Image
Os colombianos Montoya e Viáfora lamentam a humilhante goleada de 2000: outros tempos (Foto: AFP)

No início da década de 1990, tudo indicava que seria a mítica geração René Higuita, Freddy Rincón e Carlos Valderrama a que finalmente colocaria a Colômbia, um país apaixonado por futebol, no seleto grupo das grandes seleções.

O que era uma promessa, porém, se transformou em decepção com o desempenho apenas razoável na Copa da Itália, em 1990 – caindo nas oitavas de final contra Camarões após folclórica barbeiragem do eterno irresponsável e às vezes genial goleiro Higuita – e o vexame dos EUA, em 1994, quando chegou como uma das favoritas e não passou sequer da fase de grupos.

Duas décadas depois, os colombianos finalmente deram um histórico passo adiante ao se classificar pela primeira vez, e com louvor, às quartas de final neste Mundial do Brasil.

Como sabemos, venceram com tranquilidade os três jogos da fase classificatória, eliminaram o Uruguai com total justiça nas oitavas e ainda contam com o James Rodríguez, do Monaco, artilheiro até agora da Copa com cinco gols – um deles espetacular, contra a Celeste – e candidato a craque do torneio.

Imaginem como estaria jogando a “Banana Mecânica” – apelido já usado por colombianos para esta versão tropical da “Laranja Mecânica” holandesa de 1974 – se seu jogador mais conhecido, o superatacante Radamel Falcao,  também do Monaco, não tivesse sido cortado pouco antes do Mundial por lesão.

Um vácuo de três Copas

Mas e o que aconteceu entre estas duas gerações de craques do país vizinho?

A resposta é “quase nada”, ainda mais se julgarmos pela ausência dos tricolores nas Copas de 2002, 2006 e 2010.

Este vácuo de mundiais refletiu uma época dura para o futebol colombiano, que teve como um dos pontos máximos a derrota por delirantes 9 a 0 para o Brasil de Vanderlei Luxemburgo no torneio pré-olímpico de 2000, ocorrido em Londrina em 30 de janeiro daquele ano, e que definiu os classificados para os Jogos de Sydney.

A chuva de gols, que custou o cargo do treinador Javier Álvarez, foi obra de Ronaldinho (dois), Edu (dois), Athirson, Adriano, Lucas, Warley e Álvaro.

A seleção verde-amarela, aliás, comandada pelo próprio Ronaldinho e outro craque, Alex, depois frustraria as expectativas na Olimpíada da Austrália ao ser eliminada, por obra e graça do hoje extinto golden goal — também chamado de “morte súbita” –, por Camarões nas quartas de final. E jogando com dois a menos.

O vídeo, extraído do programa Globo Esporte, traz ainda uma divertida coincidência: então técnico da Argentina, José Pekerman, o atual comandante desta potente Colômbia, estava na plateia durante o massacre e classificou o Brasil como uma “uma máquina”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 11 =

Nenhum comentário

Jayme Guedes em 04 de julho de 2014

Só uma perguntinha: o que há de comum entre o Brasil e a Colômbia dos 9 x 0, e o Brasil e a Colômbia de hoje? Nada. O vídeo era só pra animar.

Antoninho em 04 de julho de 2014

O Pogba parece ser um jogador irregular... Entao, Au revoir...

Antoninho em 04 de julho de 2014

O Grizzmann, muito mal... Mas eu nao estou entendendo a Globo com o Junior e Roger falando em superioridade absoluta da Alemanha. Sera q eu estou vendo outro jogo...

Antoninho em 04 de julho de 2014

Faltando 5 minutos agora q ele poe. Vamos ver se vai dar tempo... Lamentavel...

Antoninho em 04 de julho de 2014

O Brasil esta com sorte, o "ponte de Paris" do treinador Frances nao tira o marrento do Benzema. O Giroud, tem mais presenca de área. Discordo da Globo, q enfrentar a Franca seria mais fácil para o Brasil. A Franca tem mais tradicao historica contra o Brasil q a Alemanha. E nao to vendo nada de mais nesse jogo.

CHAGAS em 04 de julho de 2014

Que ganhe o melhor , e no mommento sabemos que não é o Brasil.

JT em 04 de julho de 2014

Palpite para o jogo entre Brasil e Colômbia? Comentar depois da partida é fácil. Difícil é fazer um prognóstico. Vamos lá: A Colômbia está fazendo a melhor campanha da Copa até aqui, com vitórias em todos os jogos e melhor saldo de gols. Apesar disso, ela não tem obrigação nenhuma de vencer o Brasil no Brasil, e já fez sua melhor Copa da história. A pressão está toda do lado dos brasileiros, que ainda não convenceram dentro de campo, empatando duas partidas que em outros tempos seriam ganhas com certa facilidade. O problema dos nossos jogadores não é técnico, mas de comportamento: eles não conseguem obedecer taticamente ao Scolari. O estilo paizão e motivador do Scolari dá certo numa curta janela de tempo e ela foi gasta na Copa das Confederações do ano passado. Como resultado, temos jogadores reativos às conversas até com a psicóloga da seleção. Como resolver um problema comportamental numa curtíssima Copa do Mundo? Não dá. Se fosse um campeonato de pontos corridos com duração de seis meses, a torcida seria avisada de que o time não seria campeão, mas que também não seria rebaixado - quem sabe conseguiria uma classificação para o torneio continental. Logicamente torço pelo Brasil, mas apesar de jogar com a torcida a favor, racionalmente este jogo está mais para a Colômbia fazer história. Como já estou prevendo isso, nem ficarei chateado. Só vejo uma maneira do Brasil vencer a Colômbia logo mais: com dois ou três jogadores se rebelando contra a apatia e o nervosismo do time, chamando a responsabilidade para si e ditando o ritmo de jogo, contando com um súbito apagão da Colômbia. Que jogadores poderiam ser? Aposto no redimido Julio Cesar, no David Luiz e no Paulinho, que volta da reserva, mas tem cabeça para liderar os demais. O Neymar não tem esse perfil, embora seja craque, e o capitão Thiago Silva desandou na hora errada. Se o Brasil passar para a semifinal, aí ninguém pode cobrar mais nada, de nenhum dos quatro times restantes. Ganhar ou perder nesta fase é absolutamente normal, mesmo jogando em casa. A conferir.

Paulo Kelson, anticomunista, Manaus em 04 de julho de 2014

Me corrigindo, senador Romero Jucá é do PMDB de Roraima, mas é petista nas idéias.

Marco em 04 de julho de 2014

Don Setti, Tb acho a Colômbia frágil como adversário. Para uma quarta de finais. Ganhar de 1 x O para mim seria resultado de gerar crise... Abs.

Paulo Kelson, anticomunista, Manaus em 04 de julho de 2014

Enquanto o povo brasileiro está ligado no jogo do Brasil e Colômbia que acontecerá na tarde de hoje, 04/07/14, agora pela manhã assisto na TV Câmara, Audiência Pública da Comissão Mista Legislativa Federal sobre o Direito de greve do servidor público, sendo o presidente dessa Comissão, o petista dep. federal Cândido Vacarezza; participação senador petista Romero Jucá; palestrantes são os representantes da CUT, Força Sindical, UGT, Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB)… Todos nós sabemos que são movimentos sindicais comunistas, marxistas-leninistas que trabalham para o PT, partidos de esquerdas radicais e Foro de São Paulo, como massa de manobra para destruir a democracia e implantar o bolivarianismo (comunismo-chavista-castrista). Todos os abusos e crimes cometidos por esses movimentos sindicais, como recente greve criminosa do metrô de SP, agora aproveitam essa Audiência para debater que se tornem legítimos. Alertem aos seus amigos nessa política moderna desse circo romano (Copa), devemos ficar sempre vigilantes, é o nosso futuro e dos nossos filhos que está em jogo, Não deixem que o Brasil vire uma nova Venezuela! Usem as redes sociais.

RONALDE em 03 de julho de 2014

Está admirada a pessoa que assiste a copa e enxerga "zebras" em certas partidas de seleções antes coadjuvantes. Não enxergas essas pessoas que o futebol se universalizou e quase todos os jogadores de todas as seleções jogam em centros mais avançados, com técnicos mais experientes, ocasionando um melhora considerável no futebol mundial. Portanto, nada mais natural do que o belo espetáculo futebolístico que estamos assistindo no Brasil. Nossa seleção é tão boa quanto as demais, não é melhor.

Mauro Pereira em 03 de julho de 2014

Caro Ricardo Setti, boa tarde. Caro amigo, esse torneio pré-olímpico realizado em Londrina foi palco de muitas reviravoltas. Antecipadamente conformada com sua desclassificação, a seleção chilena já havia desmontado seu acampamento e marcado a viagem de volta ao seu país. Surpreendida pela inesperada classificação, teve que reunir às ressas seus jogadores para enfrentar a poderosa argentina. Me lembro como se fosse hoje, os jogadores posicionados para o início da partida que valia a presença em Sydney e o pouco caso com que Riquelme, Cambiaso e companhia trataram os desmotivados chilenos. Bola no meio do campo para o início. Riquelme bocejava, Cambiasso se espreguiçava. No final, os hermanos tiveram que engolir a seco sua arrogância. Seu "dream team" foi derrotado por 1x0 e o Chile ficou com a vaga!

Antoninho em 02 de julho de 2014

Eles continuam persistindo, q esta sendo uma maravilha de estrutura essa Copa, q coisa, Londres gastou 13 bi e a Copa passou de 30 bi. Recebeu mais de 1 milhao de turistas q gastaram 38 bi, e por aqui nao chega a 700 mil q gastaram apenas 6 bi. Esses petista tem sérios problemas de calculos principalmente quando se trata de dinheiro e investimento publico. Gostam de desperdicio e chegam a ser orgulhosos disso...

Antoninho em 02 de julho de 2014

Por essas e outras para mim seria inadmissivel o Brasil nao passar pela Colombia. E tem q vencer bem... Mesmo sem Neymar, q nao sei se vai conseguir jogar... A namorada dele nao para de falhar em olho gordo e etc...

Jonas em 02 de julho de 2014

Quem o indaga são os próprios ingleses! - The World Cup 2014 in Brazil: better organised than the Olympics in London 2012 - http://www.free-project.eu/Blog/post/the-world-cup-2014-in-brazil-better-organised-than-the-olympics-in-london-2012-1928.htm - PhD pela Universidade de Cambridge e professor da escola de negócios francesa (ESSCA), D​a​ vid Ranc​ escreveu​: - “Sempre que um evento é organizado em um país do Sul, o discurso e a memória são de potenciais fiascos, que normalmente não se materializaram. Sempre que um evento é organizado em um país do Norte, o discurso e a memória são de sucessos, mesmo quando houve fiascos de verdade” - Ele lista alguns problemas ocorridos em Londres: - - Muitas das arenas estavam praticamente vazias e foram preenchidas com homens do Exército. - -​ Violência ao conter as manifestações ? Em Londres, as Forças Aramadas instalaram mísseis nas varandas de apartamentos particulares !​ - - As Forças Armadas tiveram que intervir depois que a empresa contratada para cuidar da segurança, G4S, não conseguiu dar conta do recado. - - O caso em que o time de futebol feminino da Coreia do Norte foi mostrado com a bandeira da Coreia do Sul, o que atrasou o início do jogo, já que o time se recusou a entrar em campo. - Os soldados que passaram a fazer a segurança não tinham o menor treinamento – foram chamados às pressas, por causa de grave da empresa terceirizada – e a inspeção era interminável. - As autoridades ficaram em pânico, com medo de a cidade encher de turistas e mandou os moradores saírem da cidade, às pressas. - O trânsito e o metrô funcionaram. - Mas, as lojas, restaurantes, táxis e bares iam a falência e reclamaram furiosamente. O Governo mandou todo mundo voltar para a cidade e o trânsito ficou um inferno ! - A distância percorrida a pé das estações de metro ao local dos eventos era gigantesca.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI