Image
Para evitar interromper o serviço dos trens, o viaduto foi construído paralelamente aos trilhos e depois girado (Fotos: Imaginechina/REX)

Por Tamara Fisch

Uma tecnologia usada na China deixou obras urbanas do resto do mundo no chinelo. Para construir um segmento de viaduto que passaria por cima de linhas de trem movimentadas, engenheiros utilizaram uma técnica para realizar o trabalho paralelamente aos trilhos e, posteriormente, girar as pistas para encaixá-las na posição certa.

A obra foi realizada na cidade de Wuhan, na região central do país — uma daquelas cidades de que pouquíssima gente ouviu falar no Ocidente, mas que se estende por 8.500 km² e abriga 10 milhões de habitantes –, ao lado de um ponto onde passam trens de alta velocidade.

A ideia era que a construção não atrapalhasse o serviço ferroviário extremamente movimentado.

O pedaço de rodovia elevada que foi feito com a técnica inovadora pesa 17.000 toneladas. Quando o segmento estava pronto para ser transportado, os engenheiros responsáveis o giraram 106º a uma altura de 15 metros. O processo levou em torno de uma hora e meia.

As linhas férreas que passam debaixo do viaduto foram consideradas importantes demais para serem interditadas durante uma obra desse tamanho. Um dos trajetos que sofreriam é o de Pequim a Guangzhou, um dos mais requisitados.

A China, não custa lembrar, dispõe da maior malha ferroviária de alta velocidade do mundo, com mais de 10 mil quilômetros de extensão. (Por comparação, a Espanha, com a mais extensa rede de alta velocidade da Europa, tem pouco mais de 3,1 mil quilômetros.)

Vejam as fotos do processo:

Image
Parte do viaduto foi construída paralelamente aos trilhos sobre os quais passaria (Foto: Imaginechina/REX)
Image
Quando a estrutura ficou pronta, começou o processo de movê-la para a posição certa (Foto: Imaginechina/REX)
Image
Durante cerca de 1h30, engenheiros fizeram a rotação de 106º a 15 metros de altura (Foto: Imaginechina/REX)
Image
O resultado final: como se tivesse sido construído assim (Foto: Imaginechina/REX)

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 9 =

9 Comentários

LUIZ - SOROCABA em 07 de agosto de 2014

Segundo me consta por informações de gente que mora lá , a engenharia foi feita por engenheiros alemães

Paulão em 04 de agosto de 2014

Prezado Setti, O canal National Geographic tem apresentado diversos filmes sobre megaconstruções no mundo, e a China é um dos mais ousados e avançados no setor de engenharia. Nada menciona sobre segurança do trabalho e sobre remuneração dos operários, mas os resultados são uma beleza de se ver.

Eduardo em 04 de agosto de 2014

O PP ou o PMDB faz coisa muito melhor do que isso! Basta entregar para eles: serão capazes de depois de colocado no lugar certo, tira-lo, transporta-lo e de alguma forma vender tudo como sucata.

Leonardo Saade em 03 de agosto de 2014

Impressionante! Enquanto isso no Brasil temos de conviver com as promessas do PAC que nunca saem do papel...

Paulo em 03 de agosto de 2014

Excelente solução. Engenharia é isso, resolver problemas. Entretanto, cada caso é um caso.

Tucson58SP em 02 de agosto de 2014

E pensar que na década de 70, o Brasil estava muito acima da China como país de futuro... A diferença é que lá não tem muitos bandidos, pois a bala na nuca funciona. Aqui elles, bandidos, deitam e rolam...e ganham poder político.

Toninho Malvadeza em 02 de agosto de 2014

Sensacional !E vale lembrar que mesmo movendo a imensa ponte,a trânsito de trens não foi proibido.

José Carlos em 02 de agosto de 2014

Não é tecnologia chinesa. Na Coreia do Sul essa tecnologia foi criada para as obras do trem de alta velocidade, quando foi necessário transpor uma auto estrada que não podia ser paralisada.

Sylvio Haas em 02 de agosto de 2014

Na Holanda, nos anos 60, já havia tecnologia para a construção e transporte de pontes pré-fabricadas. Possivelmente, o que a China faz com os viadutos é uma evolução desse know how.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI