VÍDEOS e COPA: A mordida de Suárez foi um horror, mas está longe de ser a primeira agressão notável em um Mundial. Vamos relembrar outras que entraram para a história

Observado por Éder, Maradona aplica voadora em Batista, durante a inesquecível vitória do Brasil sobre a Argentina em 1982: 3 a 1 (Foto: George Herringshaw - Sporting-heroes.net)

Observado por Éder, Maradona aplica “voadora” em Batista, durante a inesquecível vitória do Brasil sobre a Argentina em 1982, em Barcelona: 3 a 1 (Foto: George Herringshaw – Sporting-heroes.net)

A FIFA praticamente implora aos jogadores que pratiquem o tal fair play. E, na maior parte do tempo, as Copas do Mundo são torneios razoavelmente civilizados.

No entanto, os atletas são feitos de carne e osso, e vez ou outra esquecem que estão sob vigia de dezenas de milhares de espectadores, e centenas de milhões de telespectadores, agindo como se encontrassem em uma pelada dominical sem lei.

A inacreditável – e reincidente – mordida do uruguaio Luis Suárez no zagueiro italiano Giorgio Chiellini, ocorrida na partida disputada ontem na Arena das Dunas em Natal, já entrou para a história das grandes agressões cometidas em Copas.

Mas está longe de ser a primeira a chocar o mundo e entrar pela porta dos fundos no folclore do futebol.

Repasso, em ordem cronológica, cinco outros episódios registrados em vídeo disponíveis no YouTube em que um jogador perdeu a cabeça e descontou no adversário, em partidas de copas do mundo.

Unas renderam suspensão de mais de um jogo, prática à qual a FIFA aderiu nos anos 1990, e que deverá se aplicar a Suárez; outros apenas ocasionaram expulsão de campo, enquanto algum simplesmente passou batido.

– Copa do México, 1970: Pelé (Brasil) x Fontes (Uruguai) (Crédito: Pelé Eterno, de Aníbal Massaini Neto)

Muitos contemporâneos de Pelé falam sobre o quão malandro o Rei era em campo. Na semifinal da mítica Copa de 70, vencida pelo Brasil por 3 a 1, ele demonstrou este “talento”, se vingando de um pisão horroroso e desleal do zagueiro uruguaio Fontes com uma vigorosa cotovelada no nariz.

Repare como ele ginga o corpo para que o juiz não enxergasse, além de ele próprio simular ter sido golpeado. Funcionou, e o camisa 10 saiu incólume.

Pelé foi violento mas, aqui, argumentou-se que ele estava revidando a uma agressão anterior.

-Copa da Espanha, 1982: Maradona (Argentina) x Batista (Brasil) (Crédito: Canal Plus)

O velho hábito de partir para a agressão diante de uma vitória incontestável – no caso, 3 a 1 para a mágica seleção de Telê Santana – voltou a ser utilizado pelos argentinos. Ainda jovem e impetuoso, mas já craque, Diego Armando Maradona perdeu as estribeiras e deferiu uma “voadora” na barriga do meio-campo Batista, recebendo cartão vermelho.

Eu estava lá, e vi o jovem craque sair vaiado e xingado do hoje demolido Estádio de Sarriá, em Barcelona.

-Copa dos EUA, 1994: Leonardo (Brasil) x Ramos (EUA) (Crédito: ABC)

Quem diria. O simpático, articulado, bonito e bom moço Leonardo – embora para mim apenas um mero “armandinho” – lançando o cotovelo na cara do rival dos EUA, que naquele dia perderiam por 1 a 0.

A jogada marcou a carreira do hoje dirigente, que não só foi para o chuveiro mais cedo, como também não pôde participar das quartas, semi e final vencidas pelo Brasil. Marcou injustamente, porque, embora condenável, foi um ato isolado de Leonardo que não repetiria nada semelhante dali para a frente.

A FIFA começava sua perseguição aos agressores, demonstrando desde a estreia – quando o boliviano Marco El Diablo Etcheverry foi expulso aos 4 minutos e perdeu os outros dois jogos da primeira fase – que a linha passara a ser dura.

-Copa dos EUA, 1994: Tassotti (Itália) x Luis Enrique (Espanha) (Crédito: desconhecido)

Quando jogador, Luis Enrique, recém-contratado como técnico do Barcelona, protagonizou um dos lances mais emblemáticos da Copa de 1994: teve o nariz estourado por uma cotovelada do italiano Mauro Tassotti em embate válido pelas quartas-de-final.

O lance ocorreu já nos descontos e dentro da área, o que renderia pênalti e expulsão… caso o árbitro húngaro Sándor Puhl houvesse visto. Os italianos acabaram vencendo por 2 a 1, e chegariam à final contra o Brasil, que, por incrível que pareça, seria apitada justamente por Puhl.

Uma tremenda incoerência da FIFA que, dias antes, pela primeira vez em sua história recorrera a imagens gravadas para punir Tassotti com oito jogos de suspensão.

-Copa da Alemanha, 2006: Zidane (França) x Materazzi (Itália) (Crédito: Sky Mondiale)

Sem dúvida, a agressão mais famosa da história dos mundiais. Após escutar do zagueiro italiano Marco Materazzi ofensas à sua irmã – embora haja teorias de que os xingamentos se referiam à origem argelina do grande craque – Zinedine Zidane lhe aplica uma cabeçada fulminante no peito e vai para o vestiário.

Em plena prorrogação da final, vencida pela Itália nos pênaltis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × um =

Nenhum comentário

  • Antoninho

    O impressionante é q o anti jogo as vezes se torna quase perfeito, imperceptivel e depois como sempre nao é confessado como ato.

  • mairalur

    Essas agressões são coisas de homem, brutamontes, claro. A mordida de Luisito foi coisa de menininha.

  • carlos nascimento

    Ricardo,
    O que teria causado tanta revolta em Zidane, que o levou a desferir aquela cabeçada ? Vc saberia me dizer com exatidão o que o “maluco” do Materazzi disse ?
    Foi racismo, xingou a mãe do francês, ou o quê teria dito naquele fatídico lance.

    Até hoje há controvérsias. Eu nunca, em lugar algum, vi alguma explicação razoável sobre o incidente. Sobretudo não li nem ouvi nada proveniente do próprio Zidane.
    Há a versão de que Materazzi se referiu depreciativamente a uma irmã de Zidane, ou mesmo à sua mãe. E outra seria que o italiano zombou da religião do grande craque francês, que é muçulmano.

  • Luiz C.

    Basta o Suarez se declarar fã da Valesca Popozuda e dizer que foi um “beijinho no ombro”…

  • wagner

    De Jong X Xabi Alonso

  • Anonimo

    A cotovelada do Pelé no assassino beque uruguaio,
    não foi vingança, nem “troco”:
    foi LEGÍTIMA DEFESA!
    Se o Rei não dá aquela cotovelada,
    que o perna-de-pau uruguaio,
    zonzo e humilhado,
    tentou fingir não ter levado,
    se o Pelé não dá aquela cotovelada,
    tinha sido covardemente quebrado
    e teria encerrado sua carreira ali!
    .
    LEGÍTIMA DEFESA!
    O único momento em que todos os CÓDIGOS PENAIS
    de todos os países do mundo,
    civilizados e não-civilizados (como o Brasil petista)
    permitem que um cidadão MATE o outro:
    para defender sua integridade física e de sua família,
    diante da ação perversa de um bandido!
    .
    Valeu, Pelé!
    De novo!
    és o rei!
    Os brasileiros te agradecem a lição de cidadania, mais uma vez!

  • Marcondes

    Mais uma vez ficou constatado a falta de caráter de alguns comentaristas esportivos, leia-se ‘formadores de opinião’, que acharam a punição dada a Soares como exagerada. Exagerado foi o comportamento idiota do atleta, se achando muito esperto e esquecendo que essa é a copa das 1001 imagens via tudo o que é possível, TVs, câmeras dos estádios, celulares, repórteres e etc. Por outro lado o cara parece psicopata. mesmo sabendo que estava sendo vigiadíssimo devido aos seus antecedentes, subestimou a tudo e a todos. E mais, seu colega Lugano perdeu uma grande oportunidade de ficar calado ao tentar defender o indefensável. Alguém tem que dizer a Lugano que em certas horas é melhor ficar calado e parecer um idiota, do que abrir a boca e dar toda certeza.

  • L'Abbate-51 - São Paulo

    Que feio: Pelé + Zidane + Suárez!!! Deus viu…

  • razumikhin

    MOrdida em Copa do Mundo, eu não conhecia outra.

  • alberto santo andre

    da copa de 94 faltou a cotovelada dada pelo lateral da seleçao brasileira branco, com esmagamento de face do jogador dos eua ,e que inclusive rendeu uma puniçao menor que a aplicada ao jogador italiano ,no jogo contra a espanha ,este jogador americano teve que fazer tres cirurgias para conseguir recompor a face. isto sem contar a tibia de um jogador alemao ,quebrada por pele em um jogo amistoso.cavalos e o que nunca faltou no futebol ,porem as puniçoes sempre dependeram da camisa que se veste, principalmente apos setenta com a chegada de joao havelange a prsidencia da fifa.

    A infeliz cotovelada não foi aplicada por Branco, mas por Leonardo.

  • Lucas

    Ricardo, há uns tempos a televisão francesa contratou uma tradutora franco-italiana especializada em leitura labial para decifrar a troca de palavras entre Zidane e Materazzi. Pode ver um pouco mais neste link (assim como uma das únicas vezes, senão a única, em que Zidane falou sobre o caso, basicamente confirmando tudo o que a tal tradutora diz): https://www.youtube.com/watch?v=EOYgZr90QcE&feature=player_detailpage#t=183

    Tomo a liberdade de transcrever para português:
    Materazzi posicionado atrás de Zidane fala para seus companheiros de equipe: “Joguem!”
    Neste momento Zidane lhe dirige o olhar e o jodagor italiano diz: “Quê que você quer?!”. O francês rebate com outra pergunta “Quer minha camisa?”. O italiano responde com a falta de elegância habitual de jogador em dia de decisão: “Dá ela pra puta da tua irmã.” Neste instante volta os olhos para a partida e parece dizer para si mesmo “Merda, merda…” enquanto Zidane se afasta. Uma vez mais, porém, ainda no alcance da escuta do atacante francês, Materazzi lhe diz mais uma vez: “Pra cachorra da tua irmã, Zidane enrabado!”. O insultado olha para trás apenas para ouvir uma última agressão do adversário italiano, que diz “Vai tomar no cu!”. É neste momento que Zidane para e lhe dá o infame golpe de cabeça…
    Como diz o próprio apresentador: insultos chocantes, certamente, mas ao mesmo tempo banal no universo do futebol e que dificilmente explicam sozinhos a reação de Zidane. O futebolista, entretanto, insiste sobre esta versão dos fatos (“Materazzi insistiu em insultar minha mãe e irmã e utilizou palavras especialmente agressivas para o ouvido de qualquer homem”).
    Aí está. Fique à vontade para partilhar se achar válido. Desculpe o palavreado, mas a culpa é do Materazzi mesmo.

    Sensacional o vídeo! Eu não conhecia. Não sabia desse trabalho da televisão francesa.
    Muito obrigado pela excelente dica.
    Acho que vou, sim, aproveitá-la.
    Um grande abraço

  • Sandro

    E esse golpe desleal, quase assassino de Schumacher:

    http://www.youtube.com/watch?v=VPTOnClKCJc&list=PL0A8SihqToS-Yjsb1YPWU7ZUSw4-iDL4H

    Milagrosamente Battiston sobreviveu! O juiz nem advertiu o goleiro tedesco!

    Algum parentesco entre Toni Schumacher e Michael Schumacher?

  • Cronos

    A agressão do Leonardo foi a pior.Merecia ter sido banido do futebol.

  • Daniel

    Esqueceram do lance mais violento da história do futebol mundial, foi na Copa da Espanha em 1982 o goleiro Schumacher da então Alemanha Ocidental, quase assassinou o volante Battiston da França, na semi-final daquela Copa, e o juiz nada marcou.