Image
Rotatória para pedestres: passarela circular Lujiazui, em Xangai

Na China inventaram o papel, a imprensa, o macarrão, a pólvora, a seda, o garfo, a lente de aumento e outra infinidade de coisas que mudaram o mundo para o que hoje conhecemos. Os chineses podem até não ter inventado rotatórias ou viadutos para pedestres, mas uma do porte, design e funcionalidade dessas que vocês vêm nessas fotos, no coração de Xangai, é pioneira.

O trânsito das grandes cidades geralmente é pesado e difícil, e a China, com seu desenvolvimento espetacular das últimas décadas, passou a ter crescentes e sérios problemas desse tipo nas grandes cidades, que vêm sendo enfrentados com novas redes viárias, viadutos de todo tipo, a construção em velocidade galopante de metrôs e trens de subúrbio por toda parte.

O outro problema — e enorme quantidade de pedestres num país que caminha para 1,3 bilhão de habitantes — a China já tinha. Sendo assim, por que não utilizar para as pessoas uma solução que funciona para carros? Essa é a lógica da rotatória para pedestres.

A passarela circular Lujiazui foi construída no bairro de Pudong, em Xangai, ao lado leste do rio Huangpu, zona econômica e financeira da cidade, com enormes construções modernas por todos os lados.

Fica a cerca de 20 metros acima da rua, e através dela as pessoas podem andar em segurança, indo do edifício Oriental Pearl Tower para outros prédios de escritórios do centro financeiro das redondezas e áreas de lazer e compras, como shoppings e cafés. O toque delicado é dado pelos jardins que circundam o viaduto-passarela e pelo canteiro florido que serve, abaixo dela, como rotatória para os veículos.

Com mais de um quilômetro de comprimento, a passarela tem 5,5 metros de largura, com capacidade para 15 pessoas lado a lado e mais de 10 mil simultaneamente. Ao longo de sua extensão, possui elevadores e escadas rolantes para acessá-la ou para descer ao nível da rua. Oo

 

 LEIAM TAMBÉM:

Fotos: lugares incríveis, de causar espanto. Não só pela beleza. Vejam só:

FOTOS: parece incrível, mas existe — é o rio mais bonito do mundo

Fotos: as estradas mais incríveis do mundo

Uma pausa para relaxar: fotos muito, muito divertidas

Ira de Deus ou portões do inferno: veja fotos desses incríveis buracos gigantes

Fotos: paisagens incríveis — com ou sem a mão do homem

Encantador: vejam como a leoa se arrisca para resgatar o filhote

Um trabalho belo, minucioso e comovente: quatro irmãs fotografadas, juntas, ano a ano, da juventude à maturidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 7 =

14 Comentários

Alessandro em 02 de julho de 2013

Sério que você acha isso bom? É um remendo lamentável. Qual a graça de se andar em um anel de asfalto suspenso? Qual o conforto? Preste atenção se existe alguma vantagem para o pedestre. O carro, que poderia ser desviado do nível térreo, (acima ou abaixo) está lá, privilegiado. O coitado do pedestre tem que subir uma enorme rampa, quando poderia caminhar diretamente, como é o mais natural. Não há um único espaço de estar, só percurso. Não há banco, não há vegetação, não há cobertura, não há arte nem alegria. Temos situações muito melhores aqui, e olha que não temos nada. A vegetação ao centro é ornamental, escultórica, como um bolo. Isso é bom pra carro, e olhe lá. A cidade é feita de pessoas, não de carros. Veja a dimensão deste percurso. Na China faz muito calor, e às vezes, muito frio. Chove muito. Uma senhora se cansa no caminho, faz o quê? Deita no chão? A cidade é feita de pessoas, e para pessoas. Com o mesmo tempo que essa obra demandou, e com um pouquinho a mais de custo e embaraço no trânsito, o resultado final de um pequeno túnel feito em trincheira seria muito melhor. E os aspectos que a matéria aponta como benefícios não existem. Esse jardim no meio da rotatória é uma piada. Ninguém chega lá. Era melhor fazer um desenho no chão. Paisagismo escultórico da pior qualidade. Só demanda manutenção, com benefício de uso zero. A arquitetura e o urbanismo devem ser acolhedores, humanos e interessantes. Esse elemento viário não é nada disso. Solidifica a posição de protagonismo do automóvel, e deixa o pedestre e o ciclista com a sobra. Não se impressionem com as coisas da China: eles estão tendo a aoportunidade de errar agora o que já erramos há 30 anos, e é só. Pra ter uma ideia, neste momento do século XXI, estão expulsando pequenos agricultores de suas microfazendas de produção local e diversificada, de alimentos, indenizando a preço de banana, criando uma enorme população favelada em periferia, e agrupando extensos latifúndios monocultores para atrair gigantes do agronegócio como Monsanto e Cargill. Alguém conhece essa história? Exato, é o que foi feito no ocidente. Só que eles poderiam aprender com nossos erros do passado, mas estão optando por repeti-los.

Cronos em 18 de maio de 2013

Na praça das Bandeiras,em São Paulo, tem um quase igual.

Ronaldo em 17 de maio de 2013

Para aqueles que gostam da engenharia e arquitetura chinesas sugiro conhecerem o Aeroporto de Shenzhen - https://www.google.com.br/search?q=shenzhen+airport&client=browser-rockmelt&hs=wzQ&channel=omnibox&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=KXmWUZutCKmN0QGp8YCIBQ&ved=0CDcQsAQ&biw=1212&bih=709

ademar filho em 17 de maio de 2013

Igualzinho no Brasil. Em São Paulo, na região de acesso à Via Anchieta, na administração do Maluf, construíram um viaduto que passa por cima das Juntas Provisórias e desagua no Ipiranga, com a denominação de "Complexo Mackenzie", e o dito cujo viaduto, não tem calçada para os pedestres transitarem. Penso que o Maluf (formado na Politécnica) retaliou os engenheiros do Mackenzie, pois a barbaridade é tão grande que os moradores da favela do Heliópolis andam pelas pistas. Além do visual da região ser muito ruim (favela por todos lados) a construção foi mal erigida (acabamento).

Stella M A Costa em 17 de maio de 2013

Aqui viraria um shopping ao ar livre e o jardim seria um mictório... Um viva aos chineses! O BRIC virou CRIb...

Ismael Pescarini em 17 de maio de 2013

Bonito e funcional. Ainda bem que a China é um país comunista e autoritário e não permite que um bando de camelos se instale no dito viaduto para vender as tralhas falsificadas (todas chinesas) que são vendidas no belo viaduto Santa Ifigênia. KKKKKK.

Tuco em 17 de maio de 2013

. O Nobre Comentarista toninho malvadeza - 16/05/2013 às 19:39 encerrou o assunto. .

Raphael Accete em 17 de maio de 2013

Na verdade, nem é tão novidade. Le Corbusier tá projetou isso na Ville Radieuse. Mas a ideia é boa demais. Não há nada realmente de novo sob o sol, não é mesmo? Abraço

Dulce Regina em 17 de maio de 2013

Já tinha visto... Obra para povo educado. Quem dera pudéssemos chegar la.

lima em 16 de maio de 2013

parece nosso terminal de onibus Bandeira.

Paulo R. Herrmann em 16 de maio de 2013

Caro Setti na verdade este tipo de passarela nao e novidade na china pois ja as avia conhecido na minha primeira viajem a China em 1989 e mais tarde em 1997 na cidade que morei por 17 anos Dong Guan ja havia 3 enormes que traspunham uma avenida de 8 pistas 4 para cada lado so nao tinha escada rolante como as atuais pasarelas Chinesas. Gratos

Amelia em 16 de maio de 2013

É só dar uma olhada nas nossas passarelas para ver que isso não funcionaria no Brasil. Só são usadas aqui se construírem uma muralha da China impedindo os pedestres de "cortar caminho". E, dependendo da hora, usá-las é pedir para ser assaltado.

Geová Elias em 16 de maio de 2013

Se fosse aqui no Brasil, uma obra desta custaria bilhões e terminaria inacabada. Mais é linda mesmo hem,

toninho malvadeza em 16 de maio de 2013

Lindo mesmo,mas não é pro nosso bico.Fico imaginando uma dessas em São Paulo ou Hell de Janeiro,com CENTENAS da barraquinhas de camelôs.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI