Será que volta o desconto dos juros da casa própria no imposto de renda?

Faltando ainda apurar os três últimos meses do ano, os recursos destinados a financiamento imobiliário no Brasil subiram de 1,39 bilhão de reais em 2004 para 6,39 bilhões em 2010.

Mas podem e devem subir mais ainda, segundo a Associação Brasileira das Empresas de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). A Abecip pretende entregar à equipe econômica da presidente eleita Dilma Rousseff estudo no qual, para ampliar o volume de recursos destiniados ao financiamento da casa própria e não permitir que os juros pesem excessivamente nos consumidores, sugere que os compradores de imóveis possam descontar os juros do financiamento do imposto de renda, como ocorria anoa atrás.

O problema, uma vez mais, é que conhecemos como funciona o estado brasileiro: se deixa de entrar dinheiro de um lado, seus agentes vão buscar de outro. Pode até ser que os adquirentes da casa própria acabem tendo acesso a esse benefício, mas a queda do IR correspondente o governo certamente vai querer compensar de alguma outra forma.

E às nossas custas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − 4 =

Nenhum comentário

  • Rafael

    Já há grandes sinais de uma bolha imobiliária: http://mises.org.br/Article.aspx?id=611 .
    Com uma medida como essa, susidiando os empréstimos, o governo nos leva ao estouro mais rápido.

    Bem interessante a matéria, caro Rafael, que acabei de ler. Vale a pena outros leitores tomarem conhecimento do material.

    Obrigado e um abraço.

  • V.H.

    Lol ia falar justamente sobre a bolha mais cheguei tarde. Bom ao que tudo indica esse governo ou vai manter a carga tributária, ou vai aumentá-la. A reforma tributária real não vai acontecer de maneira alguma, o máximo que vai acontecer é um remanejamento contábil criando alguns impostos para substituírem outros.

  • watcher

    Concordo contigo em gênero, número e grau…..recentemente o Senado barrou um projeto que previa isenção do custo do registro, se náo me engano, para as propriedades consideradas populares…..esse governo náo dá nada em troca – se dá, tirou MUITO mais de alguém de algum lugar.