Image
O Capitão do Tri, Carlos Alberto Torres, comemora seu espetacular gol na final da Copa de 1970, no México (Foto: Reuters)

Enquanto torço para que o time de Felipão finalmente deslanche nesta Copa, não acho que seja má ideia postar aqui osgols mais bonitos marcados pela Seleção Brasileira em cada uma das cinco Copas que venceu: os 16 de 1958 na Suécia, os 14 de 1962 no Chile, os 19 de 1970 no México, os 11 de 1994 nos Estados Unidos e os 18 de 2002 na Coreia do Sul e no Japão. Confiram:

1958: Pelé na final contra a Suécia. É difícil superar o terceiro gol do Brasil contra os donos da casa justamente na decisão, quando Pelé aplicou lençol em zagueiro e bateu de primeira. Santo Deus, ele tinha 17 anos… a  metade da idade de um grande como Xavi, por exemplo. Placar final: 5 x 2.

-1962: Zito na final contra a Checoslováquia. Mais pela linda jogada que resultou no cruzamento feita por Amarildo, do que pela conclusão de cabeça. Placar final: 3 x 1.

-1970: Carlos Alberto Torres na final contra a Itália. Aquele Brasil era tão espetacular e marcou tantos gols bonitos que chega a ser cruel ficar apenas com um. É toque de Tostão de calcanhar para um lado, petardos de Rivellino e Gérson de outro, Jairzinho chapelando goleiro, Pelé fazendo chover… mas o de Carlos Alberto, que encerrou o baile ante os italianos na partida derradeira, foi como um resumo de tudo o que faziam aqueles craques, com quase todo mundo participando.

Clodoaldo dribla meia equipe rival, toca para Rivellino, que lança Jairzinho.

O ponta aciona Pelé que, com calma diabólica, enxerga o que ninguém mais parece ver: o lateral-direito despontando como um foguete. Poucas vezes uma rede estufou com tanto gosto. Placar final: 4 x 1.

-1994: Branco nas quartas-de-final contra a Holanda. Não só o mais bonito, pela potência do chute e a curva que a bola faz antes de entrar no gol (acompanhada pelo genial movimento de coluna de Romário, atrapalhando o goleiro); é também o mais sofrido.

Afinal, após abrir um 2 a 0 – com outros golaços, do Baixinho e de Bebeto, respectivamente -, os holandeses haviam buscado o empate. Placar final: 3 x 2.

-2002: Edmílson na terceira partida contra a Costa Rica. Sim, tínhamos três craques históricos no time, Ronaldo, Rivaldo e Ronaldinho. Eles, sobretudo os dois primeiros, pintaram e bordaram no torneio e anotaram tentos memoráveis (a falta que Ronaldinho cobrou contra a Inglaterra, matando o goleiraço Seaman, o corta-luz de Rivaldo para Ronaldo na decisão ante a Alemanha).

Mas foi um atleta bem menos badalado, o zagueiro-volante Edmilson, que levou o caneco: meia-bicicleta no ângulo no terceiro gol do Brasil contra a Costa Rica na fase classificatória. Placar final: 5 x 2.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 3 =

Nenhum comentário

Miro Somenzari em 26 de junho de 2014

Copa de 1962 foi roubada e os brasileiros não comentam. Começou com o jogo contra a Espanha, com pênalti escandaloso cometido pelo Nilton Santos, não marcado pelo árbitro, e gol de bicicleta marcado pela Espanha, anulado pelo árbitro comprado. Garrincha foi expulso na partida da semifinal e liberado para disputar a final e Garrincha foi o marcador do gol do título. Foi uma copa escandalosamente roubada mas os brasileiros não comentam.

geroldo zanon em 25 de junho de 2014

Naquela época só tinha um bom futebol hoje é só politica PURA

Anonimo em 23 de junho de 2014

O Tostão começou no América-MG, o Coelho, o único deca-campeão do mundo (junto com o ABC do RN). Aliás, o Brasil para se dar bem, em Copa do Mundo, precisa de um jogador do América-MG . Gilberto Silva, em 2002; . Éder, em 1982; . Tostão, em 1970; . O Fred, de 2014...começou no América-MG; . E, em 1958, 1962 e 1994: Zagallo e Jorginho, do América-RJ . E a 1ª foto do Pelé usando uniforme, com uns 8 ou 10 anos? América de Bauru-SP! . http://www.toninhocury.com.br/documento/paginas?local=3&id=53

joca em 23 de junho de 2014

que mancada a sua !o passe magistral para pelé foi de tostão.numa jogada simplesmente divina

Anonimo em 22 de junho de 2014

Dúvidas no golaço do Pelé, 2x1 contra a Tchecoslováquia, em 1970: . Foi o Pelé que "virou bola" (como diria o saudoso Armando Nogueira) ou foi a "bola que virou gente" por obra da genialidade do Pelé? . O fato é que as 2 "entidades" Pelé + bola viraram uma só num milagre da física-mecânica newtoniana e saíram quicando e harmonizando, oscilando em sincronia cósmico-futebolística pelos gramados astecas de 1970 . e estão harmonizando até hoje no fundo do filó, em sintonia, na mesma frequência... modulada (como diria o saudoso Fernando Sasso, locutor de BH, nas ondas dos radinhos de pilha Am das décadas de 60/70: "Tá no filóóóó!") . Nessa mesma Copa, dias depois, o Pelé aprontou outra com a sua "amiga", a bola: aquele drible sem ela (a bola), no Mazurka, goleiro uruguaio que depois jogou no Galo, no Mineirão. . I-NA-CRE-DI-TÁ-VEL, Pelé! Obrigado!

Anonimo em 22 de junho de 2014

Sensacional, Ricardo Setti! Espetacular! . Na minha opinião: 1958: Gol do Pelé, fazendo 3x1, contra a Suécia, na final: o gol do chapeuzinho;Sem comentários! O único mortal com autorização é o Rei, viu Romário (agora petista: Romário: por que não te calas?) . 1962: Gol do Garrincha, fazendo 1x0 contra o Chile, na semi-final: depois de uma bicicleta do Amarildo, na área, o Garrincha emenda de canhota, no ângulo; Gol de sonho! . 1970: Gol do Pelé, fazendo 2x1 contra a Tchecoslováquia, na estréia: depois de um lançamento espetacular do Gerson, o Pelé "vira bola" e passa a ter os mesmos movimentos do objeto esférico que domina no peito, nos campos mexicanos de Guadalajara e emenda a dita-cuja no ângulo, batendo nela com o peito do pé, "na veia"; . 1994: Gol do Romário, fazendo 1x0 contra Suécia, na fase de grupos: gol simplizinho, lindinho, "de biquinho", em tabela perfeits do ataque brasileiro, desde o meio de campo (Dunga+Romário)...(O Romário calado e fazendo biquinho, até que merece ir na janelinha do avião e ganhar uma dose de uísque com uma porção de amendoim) . 2002: Gol do Rivaldo, fazendo 1x1 conta a Inglaterra: golaço sensacional em jogada sensacional de Ronaldinho: o drible e o passe foram rapidíssimos, supersônicos e cirúrgicos...e a ajeitada de corpo do Rivaldo parece que durou uma eternidade, na categoria zen para a "colocada" perfeita...e tudo isso em 1 segundo

Leonardo Saade em 22 de junho de 2014

Vídeo muito bom Setti! Um desfile de belos gols dos pés de lendas do futebol brasileiro!

Meia Verdade em 22 de junho de 2014

Espetacular

Debora em 22 de junho de 2014

Espetacular! Por estas e outras que tanto amamos o seu Blog. Muito obrigado por comentário tão gentil! Abração

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI