Image
A história de uma galáxia: Uma simulação da Nasa

Esse vídeo abaixo, amigas e amigos do blog, é daquelas coisas que parecem do outro mundo.

A Nasa, a agência espacial americana, nele simula a vida de uma galáxia de cerca de 13,5 bilhões de anos — desde pouco depois do Big Bang, a monumental explosão cósmica que teria dado origem ao Universo, até agora.

Os indicativos são cores:  as estrelas velhas  aparecem em vermelho, as estrelas jovens, em branco e azul claro e  a distribuição de densidade do gás em azul claro.

A visão abrange um diâmetro dificilmente capturável pela mente humana — 300 mil anos-luz, ou seja, um diâmetro tão extenso quanto a distância que a luz levaria 300 mil anos para percorrer.

O estudo tomou por base a observação de 544 galáxias, a partir dos telescópios Keck e Hubble. E mostra, entre inúmeros outros dados, que nos últimos 8 bilhões de anos as galáxias assumiram movimentos caóticos durante longos períodos, passaram a girar mais rapidamente e então se desenvolvem com o formato que tem a nossa Via Láctea — as chamadas galáxias de disco assentadas.

A simulação ocorreu no supercomputador Plêiades no Ames Research Center da NASA, em Moffett Field, na Califórnia, e — dado espantoso — exigiu cerca de 1 milhão horas de CPU. A iniciativa se desenvolveu em parceria com as universidades norte-americanas de Washington e de Wisconsin, e a de McMaster, no Canadá.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × quatro =

8 Comentários

Diako em 27 de outubro de 2012

Daniel,não lhe parece que a virtualização mostra a presença de uma Galáxia invisivel pré-existente?, que se tornam visíveis quando atraem matéria. Cogito que deva existir "nuvens gravitacionais" de diferentes polaridades que vaguem no espaço e se encontrem,colidem,se adicionem e formem um grande centro de atração,talvez,como disse o Eduardo:a força de Coriolis se aplique.

Daniel em 26 de outubro de 2012

Lendo a pergunta de Diako me lembrei de que, antes dessa (teoria ou fato) realidade contemporânea sobre "o buraco negro no centro das galáxias", tal não existia nos anos 70.

eduardo em 26 de outubro de 2012

Harley, são processamentos paralelos, e não seriais.

Liane Sanchez em 26 de outubro de 2012

Ricardo , vc vai gostar de http://www.youtube.com/embed/XRCIzZHpFtY?rel=0 Puxa, Liane, que legal! Muito obrigado! Tenho a vaga impressão de que já publicamos, mas não estou seguro. De todo modo, agradeço enormemente -- e, sempre que tiver vídeos interessantes, mande pra gente, tá? Se não tivermos publicado, direi que foi uma gentileza sua a indicação. Um abração

Harley em 26 de outubro de 2012

Reportagem fascinante para quem trabalha com cálculos numéricos é um "prato cheio". Contudo, se fosse 1 milhão de horas de CPU, gastaria 114 anos para o cálculo ser concluído!! É interessante rever este tempo de cálculo...

eduardo em 26 de outubro de 2012

nunca obtive resposta a uma questão simples : em todas as imagens de galaxias, o sentido de rotação é o horário. Será então que existe uma força análoga a da aceleração de Coriolis no Universo ? Se existir, teremos um meridiano tambem ??

Diako em 26 de outubro de 2012

O que teria formado o centro de atração? Um buraco negro? e sua formação? Para mim, são mistérios insondáveis e assim permanecerão. Tudo é fascinante pra mim, mas não alcanço a grandeza desses fatos, Diako.

José Geraldo Coelho em 25 de outubro de 2012

É uma coisa maravilhosa. E prá saber como o mundo acaba, é só rodar o video ao contrário.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI