Se duvidam que Obama nasceu nos EUA, por que ele não mostra sua certidão e pronto?

Amigos, alguns leitores da coluna estranharam o fato de o presidente americano Barack Obama deixar correr solta a campanha dos chamados birthers, uma coligação de malucos de todo gênero que acha ele é um estrangeiro que não nasceu nos Estados Unidos e, portanto, não pode ser presidente nem comandante supremo das Forças Armadas, já que para isso ser cidadão nato é exigência da Constituição.

Essa turma, a meu ver com inconfundível fundo racista, quer que o presidente mostre sua certidão de nascimento. A ele se juntou o bilionário espertalhão Donald Trump, que pretende ser candidato a presidente — contra o democrata Obama, portanto — nas eleições de novembro do ano que vem.

Ora, perguntaram os amigos desta coluna, porque Obama não mostra e pronto?

Acho que o presidente está totalmente correto.

Dar crédito a essa turma, ter que provar o que ele sempre foi – há registros de seu nascimento disponíveis na maternidade em que nasceu, conforme mencionei no post anterior, e até o governador de seu nativo Havaí, amigo dos falecidos pais do presidente, já disse que o conheceu como bebê recém-nascido – como se fosse um suspeito de delinquência é evidentemente algo a que um presidente de um grande país não pode se submeter, de forma alguma.

Além do mais, tudo sobre os candidatos à Presidência é previamente checado por diversos organismos do governo, começando pelo FBI. Ele foi um candidato legítimo, que passou por todos os crivos exigidos pela Constituição e pela lei.

Acho que o escritor texano Mark Wittington, articulista frequente de jornais como The Washington Post, USA Today e Los Angeles Times, matou a charada do aspecto legal da coisa com um bem humorado e fundamentado comentário:

— Infelizmente, para os birthers, não faz diferença se Barack Obama nasceu no Havaí, no Quênia ou no lado oculto da Lua. De acordo com o Titulo 8 do Código dos Estados Unidos, seção 1401, Obama é um cidadão nato dos Estados Unidos porque sua mãe, Stanley Ann Dunham, era uma cidadã dos Estados Unidos na época de seu nascimento.

O Código de Leis dos Estados Unidos da América, também conhecido como Código dos Estados Unidos, é uma espetacular instituição que existe nos EUA e que o Brasil deveria imitar. Trata-se de uma compilação codificada de todas as leis federais em vigor no país, gigantesca mas muito bem organizada e fácil de consultar, editada a cada seis anos por um órgão da Câmara dos Representantes, o Gabinete do Conselho de Revisão Legal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − 3 =

28 Comentários

  • Bambu

    Estão fazendo com Obama o mesmo que fizeram com Dilma quando disseram que ela não era brasileira. E olha que conheço gente que se diz escritor que acreditou. É lamentável, não?

  • Carlo Germani

    Caro Setti,
    Já afirmei por várias vezes,aqui no seu blog,que lhe considero um exemplo de jornalista de extrema competência.Agora,você está totalmemnte equivocado ao conceituar a mim e a todos os que questionam o passado sórdido e sempre vinculado a extrema esquerda mundial de Barack Obama,de racistas.
    Ocorre caro Setti,que a real “missão” do farsante Obama a grande imprensa não escreve uma linha.
    Quem ouviu falar de Obama antes da “campanha”
    presidencial de 2008? Ninguém.Obama é um produto
    elaborado e eleito pelos “senhores donos do mundo”
    (dinastias de megabanqueiros sionistas financeiros),para destruir os EUA,e implantar o projeto satânico da Nova Ordem Mundial (governo ditatorial único mundial).
    Quanto ao bloqueio documental de Obama,as certidões de nascimento não foram as originais e sim documentos resumidos digitalizados atuais.
    Um fato que fundamenta o que questiono,é a morte
    de sua avó materna,que afirmou a uma rede de TV,que Obama não nasceu no Havaí,e sim,no Quênia,em
    Mombaça.Obama na campanha visitou sua avó,e poucos dias após ela “morreu”.Interessante não.
    Se você conceitua Obama de Estadista,só pode ser vaidade do defeito,porque ele não passa do maior engodo da política americana.Nos próximos dias o mundo terá novidades sobre o tema.Aguardemos.
    PS-Quanto a Donald Tramp,é repetir o mesmo conceito de Obama,um vigarista total.
    PS2-Existem 2 países que estão impedindo a concretização da satânica Nova Ordem Mundial:EUA e
    Israel.Em poucos meses,os EUA,via FED (Federal Reserve-banco privado ilegal),procederá a extinção
    do dólar.Como consequência o caos generalizado nos
    EUA (falências industriais,financeiras,desemprego em massa,hiperinflação,desabastecimento,caos social,lei marcial,campos de concentração (já tem
    centenas prontos em todo o território americano),
    fim das liberdades individuais e coletivas,fim da
    democracia e a implantação de um governo ditatorial e fascista,pela fraude Obama e todos os
    que lhe tem poder.Obama está lá para decretar a morte da “águia”.

  • Agejota

    Caro Setti, sua idéia de o Brasil imitar o “Código” dos americanos seria boa se não indicassem os mensaleiros prá redação final. Se eles comandam as comissões de ética no país, podemos esperar sempre o pior. Brasileiros preferem imitar coisas “geniais” dos EUA, como o RAP, calça com cueca aparecendo e massacre nas escolas … pobres de nós.

  • Paulo Bento Bandarra

    Eu acho que nós temos muito mais do que aprender com eles do que ensinar.

  • Corinthians

    Setti,
    Concordo com você que esta campanha é sórdida, ridícula, absurda. Mas racista acho que já é exagero.
    Afinal a base da mesma diz que se Obama não nasceu nos EUA, não pode ser presidente – uma discussão jurídica.
    Devo citar Reinaldo aqui, liberdade de expressão ou é total ou não é liberdade – não existe meia liberdade. Ninguém reclamou do Obama ser negro, incitou a violência contra uma raça ou religião ou condição nesta campanha, portanto não pode ser considerada racismo. As pessoas podem dizer o que acham, mesmo que isso seja um absurdo – aqui mesmo no Brasil vivo escutando que socialismo e comunismo são o “caminho” da verdadeira democracia e que vai salvar o Brasil … mesmo sendo os reigmes que mais mataram (e matam) pessoas no mundo, escutamos isso, o que é um absurdo, mas liberdade de expressão é isso aí. Ou também seria racismo mostrar que Dillma fez sim parte de grupos terroristas armados que assassinavam pessoas, muitas delas inocentes ?
    Não gosto do Obama, desde a época de sua campanha, pois não tinha muitas propostas concretas e se baseava muito mais do “Yes we can” e em bater em Bush do que qualquer outra coisa (igualzinho aos petistas daqui). E gosto bem menos ao ver seu governo, que deixa no mínimo muito a desejar.

  • Carlos Santos

    Se há algum “fundo racista” é muito difícil de averiguar, pois isso depende da sensibilidade de cada um. O mais certo é ‘talvez’, mas cá comigo eu não acredito, é um pouco de exagero seu. Já quanto ao Trump… acho que pra ser rico é preciso ter dinheiro e pra conseguir dinheiro é preciso ser muito esperto. Espertalhão ele é, os bilhões provam isso. Será que ele está sabendo de alguma coisa que mais ninguém sabe?
    Se Obama não nasceu nos EUA, mas segundo a lei ele é cidadão americano simplesmente porque a mãe era uma americana quando deu a luz, não fará realmente nenhuma diferença legal, mas toda a diferença eleitoral. Os americanos são muito nacionalistas, não? No fundo, creio eu, é isso que esses “malucos” perseguem, não querem usar alguma suposta fraude do nascimento de Barack Obama para tirar-lhe a cadeira de presidente no tapetão, mas sim nas urnas.
    Se ele mostra o documento é uma humilhação, reconheço. Mas se não mostra alimenta a suspeita e continua sendo alvo dos ataques e das teorias conspiratórias. Ele está num jogo de perde-perde. Não sinto nem um pouco por isso, é do jogo, de forma alguma é baixaria ou “vale-tudo” eleitoral. São sempre melhores para a democracia as eleições selvagens e agitadas do que as mornas e entediantes. Deveríamos é aprender com esses “malucos”, Setti. No Brasil, além de todo mundo ter o mesmo programa e falar as mesmíssimas coisas ainda há um medo danado de ‘baixar o nível’. Se votar deixar de ser obrigatório, duvido que o comparecimento às urnas supere 40% do eleitorado. PRECISAMOS DE UM POUCO DE MALUQUICE!

  • Roberto

    Por que exigir que o presidente cumpra a lei e faça o que TODOS os seus antecessores fizeram – a apresentação de cópia de sua certidão de nascimento original – é uma ”maluca teoria conspiratória”? Bom, “teoria maluca” ou não, é no mínimo questionável que Obama pretenda recusar-se a cumprir o que determina a lei e recomenda o bom senso (atender ao pedido de grande parte do eleitorado, incluindo, mas não restringindo, os republicanos). Questionável, inacreditavelmente caro e com péssimos dividendos eleitorais.

    Não creio que qualquer outro funcionário público possa justificar a não apresentação de documentação obrigatória sob a estapafúrdia alegação de que “não vê cabimento em exibir certificado de nascimento em público”. Quem o presidente acha que é para se colocar acima da lei ou da obrigatoriedade mínima de transparência que lhe exige o cargo?

    O jornalista entende que “ter que provar o que ele sempre foi como se fosse um suspeito de delinquência é evidentemente algo a que um presidente de um grande país não pode se submeter, de forma alguma.” Com a devida vênia, apresentar um documento que se exige de qualquer cidadão para qualquer ato civil deveria ter sido feito por Obama no primeiro minuto. “Suspeito de delinqüência” ele se torna VOLUNTARIAMENTE quando se recusa a entregar cópia do documento que ele pode obter (se tiver perdido) pagando uma taxa de menos de US$ 10. A primeira missão de qualquer presidente é, sim, “submeter-se” à vontade do povo, expressa em sua Constituição, sem que isso se configure um ato de submissão a “malucos” ou “conspiradores”.

    Essa generalização de chamar de racistas os que exigem transparência do presidente é chantagem. Não cola. Sua descendência ou etnia não o tornam inferior ou superior aos demais cidadãos ou aos seus antecessores no cargo. Até mesmo a avó do presidente informou que ele nasceu do Quênia e eu não creio que possamos chamar vovó Obama de uma “birther” racista, adepta de uma maluca teoria da conspiração.

  • Josué

    O dia que o Serra mostrar o diploma de economista ele mostra a certidão de nascimento.

  • Troy

    Ser filho de cidadão americano NÃO basta! Se fosse, o local de nascimento do John McCain não faria diferença nenhuma! E, no entanto, foi motivo de polêmica. E John McCain é branco. O candidatos Lowell P. Weicker Jr, George Romney, Barry Goldwater e Chester A. Arthur também foram questionados justamente por causa do local de nascimento. E eram todos brancos.
    PS.: Olha o Bambu – 09/04/2011 às 19:58 mentindo, Setti! E até na cronologia ele derrapa! A polêmica do Obama precede a candidatura da Dilma. A Dilma foi acusada de ser despreparada, analfabeta funcional, mentirosa, fraudadora de currículo, fabricante de dossiê, abafadora de investigação da Receita sobre a famíglia Sarney… De ser estrangeira só na cabeça do Bambu mesmo.

  • Troy

    Reafirmo minha teoria. Obama deixa isso correr solto porque aí alguém acaba dizendo: – Olha só que gente louca! Só pode ser racismo!

  • ixe

    Eu não sabia que o magnata midiático Trump está se lançando candidato. Imaginei que fosse apenas por auto promoção aproveitando a onda conservadora que tem aumentado na esteira dos acontecimentos no mandato Obama. Parece até brincadeira de mau gosto. Mas reitero que o que percebi lá foi mesmo que o assunto não está restrito aos extremistas republicanos e foi exatamente nos EUA que comecei a prestar mais atenção ao que antes me passava por pura leviandade eleitoreira nesse caso da nacionalidade. Estive em universidades – universidades ! – e o assunto estava quente, além do muito descontentamento que também me chamou a atenção. Do posto de observador en passant, sem um bom conhecimento do espírito americano, me passou uma impressão de forte desencanto com o governo. Posso estar muito enganado, mas acho que o presidente terá uma reeleição bem mais dura do que imaginava, mesmo no comando da máquina. Talvez por essa razão, tenha dado a largada com tanta antecedência.

  • JMello

    Caro Setti,
    concordo exatamente com voce. Ficar dando importancia a grupos racistas é baixar ao mesmo nivel deles. Criaram esse mito sobre o local de nascimento de Obama somente por causa de sua cor.
    Agora muitos reclamam de sua administracao, porem, quem diz as asneiras como essas de alguns comentarios abaixo nao devia estar acordado no ano de 2008 para ter visto como estava feia a situacao dos EUA.
    Sds

  • Roberto Almeida

    Prezado Setti
    Eu tenho um palpite: Obama nasceu no Brasil. Nunca alguém tão destrambelhado governou os EUA, logo, só pode ter nascido no Brasil. Mas falando sério, McCain não nasceu nos EUA, nasceu numa base militar (que é solo americano), apanhou bastante. Como dirimiu isso? Apresentando a certidão ora essa!
    Obama está elevado à categoria de vaca sagrada pela imprensa mundial (salvo exceções) e qualquer acusação (ou mesmo opinião contrária) contra ele é tachada de racismo ou preconceito, cedo ou tarde, pela falta de argumentos ou refúgio vigarista.
    Eu não sei onde nasceu Obama (tenho um palpite hehe) mas, por Deus Setti, como responder a essas questões:
    1 – A certidão de nascimento original e todos os seus documentos importantes permanecem inacessíveis ao exame (aquilo que ele publicou no site da campanha é só um atestado, não é documento de fonte primária);
    2 – Obama mandou bloquear seu histórico escolar, registros médicos, passaporte, lista de contribuintes de campanha, agenda de audiências no Senado, os clientes do seu escritório de advocacia (nisso posso até entender em virtude da privacidade dos clientes) e sua tese de doutoramento;
    Outra coisa … Obama participou ou não da campanha do genocida queniano Raila Odinga à presidência do Quênia?
    Li esses dados nas páginas da Fox, do Glenn e outras, que muitos podem até alegar serem as bestas-fera do pensamento conservador americano e tal, mas isto, por si só, desqualifica os FATOS e a validade desses questionamentos? Lembrando que muita gente desqualifica o timaço da Veja só porque é, bem, da Veja (vc sabe do que estou falando).
    Abraços
    Roberto

  • Roberto Almeida

    Ah sim, complementando, o fato de Obama não mostrar esses documentos nem é uma questão de querer ou não, de estar dando satisfação ou não. É, em minha humilde opinião, estar violando ou não o princípio da transparência que deve reger todo homem público.

  • Tuco

    .

    “– Infelizmente, para os birthers, não faz diferença se Barack Obama nasceu no Havaí, no Quênia ou no lado oculto da Lua. De acordo com o Titulo 8 do Código dos Estados Unidos, seção 1401, Obama é um cidadão nato dos Estados Unidos porque sua mãe, Stanley Ann Dunham, era uma cidadã dos Estados Unidos na época de seu nascimento.”

    Então essa é a resposta a uma pergunta que não
    se dá resposta?
    Isso é, no mínimo, uma descompostura, uma falta
    de respeito àqueles que só querem a Verdade!
    Nunca me chamou a atenção esse fato da
    nacionalidade conturbada de Obama, mas agora salta
    aos olhos que muitos interesses são alicerçados
    por esse imbróglio! A mim resta saber quais são
    esses interesses, confesso.
    No reboque do que escrevi em tópico desse tema,
    é de se acrescentar ser incompreensível não
    haver um “link” de página oficial onde se
    esclareça essa questão (se o Obama passou pelo
    crivo do Estado, no tocante à sua nacionalidade,
    deve haver um documento oficial referente a isso!)
    que toma proporções de “Segurança de Estado”!
    Pelo que percebo com clareza, esse papo
    furadíssimo acerca de racismo tem o condão de
    fogar areia nos olhos dos que, como eu, são muito
    mal informados…

    .

  • Dawran Numida

    Obama é um cidadão nato dos Estados Unidos porque sua mãe, Stanley Ann Dunham, era uma cidadã dos Estados Unidos na época de seu nascimento.
    Essa coisa já está totalmente definida e o pessoal fica guerreando. Até no0 Brasil há quem acredite ser Obama não cidadão do EUA.

  • pedro curiango

    Ricardo: parabéns pelo artigo, que deveria ser um jato de água fria na cabeça da maioria dos comentaristas. Nos EUA, o registro de nascimento é feito pelo médico, no hospital, e a seguir encaminhado ao Departamento de Saúde do Estado. Lá, ele fica arquivado e só a pessoa registrada ou o governo do Estado (por ordem judicial) tem acesso ao documento. E DE LÁ ELE NÀO SAI. Se você desejar um documento que lhe informe sobre os dados que estão presentes neste SEU registro, basta pagar uma taxa e o Estado lhe mandará um documento, CERTIFICADO, no qual esta informação aparece. A isto chama-se “certidão de nascimento.” A mesma coisa acontece no Brasil, só que os cartórios são encarregados de guardar o registro (que normalmente é feito pelos pais, com testemunhas). Desde a época da eleição, Obama deu direito a que sua “certidão de nascimento” possa ser adquirida publicamente. Ela foi mostrada publicamente e pode ser vista em vários “sites” da Internet. O então governo REPUBLICANO do Havaí declarou, na época, que esta “certidão de nascimento” era o ÚNICO documento legal que poderia expedir. O governo atual repete a mesma coisa. A “vista” ao registro feito pelo médico, que se encontra arquivado, pode ser dado só à pessoa registrada ou por ordem judicial, mas NÃO PODE SAIR do arquivo em que se encontra. Obama não pode fazer mais nada, além do que lhe é permitido pela lei.
    Quando a esta entrevista da “avó torta” do presidente, que teria dito que “estava em Mombaça quando Obama nasceu”, ela imediatamente acrescentou que sim ela estava em Mombaça quando Obama nasceu… no Havaí. Acontece que, nos blogs dos “birthers” o vídeo é conveniente cortado desta parte, procurando dar a entender que ele estava em Mombaça e que o menino teria nascido lá. Outra manipulação grosseira, imediatamente denunciada, foi a de um retrato dos avós do presidente na qual ele não aparecia, mas que, pela má qualidade técnica da contrafação, passou a causar riso depois de se mostrar que o joelho de Obama ainda estava presente na foto…
    Para se ter idéia de quem são os principais “birthers” basta dizer que o mais proeminente entre eles é Gordon Liddy, julgado e condenado pela Justiça por sua participação no Watergate de Nixon, como um dos invasores da sede do Partido Democrata, e que, depois de sair da cadeia, virou comentarista de rádio. Seus comentários são sempre preconceituosos e tacitamenrte racistas, como esta “ideologia” dos “birthers” sempre foi. Quem melhor a tratou foi o CANIDATO REPUBLICANO, senador McCain, quando, durante a campanha eleitoral, ao ser abordado por uma eleitora que lhe dizia ser Obama “um muçulmano estrangeiro” respondeu indignado: “Não, minha senhora, Obama é um patriota americano, que embora meu adversário político, merece a consideração e o respeito de todos os americanos, quer concordem com ele quer não.”

    Caro Pedro, posso publicar esse seu comentário como “Post do Leitor”? Em tal caso, você se assinaria Pedro Curiango mesmo? E, se autorizar, quer que eu mencione a cidade onde você vive, idade e profissão ou atividade profissional?

    Obrigado e um abraçõ

  • Tuco

    .
    Josué – 09/04/2011 às 22:54
    No dia em que qualquer petralha mostrar um
    diploma que não seja falso, eu rasgo o MEU
    diploma – que não é falso!
    .

  • marcia costa

    O ponto central é se houve fraude ou uma deliberada intenção de esconder a verdade. E isso é grave per se. A mentira é o que o desqualificaria como homem público, que tem, sim, obrigação de esclarecer toda e qualquer dúvida que exista a repeito de sua biografia. Ele não está acima do bem ou do mal. O fato de ser “afro-descendente” não o coloca numa espécie de redoma em questões constitucionais. Racismo é ser condescendente com ele apenas pela cor da sua pele. Se Colin Powell fosse candidato pelo partido republicano, vc acha que esses racistas, como vc os chama, não votariam nele pelo fato dele ser negro?

  • pedro curiango

    Ricardo; Pode fazer o uso que quiser do que escrevi. O autor, entretanto, deve ser apenas PEDRO CURIANGO e não creio necessária mais nenhuma informação sobre minha pessoa.

  • marcia costa

    O Diogo Mainardi acaba de propor a seguinte questão no Manhattan Connection: há estados em que 98% da população negra votou em Obama, esses poderiam ser chamados de racistas? Para ele os preconceitos se anulam, há quem tenha pré-disposição contra candidatos que venham de Nova York, há quem a tenha contra quem é evangélico ou judeu. Quem tem preconceito por quem profeza uma determinada fé é mais “puro” do quem o tem por alguém ser negro? Contra negros é racismo e contra os evangélicos é o que exatamente?

  • Andre Couto

    Ricardo Setti,

    Apenas uma informação: vc está REDONDAMENTE ENGANADO!

    Aqui está a cópia do Código dos Estados Unidos. Se vc souber ler inglês, verá que o Título 8 (letra h, no caso) da seção 1401 diz o seguinte:

    “a person born before noon (Eastern Standard Time) May 24, 1934, outside the limits and jurisdiction of the United States of an alien father and a mother who is a citizen of the United States who, prior to the birth of such person, had resided in the United States.”

    Aqui está o link para o United States Code, para que você mesmo possa conferir:
    http://www.law.cornell.edu/uscode/8/1401.html

    Obama nasceu antes de 1934?? Então, no mínimo, ele deve mentir sobre a idade dele, né? Quer dizer que ele tem 77 anos????

    Poxa! Tudo bem vc idolatrar o Obama, mas não sabia que ele tinha esse poder mágico todo!

    Outra coisa, você poderia checar melhor suas fontes, hein?

    []s
    André

    Pois é, André, eu não sei ler, não. E sou mentiroso, tenho péssimas fontes e ainda por cima sou burro. Não sei porque você lê o blog, sinceramente.

  • Andre Couto

    Ricardo,

    É, realmente eu me excedo no calor do momento, nos comentários. No entanto, pelo menos dessa vez, acho que seria justo uma “ERRATA”, não?

    E não vi ainda relação entre racismo e o movimento dos “birthers”. Ora, trata-se de um movimento político de oposição! Só porque o Obama é negro, isso dá alguma imunidade a ele? Porque McCain teve de apresentar sua certidão e Obama esconde TUDO: suspeita de falsificação do certificado militar, trabalhos universitários trancados a 7 chaves… O que é isso? Há algo sim de muito errado! E não é o fato dele ser negro!!! É o fato dele ser uma farsa!

    []s
    André

  • Andre Couto

    Ricardo,

    Mais um comentário: antes que você comece a me chamar de racista por chamar Obama de farsa, ficaria muito satisfeito que este senhor ganhasse a eleição americana:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Alan_Keyes

    Alan Keys: honesto, não esconde sua certidão de nascimento, sabe escrever, não precisa usar teleprompter o tempo todo, não foi financiado por príncipes sauditas, não participou de fraudes com títulos de eleitores e tem ótimas idéias!

    E olha só: é negro! E de pai e mãe negros!

    Que tal entrar na torcida por este senhor à presidência americana?

    []s
    André

  • Paulo Cesar Ferreira

    Sr. Ricardo, tu tá de brincadeira. É uma vergonha tê-lo no mesmo espaço de grandes jornalistas, como Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes.

    Vergonha deveria ter quem, como você, expele boçalidades em público sem a menor justificativa, gratuitamente, ofendendo a quem trabalha de forma honesta e clara.

  • Pedro Guimarães

    Ricardo,

    Parecem-me bastante acertadas suas opiniões acerca da nacionalidade do presidente Obama. Como poderia um homem fazer um juramento de fidelidade à Constituição, na frente do Congresso americano, sem que antes fossem checados os documentos para sua posse? Pior, como poderia um homem se candidatar sem que fossem checados esses documentos? Será mesmo que os Estados Unidos gastariam mais energia com um turista que quer visto do que com o homem que vai governar o país mais poderoso do mundo pelos próximos quatro anos? Me parece pouco provável.

    O sr. André Couto, com todo o devido respeito, tem posições emitidas de chofre, sem a reflexão e a pesquisa devidas — tento relutar antes de chamar a esse defeito de leviandade.

    Ora, pegar uma norma com eficácia restrita para casos que se subsumem a um tempo passado e jogá-la aqui no blog, como argumento supremo e irrefutável seria muito fácil, não existisse uma coisinha chamada interpretação sistêmica.

    É dizer, trocando em miúdos, que se devem interpretar as normas em sua inteireza, avaliando qual a sua função e importância no sistema da lei. A alínea que o sr. André veio colar, triunfantemente mal-educado, refere-se apenas a casos anteriores a 1934 porque as regras eram diferentes antes de 1934. Simples assim.

    Hoje — hoje mesmo, minha fonte, em site governamental dos EUA, foi atualizada este ano —, há uma norma a ser aplicada para os casos posteriores a 34, que trouxe aqui. É a alínea g, que é até anterior à alínea h do André. Vamos ver:

    “(g) [é cidadã americana] a person born outside the geographical limits of the United States and its outlying possessions of parents one of whom is an alien, and the other a citizen of the United States who, prior to the birth of such person, was physically present in the United States or its outlying possessions for a period or periods totaling not less than five years, at least two of which were after attaining the age of fourteen years.”

    Querem link? http://j.mp/gov9zt É do site da Câmara de Representantes.

    Tenho certeza de que você, Ricardo, jornalista experiente, não cometeria um erro como esses, de comentar algo sem checar as fontes, como um apressando estudante de Ensino Médio atrasado para a entrega de um trabalho. Nem também o Mark Wittington, ou eu deixaria de acreditar nos critérios de seleção dessas gigantescas publicações americanas de renome mundial.

    O sr. André Couto é que mereceria uma errata, é o que acho.

    Eu li a mesma coisa que você no U. S. Code, amigo Pedro, só que em vez de item 8, como citado pelo jornalista americano, estava essa letra g.

    O post, portanto, não estava errado. Vou acertar a citação e agradeço a você.

    Abraço

  • Ricardo D

    Setti, você deixou as coisas confusas.
    Não explicou por que exigir um documento de Obama é racismo? Qualquer coisa que se fizer contra ele será racismo?
    Em segundo lugar,nem todos os Birthers acham que obama nasceu no Quênia. Só querem ver o tal documento.
    Será que o pai dele é outro? Será que ele foi registrado como muçulmano?
    Eu pergunto: Um político pode esconder informações tão relevantes de seus eleitores? É óbvio que não.
    Aliás, por que será que ele prefere gastar tanto dinheiro com advogados, ultrapassou um milhão de dólares, se poderia apenas mostrar o documento?
    Será que obama é tão abnegado que prefere dilapidar a própria fortuna para não precisar “mostrar o que sempre foi”.
    Que idealista! É quase um “santo”…

  • Ressucitador de Debates Mortos

    Deixa eu adivinhar: este aqui é falso também, né?

    http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d2/President_Barack_Obama%27s_long_form_birth_certificate.jpg

    Olavetes ridículos…