Viva a meritocracia que Dilma e Dirceu defendem agora. Mas, afinal, por que não fizeram isso antes?

Amigos, há alguma coisa muito estranha em relação aos mais de 20 mil cargos de confiança, de livre nomeação, na máquina pública federal, moeda de troca para ganhar apoios políticos ao governo, fator de desvalorização dos servidores de carreira e com frequência porta de entrada de lobbies corruptores dentro dos mecanismos do estado.

Atentem para dois fatos dos últimos dias:

1. José Dirceu, ex-todo-poderoso chefe da Casa Civil do governo Lula durante dois anos e meio, até junho de 2005, quando caiu devido ao escândalo do mensalão, no programa Roda-Viva da TV Cultura, defendeu energicamente — e cheio de razão — que uma das formas de acabar com os cargos de confiança como moeda de troca na política é tornar obrigatória, pela Constituição, a escolha de funcionários de carreira para preenchê-los, com exceção de “uns 700” no âmbito federal.

Segundo ele, o PT defendia essa obrigatoriedade na Constituinte de 1987-1988, mas, vencido pela maioria do “Centrão” — grupo de parlamentares liberais-conservadores de vários partidos –, não conseguiu emplacar a medida.

2. Dilma Rousseff, em dois trechos importantes de seu primeiro discurso como presidente eleita: “Zelaremos pela meritocracia no funcionalismo e pela excelência do serviço público (…)”. “Vou valorizar os quadros profissionais da adminsitração pública, independente [sic] de filiação partidária”.

Agora, duas perguntas que não querem calar:

1. Esse pessoal ficou 8 anos no governo, e por que não fez isso?

2. Como acreditar que a presidente eleita opte, agora, pela meritocracia na gestão do governo federal, se seu mentor Lula o que fez foi ratear e lotear cargos de confiança na administração direta, diretorias e outros postos em estatais e o comando e diretorias das agências reguladoras com absoluta predominância de interesses e critérios político?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + dezenove =

Nenhum comentário

  • Álvaro Henrique Rodrigues

    Hora, muito simples, dançam conforme a musica. Os índices fantasiados de popularidade, caiu na real.O negócio é se manter no poder, e vai tapeando aqui e ali, faz um agrado um cafuné, e o povo é manso mesmo.Late mais não morde.Somos vira lata com o rabo entre as pernas. Fica o dito popular. Faria diferente? Tem muita gente que sim, mas não são políticos e os que são ganham um cala boca. A justiça é lenta , cheia de escapes, vamos levando e todo mundo continua numa boa..

  • Reynaldo-BH

    Setti, usando o título do livro de Andrew Grove, presidente e fundador da Intel, que escreveu “Só os paranóicos sobrevivem”, me assumo como tal. Espero sobreviver! Vivemos a ditadura militar – de onde o PT aparentemente tirou os ensinamentos que hoje utiliza com rara maestria! – na qual os discursos dos generais tinham dois públicos: o “externo” (ou seja, nós!) e o “interno” (a dita caserna!). Assim, alguns deles nos eram incompreensíveis embora cristalinos para os militares. Estes avisos do PT não seriam um aviso à base alugada que somente existem algo como 700 cargos a serem partilhados? Que uma reforma desejada (??) poderia colocar na rua milhares de pemedebistas e outros que pudessem estar pleiteando uns DAS no Governo Federal? Pareceu-me muito mais um aviso aos novos – nem tanto, nem tanto… – parceiros de governo. Agora estes parceiros possuem legitimidade dada pelas urnas e coligação, para exigir o “rachuncho” das sinecuras federais. Mas, deve ser bobagem. Eu é que sou paranóico…

    Não sei dizer, caro Reynaldo. Mas, se a presidente optar pela meritocracia, vai penar com a turma de aliados: PMDB, PTB, PP…. Você não é paranóico, não. Vamos aguardar e ver, falta pouco.
    Abração

  • Marcelo Gonçalves

    Prezado Setti,

    Eles nunca farão isso. Como irão acomodar os militantes de movimentos sociais, a companheirada dos sindicatos, os políticos dos partidos fisiológicos aliados, boa parte da esquerda que predomina nas universidades etc?

    Trabalho no serviço público (sou concursado) e pude constatar que boa parte dos comissionados que eu conheço (não são poucos) nutre simpatia e fez campanha (aberta ou velada) pelo PT. Não se trata apenas de moeda de troca, é aparelhamento do Estado mesmo.

    Você tem razão, caro Marcelo. Eu defendo há anos que os cargos de confiança deveriam provir do funcionalismo concursado, com pouquíssimas exceções — os ministros, alguns chefes de gabinete etc. Felizmente tenho tudo publicado. E agora vem esse milagre repentino de Dirceu e Dilma dizendo que defendem a mesma coisa que você e eu.

    Por isso é que perguntei: ué, por que não fizeram isso antes?
    Abração

  • Eber Barrinovo

    Dilma não é o Lulla. Não foi totemizada. Por isso não será tratada com tolerância pela sua base aliada. Assim, só conseguirá governar se “comprar” apoio político com cargos, ou seja, o que era discurso, será só discurso.

  • Benício Fernando

    Correndo o risco de estar sendo apressado e simplista, tentarei responder:

    1)Talvez não tenham investido esforço bastante para tanto; talvez tenham encontrado dificuldades em mudar a legislação. O Dirceu, na mesma entrevista, afirmou que o PSDB — e não o DEM — foi o partido que mais ofereceu resistência às mudanças propostas (confere?).

    2) A Dilma não é Lula. E o próprio Lula espera que ela faça melhor. Talvez a nova correlação de forças seja mais favorável às mudanças pretendidas.

    Setti, mudando de assunto, gostaria muito de ler a sua análise sobre essa onda de xenofobia que invadiu o Twitter (presumo que em outros lugares da internet) depois da eleições (ódio aos nordestinos). Você acredita que o fenômeno tenha alguma relação com a camapanha do Serra?

    No primeiro caso, caro Benício, o Dirceu ainda se referia à Constituinte, quando o PSDB, o judas que todos malham hoje, sequer existia. E o PT era uma pequena minoria.

    Perguntei por que não fizeram o que pregam foi no governo Lula, em que o presidente desfrutava, como ainda desfruta, de folgada maioria no Congresso.

    No segundo ponto de seu comentário, tomara que Dilma faça, sim, o que defende. Ela terá maioria ainda mais folgada do que Lula no Congresso. O problema é que mexer nos cargos de confiança atinge os interesses da maioria dos parlamentares…

    Em relação à onda de xenofobia, que eu condeno com toda a veemência, não vejo nenhuma relação com a campanha de Serra, tanto é que não faltaram críticas à “elite branca” por parte de militantes mais extremados de Dilma, não é mesmo. Eu próprio aqui recebi, e na maioria dos casos não publiquei, muitos comentários criticando, ofendendo e xingando “os paulistas”, como se nós, paulistas, fôssemos diferentes dos demais brasileiros.

    Xenofobia é odiosa em qualquer circunstância, e devemos combatê-la até quando aparece sob a forma de uma supostamente inocente brincadeira ou piada.

    Um abração

  • Estêvão Zizzi

    O voto de cabresto não mudou. Elegeu Dilma Rousseff confira: http://migre.me/1WSjZ

  • Rodrigo

    Uma pergunta feita segunda-feira por Olavo de Carvalho: Como ainda há pessoas que acreditam no que diz um petista?

  • David-ES

    Assisti ao programa desta semana e vi algumas situações mal colocadas pelo José Dirceu, como, por exemplo, a participação do Poder Executivo nas eleições, quando ele fez comparações infelizes com regimes parlamentaristas em relação ao nosso.
    Mas, isso nem é de longe o que motiva a escrever esse comentário, que talvez soe mais como uma sugestão.
    Lendo sobre as eleições americanas e também sofre a questão política na África do Sul nas últimas décadas, pus-me a questionar sobre as eleições em 2014 aqui no Brasil.
    O motivo? A mudança geracional de políticos.
    Penso que haverá cada vez menos espaço para as figuras moldadas durante a Ditadura, já que teremos uma democracia consolidada e amadurecida (assim espero) com seus 29 anos. Isso representará a chegada de uma geração de pessoas que não atuaram diretamente na democratização do país, já que estavam, no máximo, no início de suas vidas políticas. Talvez teremos uma quantidade expressiva de eleitores que mal recordará da hiperinflação e de outras mazelas que assolaram o país até o início da década de 90.
    Achei curioso que algumas das principais personalidades nesse sentido, isto é, as figuras bastante representativas hoje no cenário político brasileiro sejam herdeiras de políticos ligados de alguma forma à redemocratização do país, como Aécio Neves, Sérgio Cabral e Eduardo Campos, só pra citar alguns exemplos.
    Eu me pergunto como se prepararão os partidos com a chegada dessa nova geração de políticos e de eleitores?
    Conseguiremos parar de fixar o olhar do país ao passado, tal fosse um carro que conduziríamos através do retrovisor, sem prestar atenção no traçado da pista adiante?
    Assistindo ao José Dirceu no Roda Viva, eu tive a sensação de que o discurso “guerrilheiro” conheceu seu apogeu e agora só tende a seguir em declínio. Como li recentemente e não me recordo a fonte, parece que esta foi a nossa última eleição no século 20.
    Que venha XXI!

    Amém, caro David. E obrigado pela visita e pelo comentário.
    Abraços

  • David-ES

    Ah, eu passei um bom tempo elucubrando para tecer o comentário anterior e esqueci de falar de Meritocracia…
    Sou pessimista quanto a essa fala saliente do membro do Diretório Executivo do PT, pois 1º) não há essa cultura implantada dentro do Funcionalismo Público e quando existe é considerado caso isolado; 2º) a Burocracia Estatal mantém um sistema que dificulta o desenvolvimento dos funcionários em relação a temas fundamentais para Administração como liderança, cooperação, reconhecimento etc., pois a esfera pública não oferece um sistema satisfatório de crescimento na carreira dentro da esfera pública de maneira vertical, com algumas exceções, claro; e 3º) devido à estabilidade promovida pelo serviço público, há uma certa acomodação dos funcionários que chega ao ponto de um estado de indiferença em relação às diretrizes que um chefe exógeno venha a traçar, desde que não incomode a rotina dos funcionários ali.
    A piada do leão que come funcionários públicos vem a calhar agora: “Um leão está num desses departamentos de serviço público e come um funcionário por dia. Ninguém se importa com o desaparecimento de funcionários, inclusive de algum chefe ou outro, até que um deles percebeu que não havia café… não havia moça que fazia o cafezinho… e que tinha um leão dentro do departamento. Aí, já era tarde e todos esperavam apenas chegar o fim do expediente.”
    Isso só pra não falar do loteamento de cargos e DAS da vida que o Governo Lula fez durante estes últimos anos…

  • José Américo C Medeiros

    Creio ser uma tentativa de desfazer os recentes escândalos nos Correios, na Casa Civil, além de um certo “freio” para dificultar as pretensões fisiológicas dos aliados.
    O que deveria ser norma resume-se apenas a manobras políticas.
    Ou, talvez, um novo estilo de governar já pensando em 2014, porque até lá o discurso “não voltar ao passado FHC” já terá saído de moda, e milhões de novos e jovens eleitores precisarão ser cativados com novos fatos que tenham sido testemunhas.
    O bom seria se fosse uma postura real no sentido da moralização do Estado.

  • Amadeus

    Setti,

    Não só nada foi feito, como a situação piorou.

    Em Dezembro de 2002 o quadro de DAS era composto por 18.374 servidores.
    Desse total, 22,8% não tinha vínculo com o quadro público.

    Agora, o último dado é de Julho/2010, o total foi para 21.600 servidores.
    Desses, 27,7% são externos ao quadro público.

    Portanto, não só o quadro aumentou como o percentual de ocupantes de fora do serviço público também aumentou.

    Para conferir:
    http://www.servidor.gov.br/publicacao/boletim_estatistico/bol_estatistico.htm

    E agora outro tema, o bate boca do Dirceu com o Augusto Nunes.
    Vi abaixo comentário seu dizendo que o Nunes vai encontrar vídeo mostrando o Deputao Dirceu em Janeiro de 1999, durante o quiprocó do Tarso com o seu Fora FHC.

    Vai ser difícil, pois o Dirceu só tomou posse em Fevereiro/1999.
    Durante a confusão o Dirceu era somente Deputado Eleito e Diplomado.

  • gilda

    A era da mitose da Esfinge. A análise da política brasileira contemporânea precisa de linguistas , peritos em sofismas e diretores teatrais .

  • A meu ver, a meritocracia do atual governo considera ser afiliado ao PT um grande mérito…

  • Paulo

    Caro Setti,

    Como tenho certeza que nenhum dos ferrenhos defensores do atual governo terá hombridade de “calar” as contundentes perguntas, vou aqui descambar um pouco para o lado jocoso.
    Partindo do pressuposto que “A Mulher” foi eleita em um halloween, dá para concluir que eles levaram a gostosura e agora viveremos pelo menos mais quatro anos de travessuras.

  • Marco Antonio (Curitiba - PR)

    Bem, Setti, da boca pra fora é fácil. Veja esse post do Reinaldo acerca de uma fala exemplar de Franklin Martins em defesa da mesma liberdade de imprensa que ele hoje tenta exterminar:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-que-franklin-escrevia-quando-ainda-era-jornalista/

    Também acho que da boca pra fora é fácil. Mas penso que nós, jornalistas, devemos pegar os homens públicos pela palavra, e cobrá-los.

    Um abração e viva Curitiba, onde morei e estudei por dois anos. Morava na Praça Santos Andrade, pertinho do Teatro Guaíra e da Universidade Federal do Paraná.

  • Daniel

    O PT sempre soube o que dizer, mas não têm, necessariamente o interesse de fazer. Basta ver entrevistas de Lula quando concorria com Serra na sucessão de FCH, estavam lá promessas de baixar os juros, reforma tributária, reforma política etc.

    Ele nem mesmo tentou fazer essas reformas. Em oito anos se acomodou às alianças e às soluções fáceis e populares. Precisa resolver um probleminha aqui? Dá isenção de impostos por 6 meses.
    Há queda na produção ali? Dá um subsídio tb.
    O MST está gritando de novo? Deixe que eles façam uma invasãozinha em um lugar qq que ninguém vai ficar sabendo.
    Vamos deixar que os Sindicatos usem o contribuição sindical sem precisar prestar contas à sociedade…
    E assim vai.
    Espero estar errado, mas meritocracia no governo do PT parece tão real quanto as outras promessas de reformas do Lula. Se eles começarem a andar nesse sentido os companheiros vão começar a gritar e a presidenta vai ter acabar recuando para não perder a base de apoio.

  • maisvalia

    É que na meritocracia defendida pelos “cumpanheiros”, estes são hour concours e já começam a disputa ganhando os cargos que querem. Os infimos que sobrarem são atirados como milho às galinhas para os outros disputarem.

  • Para o PT vale a seguinte regra: na prática a teoria é outra. faz parte do “modus operandi” do PT aparelhar com a sua militância e simpatizantes o maior número possível de instituições públicas. Não há nenhum rigor técnico, apenas a acomodação de seu pessoal nos cargos que lhe interessam. Assim como não há nenhuma credibilidade nos discursos de figuras como o Zé Dirceu, e outros que tais.

  • Dawran

    Meritocracia, defesa das liberdades e respeito à Constituição, não deveriam fazer parte de rol de promessas. Não deveriam nem sequer serem citados, pois, não há outra alternativa: é dever de todo servidor público ou agente político. Isso é preceito constitucional. Assim, destacar que vai defender as liberdades, significa o quê? Que haveriam ameaças às mesmas? Por quem? Parece que a mistificação vai continuar. Já as falas de José Dirceu, soam mais como ameaças e desafios. Vale perguntar: ameaças e desafios a quem e por quê? Parece que as bazófias também vão continuar.

  • silvia m

    Discurso é discurso. É o efeito dos 44%.

  • lucia helena

    Prezado Ricardo

    Generalizações nunca são justas, mas sempre há exceções: o PT e seus membros nunca tiveram pudores de condenar uma idéia pela manhã e na noite do mesmo dia, com total cinismo, defenderem-na como se nunca tivessem se manifestado de forma diversa.
    O Lula foi mestre na arte, inclusive.
    Desculpem-me se não acredito nessa mudança de postura, principalmente vindo de dois dos maiores instrumentadores e/ou resultados do aparelhamento do Estado.
    abs

  • Siará Grande

    Há muito tempo me convenci que é perda de tempo comentar as palavras de petistas. Elles sempre falam o que acham mais conveniente no momento. Elles sempre fazem o que acham mais conveniente para o interesse delles. Por exemplo, com a lorota de defender a sociedade dos maus jornalistas, elles querem impor a censura da imprensa. Assim, o importante mesmo é que elles fazem e querem fazer.

  • Fernanda

    Pois é..na teoria é tudo muito bonito, né, Setti? Todos sabemos que o ideial é o sistema da meritocracia…menos cargos em comissão e mais servidores de carreira ocupando postos estratégicos, sendo promovidos…mas não foi isso que vimos nesses 8 anos…então, por qual razão deveríamos acreditar nisso agora? Já estou vendo notícias espalhadas por aí de que Palocci não ocupará mais cargo algum e essas coisas…na minha opinião preocupantes pois, mesmo depois de todos aqueles episódios com o caseiro, aindo o acho um dos mais comedidos dentro do PT…o oposto do Dirceu…ao que eu sei, ele espanta a ala radical do partido…daí a razão do discurso tão ponderado feito por Dilma quando ganhou…ELE ajudou a escrever…agora sem ele por perto…sei não…será que Franklin Martins continuará no governo?? Era só o que nos faltava, para completar…
    Eu queria ser mais otimista, Setti, mas está difícil…parece que nem o Meirelles estão querendo manter…o mercado não vai gostar nadinha dessa conversa!

  • Ricardo

    Economia em ordem,é o aval dado por parte do povo,para o governo fazer qualquer coisa sem ser prensado contra a parede.Se a Dilma detonar a economia por qualquer motivo,o pt dança,se não, eles se perpetuam no poder(eles sabem disso).
    Não tenho a menor simpatia pelo pt,mas é por aí:”economia sob controle,poder para sempre”.
    Quanto a oposição?Não existe oposição.

  • Anti-PT

    Não é por que encerraram-se as eleições que deixaremos de bater no PT, né?

    Esperando os Vermes:

    http://blogdovampirodecuritiba.blogspot.com/

  • Carolina Setti

    sinceramnete eu não creio que isto aconteça mas isto não e mérito só do governo pt, todo governo que entra faz a sua “limpa”… cargos de confiça afinal são de confiança de quem se interessa por ele…

  • Cristhian Tambosi

    Ricardo,
    Infelizmente, a proposta de reservar quase todos os cargos de confinaça parece ser uma daquelas soluções “milagrosas”.
    As pessoas acham que isto resolve tudo, mas tem funcionário de carreira que faz política e pertence a grupos políticos.
    Quem garante que o funcionário de carreira escolhido será o melhor para a função?

    Você tem razão quanto a não ser, como não é, uma solução milagrosa. Mas os funcionários de carreira teoricamente são preparados, passaram em concursos públicos difíceis, fazem aperfeiçoamentos para obterem promoção etc. E, acima de tudo, mesmo que um percentual deles integre partidos políticos, o uso de cargos de confiança como moeda de troca certamente diminui de forma drástica.

    Um abração, Christian.

  • ítaca

    Quem viu o programa teve que ter estômago para a quantidade de mentiras deslavadas que este escroque contou . Ele é um santo viu ??? Nada daquilo aconteceu !!! Vocês estão todos loucos!!!

  • berlatto

    Ricardo, muito bem posto! Será que alguém acredita nestes dois? – Outra pergunta interessante seria esta: Vocês comprariam um carro usado do Lula, da Dilma ou do Zé Dirceu?

  • Alessandra

    Setti,

    A oposição se fará presente apenas através do acesso LIVRE às informações REAIS de conduta (ou má-conduta!) governamental e seus poderes: papel realizado com maestria por você e seus colegas “não vendido$”…

    Vigília Brasil:

    – Os projetos de CENSURA à imprensa caminham rapidamente nos estados “vermelhos” da nação brasileira!

    – As “pobres parideiras” do país e suas famílias enormes, incentivadas/beneficiadas pelo “bolsa-compra-de-votos-projeto-social-de-fachada”, continuarão crescendo e se multiplicando!

    – A máquina do Estado e suas ramificações público-privadas continuarão o movimento in$aciável de criação de empregos para petista$, pmdbista$, psdbista$, familiares e coligados de “interesse$$$ comun$$$”!

    – O Irã (aquele país com dificuldades de relacionamento com o resto do mundo, que apedreja mulheres supostamente adúlteras e enriquece urânio!) e a Venezuela (aquele outro, sul-americano, que já está censurando a imprensa e estatizando multinacionais!) prontamente comemoraram a vitória do PT, com direito a comentários do tipo “cresce o bloco de países anti-capitalistas”, ou seja, anti-DEMOcraticos!

    – China e India são os dois países (“pobres”, corruptos e anti-democráticos!) “interessados” no sistema eleitoral brasileiro: aquele elaborado com mais de 16.000 linhas de códigos e certificado APENAS pelo TSE… Por que, exatamente, os EUA ou países realmente DEMOcraticos não se “interessam”?

    – Francenildo, Mensalão, Assassinatos(!), Lobby, Desvio$, Presidente Cabo-Eleitoral “nas horas vagas(!?)”… Desfechos/consequências???

  • Naná

    Nivaldo Cordeiro

    http://www.youtube.com/watch?v=fUpLBwue5mM

    pra mim, chega!

    Ah, Naná, quer dizer que VEJA trazer na capa a presidente eleita é “render-se ao petismo”? Será que o amigo que postou o vídeo no Youtube já ouviu falar em uma coisa chamada no-tí-cia?

    Abraços

  • Marcelo Coutelo, Sr.

    Você vai ler trocentas explicações usando a evolução do pensamento, a dinâmica do processo e patati patatá. A quem pensam que enganam?

  • Telma

    Pura estratégia que,aliás,está sendo usada há 8 anos.
    No futuro, omitem-se o que não foi realizado e divulga-se o “projeto de poeira”. Vide o PAC.
    O PT é PHD nesse modus-operandi.
    Além disso, a memória da maioria que interessa é cuuurrtta…

  • Silvio

    Muitas vezes os veículos de comunicação, para serem vistos como “pluralistas” e imparciais, dão visibilidade a bandidos,chefes de quadrilha e outros marginais. Esse foi o caso da TV cultura e de seu Roda Viva quando se propôs a entrevistar Zé Dirceu, processado pelo Ministério Público Federal, como o líder e coordenador do mensalão. Em um país mais ao norte de língua inglesa esse criminoso estaria há muito atrás das grades, sem direito a receber quaisquer visitas.Aqui, anda em liberdade e ainda queremos saber o que ele pensa sobre o país.Ninguém merece.

  • Antônio Simões

    Caro Setti..Acabo de ler no blog de um certo Altamiro Borges,membro do Comitê Central do PC do B,um mero apêndice do PT,afirmando que os tais “blogs progressistas” deveriam receber fundos,empréstimos,ou seja lá o que for do governo,para a “compra de equipamento moderno,como câmeras e PC´s,verbas para viagens,conferências e cursos de aperfeiçoamento,etc”.Essas barbaridades existem como diretrizes que foram criadas e seguidas por tais blogs após um conferência realizada pelos mesmos.Após Dilma dizer que pretende criar um Ministério para atender as micro-empresas e suas demandas,o tal “jornalista” ficou todo assanhado com a notícia,e já deu a sua “deixa” em tal artigo bem cínico!Ainda tocou no nome do BNDES como um possível fiador desse absurdo!Bem,meu caro Setti,essas pessoas são parte do corpo político que governa o País,e,muito provavelmente,tentarão de tudo para que a administração “abençoe” essa aberração.A meritocracia não existe para essas pessoas Setti,creio que isso já foi exposto ao longo desses 8 anos de governo Lulla.Mas,tudo bem…vou dar um “refresco” para a Dilma e ver se ela não cai nessa conversa,pois estarei vigilante…Pois tal idéia infame,não é mais do que um escoador de dinheiro público para áulicos espertalhões do governo,incompetentes até para isso,bajular os poderosos de plantão,com seus blogs vazios de idéias,senso de humor,democracia,e,principalmente,público!Um abraço para vc Setti!

    Caro Antônio,

    Você classificou muito bem a idéia desse doidivanas que cita: uma aberração!

    Quanto às juras pela meritocracia, o que acho que nós, jornalistas, devemos fazer é pegar os homens públicos pela palavra. Pretendo aqui cobrar isso o tempo todo da presidente eleita.

    Outro abração pra você

  • jefferson

    A meritocracia é discurso vazia dos dois principais partidos PT e PSDB. Cabe a imprensa ficar deolho e cobrar esses compromissos de ambos os partidos. Agora é triste ver a Veja elogiar a Dilma de olho nas tetas do governo federal assim como mama nas tetas do governo de são paulo via contratos milionários sem licitação.

    VEJA não depende de governo nenhum, caro Jefferson. Quer dizer então que você acha que a revista e quem nela trabalha só devem criticar a nova presidente, mesmo quando ela anuncia medidas positivas?

  • Glorinha de Nantes

    A meritocracia, entenda-se bem, segundo os Mandamentos da Lei do lullopetismo, tem um único objetivo : os comPonenTes da máquina são efetivados, desde que passem por uma crisma ou confirmação, facilmente obtida na Cong PTJD. Como assim?! Inscrevem-se para concursos públicos, apresentam à CJD Consfed & Conspub S.A. os QI, que são devidamente anexados ao Curriculum Vitae preparado pelo escritório da Conscur XPT. UFA! . . .enfim, a efetivação e a carreira por mérito! Mas, tudo bem! Nem foi necessário grandes esforços! Difícil mesmo foi para quem teve que mentir, mentir, mentir, . . .para ficar na História! Malbaratadas, tantas mentiras, uma vez desvendadas, nem para roteiros de mini-séries interessam. Lixo com elas, as mentiras e as iras das mentes! Sossobrem, de imediato, com todas as mentiras, e os tolos todos!

  • jefferson

    Se cortar todos os contratos SEM LICITAÇÃO com o governo do estado de são paulo e todas as assinaturas que o governo federal, municipais e estaduais tem com a Veja.
    A porta voz do livre mercado daria com a cara no chão.
    Nosso capitalismo adora o estado pra si e o livre mercado para os outros.

    Jefferson, você não tem idéia do que está dizendo. Fui diretor da Abril no passado, e posso lhe garantir que a Editora Abril — de quem não tenho procuração para defender, já que nem funcionário sou, mas pessoa jurídica contratada para manter este blog — não depende de modo algum de dinheiro público. O percentual de dinheiro público no faturamento da empresa é minúsculo.

    Agora, um pedido de reflexão: não há uma única vez que você faça qualquer comentário aqui, sobre qualquer coisa, que não contenha críticas e rancor em relação à Abril, a VEJA ou ao que escrevo.

    Sendo assim, pergunto, respeitosamente: por que você frequenta o blog, se o irrita tanto?

    Saudações.

  • jefferson

    Talvez seja o momento da editora Abril dar um lição em todos os “rancorosos” e divulgar o percentual no faturamento total da empresa em contratos com orgãos publicos.
    Setti eu peguei o valor de um dos contratos (diario oficial) e dividi pelo nº de assinaturas (diario oficial). O valor final foi 70% maior do que comprar uma revista na banca.

    É estranho, porque a assinatura faz baixar o preço do exemplar. Me mande o link do Diário Oficial que vou indagar a quem de direito na empresa.

    Abraço

  • jefferson

    Eu não preciso te elogiar para te achar inteligente.

    De forma alguma, Jefferson. Não estou atrás de elogios. É que, você há de concordar, parece que você está de marcação.

  • Marco M

    Os discursos do PT sempre parecem bem intencionados, mas todos sabemos que na prática a coisa é muito diferente, basta ver a campanha feita pelos petistas infiltrados nas estatais utilisando os recursos das próprias. Além do mais convém não confiar em pessoas que em países decentes estariam no fundo de uma cel, mas no Brasil, por motivos incompreensíveis, dão entrevista em televisão e ocupam cargos públicos importantes.

  • alexandre

    `caro setti ,não perca seu tempo com esse jefferson,ele deve ser da falange de internautas ptistas mantidos com dinheiro publico para infernizar os veiculos e jornalistas independentes.

  • Owl

    Somente tenho a dizer uma coisa. Pura hipocrisia!

  • Ilson de Pádua

    Prezado Ricardo
    Você já via algum aloprado/mensaleiro petista falar um única verdade.?
    Abs,
    Ilson de Pádua

  • jefferson

    Desculpe a demora! E que como profissional liberal meu tempo libvre é muito variavel.
    Não to preocupado com a baba de alguns por aqui. Segue alguns links do D.O de são paulo.

    http://www.imprensaoficial.com.br/PortalIO/DO/BuscaDO2001Documento_11_4.aspx?link=/2008/executivo%2520secao%2520i/outubro/01/pag_0048_8JAECPA4RFIH0e3E7LNHPP3KFKH.pdf&pagina=48&data=01/10/2008&caderno=Executivo%20I&paginaordenacao=10048
    http://www.imprensaoficial.com.br/PortalIO/DO/BuscaDO2001Documento_11_4.aspx?link=/2008/executivo%2520secao%2520i/outubro/25/pag_0019.pdf&pagina=19&data=25/10/2008&caderno=Executivo%20I
    nesse link são 220.000 revistas nova escola por um valor de R$ 3.740.000,00 que da um valor de R$ 17,00 reais por revista.
    http://www.imprensaoficial.com.br/PortalIO/DO/BuscaDO2001Documento_11_4.aspx?link=/2010/executivo%2520secao%2520i/maio/29/pag_0056_DPHN9OP028ET7eA2H6D82R3RCQI.pdf&pagina=56&data=29/05/2010&caderno=Executivo%20I&paginaordenacao=100056

    Caro Jefferson,

    Obrigado pelos links. Estou imprimindo o material para examiná-lo.

    Mas implicar com a compra da revista “Nova Escola”, Jefferson? É uma esplêndida revista dirigida a professores do ensino básico, feita com carinho por uma excelente equipe. No passado, foi dirigida por um grande jornalista e melhor pessoa humana, meu amigo João Vitor Strauss, que nos deixou muito antes da hora.

    Ele, acostumado com a política, com a economia etc, se apaixonou pelo trabalho, se emocionou ao ver como a revista era importante para os professores, tinha um imenso orgulho da repercussão alcançada entre eles. Além do mais, a revista não visa lucro — é mantida pela Fundação Victor Civita, por sua vez mantida pela Editora Abril.

    Os professores, que como você sabe não ganham o que deveriam, a recebem de graça, não precisam assiná-la nem comprá-la em bancas.

    Mas vou ler o DO com calma.

    Abraços

  • marcos moraes

    Há uma razão que se subdivide em duas. O PT e as esquerdas são contra a meritocracia e suas exigencias: avaliação de desempenho e gestão por resultados ou choque de gestão.

    A outra é resultante desta. Lula viveu de slogan; os nº que surgem demonstram um governo mediocre e pior que o de FHC, num cenário fantasticmente superior.

    Esse cenário não se repetirá. Se não houver desempenho e gestão Dilma vai pra vala.

    MAM