Image
Só os franceses que fizeram o TGV (foto) se interessaram pelo leilão, que o governo adiou de novo (Foto: AFP)

Miragem, miragem, cada vez mais miragem. O adiamento da concorrência pública para o crescentemente improvável trem-bala São Paulo-Campinas-Rio transformou o projeto, para quem ainda acreditava nele, em uma daquelas miragens brasileiras que, para se materializarem, será preciso ver para crer. Mas ver mesmo, pronto, funcionando, e repleto de passageiros.

A concorrência pública já fora adiada não sei quantas vezes — agora, o governo cancelou de novo e diz que vai demorar pelo menos um ano para voltar a realizá-la –, a data de entrada em operação já namorou com 2014, ano da Copa do Mundo, e depois com 2016, ano das Olimpíadas do Rio, e agora os responsáveis pela empreitada tornaram a jurar, como já fizeram antes, que o trem começará finalmente a transportar passageiros no distante, longínquo ano de 2020.

A ver. Alguém acredita:

De todo modo, para a magérrima, absurdamente insuficiente malha ferroviária brasileira, o caríssimo trem-bala – não me peçam para dizer quanto custará, porque os números já oscilaram tanto que prefiro não registrar mais as promessas oficiais de que vai devorar 33 bilhões, enquanto o pessoal do ramo acha que não sairá por menos de 50 bi – será mais ou menos como se o poder público, podendo escolher entre construir 1 milhão de casas populares ou uma versão tropical do Palácio de Versalhes, preferisse investir na arquitetura barroca, no ouro, nos cristais, nas tapeçarias, nas obras de arte e nos fabulosos jardins e fontes onde se refestelava a monarquia absolutista francesa.

E, como já fiz antes, e voltarei a fazer, daqui de meu posto de leigo, duvido solenemente dos anúncios de que o nosso trem-bala será rentável. Para isso, citarei alguns números de estarrecer sobre o que ocorre no estrangeiro, dados para os quais o governo brasileiro simplesmente vira as costas, fingindo que não existem.

Image
O AVE espanhol: apesar de muito bem administrada, a rede de alta velocidade é altamente deficitária (Foto: intereconomia.com)

Mesmo bem administrada e contando com equipamento de alta tecnologia, é altamente deficitária a maior rede de trens de alta velocidade da Europa e a segunda mais extensa do mundo, depois da China – a do AVE da Espanha, com 3.500 quilômetros, 10 diferentes linhas em atividade e, devido à crise econômica que abala o país desde 2008, outras 14 em processo lentíssimo de construção.

A tragédia recente ocorrida na Galícia, com 80 mortos e centenas de feridos, não muda o que escrevi acima: a rede espanhola é muito eficiente tecnicamente e muito bem administrada, e o acidente em Santiago de Compostela foi claramente um caso isolado.

Mas a situação deficitária da rede chega a tal ponto que, recentemente, o governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy se viu obrigado a fechar, pura e simplesmente, a linha que ligava Toledo, capital de Castilla-La Mancha, a Albacete, na mesma região – 260 quilômetros que custaram 3,5 bilhões de euros.

Para que se tenha uma ideia da dimensão do enrosco (tanto o espanhol como o nosso), é deficitária até mesmo a mais utilizada das linhas da rede espanhola – a concorrida ligação pelo AVE entre a capital, Madri, e a segunda maior cidade do país, Barcelona, com 657 quilômetros de extensão. Nesse trecho, o AVE vem ganhando a concorrência com as empresas de aviação, mas leva algo como 11 mil passageiros por quilômetro por ano, ao passo que a linha Tóquio-Osaka, no Japão, por exemplo, conduz um número mais de 22 vezes superior — 245 mil passageiros.

A passagem de trem Madri-Barcelona pode custar caríssimo: conforme data e horário, até 300 euros, ou 900 reais.

Ainda que com preços salgados, as passagens são subsidiada em 66% pelo governo, segundo estudos de dois respeitados especialistas: Ginés de Rus, catedrático de Economia Aplicada da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria (veja currículo)  e Germà Bel, catedrático de Economia da Universidade de Barcelona (confira currículo).

Image
O TGV francês perto de Avignon, na região da Provence: a rede da França transporta muito mais passageiros por linha do que a da Espanha (Foto: www.b-europe.com)

Outros números: comparados com os 2,5 milhões de passageiros que usam o AVE Madri-Barcelona por ano, 14 milhões viajam de Paris a Tours pelo equivalente ao AVE e pioneiro TGV francês no mesmo período, enquanto, na Coreia do Sul, o trajeto entre a capital, Seul, e a cidade portuária de Busan, a segunda maior do país, com 4,5 milhões de habitantes na área metropolitana, transporta impressionantes 35 milhões de passageiros anuais em seus pouco mais de 300 quilômetros.

Quem acreditar que a futura linha São Paulo-Rio, passando por Campinas, atinja algo remotamente próximo a esses números – ainda mais com os baixos preços das passagens aéreas no trecho – deve também ter fé cega na existência do coelhinho da Páscoa e do saci-pererê.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + quatro =

Nenhum comentário

Leoni em 13 de setembro de 2014

O presidente da Alstom no Brasil, Philippe Delleur, afirmou que fazer trens regionais de média velocidade em São Paulo seria o caminho "mais seguro e curto" para o Brasil chegar ao trem-bala. Para ele, o problema está nas obras civis. As empreiteiras nacionais, disse, indicam que o valor dado pelo governo está subdimensionado. O projeto total está estimado pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) em R$ 33,1 bilhões, sendo cerca de R$ 28 bilhões (valores de dezembro de 2008) em obras e desapropriações. Delleur afirmou que as empresas já estão com dificuldades para conseguir recursos próprios, "equity", para ingressar como sócias. E, caso a obra fique mais cara que o previsto, serão necessários mais recursos próprios ou financiamento. O BNDES pode financiar até R$ 20 bilhões. "Nossas conversas com investidores indicam que é muito difícil achar um valor tão grande de "equity" privado. Os investidores financeiros não vão colocar dinheiro se não houver um grande esclarecimento sobre o projeto. E, se o orçamento não é R$ 33 [bilhões], é R$ 50 [bilhões], aumenta o tamanho do problema a ser resolvido." O tempo a mais até a nova data do leilão também será usado para fazer novos estudos sobre as conexões com outros sistemas de transportes, principalmente em São Paulo. Como é essencial que a linha de alta velocidade seja integrada, Delleur defende os trens regionais. Teste da demanda Pelos estudos, cerca de 70% da demanda do trem-bala virá de ligações entre as cidades paulistas. Por isso, diz, o ideal seria testar um sistema ferroviário nessas ligações, conhecer a demanda real e, só depois, passar para os trens de maior velocidade. "Grande parte da demanda não fica entre SP-RJ, mas em volta de São Paulo. O projeto deveria trazer resposta a essa demanda existente e, para isso, o regional pode ser rapidamente feito, em três a quatro anos, captar a demanda, estabilizar e usar esses recursos para continuar o projeto de alta velocidade." O governo federal tem projetos para vinte e uma linhas regionais no Brasil. Os trens regionais têm velocidades máximas de 250 km/h, enquanto os de alta operam a até 350 km/h. Fonte:Folha de S.Paulo Concordo perfeitamente com a opinião do senhor. Delleur, quando especifica-se a prioridade de trens com velocidade de até 250 km/h que podem ser usados como trens regionais com alimentação em 3 kVcc e futuramente como trens TAV em linhas segregadas exclusivas com alimentação em 25 kVca em uma mesma composição, podendo ser de um ou preferencialmente os de dois andares (double decker) dos tipos com tecnologia pendular Acela ou Superpendolino que possuem uma capacidade de trafegar em curvas de raios menores, pois possuem um sistema de compensação de estabilidade de até (8º) 8 graus, adaptando-se melhor as condições brasileiras com reaproveitamento de energia elétrica na frenagem usando as mesmas composições para ambas especificações e padronizados em bitola de 1,6 m, exatamente como é em SP, MG e RJ entre outras cidades principais brasileiras. Embora não existam no Brasil, estes modelos de trens são de tecnologia consagrada, e podem ser construídos no Brasil, pela maioria das montadoras aqui existentes.

Célio Azevedo em 09 de junho de 2014

Privatize tudo já que assim dará certo!

André Luiz em 07 de outubro de 2013

A linha de trem bala é muito eficiente e não necessita ser tão cara, apesar de suas peças serem muito caras. O Brasil se destaca na rede de transportes porque é um dos países que melhor administra seus coletivos. Logo a população aumenta e atinge numeros em que sem um trem bala ficará mais caro os serviços de transporte. Também é importante lembrar que apesar de parecer coisa cara não é em face do numero de pessoas trasnportadas diariamente. Não existem riscos quando são cauculados e severamente combatidos os acidentes são exceções como os de avião por exemplo. Mas acredito piamente que a linha irá ainda mais longe e cruzará todo o país de norte a sul.

Quintus em 07 de outubro de 2013

Mais uma vez volto a este canal para comentários. Desta vez, mudado um pouco de foco do trem bala. Volto, todavia, para expressar a minha indignação para falar de outro “trem” tão lerdo como andar em velocidade de “tecnologia do século 19”: de carro de boi. Quando eu disse que o nosso país tinha que ter um pouco vergonha cara não era apenas sobre os nossos políticos. E todos os senhores sabem do eu falo. No ESTADÃO de hoje há uma matéria assinada por Josette Goulart e Jamil Chade, intitulada: “Suíça ameaça devolver US$ 28 mi a condenados” (creio que muitos já leram). Está aí mais um caso que envergonha toda a Nação: da parte séria e honesta; daquela parte que trabalha honestamente, que produz e gera impostos; daquela parte dos 200 milhões da população que trabalha, fervet opus, incansavelmente. Quando li a matéria fiquei incrédulo ao me lembrar de ter lido e acompanhado todos os desdobramentos na época e ver que já se passaram 10 anos! E pensei com os meus botões: só fiquei, apenas, 10 anos mais velho... ??? E vi que tudo ficou parado. Tudo me veio com se estivesse vendo uma fotografia tirada na época. Eternizado o tempo, imobilizado. No comentário anterior falei de coisas, de MEIO SÉCULO! De SETE ANOS de mera “poesia” dos trens. A propósito: o caso mensalão, já decorreram sete anos e tudo indica, ficou para as calendas... que, pelas doutas palavras do Prof. Francisco Rezek, em sua excelente entrevista no Roda Viva... “os recursos são intermináveis e quando chegar ao termino não é possível a condenação” (importante lembrar que ele não disse sobre este caso do mensalão, dessa impossibilidade, mas sobre a possibilidade de recorrer ad eternum, com os recursos e, agora, com os embargos infringentes... ). Está aí uma prova, uma demonstração inequívoca da nossa justiça brasileira. Da morosidade perpétua. Do caminhar que confere paralelo com o “Paradoxo de Zenon”, de caminhar contra a parede. De cada recurso poder afundar mais os processos no pântano da justiça brasileira, de encontrar algum abrigo em qualquer canto de um miasma palaciano a espera. E, assim, enquanto esses autos ficaram perdidos na penumbra e tortuosos meandros das instancias mais variadas da justiça brasileira, os banqueiros suíços condenados já pagaram a pena, com seus dias na cadeia. Imaginem justo no país onde os anticapitalistas classificam-no de “país agiota”. Por outro lado, os ladrões brasileiros, membros que compõem societas sceleris que roubaram o dinheiro do país e enviaram para aquele país ainda estão soltos e, pelo (sem trocadilho) andar da carruagem, logo receberão o dinheiro que está bloqueado naquele país. Para este fato, ser surreal é pouco! É um verdadeiro conto que concorre com as melhores novelas kafkianas. Diante deste fato Kafka se reduz a um simples noviço. São estes verdadeiros exemplos que nos envergonham. São estas “ficções” que nos desacreditam. É preciso ter um pouco de vergonha na cara. Convenhamos, isso não se chama Justiça.

Quintus em 05 de outubro de 2013

Após postar meu comentário, li a do sr. Paulo, 02/10/2013 às 0:20 horas. Como ele próprio se declara ser uma pessoa que vive no mundo do assunto, claramente, dá sinais sobre a direção dos ventos. Percebe-se que afirma com muito senso de realidade. É muito interessante. Embora eu seja apenas um cidadão comum sem portar qualquer crachá funcional com aquela qualificação, é perceptível, realmente, que suas palavras revelam o que deve estar ocorrendo atrás dos palcos, todas às vezes, antes daquele senhor da EPL, Bernardo Figueiredo, ter que se justificar referto, com repetidas asneiras e sempre prometer doces favônios a cada licitação frustrada que, ao ser realizada nova licitação em um futuro incerto concorrerão novos interessados e apresentarão projetos tecnicamente mais elaborados e imbatíveis! – aquele senhor não tem vergonha na cara perante o Mundo (é um lulopetista, ou liliputiano?)? Pergunto: em tão curto espaço de tempo é possível tanto aprimoramento técnico nesse setor? Do pouco que acompanho pelo noticiário sobre o assunto, compartilho com a mesma opinião do sr. Paulo de como os “interessados” veem esse trem bala brasileiro. Decorreram já sete anos quando o iluminado pt descobriu que em alguns países, mundo afora, haviam trens balas, resolveu querer sublimar o país do ludopédio do século 19, para o 21, pelas insuspeitas e habilidosas mãos panglossianas dessa alienígena (será algum atavismo?). Mas esse “trem”, até agora tem caminhado em velocidade que está, ainda, muito aquém do que seria compatível à “tecnologia do século 19”, está parecendo apenas como uma simples alegoria gerencial no mundo dos “trens”, uai? E nada mais. Voltando ao Shinkansen posto em circulação em 1964, por coincidência, foi executado no mesmo tempo em que se discute por aqui, sete anos. Isto quer dizer que lá, eles iniciaram em 1957! Um país que estava se refazendo de toda sua infraestrutura destruída pela guerra havia cerca de 10 anos antes. Foi construído em tempo recorde, ainda não superado, depois de “50 anos”. Quantos bilhões de passageiros já foram transportados nesse período, e quantas centenas de milhões de km foram percorridos, sem ter registrado um acidente com uma vitima fatal. A título de comparação: aquela década de 1960 a população brasileira estava em torno de 70 milhões, hoje 2013, já rompemos a barreira dos 200 milhões, uma expansão demográfica de 186%!! E sob outra perspectiva, quantas vítimas fatais foram registradas nesse “meio século” no nosso país? Considerando toda malha ferroviária nacional; passageiros transportados por km percorrido; velocidade média dos nossos “irons horses”...? etc... etc. Até parece ser uma analogia surreal, não? O que o nosso país precisa ter é, não muito, mas, um pouco de vergonha na cara. Nesse meio século só a taxa de corrupção deve ter aumentada muito superior a tudo esses números comparativos. Temos que ser mais sérios para nossas futuras gerações!!! É muito triste tudo isso.

Quintus em 04 de outubro de 2013

Não sabemos o que esse governo quer fazer desse trem bala. Esse assunto é notícia desde 2007, é isso? O governo brasileiro é uma vergonha para a nossa nação. A gerentona é um ser alienígena. A propósito desse trem bala japonês que se chama Shinkansen, o primeiro no mundo, começou a rodar em 1964, quando foi realizada as Olimpíadas de Toquio, ligando as duas cidades: Toquio-Osaka, de cerca de 550 km. Observem que no ano próximo, 2014, irá completar MEIO SÉCULO de operação!!! Sem acidente fatal! E enquanto nós ficamos adiando e adiando sem qualquer segurança de viabilidade econômica, como se comprova, a cote, os japoneses já estão TESTANDO um novo conceito de trem, ultra-avançado, que entrará em operação comercial em 2027!!! Ele já foi batizado de MagLev, que atingirá a estonteante velocidade de 600 km/h. O trecho inicial ligará de Toquio a cidade de Nagoya (cidade esta situada a cerca de 250 km antes de Osaka) num curso de 290 km, com seis estações, que será coberta esta distância em inacreditáveis 40 minutos! Isso não é miragem! Por conta das Olimpíadas de Tóquio de 2020, o governo e os técnicos analisaram a viabilidade de antecipar a sua operação desse “futuro”, mas por todos os meios disponíveis concluíram ser impossível esse corte de sete anos. Isso não é miragem! Como não será miragem que o trem percorrerá em 2027, com ou sem os terremotos que costumam assolar aquele arquipélago. Quem viver verá.

Luis A. Neto em 02 de outubro de 2013

Trem-bala...Rio-São Paulo...não seria bala no trem?

Sandro em 02 de outubro de 2013

Seu comentário era perfeitamente publicável, continha dados concretos e tudo o mais. Mas sua pergunta final era calhorda, gratuitamente ofensiva, mentirosa e sórdida. Eu SÓ sirvo ao que considero os interesses de meus leitores. Me atribuir, via pergunta capciosa e cínica, ligação com este ou aquele setor da economia como móvel do trabalho que publiquei ofende gravemente meus mais de 40 anos de trabalho digno. Quem você pensa que é para fazer isso? Desejo, portanto, que você suma deste blog -- o mais rapidamente possível -- e não volte mais. Gente com esse tipo de caráter não faz a menor falta aqui, nem ao site de VEJA.

Luis em 02 de outubro de 2013

A julgar pelo custo de 3.5 bilhões de euros da linha de 260km na Espanha, entre Toledo e Albacete, o SP-RIO de pouco mais de 500km, não poderia custar mais do que 21 bilhões de reais.Não há dúvida de que, cá como lá, teve corrupção e superfaturamento nos 3.5 bolhões de euros. Agora, por que não reformar e reativar,em primeiro plano, mesmo que seja preciso fazer alguns desvios ( a linha passa por dentro de cidades que cresceram por cima da linha...) a velha Rio-SP? Custaria infinitamente menos e seria mais moderna e mais rentável já que o ROI seria de menor tamanho?

moacir 1 em 02 de outubro de 2013

Setti, Já vi esse filme.Em Portugal era o trem bala no trecho Lisboa/Madri.E os cumpanheiros socialistas do Primeiro Ministro José Sócrates,já haviam comprado a preços de banana,as terrinhas por onde apitaria o trenzinho da alegria.Cuja passagem ida/volta não custaria aos seus usuários menos de 250 euros.Enquanto se pode VOAR hoje,o mesmo trecho,pelas empresas aéreas low cost,por apenas 30! É por aí! O que deve ter de petista proprietário das terras áridas à beira dos trilhos... abc

Mary em 02 de outubro de 2013

Os tais "capitalistas" do "trem bala" só estão esperando a GRANA do governo federal, do BNDES. Hilário! Onde está, até hoje, a "mão invisível do mercado" no Brasil? Eu nunca enxerguei! Estamos todos esperando vê-los meterem a cara, com sua GRANA e o risco COM SUA GRANA E RISCO!. O que querem os "capitalistas" para investir na "malha destruída" do Brasil (ainda mais depois de FHC - -Lembram da Rede Ferroviária Federal?). Os "capitalistas" querem GARANTIA de grana, bem visível, muito visível, da grana do Estado BNDES?. A "mão invisível do mercado", nunca foi 'invisível", é mão de ladrão da iniciativa "privada" Quero saber onde estão os empresários para rasgam o sertão, as planícies, em novas estradas, projetos, sonhos? Colocando em risco todo seu futuro, O DINHEIRO QUE GANHOU ONTEM, a grana do futuro de sua família? Quem os impedem de comprar e pagar um preço justo pelas desapropriações? Que briguem, como o ESTADO, na justiça, porque uma família de sertanejo, índio, não aceitou o valor da desapropriação e irá ficar 10 anos com o MP, o DEUS, CAGANDO para 5 bilhões de investimento. A melhor coisa que existe no Brasil, e em boa parte do mundo, são os capitalistas PIADAS! Ser "capitalista" com a grana do Estado é uma delícia!

Paulo em 02 de outubro de 2013

Trabalho na área e asseguro: Essa porcaria não vai sair. Nas matrizes das empresas do ramo ferroviário, trem bala brasileiro já virou palavrão e ninguém mais quer gastar dinheiro com isso. Já perceberam que os caras aqui não são sérios e o que Bernardo Figueiredo fala ou escreve não vale mais nada. Por isso, se forem construídas novas linhas de passageiros, ele vai ter que engolir trens regionais, que circularão entre 160-200 km/h, que é o que realmente precisamos e que ele próprio dizia que era "tecnologia do século 19", como se já tivessemos tido algum dia no Brasil um trem que trafegasse a pelo menos 140 km/h. A ANTT nem consegue controlar as concessionárias daqui, o DNIT não consegue terminar uma ferrovia e a EPL nem tem idéia de onde esse trem bala iria passar. Entre os que poderiam fornecer tecnologia, temos os coreanos, que já gastaram muito dinheiro algum tempo atrás preparando uma proposta séria, os seguidos adiamentos os fizeram desistir e o sócio brasileiro passou a ter dificuldades financeiras; os espanhóis, por causa do desastre recente que põe em dúvida sua tecnologia dificilmente vão entrar (e se entrarem vai ser no tapetão, já que uma das exigências é não ter tido acidentes recentes), os alemães estão na mira de todos (é só ver o noticiário atual) e tiveram um acidente algum tempo atrás, bem como os chineses, que por isso nem apareceram. Os franceses perderam a paciência após transformarem em papel picado uma proposta em que gastaram um bom dinheiro e os japoneses não vão destruir a reputação de zero acidentes fatais com seus Shinkansens desde sua inauguração em 1964.

RONALDE em 01 de outubro de 2013

Com o dinheiro do trem bala é possível construir centenas de quilômetros de metrô, os quais vão beneficiar milhões de brasileiros, além de desafogar o trânsito nas grandes cidades, por fim melhorando a qualidade do ar. Lembremo-nos que um dos argumentos da nossa presidente para construção do trem bala é a seguinte: "ceis imaginaram um paulista pegar o trem cedinho, chegar no Rio, ir à praia e voltar à tarde?" É isso mesmo que os senhores acabaram de ler, por mais estúpido que possa aparentar. Essa é a nossa presidente. R$60 bi prá tomar banho de mar.

AlexRio em 01 de outubro de 2013

Isso é o tipo da coisa que não deveria ter a menor prioridade no Brasil. Até hj não sei quais as justificativas para termos trem bala.

Mary em 01 de outubro de 2013

Perguntas que ninguém quer responder: 1) Alguém do governo federal, do governo dos "petistas" está impedindo a INICIATIVA privada, a "mão invisível do mercado" para que se lance nessa empreitada e construa o Trem Bala? 2) Ou será que a "INICIATIVA PRIVADA", está esperando para saber quanto o governo federal, dos "comunistas" irá entrar de grana gorda e garantir a mamata do BNDES? OBS: Pra que não lembra e critica a "a magérrima, absurdamente insuficiente malha ferroviária brasileira" deveria saber que hoje, 90%, estão entregues nas "mãos invisível do mercado" - Deveriam visitar algumas malhas que a iniciativa privada ganhou de "grátiz" no governo FHC/PSDB! Na minha cidade, esses pessoal DESTRUIU tudo. Hoje, centenária estações, oficinas lindas, estão caindo aos pedaços, tudo destruído. Quem devemos culpar? Os comunistinhas do PT? Nada melhor do que uma boa memória para responsabilizar verdadeiramente os responsáveis, não é mesmo sr. Setti?

Leo Oliver em 15 de agosto de 2013

Nao precisamos de trens-bala. Trens "BONS", ja seriam um bom comeco.

GEROLDO ZANON em 15 de agosto de 2013

Ronaldo vou retificar teu comentário foi uma entrevista que o MARCELO REZANDE da RECORD fez com o LULA onde sem o MARCELO perguntar nada ele foi logo dizendo FIQUEI BILIONARIO mas foi tudo com o FURTO meu trabalho

GEROLDO ZANON em 15 de agosto de 2013

Quem inventou esta mentira do trem bala deveria levar uma bala nas fuças

anderson silva em 14 de agosto de 2013

EPL = Empresa da Privataria Lulo-petista

anderson silva em 14 de agosto de 2013

O MELHOR LUGAR PARA SE ESCONDER UM LOBBISTA Um certo senhor vem a décadas passeando pelas instâncias pública e privada do setor ferroviário; é apadriado político / parceiro do PT; Mesmo acusado de causar prejuízos bilionários ao erário, foi indicado por Dilma pra recondução à diretoria de uma agência reguladora, por sorte foi impedido pelo Senado, que o massacrou em sabatina. Bernardo Figueiredo, nomeado diretor-presidente da EPL, estatal recém criada para gerir o TAV, é o próprio lobby do trem bala. não é nenhum segredo, basta pesquisar: "nao-a-bernardo-figueiredo".

Deva Carneiro em 14 de agosto de 2013

O Governo deveria construir as ferrovias interligando todas as capitais deste país, aos portos onde a carência por transporte eficiente é uma emergência. Quem anda por estradas brasileiras, fica espantado quando lê uma noticia dessas, pois por onde se passa o que se vê é grãos espalhados velas rodovias. Primeiro a produção, depois a diversão. É muito triste olhar um país tão grande, com um governo tão pequeno.

Ronaldo Barra em 14 de agosto de 2013

E o Lula hein, vir a público em entrevista ao jornalista Marcos Resende e dizer:" fiquei bilionário com o fruto do meu trabalho". Meu Deus que trabalho....

Rodolfo em 14 de agosto de 2013

Parece que o governo Dilma tem o rabo preso com alguma empresa envolvida nessa licitação. Porque não é possível tamanha teimosia!

henrique alves em 13 de agosto de 2013

com má governança o comentário anterior deve querer dizer governança leviana. visto que todas as decisões do governo parecem ter o intuito de ferrar com o país. Não duvido que insistam nessa idiotice. Enquanto isso nossa malha ferroviária vai sendo sucateada pelas concessionárias sem q ninguém intervenha.Saliento que com a Parceria Púbico-Privada (PPP) a ser estabelecida o governo arca com 70% dos custos, porém se torna sócio com apenas 50%. Além disso, a parte que caberá à empresa privada será subsidiada pelo governo através dos infames financiamentos do bndes. como o governo vai conseguir tanto dinheiro? simples, aumentando sua já exorbitante dívida pública que já consome 50% do orçamento. o bndes funciona assim: o governo pega dinheiro emprestado a 19% e capitaliza o banco. aí o banco financia um empreendimento privado cobrando juros de 6% (financiamento subsidiado), a diferença, ou melhor o rombo, quem cobre é o Tesouro. Ou seja o governo vai arcar com muito mais do que os 70% alegados.

NélsonX em 13 de agosto de 2013

Esses trens bala, assim como todo transporte público de massa, não dão lucro. Todo o déficit desses meios de transportes, são custeados pelos governos. Pq só aki nesse país, de corruptos e incompetentes, como esse governo petralha, haveria de dar lucro. Pergunto...: os metrôs do Rio e SPaulo dão lucro...? claro que não. O metrô de superfície aki em P.Alegre, chamado de Trem-surb, tb não dá lucro. aliás esses metrôs no Brasil foram construindos pela ditadura militar. Por falar em trem-bala, como vai a transposição do rio são Francisco, heim 9dedos...?

Luiz Carlos Motta em 13 de agosto de 2013

É suspeitamente curioso o empenho com que o Governo Dilma vem defendendo o projeto.Veladas promessas de campanha? A quem!!!!????? Isso nãqoé coisa que se prometa a um povo que tem transportes urbanos da pior qualidade. Este éo projeto Trem Bala...PERDIDA.... MUITOS MORRERÃO PELO C AMINHO DESSE MONSTRO EM DECORR~ENCIA DA TRANSFER~ENCIA DE FUNDOS DE SETORES FUNDAMENTAIS...S A Ú D E ED U C A Ç Ã O S A N E A M E N T O....

A. Carlos em 13 de agosto de 2013

Saber governar é saber , também, estabelecer prioridades ???

Bruno Maffeo em 13 de agosto de 2013

Esse trem-bala é mais uma demonstração, de inúmeras, da completa falta de bom senso dos governos petistas. Excetuando os de autoria petista e afins, os diagnósticos sobre o cenário atual da economia brasileira (e da política também!) convergem para uma visão bastante negativa do futuro. É mais do que hora para buscar convergência também sobre o rumo a seguir de modo a evitar que essa visão se concretize. Obviamente, essa busca deve focalizar as eleições de 2014. O risco de má governança foi assumido pelo eleitor brasileiro quando elegeu Lula em 2002 e 2006; Dilma Rousseff em 2010. Como era de se esperar, não está dando certo. Não se pode deixar um país complexo como o Brasil entregue a pessoas tão despreparadas e inexperientes, além de dominadas por uma ideologia antimercado estatizante e amplo contingente de corruptos. No entanto, em cada oportunidade desde 2002, uma avaliação objetiva e rigorosa teria indicado outro caminho. Tomara que, em 2014, o eleitor não cometa erro idêntico pois o que deverá ser corrigido, somado ao que deverá ser criado, exigirá enorme competência e, sobretudo, liderança e honestidade. Que tal começar, desde já, a fazer o plano para eleger com maioria consagradora (esmagadora!)o futuro presidente, garantindo-lhe, por meio de escolhas cuidadosas, margem de apoio no Congresso (Câmara e Senado) que dispense alianças espúrias? O mínimo a exigir é Ficha Limpa! Que tal fazer uma escolha baseada em desempenho passado, refletindo o que já realizou enfrentando desafios internos, externos, políticos e econômicos? Que tal pensar em Fernando Henrique Cardoso? Que tal escolher FHC e começar, desde já, a trabalhar com afinco para elegê-lo?

MODERADO em 13 de agosto de 2013

Falta ousadia e inteligência para o articulista! Hadadd em SP já resolveu como baratear transporte público. Para os ônibus é a CIDE MUNICIPAL aumentando a GASOLINA em R$ 0,50/litro. Certamente para o TREM BALA é só aumentar a CIDE FEDERAL em R$ 5,00/litro de gasolina! Elementar! É só usar a imaginação...

jotabe em 13 de agosto de 2013

Considerando-se o desempenho do governo petista em várias áreas como: transposição do Rio S.Francisco, Ferrovia Transnordestina, petroleiro João Cândido entre outros atrasos e fracassos, não precisa ser bom de previsões para saber no que dará o trem bala. Mais uma vez o desgoverno petista jogará nosso dinheiro no ralo, isso não sem antes fazer o venha a nós o vosso reino.

Neil Ferreira em 13 de agosto de 2013

Um civil, Ministro da Economia durante o mandato de um dos generais do regime militar, com a garganta treinadíssima em vodka russa e afiadíssima em frases inestimáveis, certa ocasião teria economizado milhões para o tesouro brasileiro com a decisão: "Vamos pagar a propina e economizar o dinheiro da obra".

Adolfo em 13 de agosto de 2013

A política ferroviária brasileira(se é que existiu) relegou esse meio de transporte às favas por décadas e o país perdeu o bonde da história ferroviária; desvios são cometidos em todas as grandes obras governamentais e nesta não seria diferente; quanto ao custo, alguém já experimentou adquirir um bilhete Rio-São Paulo aéreo de emergência? algo como entre 700 a 800 dólares, não muito distante de uma econômica Rio- Paris ou New York;enquanto isso, nosso genocídio rodoviário chega a algo entre 50 a 60 mil vítimas anuais algo impensável a nível planetário.

Wilson-SP em 13 de agosto de 2013

Ricardo, Boa tarde. Tenho um amigo, especialista em transporte, sobretudo em montagem de operações de project finance no setor, que me confirmou o que você informa neste post. Ele acha o trem-bala brasileiro uma completa loucura, se finalizado será um projeto faraônico no tamanho e no déficit. Segundo ele, não há demanda para viabilizar o projeto. Faz muito mais sentido o Gov. Federal investir este montante no metrô em São Paulo e Rio. Um abraço.

Leniéverson Azeredo em 13 de agosto de 2013

O PT não aprende com o erros dos outros. É um mal, aparentemente incorrigível.

A.M.A em 13 de agosto de 2013

O que arrumamos para presidente? *** Quarta tentativa de se realizar o Leilão. Isso não seria um aviso? *** Acorda Brasil!

Sergio Sampaio em 13 de agosto de 2013

Ou é má-fé ou estupidez, ou ambos. Em um país que não tem metrô direito, não tem trem urbano, fazer um trem bala por este custo pra quê ? Só tem uma explicação, que é criar o trem da alegria e roubalheira. O trecho em questão é tortuoso, montanhoso e sinuoso. Os trens bala de sucesso correm livremente em planícies. Além disto, para quem não tem o transporte básico direito, no que o trem bala vai ajudar ? Não tem como justificar um mastodonte destes, a não ser que seja mais uma forma de meter a mão.

Tony em 13 de agosto de 2013

Coelhinho da Páscoa, saci-pererê ou et de Varginha, não?

Artur Souza em 13 de agosto de 2013

Esse trem-bala já virou coisa de criança birrenta e teimosa. A gerentona infalível se recusa a aceitar a besteira que fez. Criou até uma estatal, que promete ser um novo sorvedouro de dinheiro público, para cuidar do seu brinquedo de luxo. É bom lembrar que o inferno atual do trânsito foi iniciado bem lá atrás, com Juscelino Kubitschek, um presidente que foi grande até em seus erros. E o maior deles, na minha opinião, foi ter dado absoluta prioridade à indústria automobilística, relegando os trens quase ao ostracismo. O governo Dilma, que não perde uma chance de piorar o que já está ruim, aumentou ainda mais o caos, ao cortar impostos da indústria automobilística e facilitar a compra de carros, com juros baixos e pagamento em trocentas prestações. Tudo errado.

Sandro.jp em 13 de agosto de 2013

Muito obrigado por sua correção, prezado Sandro. Estou trocando a foto. Agradeço por ser um leitor tão atento. Um abraço

Sandro.jp em 13 de agosto de 2013

É inacreditável como o governo petista insiste nessa ideia amalucada. Um trem de alta velocidade somente seria necessidade se a rede básica ferroviária já suprisse as necessidades de locomoção urbana. No Japão, onde resido, a linha Tokaido, de Tokyo a Osaka, é a mais lucrativa de todas e permite que a operadora (Central Japan Railway) tenha caixa para bancar sozinha a construção de uma nova linha de TVA usando tecnologia Maglev para ligar Tokyo-Nagoya-Osaka até 2035. Mas discute-se o retorno das novas linhas de TVA, como a Hokuriku (Tokyo-Ishikawa-Osaka), Nagasaki (Fukuoka-Nagasaki) e Hokaido (Aomori-Sapporo). A se considerar dimensões territoriais, é de se duvidar a real viabilidade de tais trens no Brasil.

Paul em 13 de agosto de 2013

Se esse absurdo sair, para que a população use será necessário a Bolsa Trem Bala; como sugestão, haveria um vagão de prata para a Rose com seu amado transportando aquelas malas ....

Abaixo a Ditadura Petista! em 13 de agosto de 2013

Onde estão as 6000 creches da Dilma do PT? O partido vive de anúncios, rótulos, clichês e tudo o mais que NUNCA realizará. Nunca mais PT!

Trovão em 13 de agosto de 2013

Brasileiros e brasileiras, cumpanheirosssssss e cumpanheirassssssssss, nós, os políticos "honesstosssssss" deste país, habitado por um povo ignorante, sem estudo, sem cultura, que não sabe votar, que não tem escolas, não tem hospitais, que acredita em políticos corruptos, só queremos construir esse trem bala de festim, porque vai custar mais ou menos, no preço inicial 33 bilhões de reais, depois de dois dias o preço vai passar para 40 bilhões de reais e no final mais de 50 bilhões reais. Desses 50 bilhões só serão desviados 15 bilhões de reais para o exterior, assim esse povo que não sabe nem o que é conta bancária, nunca vai criticar a nossa roubalheira. Aliás os políticos nunca vão usar esse trem, porque não tem nada para fazer em são paulo e muito menos do rio de janeiro, a não ser irmos a praia, mas para isso usamos os aviões da fabtour. A única certeza que os políticos tem é que serão desviados bilhões de reais dos impostos roubados do povo.

Rosivaldo Alves em 13 de agosto de 2013

"Quem acreditar que a futura linha (...) atinja algo remotamente próximo a esses números (...) deve também ter fé cega na existência do coelhinho da Páscoa e do saci-pererê." E ter grande respeito pelo ET de Varginha.

Bruno Sampaio em 13 de agosto de 2013

Pois é: Hoje assisti Miriam Leitão dizendo que apenas duas linhas de trem bala no mundo não trabalham no vermelho, e uma fica no Japão. Talvez a outra também, não me lembro. Num país sem malha ferroviária para transporte de carga ou passageiros, falar de trem bala, insistir nessa história de trem bala me parece algo delirante, uma obssessão para a qual não encontro explicação, a não ser a da teimosia patológica.

razumikhin em 13 de agosto de 2013

"O AVE espanhol: apesar de muito bem administrada(***), a rede de alta velocidade é altamente deficitária" Bem administrada? Sim, sim, sim (si,si,si). Entendi a ironia.

R Q em 13 de agosto de 2013

O governo não consegue resolver os problemas de mobilidade nas grandes cidades e insiste num meio de transporte caro para os padrões do nosso país, e que vai com certeza desviar bilhões para os bolsos dos espertalhões. Por quê não concluir as obras que aí estão ??? Transposição do S. Francisco, hidrovias para escoar produção, ferrovia Norte-Sul e muitas outras. Nunca consegue terminar o que começa.

In Hoc Signo Vinces - VIVA P II em 13 de agosto de 2013

Setti, Sugiro também mencionar um caso semelhante de TAV deficitário que ocorreu na Coréia do Sul cuja linha tem semelhanças de topografia ao trajeto RJ-SP. Estouro no prazo de entrega e orçamento. Transformou-se numa dor de cabeça para os Coreanos também. Abração.

Sergio Costa em 13 de agosto de 2013

O fato é que esse tal trem-bala é só uma cortina de fumaça, ele não vai ser construído. Cadê a ferrovia norte-sul, a transposição do São Francisco, os 600 aeroportos e o resto das obras anunciadas pelo ex-presidento e pela presidanta? Repito, isso é só cortina de fumaça pra proporcionar mais uma roubalheira.

Rick em 13 de agosto de 2013

Outra pergunta que não cala: Se eu paguei USD 300, em uma oferta de momento, por uma passagem de Paris a Lyon, na França, e uma passagem de Madri a Barcelona custa EU 300 em média, distâncias parecidas com SP-RJ, quanto custará no Brasil, onde de tudo se tira uma boa (ótima?) parte do preço para o rei? Certamente vai acabar com as companhias de aviação, não é? Eu não escrevi que a passagem Madri-Barcelona custa 300 euros em média. Disse que, conforme o dia e o horário, PODE CUSTAR ATÉ 300 euros. Há preços muito mais baratos do que esse.

AlexRio em 13 de agosto de 2013

Esse negocio de trem bala parece que já ficou ultrapassado. Isso aqui periga ser mais interessante de pesquisarem. http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/inventor-propoe-novo-sistema-de-transporte-em-tubos O unico problema é que, orçado em 6 bilhoes de dolares por lá, aqui, no pais da corrupção e dos 30%, capaz de sair por uns 25.

Alex Souza em 12 de agosto de 2013

O governo não conclui obras como o metrô de Belo Horizonte, uma promessa de campanha, e fica com essa bobagem de trem bala entre RJ-SP. É preciso fazer o básico e no futuro, se houver muito dinheiro disponível, fazer uma linha PA-FL-CU-SP-RJ-VT-BH-GO-DF e outra linha VT-SV-AR-MA-RE-JP-NA-FT-SL-BL-PL-CU-CG-MA-LO-CA-SP. Se for para pensar Brasil só em termos de Rio-SP é melhor deixar tudo por conta de linhas de avião mesmo. Se os estrategistas acham que o povo vai ficar olhando fortunas serem destinadas para Rio-SP, como sempre aconteceu, estão enganados. O Brasil pode acabar tendo problemas sérios e virar uma colcha de retalhos. Muito cuidado com este tipo de bobagem... O mapa da América do Sul pode acabar com revisões.

Daniel Neves em 12 de agosto de 2013

A região ao noroeste da Espanha chama-se em bom português "Galiza" e não "Galícia", que é um castelhanismo evitável.

Agnaldo em 12 de agosto de 2013

Em outras palavras: Com esse adiamento, apenas por sorte não estamos ainda mais enrascados.

Marmello em 12 de agosto de 2013

O Governo Dilmá, está pagando para sair desse enrrascada, onde moro se diz o seguinte, Foi um tremendo( Bostaço),entendam o que quiserem.

Bruno em 12 de agosto de 2013

O único caso bem sucedido realmente na Europa (que eu conheça) de alta velocidade é o Londres-Paris (ou Bruxelas), pois os aeroportos (Londres e Paris) ficam muito longe do centro da cidade. E de trem, em 1 hora podemos ir de Londres (Waterloo) a Paris (Gare du Nord ?). Quase dá para num domingo ir almoçar em Paris ou vice versa :)

jorge em 12 de agosto de 2013

Caro Setti: O problema do PT.e dessa quadrilha que está no poder,é quanto mais caro melhor pois,a possibilidade deles enriquecerem com o roubo aos cofres públicos é cada vez maior em obras mais caras. Engana-se o povo,dá-se um "trenzão" para os bacanas e a malha ferroviaria que poderia atender o nordeste e outras regiões ficam cada vêz mais sem investimentos Estão qurendo fazer esse investimento criminoso tendo Rio e São Paulo como vitrine e em outras regões a população não tem água para beber. Tenho visto ainda o blog 247 criticar a todos vocês da veja e noto que é um blog facista que gosta de transformar grandes mentiras em puras verdades,porém ,fíz a soma de 2+4+7=13. e 13=PT=CORRUPÇÃO=ROUBO DE DINHEIRO PÚBLICO. GRANDE ABRAÇO SETTI,A VOCÊ E A TODOS DA VEJA.

Roberto Souza em 12 de agosto de 2013

Setti, já tenho idade suficiente para não acreditar que essa obsessão com o trem bala não tem nada haver com inexperiência, engano ou incompetência. Ainda não sabemos mas certamente ainda saberemos quais os reais motivos da insistência nessa insana aventura com o dinheiro público.

Cidadã Consciente em 12 de agosto de 2013

Boas perguntas, caro Alexandre! Caríssimo Setti, isso e apenas mais um plano mirabolante da Dama de um so Neuronio, em sua megalomania. Quer deixar uma marca que seja do seu desgoverno e elegeu esse caríssimo e inviável empreendimento. Perguntem ao povo de Sao Paulo, Rio e Campinas se o trem-bala e uma prioridade? Perguntem se todos esses bilhões nao seriam muito melhor aproveitados num projeto de mobilidade urbana factível, trens, ônibus, metros, estradas, aeroportos, etc. Façam uma pesquisa e vejam o que povo pensa sobre esse delírio da PresdANTA. Grande abraço.

alexandre fonseca em 12 de agosto de 2013

Sou leigo no assunto e posso estar falando bobagem, mas há uma questão que ainda não vi ninguém mencionar: onde ficarão as estações de embarque/desembarque? Construir um aeroporto novo em uma área urbana já é um enorme problema logístico e financeiro; mas um aeroporto, ao contrário de uma linha ferroviária, ocupa um espaço restrito. . Agora pense nos trilhos específicos para o TAV, com uma larga zona de proteção, atravessando a cidade até chegar à estação. Calcule o que precisará ser desapropriado em todo o trajeto. É economicamente inviável; portanto, as estações em São Paulo e no Rio provavelmente terão que ficar fora da cidade. Mas, se ficarem distantes, como chegar até elas, e em quanto tempo? Se o trem levar 2 horas entre São Paulo e Rio, mas os passageiros gastarem mais 1 a 2 horas no trânsito em cada ponta, teremos a mesma duração de uma viagem de ônibus... . A alternativa seria construir linhas de metrô para as estações do TAV. Nesse caso, quanto custariam essas linhas? Esse custo já está incluído no orçamento?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI