Image
A Nova Zelândia tem soldados no Afeganistão, e três deles morreram num ataque talibã no dia 20 de agosto.

Como se despedir de um amigo? Como homenagear um combatente morto em ação?

Cada povo, cada cultura, cada sociedade tem suas regras, rituais e liturgias.

Na Nova Zelândia, os maoris, povo autóctone que sofreu o diabo com a chegada dos colonizadores britânicos mas, atualmente, está integrado à sociedade e às instituições do país, usam hakas, danças tradicionais que servem para pedir forças e ajuda aos espíritos e aos deuses. O costume se espraiou para outros setores da sociedade — lembrem-se, por exemplo, das famosas danças guerreiras que os jogadores de rúgbi da seleção neozelandesa realizam antes de cada encontro.

Há uma haka para cada ocasião. Geralmente, são protagonizadas por um grupo, com movimentos vigorosos, gritos e compasso com batimento de pés no chão.

Este vídeo, indicação do amigo do blog Marco Balbi, mostra soldados de 2º Batalhão de rangers do 1º Regimento do Exército que, unidos, realizam uma haka em homenagem a três combatentes de sua unidade, mortos no Afeganistão, reconhecendo poderosamente suas vidas e seus feitos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + 14 =

Nenhum comentário

Samuel Rodrigues Pereira em 27 de setembro de 2012

Impressionante esta homenagem. No Brasil, apesar da extrema falta de patriotismo nas institições públicas civis e dos nossos políticos (o brasileiro só é patriota em jogo de copa do mundo, o exemplo disso é a proposta do calendário escolar para 2014), o culto aos valores morais e nacionais SÓ existe ainda no seio das Forças Armadas, Polícias e Bombeiros Militares. Pergunte a si mesmo ou a qualquer criança ou adolescente que frequente QUALQUER instituição de ensino que não tenha vinculo militar se ele sabe cantar o Hino Nacional Brasileiro, todas as estrofes, claro.

Giuliano em 26 de setembro de 2012

Eu confesso que me arrepiei. Patriotismo, cultura e reverencia é isso aí, não essa corja de mensaleiros petistas. E lá estão brancos e descendentes dos povos maoris misturados. Aqui não nos misturamos e nem estudamos a tradição indigena, mesmo que nós sejamos descendentes dos indios. Precisávamos fazer um haka em frente ao congresso. Haka neles!

Vinicius Grassi em 24 de setembro de 2012

Legal, primeiro mataram os aborigenes, tomaram as suas terras e depois adotaram seus ritos guerreiros. Cool, os aborigenes ficaram no lucro.... Na verdade, a situação que você descreve, horrorosa, se deu mais na Austrália do que na Nova Zelândia. A geração atual dos dois países está fazendo o possível para consertar o passado. Abraço

Julia em 23 de setembro de 2012

Enquanto isso ALGUNS brasileiros não gostaaram de serem representados por índios na apresentção do Brasil no encerramento da Olimpíada...

CEKA em 23 de setembro de 2012

É realmente emocionante ver como ainda há povos que prezam e cultivam sua cultura ancestral.Mas é triste saber que as guerras ordenadas de fora causam as mortes de tantas pessoas inocentes, usadas como bucha de canhão, as quais anseiam somente viver.Os governantes não deveriam ter tanto poder ou deveriam ser obrigados a ir ao campo de batalha, na frente de seus comandados.

Atento em 22 de setembro de 2012

Elisangela - 21/09/2012 às 22:24 Concordo inteiramente com seu comentário, pois tenho a mesma opinião. Feliz o povo que consegue manter suas tradições e reafirmar seus valores. Estamos deixando perder nossos valores de Pátria, de povo. Quando criança, na escola pública - e já vai um bom tempo - aprendíamos os valores nacionais hasteando a bandeira e cantando hino nacional toda semana. Isso foi deixado de lado e, hoje, poucos jovens sabem cantar o hino nacional e só temos identidade nacional na copa do mundo. Eu vejo a perda desses valores com tristeza e faço o que posso para preservá-los: lembro aos meus familiares e amigos próximos o significado das datas nacionais e, no sete de setembro, coloco a bandeira brasileira na janela. Sou o único em toda a vizinhança que faz isso, mas julgo que devo lembrar a todos que aquela data não é apenas mais um feriado: ela marca o início de nossa história como país e como povo, história essa que ainda está sendo escrita. E eu faço a minha parte nessa história.

Elisangela em 21 de setembro de 2012

Feliz do povo que consegue manter suas tradições, mesmo com tanta mudança que há no mundo. E infeliz destes que esquece com tanta facilidade de seus antepassados, por serem preguiçosos. Sempre que eu vejo esses "hakas" eu me arrepio toda, mostra o respeito por quem veio antes deles e que os ajudaram a serem o que são. Infelizmente o povo brasileiro se esquece com facilidade o que é importante, e as únicas coisas que ultimamente são criadas seria até vergonha de chamar de cultura de um povo. Hoje só vemos a apologia a prostituição, ao banditismo, desonestidade com o tal "jeitinho" e muitas outras coisas ruins. Pior é que tem gente que enaltece essas porcarias, e mostram tanto nos meios de comunicação que chega a dar nojo.

Meiri Comper em 21 de setembro de 2012

Fiquei comovida com essa manifestação dos soldados, despedindo-se de seus companheiros mortos em uma batalha tão cruel, reconhecendo o que estes fizeram em vida. É de arrepiar. Isso é cultura, isso é tradição - coisa que o brasileiro sequer imagina o que é.

Leonardo Saade em 21 de setembro de 2012

Foi uma bonita homenagem e uma grande demonstração de respeito. É diferente do Brasil onde deputadas dançam no plenário comemorando a absolvição de colegas mensaleiros em rede nacional.

Luiz em 21 de setembro de 2012

Fico pensando quantos inocentes não foram mortos pelos EUA, durante está guerra maldita.

Tuco em 21 de setembro de 2012

. Por aqui a esperança do honesto pagador de impostos é que a camarilha também dance - e muito. Sob os aplausos calorosos do povo que presta. .

dionary sarmento régis em 21 de setembro de 2012

Forte e comovente, como uma manifestação do sentimento de um povo com cultura tão bonita,diante do absurdo bélico de um mundo que se acha desenvolvido.

carlos nascimento em 21 de setembro de 2012

Ricardo, Perdoe-me pelo off topic. PH GANSO agora é Tricolor Paulista, qual sua opinião a respeito dessa tomada de decisão, vc que tem bom relacionamento com o Juca Kfoury poderia nos ajudar colhendo informações dos bastidores, essa novela está mal contada. O ALAOR precisa explicar direitinho esse desfecho, foi uma idiotice tratar o GANSO dessa maneira, não souberam conduzir a revisão do contrato do atleta, desvalorizaram as suas conquistas, lembro-me de um encontro ocasional no aeroporto de Guarulhos com Ganso, ele estava indo para sua terra natal - Belém do Pará - ainda convalescia do tratamento da contusão do joelho, estava preocupado, não só com a contusão, mas com a indiferença da diretoria em rever os valores salariais, enquanto Neymar recebia tratamento de Estrela Cadente, Ganso era cozinhado em banho maria, o que falavam para a mídia é totalmente diferente do que ofereciam ao atleta, acabou nessa perda, ele desistiu do Santos por mágoa, LAMENTÁVEL. O tempo irá nos dizer quem está com a razão. Abração Carlos Nascimento.

Sawaki em 20 de setembro de 2012

Simplesmente fantastico. Nos leva ao primitivo, a outras épocas. isso se chama cultura e tradição!!!

Royrogers em 20 de setembro de 2012

Maravilha!

Evesson Farias em 20 de setembro de 2012

Impressionante! Cultura é algo fantástico.

Pedro Luiz Moreira Lima em 20 de setembro de 2012

A homenagem vai de cada cultura o lamentável é morrerem 3 soldados em nome de NADA. Pedro Luiz

carlos mattos em 20 de setembro de 2012

Muito impressionante, fiquei maravilhado, participacao de todos nos gestos e expressoes, muito emocionante

Claudio em 20 de setembro de 2012

Amplie para observar as expressões de sentimentos nas faces dos soldados, é comovente.

Aninha em 20 de setembro de 2012

Impressionante e muito bonita a homenagem. Isso deveria nos ajudar a ver que, por exemplo, a Nova Zelândia é um país com sua própria cultura e identidade. Não é um país de britânicos, assim como não somos um país de lusitanos. Conheci um grupo de sul-africanos recentemente e posso afirmar que não era um grupo de descendentes de ingleses e alemães, mas um grupo de sul-africanos brancos. Vê-los dançando deixava claro que não eram europeus. É o que senti nesse vídeo, um grupo de neo-zelandeses, unidos pela cultura, pela identidade de um país. Muito bonito.

carolina em 20 de setembro de 2012

é a famosa dança guereira do time de rugby os all blacks mto interessante a integração do povo

Atento em 20 de setembro de 2012

Emocionante essa homenagem dos companheiros de unidade aos combatentes mortos. A dança, o passo marcado, as caretas, a lígua para fora, tudo simbolizando a provocação e o desafio ao inimigo, o desprezo pelo perigo e pela própria morte. E todos os soldados, independente de sua genética, participam da dança. Nesse momento, o uniforme irmana todos como guerreiros maoris, homenageando seus irmãos caídos. Emocionante! Valeu Setti!

Joao Camara em 20 de setembro de 2012

Confesso que arrepiei, impressionante o modo de se despedir dos soldados mortos.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI