Image
Pete Townshend, do The Who: mais um que abrirá o baú de memórias (Foto: Mario Anzuoni – Reuters)

Por Daniel Setti

Vida, a ótima autobiografia publicado no segundo semestre de 2010 por Keith Richards, em coautoria com o jornalista James Fox (editado pela Globo no Brasil), superou a marca de 1 milhão de exemplares vendidos em menos de um ano, se convertendo no mais recente fenômeno do mundo editorial relacionado à música.

Extremamente sincero, rico em episódios importantes e implacável com (ex-) companheiros de banda vivos ou mortos – leia-se Brian Jones e Mick Jagger -, o relato do mítico guitarrista, que recebeu US$ 7 milhões de adiantamento pelo trabalho, parece ter incentivado alguns contemporâneos e representantes de gerações roqueiras posteriores a contarem suas histórias.

Image
A capa do livro de Keith: falar mal dos outros vende

Para 2012 estão previstos uma série de lançamentos do gênero – por hora, nos mercados americano e britânico -, entre os quais Waging Heavy Peace, no qual o canadense Neil Young repassa sua trajetória, previsto para o segundo semestre, e as autobiografias ainda sem título do escocês Rod Stewart e do inglês Pete Townshend, líder do The Who, que devem sair em outubro. Antes, em maio, Gregg Allman, sobrevivente dos Allman Brothers, revisita o passado em My Cross to Bear.

O pacote literário dos baluartes do classic rock puxam um cordão que também levará às livrarias “causos” de escritores póstumos. Figuras carimbadas que já não estão entre nós, como o soulman e precursor do rap Gil Scott-Heron (falecido em 2011), e o controverso ícone punk Johnny Ramone (1948-2004), também terão memórias publicadas. Completam a farta lista do ano livros assinados por gente como John Taylor (Duran Duran), James Fearnley, (Pogues) e Jarvis Cocker.

Algum novo bestseller à vista?

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − doze =

5 Comentários

carlos nascimento em 12 de fevereiro de 2012

WH "i will al ways love you", simplesmente mágico.

carlos nascimento em 12 de fevereiro de 2012

Daniel, Whitney Houston - the voice feminina - partiu, se foi, muito cedo, uma perda enorme, o mundo musical está triste, não teremos mais aquela voz ao vivo, de corpo presente,agora apenas em play back, me pergunto: o destino continua sendo atroz, o que faz um ser humano com tamanha capacidade de inspirar emoções, se deixar abater pelas fugas alucinógenas das drogas. Ela tinha que ter sido "interditada", alguém do seu círculo familiar deveria ter assumido as rédeas e a ter colocado em um clínica de recuperação, apoio espiritual e fortalecimento, não consigo entender isso, as celebridades terem tanto e ao mesmo tempo não terem nada. Será que para ter sucesso nesse mundo da elite musical, o caminho das drogas se faz necessário ? é hora de reflexões, estamos perdendo pérolas, alguém tem de levantar a bandeira de um novo modo de inspiração e motivação. Abraços Carlos Nascimento. * WH mereceria uma homenagem aqui na Coluna.

Angelo Losguardi em 09 de fevereiro de 2012

Saindo biografia em português do Neil Young eu compro NO ATO! O Glenn Hughes também escreveu uma. Eu gostaria muito de ler. Pena que muita coisa não lançam aqui.

Kitty em 09 de fevereiro de 2012

Caro Daniel, Responder aos seus bem escritos textos, fica difícil.Ás vezes prefiro passar a frente. Não sabia que você e músico,e,é por isso que logo vou dizendo que só leiga em muitas coisas. Sou apenas uma apreciadora de boa música, embora não sou muito ligada ao conhecimento profundo das biografias dos diversos grupos musicais, nem conheço todas as canções dos diversos albumes de grupos importantes como os Rolling Stones. Gosto de alguns temas deles.O que posso dizer de Keith Richards que foi uns dos fundadores membro dos Rolling Stones, e que foi uns dos músicos mais pirados do rock. Ouvi de amigos, fans de carteirinha dos Stones, que brevemente farão uma turnê de comemoração dos 50 anos do grupo a partir de julho...não sei se os dados são precisos. Após os Beatles, este grupo fizeram história também.Os Rolling Stones albumes têm sido principalmente da dupla Jagger/Richards. Os temas foram desde Blues, Rock´n´roll,Pop. Mas também, Soul,Gospel e Country,e outros ritmos. Justificando a minha ignorância, me lembro da música "All about you" que eu gosto bastante, só para lembrar, uma entre a infinidade que ele compus.Keith é sem dúvidas um exímio guitarrista. Um pouco ligadão ás drogas lá pelos ano 60 e 70, mas, um excelente song-writer! É sempre um prazer ler os seus inteligentes textos musicais.É um ótimo aprendizado, e sou grata por isto! Um abraço da Kitty Olá Kitty, É um prazer receber os seus comentários. Fico muito feliz por você gostar dos textos que publico neste espaço. Na verdade, sou antes apreciador de música, como você, do que qualquer coisa. Sobre o Stones, considerando o que já fizeram até hoje, dá para acreditar em tudo. O curioso é que entre Richards e Jagger há uma enorme rixa há décadas, mas isso acaba sendo deixado de lado de tão absurdamente lucrativas que são as turnês das banda. Um abraço, Daniel

Marco em 09 de fevereiro de 2012

Amigo Setti: Daniel, a arte ao contrário da politica não precisa proteger nenhum segredo. Abs.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI