Serra continua em silêncio sobre a manobra de Kassab de esvaziar a oposição e caminhar para a adesão ao governo

Faz um barulhão daqueles o silêncio do ex-presidenciável do PSDB José Serra sobre a oficialização, ontem, quarta, 13, do novo partido, o PSD, invenção do prefeito de São Paulo e seu pupilo Gilberto Kassasb (ex-DEM), com evidente pretensão de deixar a oposição e aderir ao governo.

Tudo o que se tem até hoje a respeito do assunto é a declaração à agência de notícias Reuters de uma fonte próxima ao ex-governador, no dia 21 do mês passado, e que pediu aos jornalistas para não ser identificada publicamente, assegurando que Serra “não incentivou” a criação do novo partido.

“O Serra não estimulou o novo partido. Para o Serra, não há interesse neste partido”, disse a fonte, na ocasião. Serra também não teria incitado a saída do Kassab do DEM – aliado histórico do PSDB — e muito menos concordaria com a ideia de uma futura fusão do PSD com partido que integre a base da presidente Dilma Rousseff, algo que, aparentemente, Kassab passou a descartar.

A manobra de Kassab afasta dos tucanos aliados importantes e, se tiver algum êxito, prejudicará as aspirações tucanas de voltar à Presidência em 2014.

Apesar disso, Serra até agora não veio pessoalmente a público para dizer como ficam suas relações políticas com o prefeito. Em suma, ainda não colocou a cara para bater.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − 3 =

Nenhum comentário

  • Agilmar Machado Filho

    Estou ansioso para ver a resposta que os eleitores de São Paulo darão ao Kassab.

  • Rodrigo

    Ricardo, sempre ouvi que José Serra age forte nos bastidores. Então…

  • Roberto Kenard

    Estranho esse PSDB. Bom, escrevi o artigo “Neurônios de Lula continuam na Faixa de Gaza”, a respeito do que disse o ex-presidente sobre o belo e sensato texto de FHC. Aqui: http://www.robertokenard.com Dê uma lida. Grande abraço

  • esther correa

    Oi Ricardo
    O Serra nunca dá a cara p/ bater. Por isso é que o acho um covarde. Como é que é? Como é que pode uma pessoa da oposição não dar a cara p/ bater? Esse é o Serra. Nunca fala nada a respeito de coisas e partidos que dizem diretamente respeito a ele.
    Ai, ai, ele não quer se comprometer. Votei nele, porém, acho-o muito fraco p/ ganhar quaiquer eleições. Ele já provou isso.

  • Karla

    O PSD é a legenda – do tipo stand by – que José Serra adotaria, para sua candidatura à presidência. Caso os tucanos decidam por Aécio Neves.
    Nada mais do que isso.
    Nem as andorinhas mais inocentes acreditam que Kassab tenha neurônios aguçados o suficiente para uma manobra tão ousada e de um sucesso que, em termos relativos, mostrou-se surpreendente dado o número de recrutados logo na largada.
    José Serra já mostrou que vai brigar dentro e fora do seu Partido.
    Enquanto Aécio procurava se apresentar como o arauto do novo PSDB, José Serra manobrou para desidratar o tucano no nascedouro.

    Pode perfeitamente ser isso, prezada Karla. É aguardar pra ver.
    Abraços

  • Jose carlos

    É, seu serra, é bom coçar a careca, mesmo…. o governo que temos hoje é graças ao seu partido!

  • Nonato Medrado

    Serra é a criatura política mais superestimada da história da República, do império, da colônia, e desde os pajés e caciques mais remotos dentre os nossos velhos pais. Como uma farsa do naipe consegue ter a sobrevida que tem? Eu sei! Ou desconfio, pois não sou um descerebrado, não importa o que digam os moldeques de recado do soi-disant eterno candidato mas preparado. Lembrei-me e uma frase, não sei se do Millôr ou do Sérgio Porto: em outras palavras, quer dizer o seguinte: E daí que seja preparado? Soda cáustica também é preparada, mas só serve pra desentupir privada.

  • Jota

    Quanto mais a oposição se fragmentar e se dividir, melhor para o lulopetismo.

  • Acho que o próprio Serra está por trás desta criação. Gilberto Kassab está esvaziando o DEM em SP, e partirá depois para cima do PSDB, nada me surpreenderá, se após um embate entre Serra e Aécio, o próprio não desembarque do PSDB, para o PSD.

  • dilson

    sou serra ate a morte,nao importa psdb ou psd serra 2014 ja.vitoria -es

  • Marcelo

    Respeito bastante o Serra como companheiro tucano, mas já tô com um pé atrás.
    NUNCA vou dar um voto a essa corja oportunista/traidora do Kassab – que, por sinal, ainda não chegou ao meu Rio Grande do Sul (embora tenha quase absoluta certeza que nosso amado governador Tarso Genro já deve estar em negociações, conhecendo o corvo que ele é) – e eu não duvido que o Serra esteja por trás disso tudo. Já tem gente apelidando o partido da boquinha brasileira de “Parte Serrista do DEM”. E o pior de tudo: muita gente genuinamente de oposição tá gostando dessa ideia porque tem a Kátia Abreu no meio.
    Só sei que vai ser muito engraçado se, depois de tantos anos vendo os militantes “tucanos” paulistas mais bairristas acusarem o Aécio de traidor, 2014 trouxer pra gente uma disputa entre Dilma (PT), Aécio (PSDB) e Serra (PSD).
    Se o ego do Zé Serra se mostrar mais alto e ele trair o partido que o trouxe ao poder, serei oposição a ele também.
    Serra, respeite sua história honrada e reconheça que a sua chance, infelizmente, já foi! Dê espaço a novos nomes que não estejam intrinsecamente ligados ao tucanato paulista (melhores nomes, pra mim, seriam Aécio ou Beto Richa). O PSDB nunca lançou um candidato a presidente de outro estado, e as campanhas paulistas não tem surtido muito efeito desde 2002.

  • Leandro

    Se for este o “trabalho” do Serra, só vem a provar que se trata de um político menor, preocupado apenas com sua vaidade pessoal.
    Se tivesse uma visão de estadista, pensaria primeiro no bem do País, depois no do partido e por último em si.
    Vamos aguardar.

  • fafa

    Surpreendente as professias da Karla – 14/04/2011 às 20:23
    Sinceramente, Serra conseguirá ser pior do que parece, em isto sendo verdade. Ai realmente, é a vaidade em primeiro lugar. Bem, mas acho que ele pelo menos já acordou que o queridinho agora é o Aecio Neves. Melhor que ele, certamente, é.