Amigas e amigos do blog, o vídeo abaixo, com legendas em português, mostra uma experiência até agora não suficientemente discutida: a forma ousada e pouco ortodoxa como o governo e o povo da Islândia fugiram à crise da dívida de seus bancos.

O vídeo, já vou avisando, tem um tom militante, “progressista” e “anti-sistema” e, como tal, inclui bobagens como a de que houve um complô da mídia mundial para não divulgar o caso islandês — o que é pura e simplesmente uma mentira, porque o fato foi noticiado normalmente por todos os grandes veículos internacionais.

Também não menciona que a trombada desferida contra os bancos, principalmente britânicos e holandeses, só foi possível por tratar-se de um país que, embora supercivilizado, é muito pequeno, mal chegando aos 350 mil habitantes — o equivalente a um grande bairro de São Paulo.

Mesmo assim, acho que não muita gente sabe como tudo se passou lá. O vídeo, embora com o viés que comentei, é bem interessante. Vejam:

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × dois =

Nenhum comentário

Bruno Guerra em 19 de outubro de 2012

Caaro Setti, . Otima dica. Aqui segue a noticia sobre a descida do desemprego na Islandia. . http://www.abc.es/20121019/economia/abci-islandia-paro-descenso-201210182211.html . Assim ninguem vai querer pagar a divida externa !!! . Abr, BR

Zaratrusta em 15 de outubro de 2012

Salve Corinthians, bom receber opiniões oriundas da fonte! Também acredito que devido às políticas de governos focados no assistencialismo do "politicamente correto" socialismo europeu do Bem-Estar Social tenham contribuido para agravar as crises das economias mais frágeis até significativamente, porém é históricamente sabido que o controle da moeda circulante estando nas mãos dos bancos centrais, e que por sua vez respondem aos controladores do SFI e não aos governos dos países, por serem "independentes", jogam o jogo destes,... A crise que está atingindo as economias periféricas da zona do Euro, não é uma crise com origens exclusivas no clientelismo das políticas de estado do bem-estar social, mas fruto de uma engenharia financeira internacional com o propósito de desconstrução do Euro, devido à sua já demonstrada ameaça de se estabelecer como uma opção de moeda comercial, que acabou originando a invasão do Iraque! Você sabia? Você sabia que Saddam Husseim estava começando a vender petróleo apenas para pagamento em EUROs devido à contínua desvalorização do Dólar e da gigantesca ameaça de ser mega-desvalorizado a qualquer momento devido à dívida dos E.U.A estar (já aquela época) do tamanho de seu PIB (US$ 13 Bi)? Sabendo-se que desde a era Nixon que o lastro para a emissão dos dólares passou a ser a produção equivalente do petróleo na parceria estabelecida com a Arabia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes que originou o têrmo "petrodólares", passa a ser fácil compreender as motivações para os EUA atacarem o Iraque, pois este estava na realidade se dispondo a criar o lastro ao Euro com a criação do "petroeuro" com o propósito de potencialização de uma segunda moeda comercial no cenário mundial que não interessava aos controladores do Sistema Financeiro Internacional (Cily of London & Wall Street)! Existem aspectos que não são divulgados pelas mídias de massa por que insitariam conexões que levariam a conclusões que querem despistar. Assim, buscam correlacionar as consequências a factóides oportunistas para indução da opinião pública ao eterno conflito ideológicos comunismo X capitalismo com dois propósitos: 1) Conseguirem concentrar ainda mais a riqueza através dos mecanismaos monetaristas de contração da oferta da moeda com sua consequente pressão pelo aumento dos juros,... e 2) Desviar a atenção da população para os reais fatores "sendo trabalhados" na criação da crise, pois estarão todos muito ocupados com a ameaça de perda de emprego, falta de emprego, perda de habitação, dificuldade de financiamentos, etc, etc. Portanto, respeitando que seu cunhado seja Islandês e Economista, não significa que esteja "imune" à formação de opinião e direcionamento do entendimento das causas como sendo "exclusivamente" dos programas de Bem-Estar-Social adotados pelos governantes, visto que os a engenharia dessa crise foi idealizada nos bastidores financeiros simultâneamente aos ataques de 11 de setembro de 2001 ao World Trade Center, sendo "apenas" mais um passo do caminho do processo de implantação da Nova Ordem Mundial, cujo um dos seus fortes objetivos é simultaneamente a redução de pelo ao menos de 2/3 da população mundial. Existe vasta literatura alertando para o outro lado que representa cada fato conhecido dentro desse processo de tomada de poder mundial pela elite financista e econômica mundial! Isso é apenas para começar a duvidar de suas convicções sobre a real origim da crise européia,... é necessário desenvolver o espirito crítico para não cair nas armadilhas de repetir o que se ouve (e que querem que seja repetido) sem uma análise mais crítica e profunda dos fatos.

Corinthians em 15 de outubro de 2012

Setti, Não sei se já comentei aqui, mas meu cunhado é Islandês - e digo, não é bem assim. Este vídeo é claramente uma peça de manipulação de massas, que aposta na ocultação de informações e nos efeitos especiais para convencer. Basta dizer que a nacionalização dos bancos não é diferente do que foi feito com GM, AIG, entre outros. Também vale dizer que os bancos, agora nacionalizados, tem de pagar as dívidas, que sim, recaíram sobre as população toda. E com a história do referendo e da constituição, o país afundou na crise. Meu cunhado ? Está morando na Alemanha. É economista, mas não consegue emprego. Os bancos nacionalizados ? Muitos fecharam - e foi a nacionalização dos bancos que fez com que a dívida recaísse sobre todos. A indecisão sobre a dívida e os problemas dos bancos causaram demissões em massa. E ressalto aqui o comentário de Bruno Guerra - 14/10/2012 às 16:15. Não fossem as políticas irresponsáveis de bem estar social, de empréstimos descontrolados com incentivo oficial para promover o progresso (ou seria "progressismo" ?), isso teria sido evitado. Qualquer semelhança com a queda artifical de juros que vemos no BB e Caixa não é mera coincidência.

Zaratrusta em 14 de outubro de 2012

Uma conclusão pertinente ao exposto abaixo, é a de ficar desprovido de coerência e sustentação nosso repúdio às articulações realizadas pelos petralhas expostos no mensalão, e pretendermos continuar como avestruzes (enfiando a cabeça no buraco) para "não ver" que exatamente o mesmo modelo é usado em escala mundial pelos grandes investidores e financistas do SFI (Sist. Financ. Intern.) para impor a "Globalização" mundial a seu serviço, através da New World Order. Pode até ser uma questão de opção (covardia diante da incomensurável inferioridade que se encontra até seria aceitávei), mas que não seja dito que seja "surrealismo".

Zaratrusta em 14 de outubro de 2012

O caso da Islandia, a meu ver, é emblemático e até mais que isso, o classifico que tenha se tornado DIDÁTICO por permitir identificar em escala "micro", a arquitetura do processo que é aplicado em escala "macro" a todas as demais economias, por que possibilita descortinar os mecanismos e os AGENTES que colocaram sua economia na situação de inadimplencia e que por analogia e escalaridade consegue transparecer o que ocorreu com todas as demais economias que atingiram estado semelhante. É emblemático, porque, por ter uma economia pequena, tudo automaticamente se torna mais transparente pela quantidade de agentes responsáveis pela quebradeira ser menor, e portanto muito mais fácil de identificar e defenestrar, enquanto em economias de maior escala, esses agentes são em muito maior número e acabam se perdendo nas incontáveis e interligadas ações ilegais que comprometeram as suas respectivas economias numa verdadeira rêde internacional de corrupção ativa e passiva, bem ao estilo definitivamente desbaratado que foi operado pela catrefa petralha na semana passada. Os "refrões" hoje muito em voga de que "os ricos são os responsáveis" utilizados como retórica por estes como "um chavão sempre apresentado pelas massas" pode adquirir fundamentações incrivelmente verossímeis a partir do momento que se esteja disposto a mergulhar nos mecanismos utilizados pelas poderosíssimas e esmagadoras forças econômicas, quando estas se dispõem a conquistar algum mercado, recurso natural ou região de influência. Assim, como subsídio a essa constatação, volto a sugerir que assista(m) o video (de aproximadamente 6 min) que está disponível no Youtube sob o título de "Let's Make Money" para detalhe de como o processo de "persuasão" pode ser "irresistível"! - Clique no Link: - http://www.youtube.com/watch?v=dFtijO8qM6A - Seus comentários sobre o vídeo serão muito bem vindos! Abraço Caro Zaratrusta, meu genro já me havia fornecido o documentário, ou o depoimento, na íntegra, e o que o Perkins descreve é impressionante e pertinente. Um abração e obrigado por disponibilizar esse trecho para os leitores.

Bruno Guerra em 14 de outubro de 2012

Caro Setti, . Tenho seguido a situação na Islandia pois sempre tenho interesse naquele pais, desde tem uns bons 20 anos. Como comentado, foi tudo bem (?) pois é um pais com umas 250mil pessoas...Deve ter menos população que o Leblon. . Mas meu comentário é sobre o final: os ricos FORAM os responsaveis pela crise, a burguesia foi responsavel pela crise ... . Não bastasse o problemão que temos, ainda não perceber o erro que foram as POLITICAS praticadas por diversos paises, as "benesses" sociais oferecidas a troco de divida publica...a necessidade do poder instalado de OFERECER aos cidadãos um bem estar financiado...tudo para permancer no poder, como sempre. Como é a logica da politica dos dias de hoje. . E termino me lembrando de um comentário tempos atrás sobre os republicanos nos EUA. Sim, não gostei dos presidentes que conheci (em vida), mas a verdade é que o partido republicano é muito consciente do fato que melhor Estado é Estado com menos meios financeiros - LEMBRANDO que a divida americana é colossal...mesmo assim.... . Bom mesmo é rever o post da Flavia Alessandra :) . Abr, BR

Zaratrusta em 14 de outubro de 2012

Setti, Se domina o idioma, gostaria de recomendar-lhe o download de um PowerPoint em inglês que apresenta, baseado em fatos e dados, a escalada da dominação do cenário econômico pela dinastia Rothschild e suas agregadas, num interesantíssimo desenvolvimento histórico que se inicia em 1743 e chega a 2006 com relevantes revelações de como a concentração de poder e fortunas foram amealhadas nese período, e se influenciaram determinantemente a história dos últimos 300 anos. Entendo que especialmente para vc., como formador de opinião, e com sua bagagem de história e política vivenciadas no dia-a-dia da profissão, poderá vir a ser-lhe de extrema utilidade, caso, naturalmente ainda não tenha tido a oportunidade de conhecê-lo. É uma apresentação grande, por volta de 50 Mb, mas que recomendo enfaticamente que baixe do site: http://iamthewitness.com/doc/RothschildsTimeline.ppt Bom domingo. Obrigado por mais esta dica, caro Zaratrusta. Tenho vários livros sobre os Rothschild, mas esse material para mim é novidade. Um grande abraço!

Alberto Porém Júnior em 14 de outubro de 2012

Bom dia Setti, minha esposa ficou muito feliz com sua resposta e vai comprar o livro "Queda Livre" e disse que com ela é no 700, ai...! rsrs. Bom, comentando o fato e esquecendo o vídeo pois acompanho a história de como a Islândia saiu do buraco lendo em vários sites nacionais e internacionais. Uma lição importante e que se aplica a todos é que as regras impostas pelo FMI e BM não satisfazem as necessidades da população e eu diria que é como atravessar um lago remando com a mãos e deixando os remos de lado, atravessa mas leva uma eternidade. Sentimos isto no nosso país, enquanto vinha aquela turma do FMI da qual não esqueço uma mulher particularmente parecida com uma inspetora de alunos dos anos 50 (não lembro o nome mesmo, só recordo a figura entrando no Ministério da Fazenda com uma pastinha que parecia que estava repleta de instrumentos de sadismo, irkrrrr.....!). Aqui também aquele discurso foi embora e nós temos o pleno emprego, graças a Deus. Quem não rezou pela cartilha do FMI se deu bem. Já falei aqui que enquanto a Europa não abrir o olho a Alemanha seguirá com seu projeto de poder não pelas armas mas por dinheiro, eles são donos da banca e mandam e desmandam. Quanto a imprensa não noticiar, notícia sim mas de forma obituária. Sobre o que serve para a Islândia não serviria a Espanha, poe exemplo, acho uma concepção digamos equivocada. Claro que é mais difícil, vai quebrar muitas cabeças mas no fim quem venceria é o povo e isto é o que realmente importa, ou não? Caro Porém, fico feliz que a dica tenha sido aceita quanto ao livro. É incrível a qualidade das reportagens, não apenas a referente ao Caminho de Santiago. Em relação ao caso da Islândia, fica aí para os amigos do blog sua opinião. Um abraço!

Zaratrusta em 14 de outubro de 2012

Senhores, em síntese, o que se entende pelos reflexos do que denunciei em meu comentário abaixo, é que existe sim (e é gritante para quem tenha ouvidos), uma manipulação financeira orquestrada a nível mundial pelo Sistema Financeiro Internacional, onde através do controle dos Bancos Centrais de todos os Países Membros, e do BIS (Banco de Compensações Internacional), essa rêde MANIPULA a OFERTA da moeda em todos os países, e através do controle da expansão e contração das moedas estabelece ciclicamente o bombeamento dos recursos para o caixa central ou a sua liberação, controlando dessa forma os períodos de crescimento e retração das economias de acordo com seus interesses de dominação política regional! Existem naturalmente diversos outros mecanismos utilizados pelas elites financeiras que interferem no processo de concentração de riqueza e geração artificiais de dívidas para a criação de dívidas públicas com o propósito de aumento de impostos e empobrecimento das populações, mas vamos nos ater a esse mecanismo por ser o mais gritante, e o mais amplamente suportado pela mídia de massas no controle da opinião pública, que, subordinada aos mesmos agentes financeiros que manipulam o processo ciclicamente, garantem a "dissipação das energias" contrárias à preservação de seus interesses, com a já "manjadíssima" estratégia de abafar temas que surjam para o seu combate através da criação de factóides supeficiais gerados artificialmente que consigam desviar a atenção do público o tempo suficiente para que o tema de real interesse seja literalmente "esquecido". Existirão sempre aqueles que dirão que "isso" é a "Teoria da Conspiração" dentro da imagem criada pela própria mídia a serviço do SFI, para tentar desqualificar os que perceberam a sua real existência. Caso os leitores assim entenderem as argumentações aqui apresentadas, lamento informar-los que nossa discussão se encerrará rapidamente, visto que não estarão fazendo uso livre do discernimento, mas apenas seguindo a "progrmação midiática enlatada" a serviço do sistema. Entretanto, caso se interessem de fato em saber o que se esconde por tras das aparências, sugiro começarem suas "atualizações" assistindo como "aperitivo" o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=dFtijO8qM6A

Eduardo em 14 de outubro de 2012

Um dos postados mais desafiadores que li aqui. Pergunto ao ilustre Setti: seria possível, vez por outra, dar continuidade a postados como esse sobre a Islândia para que possamos tomar pé sobre o grande final da atitude decorosa desse povo 'frio', mas que se mostrou extremamente 'quente' diante da banca? Caro Eduardo, vou procurar fazer isso, sim. Um abração!

Zaratrusta em 13 de outubro de 2012

Prezados, Também concordo que as proporções da economia e demais aspecto levantados (educação principalmente) foram de fundamental importância para que esse tipo de solução pudesse ser viabilizada. Entretanto, não posso concordar em defender que a maracutaia realizada por uma duzia de dirigentes governamentais e financeiros, seja na Islandia como em qualquer pais, venha a comprometer as condições de vida de toda sua população, enquanto ficam impunes e recebem altas comissões em detrimento da sociedade. Atingindo-se esse ponto, é necessário lembrar que o Sistema Financeiro Internacional não é tão regido por "fenômenos mercadológicos" quanto a mídia e os economistas querem fazer crer! Haja vista a "fina sintonia" reinante entre os eternos predadores do mercado (Mega-Investidores como o George Soros) e a meia-duzia de coligadas redes de notícias internacionais (Reuters, etc...) que promovem e abafam "temas" de acordo com seus interesses .... Um crasso e recentíssimo exemplo gritante desse conlúio sincronizado foi o assalto generalisado aos cofres públicos públicos realizado pela vexaminosa manipulação sistemática da TAXA LIBOR por quase uma década sem que o assunto tenha recebido da imprensa e da mídia, seja uma relevância a altura para o fato (que mexeu com o bolso de todo mundo), seja para seu epílogo que ninguém ficou sabendo. Foi uma pizza monumental orquestrada pelos fascínoras do Sistema Financeiro Internacional e que uma grande fatia da população Mundial pagou a conta e vai ficar por isso mesmo porque a MÍDIA se calou a seu respeito? Ora convenhamos, não estaria havendo nenhuma inversão de valores nessa estória? Os temas que ineterssam são "apenas" os que a "mídia de massas" veicula, ou são os relevantes e que acontecem dentro de reuniões a portas fechadas dos Clubes dos poderosos (Bilderberg)? Lamento mas vou discordar, seguramente tem algo a ser investigado e revertido no Sistema Financeiro Internacional,... e com urgência.

carlos eduardo em 13 de outubro de 2012

Prezado Ricardo Realmente é muito interessante , mas , o video não mostra que fazer uma nova Constituição para 350.000 pessoas com o nível educacional deles é fácil. O video não explica que a Islândia não pertence a UE , portanto ,a sua moeda é a coroa da Islândia , que foi desvalorizada , antes da crise 1 dólar valia 60 coroas , em nov/2008 chegou a valer 148 , hoje vale 125 . Essa é a magica que Portugal , Grécia , Espanha e Itália não podem fazer , desvalorização cambial. A outra parte da magica da Islândia foi um aumento brutal dos impostos , que a população esclarecida aceitou. Ricardo , como qualquer pais falido , eles estão conversando com os credores para normalizar suas relações econômicas. A unica coisa diferente que aconteceu na Islândia foi a tentativa de punição dos Banqueiros , isso sim é um caso único no mundo nessa crise de 2008. Você tem total razão, caro Carlos Eduardo. Se voltar ao post, verá que fiz ressalvas quanto ao vídeo, visivelmente produzido por gente da esquerda festiva. A coisa lá só deu certo, digamos assim, em relação aos banqueiros, porque é um país muito, muito pequeno mesmo. Concordo totalmente com você. Mas achei interessante o vídeo. E você viu que as pessoas que o fizeram falaram em "censura" ao que ocorreu no país? Que absurdo! Um grande abraço e parabéns por ser um leitor tão bem informado.

RONALDE em 13 de outubro de 2012

É uma bobagem monumental deixar de pagar dívidas de países por conta da vontade popular. Em primeiro lugar, o governo que se endividou foi eleito por esse mesmo povo. Em segundo lugar, as benesses do endividamento, tal como na Grécia e outros países da Europa, quem se beneficia é o povo que gasta o que não tem condição de pagar. È tão insignificante o valor dessa dívida comparado com os demais países, inclusive com o Brasil, ocorrendo que essa atitude popularesca, tipo Cristina Kichner, não afetará em nada banca. Adote-se isso no Brasil, ou na Argentina, como já ocorreu, e veja as consequências nefastas que se seguiram. O pais se torna pária da economia mundial. Concordo plenamente com você, caro Ronalde. Você há de ter notado as ressalvas que fiz sobre o modo como o vídeo é apresentado, não é mesmo? Um grande abraço, e volte sempre ao blog.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI