Image
Ah, se ele soubesse o que diz a letra da música…

Vocês se lembram quando, em meados dos anos 1990, durante o boom da telefonia celular, ainda era considerado falta de educação utilizar telefones móveis em determinados locais públicos?

O tempo passou e, bem antes de que o mundo se entupisse dos quase 6 bilhões de aparelhos celulares atualmente existentes – pasmem com as estatísticas a respeito neste levantamento -, a etiqueta relacionada ao tema já se flexibilizara amplamente: gostemos ou não, atender e falar ao “celu” diante dos outros passaria rapidamente a ser a coisa mais normal do mundo.

(Da mesma forma como, hoje em dia, interromper conversas “ao vivo” para teclar compulsivamente nos smartphones, sem a menor cerimônia, também já faz parte do cardápio social moderno. Mas isso é assunto para outro post…)

Se quiserem comprovar como a questão de fato desandou, confiram o engraçadíssimo vídeo abaixo. Em plena missa – ou solenidade, ou discurso, ou algo que o valha – o imponente e barbudíssimo sacerdote da Igreja Ortodoxa grega mete a mão no bolso da túnica para tentar se desvencilhar do ruído do toque de seu aparelho.

Image
A banda Prodigy (Foto: divulgação)

E, o que torna tudo mais cômico, não se trata de qualquer toque. O som que se escuta é um trecho instrumental de “Smack My Bitch Up”, controversa canção do turbulento grupo inglês de música eletrônica Prodigy, que na década de 1990 tomou de assalto as paradas com seu agressivo big beat, uma mistura de techno, funk e rock pesado.

Não bastasse a tradução do nome da música ser “Espanque minha puta”, seu videoclipe foi um dos mais polêmicos daquele período por mostrar o protagonista (cujo ponto de vista era o da própria câmera) em uma jornada sem fim de sexo, drogas e violência. Captado por um cinegrafista amador, o vídeo com o religioso grego foi astutamente batizado de “Smack my Priest Up” (“Espanque Meu Sacerdote”).

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × quatro =

6 Comentários

lincoln porto em 12 de novembro de 2012

Com esse visual CAVALERA só falta mostrar a tatuagem de dragão ou coisa que o valha. Cada coisa...

roby em 11 de novembro de 2012

E as pessoas ainda questionam a atual situação da Grécia... Pudera!

Tuco em 08 de novembro de 2012

. Pensei que eu fosse o único! Me alegra saber que o Notável Comentarista JT - 08/11/2012 às 9:51 também tem um aparelho que só faz ligações telefônicas! Tá certo que de quebra podemos enviar e receber uma SMS e escolher o toque da chamada! No entanto não deixa de ser o básico: fazer e receber ligações telefônicas! E sobre o tópico, pobre sacerdote... Traído pela tecnologia! .

JT em 08 de novembro de 2012

Tenho telefone celular desde 1999, por obrigação da profissão. Estou usando apenas o quarto aparelho, pois só troco por imposição da tecnologia, mas sempre compro o aparelho mais simples e barato, que faça apenas ligações. Só uso o celular para isso mesmo: agilizar os recados. Fico observando as pessoas usando celulares e tablets sem a menor cerimônia em público, como se fossem tais equipamentos uma extensão de seus membros. Foi então que lembrei de Darth Vader: Darth Vader é o grande vilão de Guerra nas Estrelas. Preste atenção nele: vive escondido sob uma máscara tecnológica que o ajuda a respirar. Seu peito também é protegido por equipamentos de sua armadura. É uma pessoa totalmente dependente da tecnologia. Pense nisso na próxima vez que for comprar um celular mais moderno, um aparelho de GPS para o seu carro, um tablet que oculta a sua face quando alguém quer conversar com você. Pense nisso da próxima vez em que checar seu e-mail ou Facebook durante um almoço ou jantar entre amigos e família. Não a toa, o herói de Guerra nas Estrelas, Lucky Skywalker, é orientado por seu mestre Jedi a acreditar na "antiga religião" e a não depender de aparatos tecnológicos, mas confiar no lado luminoso da "Força". Que a "Força" esteja com todos aqueles que ainda não se renderam às trapizongas conectivas, que são verdadeiros "parasitas digitais" que sugam a nossa atenção, o nosso tempo e parte das nossas vidas.

J.B.CRUZ em 08 de novembro de 2012

Fazei o que eles dizem;mas,não fazei o que eles fazem....

Marco em 07 de novembro de 2012

Dom Setti: Q dedicação! Abs.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI