Image
Maduro X Capriles: resultado reconfirmado antes da recontagem? (Fotos: EFE)

Amigas e amigos do blog, como vocês reagiriam se aqui, no Brasil, diante de uma recontagem de votos de uma eleição presidencial em curso pela Justiça Eleitoral, o vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral já dissesse, de antemão, que a recontagem não alteraria o resultado das urnas?

Coisa de doido, não?

Pois é exatamente o que está ocorrendo na Venezuela chavista. Mais abaixo vocês verão a notícia a respeito do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), órgão que equivale à Justiça Eleitoral no Brasil

Pessoas de bem e democratas se horrorizam, mas, se tiverem mais informações a respeito do chavismo na Venezuela, não se surpreendem.

O CNE tem cinco integrantes — e quatro são chavistas declarados. Dois deles já foram flagrados em manifestações pró-governo, em passado recente, com punhos levantados!!!

Horroriza, mas não surpreende, num regime que coloca na cadeia magistrados sem culpa formada e os deixam apodrecer lá, sem julgamento, como no caso que trouxe à baila recentemente.

Num regime em que o presidente do Legislativo, atropelando Constituição, leis e o próprio regimento da Assembleia Nacional, cassa a palavra, arbitrariamente, de quem não reconheça a vitória “do companheiro Nicolás Maduro” (o sucessor indicado por Chávez, cuja vitória é contestada pela oposição — o que levou à recontagem de votos).

O mesmo político chama, e volta a chamar, de “fascista” o candidato da oposição, o moderado Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda.

Esse deputado, Diosdado Cabello, muito ligado aos militares, não está nem aí para o fato de que vai haver uma recontagem, ou seja, que a vitória de Maduro ainda não foi confirmada completamente nem pelo órgão do Estado montado pelo chavismo. Ele age como se a Venezuela fosse Cuba — um dos modelos inspiradores do chavismo — ou a Coreia do Norte do ditador louco com cara de bobo.

Já mostrei, hoje, vídeos da repressão das forças chavistas contra oposicionistas que se manifestavam pacificamente.

Vejam agora o comecinho desta notícia da estatal brasileira Empresa Brasileira de Comunicação:

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) garantiu que a auditoria nas urnas não alterará o resultado obtido por Nicolás Maduro nas eleições de 14 de abril. O candidato derrotado Henrique Capriles pede que a verificação seja mais detalhada.

A coordenação de campanha eleitoral de Capriles explicou que a auditoria esperada pela oposição compreende todos os elementos que compõem o processo eleitoral. “As doze mil caixas que serão auditadas vão demonstrar se há elementos suficientes para determinar se os resultados não correspondem a verdade”, diz a nota da oposição.

O CNE tem dito repetidas vezes que a auditoria não altera a vitória de Maduro. “Foi gerada uma falsa expectativa sobre uma suposta recontagem dos votos, mas isso não existe e o resultado é irreversível”, explicou a vice-presidenta do Conselho Eleitoral, Sandra Oblitas. Empossado na semana passada, Maduro venceu a Capriles com menos de dois pontos percentuais.

A oposição alega que houve mais de 3.500 irregularidades durante a votação, com denúncias que incluem desde a existência de urnas fantasma, até votos registrados de pessoas mortas. O CNE rebate dizendo que o sistema eleitoral foi aprovado por observadores da União da Nações Sul-americanas (Unasul) e do Mercosul.

(CLIQUE AQUI PARA CONTINUAR LENDO)

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 2 =

22 Comentários

Mauro Pereira em 28 de abril de 2013

Caro Ricardo Setti, boa noite. Definitivamente, viver neste pedaço mais ao sul do continente americano tem sido uma grande e perigosa aventura. Entretanto, por mais paradoxal que possa parecer, essa viagem interminável pelos meandros da insanidade tem seu apelo didático, pois, nos ensina, como sobreviver à ação deliberadamente predadora da malta constituída de tiranetes patéticos que comanda o destino de várias centenas de milhões de pessoas que, ao que tudo indica, estão condenadas à felicidade eterna que vulgariza a democrática ditadura bolivariana em curso disseminada por toda essa parte da América como rastilho de pólvora e que, mais dia, menos dia, encontrará o seu barril. O desvario tomou tamanha proporção que me atrevo a afirmar que nem mesmo Dante ousaria imaginar um inferno tão diabolicamente perfeito. Parto do pressuposto que o escritor italiano seria precavido o suficiente para não ceder à tentação de criar como expoentes máximos dessa profundeza em ebulição, um presidente que precisou morrer para que seus delírios democráticos sobrevivessem, nem, muito menos, um ex-presidente que se finge de morto quando cotejado às responsabilidades da vida, mas que se mostra literalmente vivo ao usufruir dos regalos propiciados pelo sistema que um dia jurou matar. Nesse grande hospício incandescente que tem como patrono um tal de Bolivar, nem mesmo a mais inimaginável insanidade pode ser descartada. Chávez e Lula são as personagens principais desse teatro do absurdo. Um debochou dos venezuelanos reencarnando na forma de um falante pássaro bufão, como o original, que, por sua vez, encontrou num aprendiz de bolívar-de-hospício versado em esperanto o intérprete abaixo de qualquer suspeita; o outro, não quis deixar por menos a traquinagem chavista e superou as expectativas. Sem vergonha, redimiu os bajuladores convenientes e a vassalagem ordinária da seita envergonhando os brasileiros ao consagrar-se internacionalmente como o único ex-presidente de república bilíngue analfabeto em dois idiomas. Confesso que jamais imaginei que viveria o bastante para assistir a desmoralização, em sua plenitude, do arremedo de democracia que sempre pairou por este pedaço do planeta esquecido por Deus, vulgarmente conhecido como América Latina. No entanto, adubada com esmero por aspirantes a caudilhos que comungam da mesma degenerescência autoritária reunidos sob o manto fraudulento de uma farsa denominada Unasul, a mediocridade se expandiu com celeridade, não me poupando desses dias de provação. Por debaixo da lona rota que cobre esse circo fulero, desfila a fina flor do atraso representado pelo que há de mais sórdido no autoritarismo bolivariano batizado de socialismo do século 21. O modelo brasileiro dessa aberração ideológica tem como padrinho nada menos do que Paulo Salim Maluf, entronizado no paraíso dos neo-comunistas pelas mãos sacrossantas de Luiz Inácio Lula da Silva, a mais nova celebridade do mundo capitalista. Freud foi mais afortunado. Apesar de arrasada pela vigarice intelectual, pela mediocridade administrativa, pelo cafajestismo político e pela canalhice ideológica, a América dos latinos submissos inveterados resiste bravamente às investidas cada vez mais audaciosas da horda celerada que transporta o caos como forma de auto-afirmação através de llamas de franja atreladas à correias de aço e tem como destinatárias preferencialmente senhoras maduras, como, por exemplo, a perfomática artista de nacionalidade indefinida reconhecida pelo virtuosismo mavioso na execução da caxirola e pelo inconfundível talento na interpretação de tango de funeral, a diva Dilma Cristina. Ainda bem que não sou uma pessoa deseducada. Se fosse, baixaria o nível e escreveria que se o mundo tivesse um orifício de passagem de excremento, inexorávelmente ele seria aqui, nessa América tropicalizada que deixa loucos, e ricos, velosos, gilbertos e holandas. E, imbecilizados, os pereiras da vida. Sei lá, talvez seja sina. Se me perguntassem se a América Latina tem jeito, a prudência aconselharia a me fingir de argentino e responder: “me quiero ir”, mas, como sou brasileiro e não desisto nunca a resposta estaria na ponta da língua i em “ingrêis”, para desmoralizar de vez a empáfia dos hermanos: “i don’t know de nothing”. É, infelizmente, ninguém escreve impunemente sobre Lula e Chaves e eu não seria exceção. Admito que não estou conseguindo achar o fim deste texto. Então, para amenizar o vexame, ao menos vou me despedir em alto estilo: “Goodbye e até tomorrow. De manhã.

Luiz Pereira em 26 de abril de 2013

Setti, boa noite, O mundo não é perfeito. Se temos de negociar com uma ditadura, como a chinesa, que se faça. Agora, incluir a Venezuela no Mercosul, que por mais capenga que seja e esteja, tem uma cláusula democrática, é dose pra elefante. Negociemos com a Venezuela. Mas não deixemos de ter em vista que democracia, aquilo não é. abs A manobra pavorosa e malandra que permitiu o ingresso da ditadura venezuelana no Mercosul foi um dos piores momentos do governo Dilma, caro Luiz. Concordo totalmente com você. Abração!

Corinthians em 26 de abril de 2013

Mas Setti, como pode ? A Venezuela é uma democracia. Sabemos que Chaves sempre foi referendado - se não me engano ele ganhou 102 das últimas 15 eleições. A população o apóia. Todos louvam o caudilho salvador. Podem recontar os votos que com certeza vamos ter o resultado confirmado. Não só isso - provavelmente teremos como resultado da contagem mais votos para Maduro do que na contagem original. Por isso não me espanto com (in)"justiça" venezuelana. Com certeza, com seus 30 milhões de habitantes a recontagem deve mostrar: 404 milhões de votos em Chávez 253 milhões de votos para Maduro 14 milhões para Caprilles Chávez deve ser considerado o vencedor e terá de prestar juramento, mesmo que do além em um prazo exíguo (até 2032). Adotando o conceito democrático de continuidade administrativa (a là Pinochet), Maduro vai exercer o mandato até o dia da ressurreição.

André Luiz Bezerra em 26 de abril de 2013

É incrível mesmo, pois esta demostrando descaradamente que é uma ditadura, e depois desse pronunciamento não precisa realmente de contagem, pois já está definido que este governo realmente é uma ditadura.

Alcir em 24 de abril de 2013

Quando Hugo Chaves foi eleito para seu primeiro mandato e dispondo de uma montanha de petrodólares para manejar, os irmãos Castros percebendo a vaidade patológica do mandatário venezuelano, aproveitaram a oportunidade para resolver pelo menos em parte os problemas econômicos mais urgente da ilha, e ao mesmo tempo deram asas a imaginação de Chaves, transformando-o numa caixa de ressonância para disseminar a ideologia totalitária por todo continente, para com isso destruir todas as tradições sociais, legais e políticas do países. Os cubanos foram fechando o cerco, de forma que Chaves ficou embriagado com as bajulações bem arquitetadas, ponto de dividir o poder na Venezuela com eles enquanto ainda estava vivo. Com Nicolas Maduro sendo ungidos com o óleo milagroso da revolução cubana desde a década de 80, os cubanos ficaram aguardando pacientemente o momento oportuno para dá o Xeque-mate a assumir o controle total do Estado Venezuelano. Após a morte de Chaves, colocaram Maduro no poder e tornaram Venezuela um condomínio de Cuba. Veja o vídeo no link abaixo. http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=_18Yb1Bft5s

Celio Govedick em 24 de abril de 2013

Esta é a lógica Bolivariana. O nome disso é totalitarismo ou falta de democracia. Talvez se recontassem pra valer pudesse mesmo alterar o resultado. Tudo muito estranho. A republica do faz de conta. Estão afundados na miséria e no descontrole. Mataram suas industrias. Vamos tomar os mercados deles.

Sergio em 24 de abril de 2013

Setti Não sei o que é pior: essa "recontagem" da Venezuela, ou a "recontagem" que a petralhada quer fazer no STF com os mensaleiros. Coagiram ministros, prorrogaram o julgamento à exaustão, escolheram outros ministros, plantam notícias contra o FUX. Que mais?

o fantasma do TONINHO DO PT em 24 de abril de 2013

Fraudes + embustes + ladroagem - ética = América Latrina

ricardo em 24 de abril de 2013

Não estamos muito atrás.Basta ver que aqui um condenado (Genoíno)está na Comissão de Justiça do Congresso.Já existe cheiro de pizza na condenação do mensalão,etc,etc..E anote aí,se ela se reeleger vamos empatar ou passar a Venezuela.CERTEZA! É o BRASILNIC,rumando pro seu futuro glorioso.

moacir em 24 de abril de 2013

Prezado Setti, Essa recontagem de votos aí, é vista de formas controversas dentro da própria campanha de Capriles.Também nos blogs,los hermanos não se entendem e tenho lido longos debates. Depois de muita leitura - nunca estudei espanhol! - acho que a pergunta que não quer se calar é - os votos computados em 14 de abril representam mesmo a vontade do eleitorado venezuelano? Apesar da perguntinha ser básica,los hermanos estão escrevendo que Capriles não a respondeu de forma coerente. De um lado eles narram toda uma série de incidentes - ameaças de morte,agressões físicas,intimidação,bullying,abuso de poder em cima dos fiscais oposicionistas em diversas zonas de votação.Dezenas de representantes oposicionistas foram postos para correr desses locais.E Capriles teria fortes evidências de todos esses episódios.Tais fatos,se provados,teriam sido suficientes para que as oposições exigissem - conforme as leis eleitorais venezuelanas - revotação naquelas zonas onde ocorreram.O problema é que,estranhamente,na sua entrevista televisiva, Capriles não denunciou nada disso.Por que? Todos os comentaristas perguntam. Por outro lado,o que se viu foi Capriles enfatizar a recontagem.Que só teria sentido se ele realmente tivesse certeza de que os "mortos" votaram. Mas,aparentemente,AQUI, as evidências de Capriles são frágeis.Na verdade,as oposições já sabem que,se a tal auditoria incluir os tais " cuadernos de votácion" encontrará evidências de fraudes.Mas não numa escala que pudesse alterar o resultado das eleições. Pelo que pude compreender,acho que Capriles deveria ter gritado aos quatro ventos que as condições de votação no dia 14,impediram os eleitores de votarem livremente.Tipo assim;nas zonas eleitorais 1,2,3,através de ameaças - inclusive físicas! - os chavistas A,B,C, não permitiram o sagrado direito do voto livre. Mesmo a gente sabendo que o Judiciário está dominado e que as leis na Venezuela só existem para ser descartadas e substituídas por novas invencionices chavistas, as oposições teriam tido uma chance de adiar a posse de Maduro até que as revotações fossem realizadas.As revotações,assim como a recontagem,segundo pesquisas da MUD,contariam já com 70% de aprovação popular.E Capriles contaria com apoio internacional. Em vez,quando o Governo aceitou fazer um arremedo de recontagem - após a leitura do Comandante do Carroll a gente sabe quão profundas são as raízes corruptas chavistas nas instituições venezuelanas - a oposição passou a brigar no ringue errado. Temos que dar algum crédito aos chavistas loucos de hospício:eles estão sendo capazes de transformar a recontagem numa distração apenas. Finalmente,dizem los hermanos que Capriles,ao não denunciar as irregularidades,o fez - TALVEZ!- por temer como resposta um vero GOLPE,como manda o figurino.Maduro & cia,Cabello aí incluído,há muito saíram do armário democrático e não estão nem aí. Não estão mais para brincadeiras.Acabaram-se os programas Alô Presidente. Elles não vão largar o osso,ainda que façam correr sangue. Abraço

Jefferson em 24 de abril de 2013

Sobre o comentário de Roberto Ribeiro feito as 21:32 no dia 23/04: "A Venezuela tem o sistema de votação mais seguro do mundo. O eleitor vota na urna eletrônica, depois o voto é impresso e o próprio eleitor o coloca na urna lacrada". Observação: As urnas podem ser seguras, mas não impedem o voto assistido, no qual agentes do governo se coloquem ao lado dos eleitores dentro das cabines de votações, vigiando suas ações na hora do voto, com ameaças de tirarem os seus empregos e benefícios sociais, caso votasse em favor da oposição. "A Direita ultimamente tem como profissão chorar. Não se viu empenho semelhante da mídia chorosa, para se exigir a recontagem dos votos das Eleições dos EUA, lá a diferença foi bem menor". Corrigindo: Nos EUA houve recontagem dos votos, lá a mídia não precisou exigir a recontagem, pois a justiça funciona naquele país. "A Direita é chorona, assassina, e há séculos, previsível". Corrigindo: A direita não pode ser assassina, pois não foi ela que matou mais de 20 milhões de russos no governo de Stalin, sem falar nos milhões de mortos no Camboja, no governo de esquerda do Khmer vermelho. Enfim, basta lembrarem também do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, fundado por Hitler, a palavra "Socialistas" aparece na sigla, junto com "Trabalhadores", como a do PT.

Fernando X em 24 de abril de 2013

Mas é o governo dos sonhos dos corruPTos!

Apoc em 24 de abril de 2013

Porém há um grave efeito colateral numa brusca elevação do petróleo: recessão mundial e incentivo para que se intensifique o processo de fracking nas rochas para extração de gás e dai levar a autonomia energética nos EUA.

Apoc em 24 de abril de 2013

O hospício bolivariano só tem uma alternativa para se sustentar: rezar para que o barril do petróleo, no mais rápido possível (e se possível hoje), dobre de preço e repita este movimento um ano depois.

ze do matogrosso em 24 de abril de 2013

PS/...a charge ao lado, prova que é bo...ts prá todo lado. Vamos às urnas. 2014 é o ano da verdade. Ou sertemos brasileiros ou venezuelanos, paraguaios er bolvianos. A merda está servida....

ze do matogrosso em 24 de abril de 2013

Caro Zé, peço encarecidamente que modere a linguagem. Divulguei à exaustão as regras atualizadas para publicação de posts no blog, e peço que as siga. Se ainda não as reviu -- estão sempre na home page --, aqui vai o link:http://goo.gl/u3JHm Não avisarei da próxima vez, tá? Um abração

Marcondes Witt em 23 de abril de 2013

Como seria feita recontagem de votos no Brasil, em situação análoga à do resultado da Venezuela?

Kitty em 23 de abril de 2013

Boa noite caro Ricardo, A sua pergunta é pertinente e a minha resposta é, sem dúvidas, que eu ficaria estupefata ou indignada como minimo, podemos ter defeitos, mas ainda confiaríamos na lisura da recontagem dos votos e só depois se daria posse ao candidato vencedor, se fica comprovado que não houve fraudes. Temos uma Justiça Eleitoral que afiançaria este processo. Partindo da premissa que a Venezuela ostenta uma democracia com eleições, mas na realidade é um regime totalitário. Maduro é a copia fiel do Chávez, ele foi doutrinado por ele por muito tempo. Nestas eleições Maduro usou a poderosa máquina estatal para derrubar o seu oponente, o moderado Capriles. A recontagem dos votos não amedrontou o governista chavista porque sabia que nada seria encontrado, ou seja, não houve fraudes. Por que? Pela simples razão que as possíveis irregularidades foram cometidas muito espertamente durante a votação. Muitos venezuelanos votaram com fiscais entrando nas cabines para pressioná-los; vivos expertos votando no lugar de gente que já morreram; não cumprindo a lei de que no dia da votação era proibido fazer boca de urna e os que eram incumbidos de controlar a lisura das votações, eram expulsos ou agredidos grosseiramente pelos truculentos milicianos bolivarianos..Por isso que não é de se estranhar que a CNE, chavista até a medula dissesse, sem piscar os olhos, que a auditoria nas urnas não alterará o resultado obtido por Maduro. Foi acordadado de antemão no mesmo dia, já que seria impossível fazer a contagem com tão pouco tempo..uma covardia, sem dúvidas! Na Venezuela a trapaça acontece antes das contagem dos votos.."muy expertos los muchachos de Chávez", não é? Os eleitores que teriam votado em Capriles, no lugar de Maduro, tiveram medo de perder o emprego porque eram vigiados de perto, daí a estreita vitória de Maduro..! O que mais me indignou nestas eleições com abuso pre-eleitoral foi ver a presidente Dilma dando respaldo à vitória e posse de N. Maduro. Ela lutou contra a ditadura que cerceava a liberdade de imprensa e a democracia, deveria, pelo menos, ter apoiado a recontagem dos votos proposta por Capriles..mas pelo jeito, as ideologias do grupo do Unasul falaram mais alto que a razão..triste constatação..em fim, Maduro terá tempos difíceis e muitas coisas a serem corregidas na economia...e a oposição deverá enfrentar um regime violento, porém fraco, debilitado e dependendo das Forças Armadas "chavistas" que lhe darão sustentação..! Um abração--Kitty

jose em 23 de abril de 2013

Ricardo; Boa noite Quem foi que o governo brasileiro enviou para a Venezuela para aprender como fraudar uma eleição "o proximo presidente do TRE ou simplesmente o advogado do ze . " é lobo cuidando de cordeiro"

sidney em 23 de abril de 2013

Setti Horrivel comentar - ISSO - !!!! Pior ainda sabermos que a gerentona foi la endossar o novo comandante. Que pena Venezuelanos !!! Acabo de ver na TV internacional que as forcas armadas estarao deslocadas para - ditos pelos mandantes de plantao - assegurarem o patrimonio publico de provaveis manifestacoes e possiveis ocorrencias ???? Ate quando ?? Baita abraco

alberto santo andre em 23 de abril de 2013

se foi aprovado pela unasul e mercosul ,lgico que sem o paraguai ,[que no domingo passado deu uma aula de democracia a neuronio solitario a beiçola ,ao querrilheiro de araque ,mais o indio chapado e ao loco de hospicio correia ] podemos afirmar com toda a convicçao e sem a minima chance de errar, que houve falcatruas e das grandes nas eleicoes da venezuela, visto que os observadores citados na realidade sao espioes e comparsas de bandidos.

anônimo em 23 de abril de 2013

"Nós acreditamos nas Instituições venezuelanas" (Antonio Patriota). OBS: Nós = os petistas.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI