Image
Felipão, provável novo técnico da Seleção, cochicha ao inseparável auxiliar Murtosa: tabu pela frente (Foto: Jamie McDonald – Getty Images)

 Ao “apalavrar” com Luiz Felipe Scolari o seu retorno à Seleção Brasileira, a CBF está apostando em um nome considerado “sucesso de público”, dono de um imponente currículo, no qual reluz o quinto título canarinho em mundiais, conquistado em 2002 na Copa da Coreia do Sul e do Japão.

Só que, sem perceber, a controversa entidade máxima do futebol brasileiro está mexendo com um curioso tabu: “nunca na história deste país” um treinador campeão do mundo triunfou ao vestir novamente o agasalho verde e amarelo em outro mundial.

Feola: primeiro a tentar

Image
Feola, capeão em 1958, em foto de 1966 (ano do vexame inglês da Seleção): o primeiro a tentar repetir a dose (Foto: Arquivo Estadão /AE)

E olha que três já tiveram a oportunidade. A começar por Vicente Feola (1909-1975), comandante do fabuloso “esquadrão de ouro” que levantou o primeiro caneco na Suécia em 1958, estava no banco novamente na Inglaterra, oito anos depois, em 1966, quando a Seleção convocou uma multidão de jogadores, não conseguiu formar um time e, mesmo com Pelé e Garrincha, deu vexame e caiu ainda na primeira fase.

A insistência de Zagallo, e a tentativa de Parreira

Image
O paternal Zagallo, campeão em 1970, consola Ronaldo após a pane geral da final de 1998: o Velho Lobo triunfou novamente apenas como assistente técnico, quatro anos antes (Foto: Priscilla Zambotto)

O segundo campeão do mundo a fracassar na tentativa de repetir foi ele, Mário Jorge Lobo Zagallo. E em dose dupla.

Técnico da Seleção no tricampeonato obtido em 1970 no México – para muitos, a melhor equipe de todos os tempos -, o chamado Velho Lobo também era o encarregado em 1974, quando nos esborrachamos diante da genial Laranja Mecânica de Cruiff na Alemanha Ocidental. E uma vez mais em 1998, na França, ocasião em que chegamos à final contra os donos da casa mas, apáticos por motivos até hoje mal explicados, apanhamos feio, por 3 a 0.

Claro que não podemos esquecer que Zagallo participou do tetracampeonato nos Estados Unidos em 1994. Mas era auxiliar de Carlos Alberto Parreira. Não é a mesma coisa. Se fosse, consideraríamos Antônio Lopes, que de tão útil em 2002 ficou popular e maldosamente conhecido como “Arroz” – ou seja, que só serve de acompanhamento – um “treinador pentacampeão”.

A dupla Parreira-Zagallo, aliás, foi a escolhida para tentar o hexa na Alemanha em 2006, mas esbarrou na falta de compromisso de craques baladeiros e na incapacidade de lidar com eles.

Image
Adriano era um dos comandados de Parreira em 2006 na Alemanha: tentativa de repetir o título de 1994 foi por água abaixo (Foto: Placar)

O que faz de Parreira o terceiro desta lista de técnicos campeões mundiais pelo Brasil que retornaram ao cargo sem sucesso. Em se confirmado Felipão, portanto, o único detentor da Copa que só trabalhou em apenas uma terá sido Aymoré Moreira (1912-1988), campeão em 1962 no Chile.

Poderá o sucessor de Mano Menezes, que há não muito tempo dirigiu o Palmeiras que acabou na Segunda Divisão, quebrar este tabu?

Não sabemos. Mas uma coisa é certa: nenhum outro técnico comemora gols da Seleção como Felipão. Assistam à sua reação ao gol de Rivaldo contra a Inglaterra em 2002 – tempo 3’30”, com deliciosa repetição em câmera lenta a 4’18” – e comprovem:

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + nove =

19 Comentários

F penin em 30 de novembro de 2012

Para a renovação ficar completa, um triunvirato:Felipão, Parreiras e Zagallo. O problema brasileiro é de filosofia.Hoje, em quaisquer jogos que assistamos, impressiona o número de passes mal feitos: quando não erram, jogam para os lados ou para trás.Chutão para a frente, ao Deus dará,é a jogada mais refinada. Os técnicos brasileiros, pior ainda: salva-se o do Fluminense.

JT em 29 de novembro de 2012

Caro Pedro Luiz, Ainda bem que o Palmeiras não libera o Gilson Kleina, de jeito nenhum! Cicuta? SE CUIDA! Abraços

Pedro Luiz Moreira Lima em 29 de novembro de 2012

JT. Com um paizão feito o Felipão prefiro a orfandade e a mãezona Parreira?,PÁRA O MUNDO QUE QUERO DESCER,tirando estes pequenos detalhes só otimismo. Alguém conhece um lugar onde servem CICUTA ON THE ROCKS PURA? Desculpe as brincadeiras do amigo Pedro Luiz

João em 29 de novembro de 2012

Felipão, tira esse Neymar da seleção, esse cara estar atrapalhando o bom andamento do elenco, ele precisa passar por uma reciclagem para ser craque de futebol...

carlos nascimento em 29 de novembro de 2012

Não deixando perguntas sem respostas: - Parreira foi campeão em.....1994, alguém por aqui sabe escalar essa seleção ? alguém por aqui tem saudade daquele conjunto ? exceção à ROMÁRIO, o resto.... ia esquecendo, o pessoal lembra apenas do Bebeto embalando o Matheus, é muito pouco. Em 2006 com a safra dos RRRRRRRRR, até um Felipão conseguiu ser campeão, bastava não atrapalhar, ai o marketing produziu a família Scolari.... cruzes, ai Felipão se transformou no cara, vão se catar, apenas mediano, os volantes segurando tudo, bastava meio a zero. O Chelsea pode dizer muito bem sobre a capacidade técnica dele, o Palmeiras na 2a.divisão, idem, idem, idem. No Brasil a meritocracia é feita do avesso, técnico rebaixado ganha prêmio, do Palmeiras rebaixado à Seleção brasileira. Cada vez mais, reverencio o Mestre Telê Santana, esse sim, 1982 nunca sai da retina. A internet de qualidade é para quem tem conteúdo, na democracia ela está livre, até para quem é zé mané.

JT em 29 de novembro de 2012

Vamos ser sensatos: qual a chance do Brasil ganhar a Copa de 2014, com qualquer técnico? Com esse time, não dá para apostar muita coisa. Agora, se o time resolver jogar, até o Zagalo pode ser o técnico. Em 1970 quem orientava a turma dentro e fora de campo era o Gerson, certo? Em 1994, quem resolveu a parada foi o Romário. O Felipão, em 2002, funcionou como um paizão motivador. Deu certo em sete jogos, mas não dá certo em turno e returno. Quando o Felipão deixou o Palmeiras, amigavelmente diga-se de passagem, ele já sabia que seria o novo técnico da seleção. A CBF só esperou o ano acabar. Querem saber? A CBF fez a coisa certa. Vai ser muito divertido acompanhar as entrevistas coletivas no esquema morde e assopra de Felipão e Parreira. As entrevistas com o Mano eram enfadonhas demais. Ele falava como se estivesse dopado, mascando três balas de caramelo ao mesmo tempo... dava até sono.

J.B.CRUZ em 28 de novembro de 2012

Boa dobradinha: FELIPÃO E PARREIRA...Finalmente.HEXA.

Pedro Luiz Moreira Lima em 28 de novembro de 2012

Em minha singela opinião - ESTAMOS FU! Aguentar Mano Meneses duranate todo este tempo foi dose. Pior já sentir saudades de Mano Meneses - Felipão junto com Parrira???!!! Volta Mano,volta Mano. Em termos de futebol ainda mantenho o otimismo - alguém pode me informar um bom lugar de tomar uma CICUTA PURA? Pedro Luiz

Henrique Araujo em 28 de novembro de 2012

Felipão FOI confirmado. O Brasil será o segundo país a perder duas copas em casa.

JGomes em 28 de novembro de 2012

A Internet é maravilhosa,todo mundo dá pitaco, sobre o que não entende e sobre o que não sabe o que é. Por isso há esses tais de blogs, como os diários que se escreviam há eras e cujas páginas a tudo aceitavam... qualquer um, qualquer um mesmo, pode aí despejar seus clichês e lugares comuns, cheio de maledicências pueris destinadas a um público igualmente infantil e sem discernimento. Carlos Nascimento esquece que o Felipão, nesses dez anos, não atuou só no Brasil, e aí, Sr. Setti, dá-lhe mais blog pra ele comentar...

vamo elogiar, reportaiada em 28 de novembro de 2012

Uma dúvida me assalta: com a demissão de Andres, quem será o intérprete responsável pela tradução dos grunhidos e esgares do eleito?

Silvio em 28 de novembro de 2012

E a era da mediocridade continua e se acentua na seleção brasileira. O novo eleito, nos últimos 10 anos ganhou uma Copa do Brasil e nunca, em tempo algum, criou algo de novo no futebol.Pior, abandonou o Palmeiras, que em suas mãos caminhava inexoravelmente para o rebaixamento,dando uma demonstração de covardia e de auto proteção absurdas.Como prêmio pelo vácuo dos 10 anos, é convidado para ser o treinador da canarinho.Criamos a meritocracia ao avesso.Mas o festival de bobagens não termina. Um técnico aposentado, que está longe do gramado há séculos também é convidado para, se não me engano,Diretor Técnico da Seleção.Com jogadores, na grande maioria, nada mais que medianos e dois técnicos que pouco acrescentam não dá para ser otimista.

didio em 28 de novembro de 2012

Sai pra lá agorento

carlos nascimento em 28 de novembro de 2012

Apostava e torcia por Murici Ramalho, e como segunda opção apostava em Tite, caso voltasse vitorioso do Interclubes, já decidiram pelo Scolari. Muito bem, não fujo da polêmica, vamos lá.... O cargo do "tonto" foi extinto, menos mal, "Silver" nem precisou dar coices, aqui meu voto é (ponto positivo). Seguindo, aos invés de oxigenarem o lixo, preferiram o conservadorismo das velhas raposas - Scolari e Parreira - minha aposta era na renovação, na contratação de Raí Oliveira para Diretor, os caras são malandros, vão jogar a responsabilidade nas costas de dois medalhões, ambos foram Campeões Mundiais, irão dividir a pressão do público. O futebol brasileiro perderá em vários sentidos, Scolari e Parreira estão ULTRAPASSADOS, seus conceitos de futebol são o anti-jogo, primeiro não levar gol, depois....vamos ver o que se faz, os volantes estarão de volta, vai ser um COPA de baixo nível técnico, podem aguardar e conferir. Como me posicionei bem antes, serei crítico feroz de Scolari, ele foi o principal culpado pelo fracasso palmeirense. Finalizando, os abutres da cbf são espertos, dividem a pressão usando o crédito que os indicados possuem pelas conquistas do PASSADO.

Marco Antonio em 27 de novembro de 2012

Pelo caminho que estamos trilhando acho que não chegaremos a lugar algum com a seleção. Fica saber quem é pior no comando(?) da CBF e irá(?) planejar toda a preparação, tardia, da seleçao.

Claudio em 27 de novembro de 2012

Nuvens escuras pairam sobre o futeol brasileiro. Vivemos um processo de renovação as vesperas de uma Copa norteada por dirigentes superados, que provocam uma instabilidade constante. O Brasil vai pagar muito caro pelo capricho de um ex-presidente.

Luiz em 27 de novembro de 2012

O Zagallo é o Sarney do futebol. Assumiu o comandado em 1970 pelo fato do Saldanha ter sido demitido pela ditadura. https://www.youtube.com/watch?v=vehvIj-GhSU Sensacional comparação! É isso mesmo!!!

Nélio em 27 de novembro de 2012

O sujeito rebaixa o Palmeiras e, como prêmio pelo "feito", recebe o cargo de treinador da Seleção. E ainda acham isso sério. Pelo visto, a eleição de "melhor técnico do Basileirão" não serve para muita coisa. Afinal, nem a CBF (que coordena a escolha) a considera...

JT em 27 de novembro de 2012

Vai ser difícil Felipão ser bi em 2014: Marcos não estará mais no gol e Rivaldo não estará na linha de ataque. Se bem que Copa do Mundo não se joga em turno e returno, então o estilo do Felipão pode funcionar mesmo com um time medíocre (que será a nossa seleção). Vide que ele ganhou uma Copa do Brasil com o Palmeiras, que depois afundou no Brasileirão feito uma bigorna jogada ao mar.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI