Jill Bolte Taylor teve uma oportunidade de pesquisa que poucos cientistas cerebrais desejariam: ela sofreu um grave derrame, em 1996, aos 37 anos – e pode observar enquanto suas funções de movimento, fala e autoconsciência entraram em falência, uma a uma.

Taylor demorou oito anos para se recuperar do acidente, que mudou sua vida para sempre.

Hoje, ela vive dando palestras, pedindo doações para pesquisas neurológicas e inspirando pacientes de derrames. Ela toca violão e monta vitrais coloridos e não faz mais pesquisas com ratos. Fala sobre viver em harmonia com o Universo, defende que encontremos um equilíbrio entre o lado direito (criativo) e o esquerdo (racional) dos nossos cérebros e está seriamente empenhada em “mudar o mundo”.

Seu livro, traduzido em dezenas de línguas (no Brasil ele se chama “A cientista que curou seu próprio cérebro”), virou um best seller. Em 2008, ela deu uma palestra imperdível, e emocionante, no TED, que já foi vista por mais de 6 milhões de pessoas em todo o mundo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =

10 Comentários

Auri em 21 de abril de 2013

Vale cada minuto de audiência. Experiência fantástica, perfeitamente transmitida. Eu Sou grata.

Carlos Alberto Boff em 19 de julho de 2011

Obrigado por mais esta Setti. Jill é gloriosa.

Vera Scheidemann em 18 de julho de 2011

Eu já tinho visto uma entrevista da Dra. Taylor e fiquei impressionadíssima. É uma mulher incrível e a experiência que ela teve foi muito emocionante. Vera

Mari Labbate em 18 de julho de 2011

E pensar, que por ser espiritualista, sofro, na Alma, imensa discriminação. Penso um trilhão de vezes, para redigir, a fim de não afetar os meus irmãos com as minhas teorias inovadoras, visto que combino a visão cientificista com a metafísica. Agora já sabem de minhas inclinações. Os irmãos têm sido muito condescendentes comigo. Somente devo agradecer, pois sou uma orgogliosa descendente de italianos: uma corajosa Giuseppe Garibaldi misturada com uma desbravadora Bandeirante! Como os brasileiros podem equilibrar-se, no Universo, com a interferência de tantas e Terríveis Forças Contrárias! É IMPOSSÍVEL viver, ouvindo tantas BOBAGENS. Agora, não podemos regredir, após tanta evolução. A nossa Missão, portanto, é deletar os erros... E JÁ! ABBRACCIO!

Carlos Vasconcelos em 17 de julho de 2011

Ricardo, obrigado por compartilhar e ter me proporcionado esse momento. Sou eu quem agradece sua visita e seu comentário, prezado Carlos. Abraços

Rosa Maria Pacini em 17 de julho de 2011

Os espiritualistas,Setti, há muito tempo defendem essa percepção do ser humano e do Universo e fico feliz em ver que neste milênio cresce o número de cientistas dispostos a rever velhos paradigmas, baseados na separatividade. Ao fazê-lo abrem-se à percepção do ser humano para além dos estreitos limites do ego, portanto para o que se convencionou chamar de a consciência expandida.

Eduardo em 17 de julho de 2011

Dear Ricardo Setti, thank you, brother. You made my day! Thank you, thank you, thank you!

Alexandre em 16 de julho de 2011

Nossa, faz tempo!!! O caso desta cientista, parece que ocorreu ontem. É um daqueles caso que ninguém acreditaria.

Milton Galvão em 16 de julho de 2011

Maravilhoso! A Dra. Jill Bolt Taylor consegue na sua palestra (com uma clareza impressionante) expressar a sua espiritualidade, permeada pelo seu notável conhecimento científico, revelando assim a grandeza humana diante das adversidades.

sidney em 16 de julho de 2011

Setti FANTASTICO assistir,ouvir,saber !!!! Que forca tem essa - MULHER - nao ?? Repassarei aos meus proximos Obrigado Abracos Sou em quem agradece sua visita e seu comentário, caro Sidney. Abraços

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI