Vitória sofrida da Holanda nos pênaltis coloca a Costa Rica no mapa mundial do futebol, leva 4 gigantes para as semifinais — e faz justiça ao grande nome desta Copa: o fabuloso Robben

Além de ser o melhor em campo, uma vez mais, Robben mostrou um extraordinário preparo físico e uma raça admirável. Não teria tanta graça a Copa continuar sem ele (Foto: Ivan Pacheco/VEJA.com)

Além de ser o melhor em campo, uma vez mais, Robben mostrou um extraordinário preparo físico e uma raça admirável. Não teria tanta graça a Copa continuar sem ele (Foto: Ivan Pacheco/VEJA.com)

A modesta Costa Rica passou, desde esta Copa e principalmente desde hoje, a figurar no mapa múndi do futebol, com uma seleção forte, competitiva, dedicada e com uma defesa quase intransponível — não é por acaso que um time de estrelas como a Holanda não tenha marcado nenhum gol nos costarriquenhos no tempo regulamentar somado ao da prorrogação.

A Costa Rica perdeu nos pênaltis para os holandeses, mas sai glorificada. Vencer duas das partidas na fase de grupos, empatar uma contra uma seleção ex-campeã mundial, a Inglaterra, e se classificar em primeiro lugar no “Grupo da Morte” já foi uma proeza histórica.

Ultrapassar as oitavas derrotando um ex-campeão da Europa, a Grécia, acrescentou mais louros à rapaziada do treinador Jorge Luis Pinto. E, em plenas quartas de final, emparedar a grande Holanda, levando-a aos pênaltis, completou o quadro.

Não há dúvidas que dá um aperto do coração ver o simpático e surpreendente time dos ticos ir embora. A vitória da Holanda, porém, acabou sendo absolutamente justa: um time que meteu duas bolas na trave, chutou 20 vezes a gol, contra 6 do adversário, e guarda em suas fileiras um cracaço como Robben — para mim, o melhor da Copa até agora, Messi incluído — não podia cair.

Sem contar que, para os brasileiros, coloca um cachorro grande no caminho, até agora fácil, da Argentina.

Robben, como sempre, se mostrou impressionante: dribles fulminantes, centros perigosos, passes certeiros, piques velocíssimos, disposição para defender, uma grande garra — lembremo-nos de como ele parecia comandar a equipe toda, inclusive o técnico Louis Van Gaal, no intervalo entre a prorrogação e os pênaltis — e um preparo físico fora de série.

Com a mulher, Bernardien, recebendo um prêmio da revista "GQ": o empresário Robben tem interesse até em perfumes e lanchonetes (Foto: ligastars.com)

Com a mulher, Bernardien, recebendo um prêmio da revista “GQ”: o empresário Robben tem interesse até em perfumes e lanchonetes (Foto: ligastars.com)

Para quem gosta de futebol, ver continuar a Holanda três vezes vice-campeã do mundo é boa notícia, sobretudo por ele.

É uma alegria saber que Arjen Robben seguirá enchendo os olhos da torcida e dos telespectadores por pelo menos mais uma partida — o embate contra a Argentina que os holandeses devem encarar como uma revanche da final da Copa de 1978.

O melhor jogador da Copa?

Sim, em minha modesta opinião de torcedor.

Infelizmente já se foram da Copa belos jogadores como o nosso Neymar, o argentino Di Maria, o espanhol Iniesta, o inglês Rooney, o croata Modric, o português Cristiano Ronaldo, entre muitos outros — e continuam craques como o fabuloso argentino Messi, os alemães Schweinsteiger e Thomas Müller, o nosso David Luiz e outros.

Para mim, porém, “o Cara” deste Mundial, até agora, é Robben, o careca de 1,80 metro e 30 anos artilheiro do Bayern de Munique.

Como já escrevi antes, Robben ressuscitou no Bayern de Munique após um período difícil no Real Madrid entre 2007 e 2009.

Contratado ao Chelsea como estrela por 40 milhões de euros (mais de 120 milhões de reais), até hoje não se sabe o que ocorreu com Robben no maior time do século XX, segundo a FIFA: começou bem, mas aos poucos foi sendo substituído, ficando no banco de reservas, contundia-se com uma frequência espantosa e ganhou fama de pipoqueiro.

No Bayern, tornou-se jogador vital para a montanha de títulos arrecadados pelo clube desde que chegou: duas Champions Leagues (o maior torneio de clubes do planeta), um mundial de clubes, uma Supercopa da UEFA, três campeonatos na Bundesliga, três Copas da Alemanha, duas Supercopas da Alemanha…

Robben celebra com o filho caçula, Kai, vitória do Bayern contra o Stuttgart, em maio (Foto: Getty Images)

Robben celebra com o filho caçula, Kai, vitória do Bayern contra o Stuttgart, em maio (Foto: Getty Images)

É ídolo absoluto da torcida alemã — e da holandesa, claro — e um sujeito realizado: casado com a namorada dos tempos de colégio, Bernardien, pai de dois garotos e uma menina, Robben amealhou uma fortuna de quase 200 milhões de dólares e, fora do futebol, é um empresário de sucesso.

Seus interesses incluem, como sempre ocorre com craques, publicidade até no setor de moda, e vão além das diversas linhas de produtos a que empresta seu nome — como o perfume With Love from Arjen ou o vodca Pure Wonderobben –, incluindo a propriedade de uma rede de lanchonetes em Amsterdã, a Fat Robben Burger.

Sossegado quanto ao futuro pós-futebol, Robben se dá ao luxo de jogá-lo também por prazer, como já disse em várias entrevistas.

É o que se tem visto, em campo, nesta Copa. É o que se espera na partida contra a Argentina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + 11 =

Nenhum comentário

  • Jorge

    O holandês que inventou um pênalti é herói. Já o brasileiro Fred que SOFREU um pênalti é escrachado pelos vira latas.
    Triste sina do Brasil. Ser obrigado a aguentar tantos traidores da pátria dentro do próprio país.

    Você tem alguma noção do que é “trair a pátria”? Aqui se está falando de futebol.
    E se este comentário boçal está endereçado a mim, você errou o destinatário.

  • Armando Lucena

    A minha final dos sonhos é Brasil x Argentina.
    A do Setti, naturalmente, é Alemanha x Holanda.
    Tenho de admitir que o Setti tem mais chances que eu: com o Neymar tá fora e a Holanda sendo um time que veio pra ganhar, coitada da Argentina, 75% de chances de dar Alemanha x Holanda mesmo.
    Parabéns, Setti! Você já venceu!

    De onde diabos você tirou isso?
    Tem gente que vem aqui só para encher a paciência…

  • Armando Lucena

    De qualquer forma, Setti, essa é mesmo a Copa das Copas: duas semi-finais ÉPICAS com as melhores 4 seleções do Planeta só podia acontecer no nosso pobre e desorganizado BraZil, né? #copadascopas

  • Hipócrates Viana

    Pô, até você Setti! Só copa. Não aconteceu mais nada relevante no Brasil?

    Fica difícil fugir do tema Copa do Mundo, não é, caro Hipócrates?
    Mas basta ver as chamadas da home page do blog, à direita, para constatar que outros assuntos têm, sim, tido vez na coluna.
    Abração

  • Marcos

    Parabéns, Ricardo Setti!
    Robben é mesmo o grande nome desta copa. Joga demais; tem raça, técnica, vontade de ganhar e, sobretudo, humildade! Tremendo jogador, merece escrever o seu nome na história do futebol.
    Abs. Marcos.

  • Leonel

    Na verdade, a Costa Rica empatou o terceiro jogo, contra a Inglaterra.

  • person araujo

    uau, acertei 75% da minha semifinal palpitada! A Holanda ficou no lugar da Itália. Ainda uma semifinal e tanto!

    Com uma ponta de dor no coração acho que o futebol que o Brasil tem apresentado infelizmente não o credencia como um campeão que eu gostaria de ver. Tudo bem, sou um viúvo de 82, confesso… rsrs Mas a seleção me parece apelar demais pra faltas duras e ter um inexplicável desgaste emocional em situações adversas.

    Enfim, tomara que tenhamos semifinais à altura das seleções. abs!

  • Branca

    Mas eu torci para a Costa Rica. Seu futebol é mais animado. Certo que há muito o que corrigir. Perderam várias boas oportunidades de contra ataque ao falharem demais nos passes. Mas gostei da zaga, muito combativa porque não é fácil parar os atacantes da Holanda. Mas o jogo dos laranjas é muito chato de assistir. Dói ver aquela bola toda hora atrasada para o goleiro. O melhor do jogo ficou no 2º tempo da prorrogacão. Houvesse a Costa Rica jogado daquele jeito desde o início, talvez o resultado fosse outro. Robben é fantástico atleta mas fiteiro que só. Parece que andou tendo aulas com alguns brasileiros que provocam a falta e depois levam a mão no rosto fingindo agressão. Não vão gostar do que vou dizer, mas vou torcer para a Argentina. Pelo espetáculo em si. Futebol é arte. Faltou isso no jogo da Holanda.

  • Ronalde Segabinazzi

    A Holanda tem o melhor time, o melhor jogador e o melhor técnico desta copa. Gaal deu aula de tática e conhecimento do seu plantel. Eu torci para a Holanda ganhar, pois o que se veria com a Costa Rica na semi final seria o mesmo ridículo jogo para levar a disputa aos penaltis, como conseguiu. Isso não é futebol para copa do mundo.

  • carlos nascimento

    Ricardo,
    Sugiro enquetes, temos variados temas para apreciar,lá vai a primeira:

    1)- qual o melhor goleiro da Copa até aqui ?
    ( ) Neuer
    ( ) Navas
    ( ) Ochoa
    ( ) Courtois
    ( ) Júlio César
    ( ) Krul
    * meu voto vai para……NEUER.

    2)- qual a maior decepção da Copa ?
    ( ) a seleção da Espanha.
    ( ) a mordida de Luisito Suárez.
    ( ) o plano tático de Scolari.
    ( ) a participação de CR7 na Copa.
    ( ) a quebra de protocolo * não tocaram o Hino no jogo entre França x Honduras.
    ( ) outras indicações. qual ?

    * meu voto vai para …… o plano tático de Scolari.

    RS, perdoe-me por invadir seu espaço, mas….vamos aproveitar, a Copa está findando, depois será só pauleira das eleições.
    abração.

  • Celma

    Goleiro salvo a Holanda.
    É uma vergonha ver a poderosa Holanda se matando pra vencer a Costa Rica.

  • Leonardo Saade

    Em futebol nem sempre o melhor time ganha. Quem não se lembra da fantástica Seleção brasileira de 82, que perdeu para o modesto time da Itália? Torcer, vamos todos pelo Brasil contra a Alemanha, mas temos de admitir que a parada é duríssima. Sem Neymar e Thiago Silva as chances diminuem muito contra a maquina do time alemão. Thiago e David Luiz, formavam a melhor dupla de zaga da Copa, e desfalcada, vai encarar o talentoso ataque alemão. E o ataque brasileiro provavelmente vai ficar perdido sem Neymar, sua principal referência.
    Do outro lado, a Holanda embalada, com o melhor jogador da Copa(concordo com você Setti, Robben está voando!) doida para vencer sua primeira Copa. A Argentina, que chegou as semi-finais enfrentando apenas times fracos, e visivelmente dependente de Messi, ainda vai ter o desfalque de DiMaria. Acho que a Holanda tem mais chances.
    Como eu disse, futebol não é matemática e nem sempre o melhor time ganha. Mas tudo aponta para uma final Alemanha e Holanda, repetindo a final de 74. Vamos aguardar!

  • Antonio

    Esse é o maior “cai-cai” da Copa. Aliás, essa é a Copa dos goleiros e dos juízes. Nunca havia visto uma Copa onde tantos resultados foram impactados por erros de juízes, inclusive o de ontem, onde a Costa Rica foi solenemente garfada.

  • Alessandro Delfini

    O goleiro da costa rica é ótimo! Fora que tem muita sorte…. 3 bolas na trave!!!!
    Foi o time que pegou os adversários mais difíceis e não perdeu pra ninguém! Uruguai, Itália, Inglaterra e Holanda!
    Se ganhassem nos pênaltis ontem, porque não pensar no título com um retrospecto desses?

    Pois é … Que surpresa!

  • Luiz

    Caso não seja o Brasil, que seja a Holanda.
    Quando lembro daquele futebol que apresentou em 1.974, que encantou o mundo, penso que a Holanda é merecedora porque já chegou outras vezes também.

  • Isabel

    Ele jogou contra a Costa Rica? Estranho, não o vi. Ou será que era um jogador lá no canto do campo que tentou fingir um pênalti? Que pena, não colou.

  • Francisco Campos

    E aquele pênalti contra a Holanda que o juiz não enxergou? E o Robben, que me perdoe o articulista, é o maior cai-cai da Copa!

  • Alberto M Romano

    Eu não entendo esse enaltecimento para a seleção da Costa Rica. Uma equipe que chegou onde chegou praticando o anti futebol
    Me fez lembrar um tecnico do juventos chamado milton buzeto que ficou famoso por ter criado o sistema ferrolho onde dez ficavam na defes e um para a possivel sobra
    Essa nossa imprensa esportiva é realmente DUCA