo de quem é o autor. Com isso racistas são celebrados por uma grande parte das pessoas, atos terroristas são vistos como atos de justiça, roubo é visto como um mal necessário para melhorar o país (como se quem estivesse cometendo o ilícito estivesse se “martirizando” para o nosso bem), mentiras são normais e quem é contra tudo isso só o é por que quer o mal das pessoas, só é contra “o partido” para defender as elites…
    Eu aposto que o mensalão não vai ser julgado a tempo, e a maioria dos crimes irão prescrever – e a maioria cega irá aplaudir.

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Caríssimo Pedro Luiz,

    Tenho-lhe profundo respeito — e você sabe disso –, como leitor, como cidadão e como pessoa. Mas, como leitor atento e já tradicional do blog, para orgulho meu, sabe que não publico críticas à revista VEJA, entre outras razões por não ser o local adequado para isso.

    Críticas ao blog, ao colunista, a suas opiniões, sim, sempre.

    Fui obrigado, portanto, a deletar sua resposta ao Reynaldo-BH que continha observações sobre VEJA — com as quais, diga-se de passagem, não concordo.

    Um grande abraço e espero que você compreenda.

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Amigo Setti:
    Fiz uma critica aos grandes órgãos de informações e não especificamente a Revista Veja.
    A resposta do Reynaldo BH me acusando e usando do verbo”pregar” de pregar contra a liberdade de imprensa,ou ele não leu ou usa de argumento de total má fé contra mim.Não aceito e pior uma acusação torpe,me comparar a um Ditador só o Reynaldo BH – a cada dia o contraditório para ele é motivo de raiva e estigmatização.
    Colunistas não criam notícias as interpretam segundo suas visões políticas e éticas,podemos concordar ou discordar – Jamais mandar calar!
    Anúncios oficiais devem ser distribuidos igualitariamente entre todos os órgãos de informações dos grandes até as chamadas Imprensa Nanica – a Imprensa jamais pode ser oligopólio familiar e nem monopólios de grupos econômicos – ela tem que ser ampla – jornais de todas matrizes ideológicas,de visões economicas – livres para averiguarem noticias e livres para suas opiniões.
    O mesmo de televisão e rádios – hoje em mãos – TODAS!!! em mãos de grandes empresarios,politicos e de grupos econômicos.Como aceitar essa concentração? Tortura Nunca Mais,MST,Movimentos Ecológicos,Quilombolas,Universidades,Sindicatos e qualquer que seja o movimento social – deve ter seu canal de televisão/rádio tanto de TV aberta como fechada – a Constituição reconhece isso como um Direito Legal e Legítimo.Existe alguma TV/Rádio assim? NÃO! e qual a razão de de não existir?que pressões são essas que impedem?
    Odeia a TV Brasil direito legítimo,seu direito(Reynaldo BH) – com traço ou sem traço acho uma rede excelente e lá verdadeiramente assisto a diversidade de opiniões – não aceito a imposição autoritária de ninguem dizer o que é bom ou ruim.
    Quanto ao ideológicamente correto ou politicamente incorreto – só com ampla participação POVO em dabates,opiniões diretas – poderemos dizer o limite do ideológimante/politicamente incorreto seus limites éticos e humanos.
    Sabe da piada da criança a morte pela inanição absoluta e com um urubu ao seu lado na espera da futura carniça?sabe da piada da mulher judia nua no inverno,segurando seu bebê e atrás dela um soldado ucraniano SS aponta seu fuzil para a cabeça dela?sabe da piada da criança,moço(a),velho(a)com cãncer generalizado e a morte?sabe da piada da moça,criança estrupada e depois esquartejada?Para mim piadas criminosas e deveriam seus autores responderem na JUSTIÇA – mais não, estamos moderninhos o politicamente incorreto é engraçado e nem deve ter limites,né?
    O Direito Absoluto só as tiranias desejam – implantam o terror para conseguir a Liberdade Absoluta para tiranizar seus povos e quiçá o mundo.
    Limites,Direitos e Deveres para todas as Instituições do governo e privadas é que rege um sociedade civilizada e democratica.
    Debater, a simples palavra debater o papel da imprensa na sociedade causa terror aos grandes órgãos de comunicações – a palavra debater para eles é motivo de dizer histericamente CENSURA!!!
    Mentira! não querem é deixar que o oligopolio familiar/monopolio de grupos econômicos sejam quebrados para que a pluralidade de notícias e de opiniões seja uma realidade.Os oligopolistas e monopolistas da imprensa desejam apenas é o PODER e usam de todas as armas para isso – até de usarem um bicheiro como fonte de notícias e informações.
    Setti amigo – não fiz nenhuma a critica a nenhum órgão da grande imprensa em particular – e sim geral – aceito e respeito a sua ponderação.
    Qualquer pessoa de boa fé – mesmo discordando aqui ou ali verá que a minha defesa da Liberdade de Imprensa é total, minha colocação é amplia-la cada vez mais quebrando oligopolios/monopolios impedidores da pluralidade das noticias e opiniões.
    Meu grande abraço a voce Setti e meu protesto a resposta do Reynaldo BH.
    Pedro Luiz

  • Euclides Rodrigues de Moraes

    Reynaldo-BH – 16/04/2012 às 21:49
    Euclydes. Toapado! – Como eu esperava, você não tem a menor ideia do fala, vamos lá: 1) O Roberto Jefferson, foi cassado, por ter afirmado que existia o mensalão e nunca, mas nunca mesmo, apresentou uma mísera prova. E não por haver afirmado que recebeu os R$ 4.000.000,00, dos quais não informou o destino. Não houve um único motivo para cassação do José Dirceu, nenhuma mísera prova, por isso será absolvido completamente no Judiciário; e, 2)Não, o Banco do Brasil, não colocou uma ruela, de seus recursos nessa história. Existia uma Empresa, chamada Visanet, que mudou de nome para Cielo atualmente, formada por diversos Bancos, dentre eles o Banco do Brasil, que fez uma campanha publicitária com a SMP&B, logo se o dinheiro foi da Visanet, empresa privada, como o recurso é público. Você responderá, mas, tem a participação do BB, só que ele é acionista minoritário, não é engraçado, o minoritário, sozinho, determina os destinos da empresa, conta outra vai. Onde está escrito que é proibido uma empresa qualquer do Brasil ou do exterior, depende do modelo de licitação, tenha o resultado de uma licitação acusada de suspeita, apenas por que ela ganhou? Uma vez que todos os órgãos de controle, consideraram que não ocorreu, nenhum desvio na licitação e execução do contrato. Outro, ponto que nunca foi contestado, seja por quem for é a existência dos empréstimos bancários que efetivamente foram realizados e pagos. Portanto, fica claro, que dinheiro público, não fez parte dessa história. Dinheiro público, houve, sim no caso do Azeredo em MG, dinheiro de Furnas. Isto posto, espero que ou se informe, adequadamente, antes de escrever sobre esse assunto ou como propus aceite que mensalão nunca existiu. Agora discutir que houve o famoso caixa2, que é uma verdadeira doença, no Brasil, eu concordo, mas mensalão não.

  • Thiago Hart

    Para mim este é o melhor post que você já publicou. Preciso, baseado em fatos e não em versões, fazendo o justo contraste das falas e sem esquecer a história, o tempo. Parabéns.

    Muito obrigado, caro Thiago.

    E volte sempre ao blog!

    Abraços

  • Ismael

    Como é a diplomacia: Hillary Clinton afirmou que a luta do governo Dilma contra a corrupção é um exemplo para o mundo.
    Podiam perguntar para Hillary o que seria de Obama se SETE de seus ministros tivessem de ser afastados do governo por envolvimento em corrupção (sem emncionar o último epsódio do Gangster Carlinhos Cachoeira e suas ligações com a empresa Delta, o PT e seus aliados)? Será que a oposição lá pediria seu impeachment?

  • Reynaldo-BH

    Ao Euclides Rodrigues de Moraes.
    Prezado, começamos a nos entender. De modo tangencial, mas começamos.
    Iniciando pelo fim. Sim, o caixa 2 é uma praga e eu combato esta prática em partidos políticos, empresas, etc. Concordamos.
    Quanto às cassações. Lembro ao prezado que o julgamento da Câmara é político. Como tal, a resposta do falso barítono do PTB foi a dita prova que se esperava. De um cinismo que ajudou ainda mais ao processo de cassação. Quando afirmou que recebeu o dinheiro (portanto, assumindo um crime) e disse que como NINGUÉM admitia sequer a existência do mesmo, ele não revelaria onde foi parar os R$ 4.000K, somente reforçou a necessidade de ser cassado.
    José Dirceu – usando sua linha de argumentação – foi cassado pelos mesmo motivos. Por ter mentido! Caso único em que dois são cassados por darem explicações opostas. E ambos cassados pot terem mentido. De onde se conclui, que um deles falou a verdade! Ou não? Não creio que o argumento da cassação de Jefferson seja prova a favor de José Dirceu assim como não aceito que a cassação deste dê razão a Roberto Jefferson.
    As provas do envolvimento de José Dirceu são amplas e serão expostas no STF. Quem era apontado como “capitão do time”, coordenou a campanha de Lula (onde foi feita a famosa reunião de “apoio” do PTB ao PT), quem estava na Casa Civil responsável pelos contatos políticos com o Congresso (lembra-se de Waldomiro Diniz? Assessor de Zé Dirceu e para que meso?), quem dizia que “tudo passa por mim e nada deixa de ser informado a Lula”, é crível supor (e será provado) que esteve à frente do esquema de irrigação dos deputados, do PT e aliados.
    A questão central é: houve ou não repasse de dinheiro para os deputados? Depoimentos, acareações, TEDs e DOCS existem em profusão. João Paulo Cunha disse que a esposa havia ido a um shopping para pagar uma conta de TV a Cabo. depois admitiu ter ido à filial do Banco Rural. Note-se que a MAIORIA dos repasses foi feita FORA das datas eleitorais. EM pleno funcionamento do Congresso.
    Solicito A VOCÊ que se informe melhor sobre os repasses da Visanet. Não tenho por que me esconder. TRABALHEI na VP de Tecnologia do BB e na Cobra Computadores. A VISANET ERA SIM uma empresa do BB, gerenciada por este e controlada do mesmo modo. Os diretores eram escolhidos pelo BB. Quer que eu dê os nomes? A influência de Berzoinni na Visanet? Não seja inocente ou não se faça de… NENHUMA decisão da Visanet (seja esta de marketing, tecnologia, investimentos, etc) era feita sem o OK e sem a GERÊNCIA do BB. O que era justificável. Afinal o BB possuia a maior rede de atendimento e era responsável por mais de 75% das transações da VISANET.
    Assim como diversos outras coligadas. Houve pagamento SIM. Esta provado (e comprovado) nos autos do processo do STF. Assim o BB colocou MUITAS RUELAS na SMP&B.
    A licitação que me referi foi a da Câmara. E a ligação do “favor” posterior é suspeito. Ou não?
    Empréstimos bancários existiram e foram pagos. Por quem? Com que recursos? Da SMP&B? Insisto: com os recursos de clientes privados (que eram responsáveis por menos de 12%!!! do faturamento da mesma)? Caso de considerar o carequinha um mecenas de esquerda? Foi dado o dinheiro?
    Não seja tão inocente pois tangecia a defesa do indefensável.
    Quanto ao Eduardo Azeredo. Devia estar – ele e a turma dele – na cadeia pelo que fez! Não defendo ratazanas sejam da cor que forem. Acho que o deputado Virgílio Guimarães (que apresentou o Valério ao PT, pelos contatos que dizia ter em Minas) deveria expor o que sabe e ajudar a banir Azeredo da vida pública.
    Por fim, meu amigo, espero que o STF JULGUE. Se for o caso que inocente a todos. Que dê um atestado de honradez a todos. Que considere tudo uma farsa, como disse o Rui Falcão. Que demonstre que tudo não passou de delírio coletivo.
    Mas que tal deixarmos acontecer o julgamento? Por que esta tentativa desesperada (com encontros em Lisboa, etc) de José Dirceu e Márcio Thomas bastos de apostar na prescrição? Fosse eu, gostaria (mais exigiria!) que fosse logo julgado. E não postergado. Ou isso também é uma “falta de informação”?
    Senhor Euclides: nessa o senhor ERROU! Conheço algo de Direito (como ex-promotor), fui do PT e estava em BSB quando esta podridão estourou, trabalhava par e com o BB e acompanhei par e passo o que TODOS sabemos. Deixei BSB quando ficou claro que a utopia era só utopia. E que havia, como tantos, sido enganado.
    O sr. pode estar bem informado. Mas, creia-me, eu também estou.
    A periodicidade da propina, o interregno entre a corrupção pouco me importa. Se mensal, bimestral ou anual.
    O que existia SIM era um esquema de QUADRILHA (quem diz é o Ministério Público e a Polícia Federal) que recebia suborno para comprar votos e consciências de deputados.
    Dê-se o nome que queriam dar. Caixa 2, 3 ou 4! Ou mensalão!
    É crime. E deve ser punido.
    Simples assim.

  • Jefff

    Esse ReyLNada fica tão feliz em ser truculento e sem educação.

  • Reynaldo-BH

    Setti,
    está efetivamente ficando cansativo este falso debate com o Pedro Luiz, a quem sempre respeito pela história de vida que conheço. E continuarei, por isso, a respeitar.
    Em todo debate que aqui travamos – todos, sem exceção – Pedro insiste em me acusar de diversos comportamentos.
    E – pior – esquece o que escreveu e insiste em se julgar o educado e cordato.
    Vejamos, só como exemplo, o último?
    – “argumento de total má fé”. Pedro deveria saber que não uso destes recursos. Mas ele esquece SEMPRE que “pega pesado” de modo repetido. A má fé decorre de um desvio de comportamento. Que leva a tudo o que combato. Não, não sou Demóstenes Torres. Não digo algo e ajo de modo diverso.
    – “a cada dia o contraditório para ele (ou seja, eu) é motivo de raiva e estigmatização.” Sempre vivi, minha vida toda, do contraditório. Pessoalmente e profissionalmente. Até por aqui tenho exercido, de modo respeitável, este comportamento. Seja com outros comentaristas que estão em franca oposição ao que penso. Quem me conhece (e são alguns) sabe como sou e como me comporto. Seja o mestre augusto Nunes, você ou diversos comentaristas destes espaços que tenho o prazer de conhecer pessoalmente, em encontros derivados daqui. É de estranhar que alguém que não mantenho contato há muito tempo, tenha esta visão e insista em expô-la como verdade absoluta. Tem sido assim e isto cansa…
    – “Jamais mandar calar!” Seria no mínimo uma deselegância com o dono do espaço – que nunca foi meu – sugerir que alguém se cale. Quanto mais “mandar”. Nunca mandei sequer minha filha CALAR! Em casa, adotamos o “porque não, não é resposta!” Desde criança ela aprendeu isto. Não seria fora de casa que agiria de outro modo.
    – “Odeia a TV Brasil”. Agora o Pedro usa palavras (odeia) de uma intensidade terrível. Ódio é o pior dos sentimentos. E se arvora em intérprete dos sentimentos alheios. Não tenho ódios por ninguém e – só se fosse doente – por uma empresa seja esta um veículo de mídia ou uma oficina mecânica. O que eu afirmo é que a dita TV foi criada como canal de comunicação oficial. Justo. Que tem jornalistas alinhados com o pensamento oficial. Natural. Que sobrevive das verbas federais. Compreensível. E que dá traço de audiência. Um mistério. E espero não ser obrigado a ver a TV Brasil podendo exercer meu direito de escolha. Daí para ódio a distância é imensa.
    -As outras argumentações são válidas e decorrentes da visão que cada um tem, ideologicamente. Respeito. Não cabe aqui comentar. Já que o debate é inviável.
    Quando disse no meu comentário ao Pedro sobre a linha que entendi como sendo de uma insatisfação total com a imprensa no Brasil, tive o cuidado de ressaltar que era uma IMPRESSÃO, dando até espaço para que um simples NÃO colocasse as coisas na ordem desejada. Senão, vejamos: “Ao contrário do que – parece – você prega.” O uso de “parece” indica a FALTA DE CERTEZA, a impressão que ficou e até o erro de interpretação. Diverso de “acusação torpe” e chamar de “ditador”. Baseado nesta colocação que fiz? Entendo – mais uma vez – como exagero.
    Tem sido assim de modo constante. A propriedade de verdades absolutas não faz parte de meu arquivo. O contraditório sempre estabeleci, até em temas ainda mais afeitos a discordâncias. Tenho AMIGOS (pessoais e de contato permanente) que são do PT. Alguns deles, TRABALHAM para o Governo Federal. E mantenho com os mesmos, a melhor relação, mesmo – e cada vez mais – na discordância.
    Não preciso ficar aqui expondo ainda mais o que sou ou penso. O que escrevo por cá, fala por mim. E o que cada um escreve, é o espelho do que é.
    Setti, não vou deixar de estar por cá. Nem aqui, nem no Augusto. Não vou deixar de colocar meus comentários e nem de discordar de você – como já fiz por vezes – ou concordar, como na maioria delas.
    E creio – sinceramente – que as posições do Pedro Luiz (opiniões, visões, apaixonadas defesas e integridade pessoal) mais que o credencia a ser um dos excelentes comentaristas deste seu espaço. E esta é uma opinião pessoal minha, não pedida e desnecessária. Só a faço para não ser “acusado” de censor, direitista raivoso, usuário de má-fé, etc. Seja por quem for.
    Para que não tomemos espaço com estas discussões inócuas, vou evitar me reportar a qualquer comentário do Pedro Luiz. Não há sentido algum nisto. Só desgaste. Podemos estar neste espaço – nós todos, sem exceção – exercendo o livre direito de expor ideias e ter/manter contatos (com discussões como as tive e tenho com dezenas de outros colegas por aqui, e que queriam debater) sem que isto descambe para esta situação que – sei – te incomoda.
    Minhas desculpas sinceras e vamos em frente!
    GAME OVER!

  • Ismael

    Os comentários do Sr Reynaldo são absolutamente lúcidos e respeitosos. Onde já se viu defender medidas como as que Cristina Kirchner implantou, impedindo o alcançe nacional de uma imprensa que sobrevive de publicidade privada? chamar isso de democratização? Deixe o governo, qualquer governo, ser o único agente nacional e teremos a imposição de um pensamento, ainda mais quando este governo faz as vezes de maior agente capitalista do mercado, como é o caso do Brasil ou da Argentina.
    Essa postura ideológica é a defesa clara de um Estado autoritário, o que não pode ser confundido com uma acusação pessoal de ser um ditador. Para provar que não se trata de uma acusação, mas de uma crítica, experimente colocar-se do lado oposto, isto é, de ser um órgão de imprensa de oposição, que não recebe prebendas de empresas estatais, de esquerda contra um governo de direita, como era o Pasquim. O Pasquim sobreviveu graças a seus leitores e seu alcançe nacional, apesar da censura. Aliás, como disse o Jaguar, não seria o mesmo se não fosse a ditadura. Acharia mesmo muito engraçado desitribuir a Veja na feira disfarçada de embrulho de alfaçe. Esse é o mundo dos sonhos dos defensores dessa tal imprensa “com limites”

  • Reynaldo-BH

    Mesmo correndo o risco de ter, de início, o artigo abaixo desqualificado (afinal é de Dora Kramer, jornalista que trabalha para a dita grande imprensa), creio ser de uma oportunidade ímpar. Como adendo ao que aqui se debate e como demonstração da não-farsa que foi o mensalão. Vale a pena a leitura.
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    DORA KRAMER

    A ideia de Lula e companhia de convencer a sociedade em geral e o Supremo Tribunal Federal em particular de que as ocorrências registradas sob a rubrica “mensalão” não passaram de uma urdidura da oposição mancomunada com a imprensa municiada de informações por bandidos sofre de um erro de origem.

    Para se concordar com a tese é preciso aceitar por consequência que a Procuradoria-Geral da República que ofereceu a denúncia em 2006 e o Supremo Tribunal Federal que no ano seguinte houve por bem transformá-la em processo, são cúmplices de uma farsa e, portanto, farsantes.

    Antes de se cometer uma leviandade dessa dimensão conviria aos interessados fazer a leitura, senão das 136 páginas ao menos das 12 primeiras nas quais o então procurador-geral Antonio Fernando de Souza resume o que as investigações o levaram a concluir.

    O procurador começa descrevendo a cena deflagradora do escândalo: um diretor dos Correios (Maurício Marinho), gravado em vídeo em conversas “para ilicitamente beneficiar um suposto empresário interessado em negociar com os Correios, mediante contratações espúrias, das quais resultariam vantagens econômicas tanto para o corruptor, quanto para o grupo de servidores e dirigentes da ECT que Marinho dizia representar”.

    Prossegue o procurador relatando como o então presidente do PTB e deputado, Roberto Jefferson ─ “acuado, pois o esquema de corrupção e desvio de dinheiro estava focado num primeiro momento em dirigentes dos Correios indicados pelo PTB” ─ forneceu os detalhes iniciais, “esclarecendo que parlamentares que compunham a base aliada recebiam, periodicamente, recursos do Partido dos Trabalhadores em razão do seu apoio ao governo federal, constituindo-se o que se denominou como mensalão”.

    A atuação, segundo consta da denúncia, ocorria de duas formas: o loteamento político dos cargos públicos, o que Roberto Jefferson denominou “fábricas de dinheiro”, e a distribuição de uma “mesada” entre os parlamentares.

    “Relevante destacar, conforme será demonstrado nesta peça, que as imputações feitas pelo ex-deputado Roberto Jefferson ficaram comprovadas”, aponta Antonio Fernando de Souza.

    Segundo ele, o cruzamento de dados bancários e a quebra de sigilos “possibilitaram a verificação de repasses de verbas a todos os beneficiários” relacionados no inquérito. “Na realidade, as apurações foram além, evidenciando engendrados esquemas de evasão de divisas, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro”.

    No trecho mais conhecido, no qual se destaca a expressão “sofisticada organização criminosa”, o procurador ─ baseado no “conjunto probatório do presente inquérito” ─ traça o retrato da “estrutura profissional montada para a prática de crimes como peculato, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, gestão fraudulenta além das mais diversas formas de fraude”.

    Cita nominalmente José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoino e Silvio Pereira (já excluído do processo) como responsáveis, na condição de “dirigentes máximos do partido”, por desvios cujos objetivos eram “negociar apoio político, pagar dívidas pretéritas do partido e também custear os gatos de campanha e outras despesas do PT e dos seus aliados”.

    Tudo isso para “garantir a continuidade do projeto de poder do Partido dos Trabalhadores”.

    Os detalhes de como foi feito isso, a descrição minuciosa de ações, dos mecanismos utilizados por intermédio do dito publicitário Marcos Valério para atender à “demanda criminosa”, o conluio com bancos privados, com dirigentes de empresas estatais estão expostos nas 136 páginas da denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República.

    Peça aceita pelo STF não como fator de condenação, mas como conjunto de indícios suficientemente robustos para a abertura do processo.

    No julgamento os ministros do STF podem até concluir pela falta de provas bastantes contra os réus. Pode inocentá-los ou deixá-los impunes por força de prescrição de penas. Mas de burla com toda certeza não se pode qualificar a narrativa em tela.
    >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
    Difícil ser mais didático ou direto. Sem ilações, Só com fatos.

    Tão bom que vou publicar no blog, caro Reynaldo.

    Abração

  • RONALDE

    Se foi uma farsa, por que Zé Dirceu, acusado de chefe da quadrilha por Roberto jefferson, foi defenestrado da Casa Civil e não voltou?
    Lula afirmou que ao deixar o governo se dedicaria a desmascarar a farsa do processo do mensalão. Não teve tempo até agora?

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Reynaldo Bh :
    Não existe um post ou se existe é raro seu onde qualquer que seja o assunto é levado ao Partidarismo – “PT é isso e toma de xingamentos,o Dirceu e petistas aquilo…”Suas posições se perdem quando a qualquer assunto partidariza.
    Vamos por pontos e assim você começou:
    “Este seu libelo contra a imprensa (??!!), sem nenhuma ironia, me assusta e não combina com você.”
    Libelo contra a Imprensa? onde cara?a Democracia ,Livre Imprensa,Livre Opinião e principalmente a defesa da Liberdade foi sempre que PREGUEI e continuo PREGANDO aí sim valore4s sagrados – já começou dizendo que fazia um libelo contra a imprensa – e torno a repetir – Ou não leu o que escrevi,ou usa de má fé na interpretação do que escrevi.Em nada que escrevi me citei a Partidos nenhum.
    Minhas palavras:
    “Nunca aceitei e nunca aceitarei o tal do Direito Absoluto da Liberdade da Imprensa.
    Direito Absoluto é o sonho dos Ditadores,dos Corruptores e dos Corruptos para viverem eternamente em seus paraisos da impunidade.
    O envolvimento de Carlinhos Cachoeira com Politicos,Juizes,Instituiçóes e a IMPRENSA!!!é apenas a ponta do iceberg.
    Destilar ódio contra PT,PSDB,DIRCEU,DEMÓSTENES… é de uma ingenuidade que me espanta – Quero e Exijo saber o envolvimento de Partidos,Politicos,Poder Judiciario,Poder Legislativo,Poder Executivo e principalmente o PODER da IMPRENSA com os Grupos Economicos Legais e Ilegais!
    O Papel da Imprensa é o pior de todos – pois é o que manipula,esconde,distorce a Informação que é um Direito de Todos – é um Crime Hediondo,é um Crime Contra a Humanidade pois nos escravisa nos submetendo a Poderes Economicos Legais e Ilegal.”
    “É preciso dizer que se existe um escândalo de Cachoeira, Delta, Demóstenes, Agnelo, etc. foi por que a imprensa denunciou? Qual deveria, a seu juízo, ter sido o papel da imprensa neste episódio? Aceitar a argumentação de Rui Falcão que tudo nunca passa de uma farsa?”
    Leia!e leia outra vez – Quero e Exijo o tamanho da participação do Crime Organizado – nos legislativos,Judiciários,Executivos e na IMPRENSA.
    Reynaldo BH suas palavras:
    “Cachoeira, Delta, Demóstenes, Agnelo, etc. foi por que a imprensa denunciou?”
    Demóstenes envolvido mas Agnelo também está – disse que era e repito é uma posição ingenua transformar um assunto em que Instituições Publica/Privadas e a IMPRENSA envolvidas com o Crime Organizado – os envolvidos julgado e punidos – quero as Instituições Publicas e a IMPRENSA – sérias ,limpas
    e nisso que deveríamos debater.
    Você:
    ” Aceitar a argumentação de Rui Falcão que tudo nunca passa de uma farsa?”
    Rui Falcão é líder do PT e que diabos tenho eu haver com o PT e Rui Falcão – desviar o assunto?
    Quero e exijo saber a participação dos Executivos,Legislativos.Judiciário e a IMPRENSA com o crime organizado – Rui Falcão? tás de brincadeira comigo?que tenho a dizer o que ele fala ou não?
    Por aí vai você – ou não entendeu o que escrevi ou usa de má fé na interpretação.
    O Direito Absoluto da Imprensa é o que pedem Milleniun,ANJ entidades PATRONAIS.
    O Direito Absoluto e Sagrado da Propriedade é o que pedem os Grandes Latifundiários Rurais e Urbanos.
    Direito Absoluto é o que as tiranias fazem para se manter para escravizar seus povos e outros.
    Qual a ideologia em defender a pluralidade?justiça de acesso as terras, meios de comunicação – a Liberdade?onde esta meu interesse ideológico?
    Pretende fazer um INTERROGATÓRIO?
    Por fim nunca mandei calar ninguém – você afirmou:
    “O que se pretende não seria TER VOZ (no que concordo!) e além, IMPEDIR que outros a tenham?
    Você se arriscaria a ser o julgador de quem deveria ser publicado e quem não? Que revista/jornal pode existir e quais não podem?
    Isso não seria um direito de quem lê?
    E a tentativa de julgar se algo é “ideologicamente correto” não é censura?”
    Disse que “Jamais calaria alguém” e você afirm que pretendo fazer você calar?Ora Reynaldo BH entra mais uma alternativa: não leu o que escrevi,usa de má fé ou deturpa para se fazer de vítima.
    Aqui é um local democratico: suas opinióes como as minhas e de todos são criticaveis e seja leal ao me criticar.
    Pedro Luiz

  • Reynaldo-BH

    AGAIN, GAME OVER!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    ReynaldoBH?
    Game Over para vocë – sua opiniáo aqui vai ser apoiada ou contestada como as demais.
    Pedro Luiz

  • Reynaldo-BH

    GAME OVER. (Sem comentários).

  • Corinthians

    Pedro Luiz Moreira Lima – 16/04/2012 às 19:04

    Você colocou:
    “Nunca aceitei e nunca aceitarei o tal do Direito Absoluto da Liberdade da Imprensa.
    Direito Absoluto é o sonho dos Ditadores,dos Corruptores e dos Corruptos para viverem eternamente em seus paraisos da impunidade.”
    Antes de mais nada eu gostaria de saber a diferença entre direito, no sentido comum da palavra, e o que você considera direito absoluto. Para mim ou é um direito, ou não é, não temos variações de intensidade.
    Qualto ao resto da colocação, acho que a lógica se dá que, por você ser contra o “direito absoluto” da imprensa (e também pela maneira que você escreve), quer dizer que você é contra a imprensa ter liberdade de publicar o que bem entender e de prover a opinião que queira. Sendo assim, a única maneira de evitar este tipo de coisa seria ter uma comissão, ou grupo, que previamente verificasse o tipo de coisa que seria publicada, correto ? Como você faria neste caso ?
    Ah, e se me permite um adendo – liberdade de imprensa por incrível que pareça é coisa de “ditaduras” como EUA, Inglaterra, Alemanha, Israel, Canadá, Irlanda, Itália, Espanha, etc. que acabam por denunciar os casos que encontram – seja de corrupção, seja de outros crimes, enquanto que as “democracias” como Cuba, China, Coréia do Norte, tem a verdade oficial, estatal, e lá praticamente não existe corrupção e o povo vive em um grande bem estar…

  • Reynaldo-BH

    Ao Euclides Rodrigues de Moraes – 17/04/2012 às 13:24.
    Peço paciência ao sr. pela extensão. Como foi–me dito que deveria me informar melhor sobre os fatos, assim o fez. Na verdade, fui aos arquivos rever o que já havia lido. E que havia sido base do que disse.
    Bem, trata-se especificamente (não vou lhe cansar com o restante da peça) das “ruelas do Banco do Brasil.
    ======================================
    “Em relação à empresa DNA Propaganda Ltda., os
    Analistas do TCU apuraram que desde a sua primeira contratação, ocorrida em 22/03/2000, a empresa, por seus dirigentes, vem se beneficiando, com a total conivência dos responsáveis pela contratação, o Gerente Executivo de Propaganda e Diretor de Marketing do Banco do Brasil, de valores concernentes a descontos e bonificações que, contratualmente, pertencem ao próprio banco e que são indevidamente desviados em benefício da agência de publicidade. O contrato de publicidade do Banco do Brasil, firmado com a DNA Propaganda e com as demais agências, reveste-se de características que tornam a contratação totalmente desvantajosa para a
    administração pública, possibilitando o desvio de recursos públicos em benefício de terceiros, bem como o pagamento indevido de serviços que não
    foram prestados pela agência de publicidade contratada, entre diversas outras ilicitudes.O procedimento de pagamento dos fornecedores
    subcontratados durante a execução do contrato de publicidade é feito da seguinte forma: o Banco do Brasil, contratante, repassa à agência de
    publicidade o valor total do serviço, ou seja, a importância devida aos fornecedores subcontratados pela própria agência, acrescido dos seus
    honorários. A agência de publicidade efetua o pagamento a esses fornecedores.A apuração do TCU, resultante, inclusive, de diligências realizadas junto a alguns dos fornecedores subcontratados pela DNA Propaganda, revelou que referida empresa, durante a execução dos contratos de publicidade mantidos com o Banco do Brasil, desviou em proveito próprio, no mínimo, R$ 4.275.608,92.
    A análise técnica teve como base: notas fiscais emitidas pela agência contra esses fornecedores para cobrança do chamado “bônus ou bonificação de volume”; notas fiscais da agência emitidas contra o Banco do Brasil para cobrança dos serviços prestados; notas fiscais de faturamento de fornecedores, entre outros documentos. Do montante acima, R$ 2.923.686,15 referem-se a pagamentos de bonificação efetuados pelos fornecedores à DNA Propaganda no período de 31/03/2003 a 14/06/2005, durante a gestão de Henrique Pizzolato na Diretoria de Marketing do Banco do Brasil. O desvio desses recursos efetivou-se porque os dirigentes do Banco do Brasil responsáveis pelo acompanhamento e fiscalização do contrato, em conluio com o grupo de Marcos Valério, permitiram que a agência de publicidade cobrasse do fornecedor subcontratado a comissão denominada “bônus de volume” que, no caso de ambos os contratos firmados com o Banco do Brasil, deveria ser integralmente devolvida ou mesmo descontada da fatura emitida pelo fornecedor contra o banco.Os preços praticados pelos fornecedores já incluem o valor dessa bonificação e ambos os contratos firmados entre a DNA Propaganda Ltda. e o Banco do Brasil, em março de 2000 e setembro de 2003, possuem cláusulas que expressamente estabelecem a obrigatoriedade de a
    agência de publicidade transferir, integralmente, as bonificações e demais vantagens obtidas na negociação para o Banco do Brasil.
    O montante de R$ 4.275.608,92, não atualizado,
    desviado em benefício do grupo de Marcos Valério, refere-se unicamente às notas fiscais localizadas pela auditoria do TCU. A análise do volume de serviços subcontratados pela agência DNA Propaganda, passíveis de cobrança do chamado “bônus de volume”, indicou que no período contratado, ou seja, 22/03/2000 a 27/09/2005, o desvio pode alcançar a cifra de R$ 37.663.543,6998.
    No que concerne ao Banco do Brasil, o desvio desses
    recursos foi efetuado pelo Diretor de Marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, responsável direto pelo acompanhamento e execução do contrato e
    pleno conhecedor das cláusulas contratuais que obrigavam a transferência da comissão “bônus de volume” ao banco contratante. Do lado beneficiado, constam Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz e Rogério Tolentino, responsáveis pelas mpresas do núcleo Marcos Valério.Henrique Pizzolato desviou os valores em prol do grupo liderado por Marcos Valério, pois tinha pleno conhecimento que citada
    quadrilha aplicava os valores correspondentes à comissão BV em benefício do núcleo central da organização delitiva, caracterizando um dos mecanismos para alimentar o esquema criminoso ora denunciado.Como será detalhado no item seguinte, Henrique Pizzolato tem profunda ligação, principalmente na área de finanças, com o Partido dos Trabalhadores, razão pela qual participou do crime de peculato ora narrado. Sua indicação para um cargo estratégico dentro das pretensões
    da organização criminosa foi fruto dessa vinculação.”
    (AÇÃO PENAL 470 – PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA – MP / DR. ANTONIO FERNANDO SILVA).
    >>>>>>>>>>>>
    Prezado Euclides, afinal, quem está desinformado?

  • fpenin

    Lula sempre foi incoerente. Um dia dizia uma coisa, no outro se contradizia, dependendo da dose de marvada ingerida. Da mesma maneira, Silvinho Land Rover resolveu prestar contas à justiça, cumpriu pena VOLUNTARIAMENTE, mas agora -surpresa- descobriu-se, graças à cara-de-pau de Lula, que não há móvel para o crime, portanto, crime não há.É um caso ímpar em toda a justiça -MUNDIAL.Eu acho, Setti, que determinadas coisas são um consueto. Sabe aqueles caras que vão à sua casa ou à sua empresa e, ao final do papo, se despendem com o conhecido “desculpe qualquer coisa”, sem nada terem feito para desculpar-se? Mutatus mutandis, pode ser o caso do cara-de pau…

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Amigo Corinthians:
    Quando digo Direito Absoluto é o direito sem limites,o direito do qual nada pode se opor.
    Num debate no Observatório Nacional na TV E, de lado um representante do Sindicato dos Jornalistas e do outro lado representante do patronal – ANJ.
    Debatiam a Lei dos Médios – quero lembrar que o debate sobre a Lei dos Médios começou no segundo governo de FHC e continuando até o final do segundo governo Lula.
    As convocações eram feitas por jornais e pela internet – entre as grandes redes a TV Bandeirantes foi participante e atuantes nos debates.
    No Brasil inteiro propostas eram levantadas e votadas,um processo democrático e com ampla participação de entidades e povo.
    Quando foi apresentado uma Proposta da Lei dos Meios de Comunicações, o Grupo O Globo que não participou e ignorou todo o processo BERROU:CENSURA!!!sem discutir ou debater a proposta.
    O Globo com editoriais diários na TV e jornais,aliados a outros grandes grupos de comunicações entraram no mesmo processo do discurso de CENSURA!!!
    Mentira, a Lei dos Meios de Comunicações,diz como se evitar o controle/monopólio das redes de comunicações,a participação do povo nas programações,direito de resposta… enfim nada fala de CENSURA,PROIBIÇÃO como os oligopólios e monopólios de comunicação apregoam.
    Quando uso o termo de Liberdade Absoluta é nesse sentido – sem limites,sem deveres e um Direito Absoluto.
    Voltando ao debate do Observatório da Imprensa – sentindo a falta de argumentos para dizer que a lei era de censura o representante patronal interrompeu o outro debatedor – “Defendo o Direito Absoluto e Sagrado da Liberdade de Imprensa!!!”o jornalista sindical surpreso retrucou – “Direito Absoluto e Sagrado da Imprensa?nenhuma Instituição tem Direito Absoluto e muito menos Sagrado – todos tem deveres ,direitos e limites numa sociedade – somente as Ditaduras lutam para terem Direitos Absolutos a custa de eliminar o Direito da Sociedade.”
    Perdido totalmente em seus argumentos, o representante patronal,encerrou o debate sempre com o mesmo argumento CENSURA!CENSURA! quase histérico.
    Entendeu amigo Corinthians,quando digo que Direito Absoluto é se colocar acima de qualquer lei e limite?
    Não é uma posição ideológica mas sim o debate de uma Lei – estipulando direitos,deveres e limites da imprensa – debatido amplamente e abertamente na sociedade e em todo o Brasil.
    Espero que tenha sido claro – sou democrata,defendo a pluralidade de opiniões e contra qualquer tentativa de impor um PENSAMENTO ÚNICO.
    Abraços
    Pedro Luiz

  • Jaciara

    Críticas a VEJA aqui, não. Dirija-se ao diretor de Redação: veja@abril.com.br

    Se quiser criticar o blog ou o colunista, e não ofender, esteja à vontade.

  • Corinthians

    Pedro Luiz Moreira Lima – 19/04/2012 às 23:14
    Pedro,
    Gostaria de elogiar este seu comentário, acredito ser este um dos melhores que já recebe de sua parte.
    Também peço desculpas pela demora na resposta.
    Entendi o que você colocou, mas ainda assim devo discordar de alguns pontos.
    Toda e qualquer lei deve ser discutida, exceto uma que preveja (ou abra uma porta) para a censura.
    Querer acabar com oligopólios, aumentar a participação popular, tudo isso é ótimo – desde que sem censura.
    Vamos lembrar aqui que o verdadeiro denominador comum de todas as ditaduras, sem exceção, é a censura. Censura, no sentido estrito da palavra é impedir a publicação ou manifestação de um fato ou idéia. É uma ação prévia.
    Propor, como foi proposto e continua a ser proposto, que exista um conselho para verificar a programação e permitir ou não que algo seja publicado/manifestado – seja de “notáveis”, ou seja popular – o tal “controle social da mídia”, é censura.
    O Nazismo começou assim, o Fascismo, o Comunismo, as Ditaduras Militares – todas colocaram a censura sempre como um “bem” da população – fosse para proteger o país, fosse para proteger terceiros.
    Censura é inaceitável.
    Quer discutir a lei, que se discuta, não há problemas – basta retirar propostas como este “controle social da mídia” de lá. Infelizmente podemos ver que não é isso que o governo e as ONGs querem, pois entra proposta, sai proposta, e temos incluído um mecanismo de censura – até no Plano Nacional de Direitos Humanos isso foi incluído, uma piada macabra.
    E censura não pode ser discutida – tem que ser eliminada.
    Eu defendo o direito absoluto de liberdade de imprensa e de expressão. Digo não à censura.

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Corinthians:
    Concordo com você – não sou um conhecedor profundo do projeto da Lei dos Meios – lembrar que é uma proposta e não definitivo.É necessário que os grandes órgãos de comunicações coloquem o tema em evidência para debates e não em Editoriais.
    Quanto a censura totalmente de acordo – os grandes órgãos de comunicações repetem a palavra CENSURA HISTÉRICAMENTE mas não o debate infelizmente.
    Abrços
    Pedro Luiz