Amigos, como é bom registrar a história, não?

Vejam a preciosidade que é o vídeo com a “reportagem cinematográfica” dirigida por Glauber Rocha e Fernando Duarte — na verdade, um descarado trabalho de propaganda claramente feito sob encomenda — mostrando a posse no governo do Maranhão, em 1966, do então jovem ex-deputado e futuro presidente da República José Sarney.

Vindo da chamada “Bossa Nova” da extinta UDN, eleito pela Arena, magrinho e com cabelos originalmente escuros, Sarney chegou como promessa de renovação de costumes e de redenção econômica de um dos Estados mais miseráveis do país.

O filme mostra cenas da cidade de São Luís e flagrantes da miséria do Maranhão — hospitais caindo aos pedaços, lixões percorridos por catadores, prisões horrendas, crianças carentes — entremeadas da festa popular por Sarney e tendo como trilha sonora seu discurso de posse diante de grande multidão.

Ele promete acabar com a roubalheira, com a “miséria, a angústia e a fome”, combater o analfabetismo, “as mais altas taxas de mortalidade infantil, de tuberculose, de malária e de xistosoma [esquistossomose] como exercício do quotidiano” — e por aí vai.

Hoje, 45 anos depois, tendo o Estado sido governado na maior parte do tempo pela família Sarney e por aliados e ostentando os últimos lugares em quase todos os indicadores sociais, confira se o cenário mudou fundamentalmente no Maranhão em relação ao quadro que o então jovem governador descrevia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × quatro =

Nenhum comentário

carolina em 02 de junho de 2011

ANTES SARNEY ERA UM PROBLEMA DO MARANHÃO.... HOJE É UM PROBLEMA DO BRASIL. MAS....ONDE ESTÁ UM HOMEM DE VALOR PARA TIRAR ELE DO LUGAR DE IMPERADOR???

Fred Lauletta em 12 de maio de 2011

Dá pra se ver que São Luís não tinha buracos nas ruas naquele tempo.......no calçamento, como na política, os ratos trabalharam muito esses anos todos.

Leonardo Arrais em 11 de maio de 2011

Inacreditável. C

Luiz em 11 de maio de 2011

Caso a economia do Maranhão tivesse crescido metade da variação do patrimonio do Senador, desde o ano de 1,966 ate hoje, os maranhenses poderiam ser comparados a Dinamarca.

José Geraldo Coelho em 11 de maio de 2011

Glauber Rocha, Quem diria. Faturou alguns trocados fazendo marketing político para coronelzinho de merda. José de Ribamar (vulgo José do Sarney) prometeu e cumpriu. Tirou do Maranhão do estatus simples de misérável e concedeu-lhe o título de "O estado da miséria absoluta". O estado mais pobre do Brasil. O Carcará Maranhense só tirou da miséria a sua família e o resto é que se dane.

Joker em 11 de maio de 2011

O Maranhão? O Maranhão continua o mesmo, porque ama a tradição. Já a Famiglia Sarney...

Paulo Bento Bandarra em 11 de maio de 2011

E o patrimônio da família Sarney, não se multiplicou? Você acha pouco que este patriota que o Brasil deve tanto, das palavras do apedeuta, tenha saído da faixa da riqueza para a de extrema riqueza? Ele e Lula também merecem o título de "Notório Saber" em maracutaias enriquecedoras. Veja só a importância para o empresariado nacional saber que Lula deixava a sua marmitinha guardada embaixo do tanque. Isto vale ouro!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI