Image
Santos: pré-sal traz progresso, mas também dúvidas (Foto: viajeaqui.abril.com.br)

Por ora, tudo é festa.

Fala-se que o início da exploração da camada de petróleo do pré-sal pela Petrobras vai gerar perto de 50 mil empregos na cidade de Santos (SP) e região.

Fala-se em investimentos perto dos 50 bilhões de reais em infraestrutura, sem contar a possibilidade de a presidente Dilma — que está perdendo a paciência com o custo Brasil — partir para a privatização do porto, o mais movimentado do país.

O fato, porém, é que não se sabe o que esse surto econômico vai acontecer com a qualidade de vida de uma das cidades mais agradáveis do país — relativamente pequena, com 420 mil habitantes, mas nada provinciana, com a praia enfeitada pela maior área ajardinada do mundo em extensão, 8 quilômetros, boa infraestrutura, clima excelente, bem servida de universidades, colégios, hotéis, cinemas, teatros e restaurantes.

O lançamento, dias atrás, de um colossal edifício de apartamentos de luxo com 40 andares frente ao mar, o dobro da média dos prédios mais altos da orla, dá uma ideia do que poderá vir a ocorrer.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + doze =

Nenhum comentário

Silas S. Carvalho em 21 de março de 2012

Ao comentarista "Corinthians" de ontem às 16:37hs: Respeito a tua opinião, mas dela ouso discordar. Não há inclinação da foto inteira, mas apenas no prédio que aparece em primeiro plano. Compare o primeiro e o segundo prédios, e você verá que eles não estão alinhados. Repare na diferença de alinhamento entre ambos na base e no topo que perceberá uma inclinação de pelo menos três metros.

Pereira em 21 de março de 2012

É um artigo interessante que pode servir como base para a discussão da divisão dos royalties. Será que os estados e municípios próximos às bases de exploração merecem ser igualados àqueles que não passarão por estes problemas? Vide Macaé no Rio de Janeiro, hoje uma cidade inchada, violenta e com um custo de vida altíssimo.

Marcondes Witt em 20 de março de 2012

Basta haver lei municipal que limite a altura dos prédios em seu território que não poderão ser construídos novos prédios acima de determinado patamar. Se a atual lei municipal autoriza torres desta altura, nova lei limitará, simples assim.

Brasil 2022 em 20 de março de 2012

Parem de falar em pre-sal, como, santista eu digo, estão inflacionando cidade. Dilma Leva esse p...de porto pro Nordeste"! lá que está bom, crescendo bom. Vcs não leem a Exame.com??? A taxa de homicidios aqui é menor que N. York!!! www.ssp.sp.gov.br

Tuco em 20 de março de 2012

. Pré-sal... Que piada! Há muita gente que não tem o que fazer. Sequer há uma tecnologia viável para a exploração desse tipo de extração. Dias atrás o prefeito de Santos disse tantas bobagens num encontro com cientistas que ficou patente ser um ingênuo ou mais um aproveitador. Eu voto no número 2. .

Corinthians em 20 de março de 2012

Silas S. Carvalho - 20/03/2012 às 14:12 Silas, Pode verificar, a foto inteira está inclinada - inclusive as montanhas ao fundo. Essa aparência de que tudo está inclinado em relação ao mar ocorre somente por que não conseguimos ver nesta foto a linha do horizonte entre o céu e o mar - aí como a foto foi retirada com uma pequena inclinação fica parecendo que tudo vai cair, mas é só ilusão.

Silas S. Carvalho em 20 de março de 2012

Caro Ricardo, boa tarde. Tenho a nítida impressão de que este prédio que aparece em primeiro plano está inclinado para o mar. Se algum engenheiro ler este meu comentário, por favor, esclareça se há algum risco para os moradores. Grato.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI