Image
A melhor plateia da história: em vez de jogar em estádios vazios, como no Brasil, o Fenerbahçe da Turquia, como punição por violência da torcida, teve que disputar a primeira de três partidas só com mulheres e crianças na plateia  (Foto: AP)

Amigos do blog, a decisão atribuída à federação turca de futebol, de obrigar o clube Fenerbahçe a atuar diante de uma plateia exclusivamente formada por mulheres e crianças com até 12 anos, foi uma das cartadas mais geniais já vistas na história do esporte.

O jogo, contra o Manisapor e válido pelo campeonato turco, ocorreu na terça-feira, 20, no Estádio Şükrü Saracoğlu, em Istambul, acompanhado com extrema paixão pelas 41 mil pessoas – sem incluir sequer um homem ou menino maior de 12 anos -, que lotaram o estádio e não pagaram ingresso.

O sucesso deve se repetir nas outras duas partidas que o Fenerbahçe tem que cumprir neste “regime”, por causa da invasão de alguns torcedores ao campo e agressão a jornalistas em partida pela Copa dos Campeões da Europa contra o Shakhtar Donetsk, da Ucrância.

Lição em vários sentidos

Embora faça milhares de representantes do sexo masculino que são pacíficos e adeptos do civismo pagarem o pato, a decisão da Federação dá uma lição a quem acha que violência e futebol combinam. Não houve sequer um incidente registrado no jogo de terça, que teve sua segurança a cargo de policiais mulheres.

Também mostra que é só os dirigentes terem um pouco de boa-fé que encontrarão soluções desconcertantemente criativas, ainda que simples, como esta, para combater este câncer que afeta dezenas de países no mundo. Entre os quais, claro, o Brasil, onde mortes causadas por facções organizadas – que se dizem formadas por torcedores – são frequentes e impunes há décadas.

“Neste país”, uma ou outra vez os times têm seus mandos de campo perdidos ou são obrigados a jogar sem torcida, o que não acaba com o problema e é uma derrota para todo mundo: clubes, torcedores comuns, patrocinadores, TV. O “jogo sem torcida”, aliás, era a solução inicialmente adotada pela federação turca antes do golpe de mestre: só mulheres e crianças.

Mulheres nos estádios, por favor

A medida também cala a boca dos defensores do machismo no futebol, que desrespeitam e ofendem mulheres em estádios e que acham que o lugar delas é longe dali.

O vídeo abaixo dá uma ideia do astral no estádio durante a partida. Tudo indica que a ala feminina de torcedoras do Fenerbahçe é tão ou mais louca pela esquadra amarela, branca e negra que a masculina (segundo um consultor brasileiro amigo do blog que viveu e trabalhou em Istambul, os turcos são mais fanáticos por futebol que brasileiros e argentinos juntos).

Quando o time da casa marca o seu gol, no tempo 1’45’’, o grito da plateia é ensurdecedor de uma maneira docemente inédita. Emocionante.

O Manisapor acabou empatando. Mas quem se importa?

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + cinco =

9 Comentários

Julia em 24 de setembro de 2011

E daí eu fico sabendo que na Turquia todos amam futebol! Isso é uma coisa que nunca imaginei..

Alline em 23 de setembro de 2011

Adorei! Sou mulher, entendo muito mais de futebol que meu marido e não vou ao estádio por conta do monte de homens violentos, que não são todos, mas são o suficiente para tornar o ambiente impróprio à família. Se fizessem isso aqui, eu iria ao estádio. E não seria só no dia exclusivo para mulheres e crianças, mas também em outros dias, porque os machões que estragam a festa de todos provavelmente ficariam inibidos com a retaliação e nos deixariam participar da torcida.

Alexandre A. C. Resende em 23 de setembro de 2011

Incrivelmente genial!!! E como toda ideia genial é algo simples e óbvio.

patricia m. em 22 de setembro de 2011

Em relacao à sua resposta ao Flavico, Setti, tenho o seguinte a dizer: por que nao fazer como a Inglaterra, que ficha os hooligans e nao os deixa entrar em estadios? Eu tendo a concordar com o Flavico. Por que punir quem nunca fez nada pela baderna de uns poucos? Que se puna quem deve ser punido, oras bolas. Patricia, concordo inteiramente com isso, de que se deve fichar e punir os hooligans. Há inclusive meios para isso. Também menciono no texto uma ressalva ao fato da medida turca punir gente que se comporta bem nos estádios. Só achei que, mesmo assim, se trata de uma ideia alternativa bastante criativa e que sim, também serve de lição aos nossos dirigentes. Abraço

Tuco em 22 de setembro de 2011

. Flavico, bonzinhos e mauzinhos. Nunca irá aceitar um estádio repleto de mulheres... http://lc4.in/jhD3 by celeraman+ .

Silvia em 22 de setembro de 2011

Achei lindo e emocionante. Deveriam fazer igual no Brasil!

Caminhos Por Onde Andei em 22 de setembro de 2011

Muito boa idéia mesmo! Super! Estádio cheio de crianças e mulheres se divertindo, mesmo sem entenderem muito sobre futebol, é mil vêzes preferível do que jogar pra ninguem. eidia www.oquevivipelomundo.blogspot.com Na Turquia, TODOS entendem de futebol... Crianças, então, nem falar! Abraços

Flavico em 22 de setembro de 2011

Que bobagem, Ricardo. Coisa típica desse nosso novo mundo politicamente correto, que divide tudo entre bonzinhos e mauzinhos. Ok, o ato de alguns vagabundos que invadem o campo para agredir a imprensa deve mesmo ser punido rigorosamente. Mas daí punir todos os representantes do sexo masculino é uma tremenda imbecilidade, como se truculência e ignorância fossem determinados pelos cromossomos X e Y. Não se esqueça que os presídios femininos estão lotados de assassinas, desordeiras, traficantes e bandidas outras. Ah, e a fogueteira do Maracanã era mulher, não é mesmo?.. Você quer bobagem maior do que no Brasil, onde, para punir times com torcidas baderneiras, joga-se com o estádio... vazio? O que é mais bobagem, caro Flavico? O gesto dos turcos, um tapa com luva de pelica nos baderneiros, ou a idiotice dos nossos cartolas? Abração

Tuco em 22 de setembro de 2011

. O que nutre minha esperança de que o mundo tem jeito, são as boas ideias. E aí está uma excelente ideia! Lugar de homem é em casa, assistindo futebol pela televisão. Mulheres e crianças aos estádios, sempre com entrada franqueada - afinal, torcida como essa é um espetáculo. A receita fica por conta dos anunciantes e pelos diretos de transmissão. E como ninguém pensou nisso antes? http://lc4.in/jhD3 by celeraman+ .

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI